Pesquisar por palavra-chave

quarta-feira, maio 08, 2019

A votação e o potencial dos possíveis candidatos a prefeito de Ananindeua

Análise feita pelo jornalista Luís Freitas verificou o potencial e a votação das principais lideranças que disputaram as eleições de 2018 e estão pré-apresentadas como possíveis candidatos à prefeitura de Ananindeua.
Foto: Diógenes Brandão. Arte: Comitê Digital Pará.

Por Luís Freitas*

A análise dos números da votação para deputado estadual dos candidatos eleitos com “base política” (ou de moradia) em Ananindeua, segundo maior Colégio Eleitoral do Pará (322.306 eleitores), sinaliza para uma série de questão, que quando, devidamente, cruzadas e interligadas, podem fazer uma imensa diferença no tabuleiro político em que atuam e se movimentam. 

Os eleitos obtiveram os seguintes números: Dr. Daniel (113.588); Miro Sanova (52.619); Eliel Faustino (47.183); Chicão (40.268); Fábio Figueiras (29.077) e Professora Nilse (18.391). 

O médico Dr. Daniel sai das urnas como principal liderança local. Fato consolidado com sua eleição à Presidência da Alepa. Em Ananindeua, ele obteve 42.801 votos, o que representa 17,67% dos válidos da cidade, o que já garantiria sua eleição a deputado pelo PSDB, sem votos de outro município.  

Em seguida, em termos de votos, temos: Miro com 11.850 (4,89%); Fábio Figueiras 11.012 (4,55%); Eliel Faustino 8.646 (3,57%); Chicão 7.576 (3,13%); e Professora Nilse 6.220 (2,57%) dos votos válidos de Ananindeua. 

É importante observar que todos os candidatos eleitos tiveram votação em mais de 100 municípios paraense. Com destaque para Miro (144 cidades) e Dr. Daniel (140). Depois, vem empatados Chicão e Fábio Figueiras (129), Eliel (122) e Professora Nilse com 101 cidades. 

Ao contextualizar a votação dos candidatos, nos 25 maiores colégios eleitorais do Pará, observamos uma característica comum – “o distanciamento da base política” (ou de moradia) a que pertencem, quanto ao número de votos e o peso para suas eleições. 

O médico Dr. Daniel é uma exceção, assim como, de forma menos acentuada, os casos de Fábio Figueiras e Professora Nilse. 

Vale ressaltar que tais características comuns de “distanciamento da base política” estão vinculadas diretamente aos três candidatos que disputaram a reeleição.


Assim, ao analisar o quadro da importância de Ananindeua na votação dos seis eleitos, nos 25 maiores colégios eleitorais (em números absolutos e percentuais), podemos concluir que ao disponibilizar seus nomes para uma disputa local em 2020, Miro (PDT), Chicão (MDB) e Eliel  (DEM) estarão abrindo mão de participar, ampliar e consolidar suas lideranças, como apoiadores de candidaturas em outras cidades, que foram importantes no processo de suas reeleições.

No oposto, o médico Dr. Daniel, Fábio Figueiras e Professora Nilse, encontram-se mais à vontade para disponibilizar seus nomes para uma disputa à Prefeitura de Ananindeua. Se o farão, já é outra história.

*Luís Freitas é jornalista, foi presidente do PT Ananindeua, tendo assumido os cargos de Secretário Municipal de Cultura, presidente do DEMUTRAN e em seguida Secretário Municipal de Segurança e Defesa Social de Ananindeua, nas gestões do ex-prefeito Helder Barbalho.