quarta-feira, fevereiro 05, 2020

Outro mundo




Por Edyr Augusto Proença

Não a conheço. A moça. Talvez 25, 30 anos, classe média, certamente com Ensino Superior. Bonita. 

Passa ao lado um rapaz também bonito, músculos trabalhados. Ela pergunta animada se ele já comprou ingresso para assistir Wesley Safadão, ao que ele responde que sim, claro que sim. 

Me deixaram pensativo sobre um país que provavelmente acabou, apesar de tanto otimismo.

Afundamos.

Se o Brasil der certo economicamente, voltarem as indústrias a receber encomendas, não haverá mão de obra qualificada para trabalhar.

A crise da Educação e Cultura explodiu de vez. Muitos analfabetos funcionais.

Não há compreensão daquilo que é escrito, e talvez, apenas, do que é ouvido, nesse dialeto que as pessoas passaram a usar.

Não se trata do desenvolvimento da Língua, que é algo dinâmico e sim a inversão das regras, invenção de palavras, ignorando tudo.

Meu amiguinho, chegando à quarta ou quinta série, não sabe nada de nenhuma matéria. Vai passando. A professora me perguntou se era melhor reprová-lo e com isso, fazer com que ele nunca mais frequentasse escola.

Os do Ensino Médio estudam para passar. Há trabalhos, uma série de pacotes que visam melhorar a nota. E vão passando.

Ando pelas ruas. Me relaciono com pessoas. Ouço o que dizem. Às vezes pergunto sabendo a resposta. Estou vivendo em uma dimensão paralela.

Essas pessoas felizes, não gostam de ler, ouvem músicas tipo “atirei o pau no gato”, lotam cinemas para assistir filmes de super heróis que a minha geração assistia aos doze anos de idade. Nada para pensar, nada para analisar, nada para responder, nenhuma opinião. E estão felizes.

Envelheci. Trabalhei com música pop a vida inteira e agora não consigo ouvir nada. Ouço no carro o cd de Oleg Tumanov, com músicas cantadas por Joyce, Jane Duboc, Paulinho Moska e outros, arranjos e instrumental de primeira qualidade e concordo que é música do passado. Não se faz mais música assim. Procuro quem possa debater comigo o último livro de Leonardo Padura e só encontro meus amigos de sempre.

Ao Teatro comparecem as mesmas pessoas de sempre. Na Casa Cuíra, muitas vezes, dizem, encantados, que nunca haviam assistido a uma peça de teatro.

Assisti a um programa da Globo, de humor, satirizando os telejornais. Duvido que o grande público entenda 10% das ironias contidas no texto.

Entre em qualquer casa de Belém de menor poder aquisitivo e na televisão permanentemente ligada estará SBT ou Record. Uma questão de estética.

Concordo com o arquiteto Flávio Nassar, na entrevista a Tito Barata em “Papo no Tucupi”. “Belém não tem jeito”. Pensem bem. Não tem.

Nossa culpa. Nós, que apesar de gostar de ouvir boa música, assistir bons filmes, boas peças de teatro, não saímos de casa por pura preguiça.

Não vamos. Não enchemos as cadeiras. Eu gosto, mas dá uma preguiça...

As raras atrações de qualidade agora passam longe da cidade. E somos todos nós que votamos em políticos que até hoje provaram nosso grande poder de auto destruição.

Como é possível um Estado do tamanho do Pará, potencialmente o mais rico do Brasil, continuar pobre, tendo suas riquezas extraídas em grande velocidade, deixando para nós, que aqui moramos, nada. Nada, comparado ao que devíamos receber.

Passo ao largo de casas de shows para jovens e vejo carros importados, lindos, estacionados. Lá dentro, show de sertanejos.

Ligo no Serginho Groissman e lá está uma dupla de homens feios, barrigudos, com chapéus e botas ridículas, entoando uma choradeira devastadora, acompanhados pela plateia de jovens!

Onde está a estética dessas gerações?

Não, as letras bonitas não são essas. 

As melodias bonitas não são essas. 

Os filmes bons não são esses. 

De livros nem falo.

Perdemos umas três gerações que agora assumem postos de comando no país, carregando dentro de si a ignorância e a cretinice.

Onde foi parar o bom gosto?

O equilíbrio?

 O desafio, na direção do novo?

Você já parou para pensar em quem você é?

No que acredita?

Quais suas opiniões?

Tem algum pensamento na direção do coletivo da cidade?

Pretende contribuir com alguma coisa?

E pior do que tudo, há algum porvir para os jovens nesta cidade em escombros?

O cemitério hospitalar de Helder Barbalho

Depósito da SESPA está mais para um cemitério de equipamentos hospitalares, denuncia populares. Por Diógenes Brandão O escândalo ...