Pesquisar por palavra-chave

terça-feira, maio 20, 2008

A Pólis Vizinha

Eleições 2008

PT Ananindeua, um novo desastre se anuncia

Por Luís Freitas.

“Contra o gabinetismo, a prática culta da vida!”

(Osvald de Andrade – Manifesto Pau-Brasil)

Fazem 8 anos em que o PT Ananindeua, vitorioso politicamente ao eleger 3 vereadores em 1996, saiu em frangalhos das eleições de 2000 ao lançar uma candidatura majoritária sem nenhum vínculo com o Partido na cidade, dentro da lógica de que era necessário “contemplar o agrupamento que dirigia a Prefeitura de Belém” e os interesses “macro do PT”.

Karl Marx diria que a história só se repete enquanto farsa. A movimentação da Casa Civil do Estado e de alguns dirigentes do PT Estadual em viabilizar o nome da neo-petista Sandra Batista, como vice numa possível chapa de aliança com o PMDB local em 2008, soa como farsesca.

Em 2000, a candidatura a prefeito de Luiz Araújo, com o apoio de parcela da Direção Estadual, quebrou o Partido em Ananindeua. Brecht perguntaria a quem restou a tarefa de reconstruir as ruínas do PT local? Nenhum dirigente que apoiou a tal iniciativa de “fora para dentro” e “cujo nome tinha maior expressão política”, voltou para saber se houve sobreviventes. Mas, houve! E, coube a esses a missão de soerguer o Partido, mérito, portanto, do PT local.

Foram quatro anos para reconstruir a “unidade partidária”, a “confiança interna entre cada tendência” e o “respeito e cumplicidade entre dirigentes e militantes”. Era ainda o PT das diferentes concepções e práticas, porém mediadas pela relação dialógica e do convencimento pelas idéias visando o fortalecimento partidário.

O PT tornou-se, de fato, maior que as tendências e os interesses pessoais ou de grupos. Sobrevivemos e mantemos até hoje a Sede do PT aberta, apesar de todas as adversidades, em área nobre de Ananindeua. Em 2004, em um cenário totalmente adverso buscamos saídas para demarcar nosso campo junto à sociedade Ananin. Havia alguns horizontes. No entanto, a pedido do Diretório Estadual e da coordenação da campanha Ana Júlia à Prefeitura de Belém, o PT Ananin se anulou das mesas de negociações sobre as eleições locais e construiu uma campanha majoritária objetivando angariar o apoio do PMDB para o 2º turno em Belém. A orientação da Direção Estadual e da coordenação da candidata Ana Júlia era: “não atacar o PMDB e Helder Barbalho”. Dentro dessa lógica, seriam assegurados apoio e infra-estrutura para fortalecer as candidaturas proporcionais do PT no município. Não se cumpriu. Em 2005, dentro da política nacional de ampliação das alianças políticas, o PT Ananin, após uma série de debates democráticos e legítimos, aceitou o convite de participar do Governo do PMDB. Sofremos uma saraivada de críticas (muitas das vezes infundadas e injustas). Tocamos em frente. Estreitamos e consolidamos relações com o PMDB. Depois, ampliamos participações na gestão Helder Barbalho. Coordenamos juntos, na cidade, a campanha de reeleição do presidente Lula e no 2º turno da companheira Ana Júlia ao Governo do Estado. Fomos vitoriosos. Chegamos em 2008, tendo o prefeito Helder Barbalho como um dos principais defensores do Governo Lula e das ações da governadora Ana Júlia na cidade, além de estar aberto para compor uma chapa a prefeito tendo o PT como vice e dentro de uma estratégia de construirmos uma bancada representativa de vereadores na Câmara Municipal. Vislumbramos, dessa forma, a retomada do PT Ananin, a exemplo do que já ocorre no Brasil e no Pará, como um partido de força e intervenção qualificada no município. Merecemos isso. esse sentido, organizamos um dos maiores PED do Brasil proporcionalmente. Mobilizamos nossa base. Realizamos votação para tirada de delegados. Fizemos encontro de delegados com mais de 150 companheir@s. Aprovamos a tese sobre política de aliança de forma democrática, transparente e legítima, tendo sempre como referência a estratégia estadual do PT e não de grupos ou governo. Então como ousam agora alguns “paladinos da tática e estratégia sempre corretas”, “arautos do Partido” e “estrelas momentâneas do poder” anunciarem que o PT Ananin não tem quadros históricos com capacidade, maturidade ou legitimidade para ser o senhor do seu destino? Como diria o poeta: “na primeira noite, eles entram em nossa casa roubam uma flor e não dizemos nada... Na segunda noite, eles entram em nossa casa, pisam em nosso jardim, matam nosso cão e não dizemos nada... Até que um dia, o mais frágil deles, sozinho, entra em nossa casa, rouba nossa luz, apaga nossa voz e já não podemos dizer mais nada”! O PT Ananin com seus dirigentes e históricos militantes já demonstraram ao longo da construção partidária seu compromisso com o fortalecimento do PT em Belém, no Pará e no Brasil. Agora é a hora do PT Ananin ocupar seu lugar ao sol, assim como, já ocorreu em tantas outras cidades e estados do país. Vamos fazer valer nossa estrela! Vamos fazer brilhar nossa história! Vamos governar Ananindeua!
Ananindeua, maio de 2008.
Luís Freitas, é professor, jornalista, ex-vereador e secretário geral do PT Ananin.