Pesquisar por palavra-chave

quarta-feira, setembro 08, 2010

Ana Júlia diz que PSDB sucateou a Cosanpa para privatizá-la

Ana Júlia Carepa (PT), candidata à reeleição ao governo do Estado pela Frente Popular Acelera Pará, assegurou que manterá a Companhia de Saneamento (Cosanpa) estatizada, na manhã desta quarta-feira, 8, durante entrevista ao vivo, no estúdio da Rádio Marajoara, transmitida para as regiões Metropolitana, Marajó e Baixo Amazonas. Ela disse que, quando assumiu o governo, em 2007, encontrou a Cosanpa sucateada, preparada para a privatização. “Fortalecemos a Cosanpa. Fizemos 40 mil ligações de água no nosso governo. Se a oposição voltar, o futuro da Cosanpa será a privatização. O serviço vai piorar e ficar mais caro, assim como eles fizeram com a Celpa”, disse Ana Júlia. Ela também falou do "desespero" tucano ao esconder Serra no Pará e tentar pegar carona na aprovação do presidente Lula.

A entrevista foi transmitida em cadeia pelas emissoras 100,9 FM e Marajoara AM, de Belém, Ximango, de Alenquer e Guarany, de Soure. Durante uma hora, Ana Júlia respondeu perguntas do apresentador Afonso Melo sobre as ações realizadas e as metas para o próximo mandato nas áreas de saúde, educação e segurança pública, entre outros.

DESESPERO TUCANO - Ana Júlia também respondeu sobre o fato do seu adversário usar imagens do presidente Lula em seu horário eleitoral, enquanto esconde o candidato a presidente do partido dele, o PSDB: “Isso é desespero. Eles escondem o Serra. Querem pegar o embalo do Lula porque ele tem altíssimo índice de aprovação popular. Mas eles sempre fizeram oposição ao Lula, sempre votaram contra o Lula, atrapalharam o governo dele. E agora tentam colar no Lula, pensam que o povo é bobo”, frisou Ana Júlia.

A candidata ressaltou a importância da parceria da gestão atual no governo do Estado com o presidente Lula, que ajudou a trazer ao Pará as obras estruturantes que estão atraindo investidores ao Estado. “Foi preciso eu ser eleita para buscar para o Pará a siderúrgica da Vale que eles já tinham perdido para o Maranhão. Eles não se importaram. Eu fui lá em Brasília buscar eclusas (de Tucuruí), hidrovia (do Araguaia-Tocantins) e Belo Monte (hidrelétrica)”, lembrou Ana Júlia, citando as obras que trouxeram viabilidade econômica para a Vale escoar a produção da Aços Laminados do Pará, que irá, pela primeira vez, industrializar o minério de ferro dentro do Estado, gerando emprego e renda à população local.

As obras de infra-estrutura, os incentivos fiscais e a regularização fundiária e ambiental ajudaram a atrair 11 mil empresas ao Estado, somente nos últimos 12 meses. O Pará bateu recorde com a geração de quase 40 mil empregos. A previsão do Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese) é de que mais 120 mil empregos serão gerados no Estado nos próximos quatro anos. No entanto, Ana Júlia confidenciou que, no ritmo que o Pará está crescendo, a estimativa de empregos será superada. “Avançamos muito em todas as áreas, mas precisamos avançar mais (...) Primeiro foi com o Lula e agora vou fazer parceria com a Dilma (Rousseff – PT)”, concluiu.

Fonte: www.anajulia13.com.br

Releia outra postagem sobre este assunto aqui