Pesquisar por palavra-chave

terça-feira, fevereiro 04, 2014

Eleições 2014: PSDB, PMDB e PT mexem suas pedras



O blogueiro, mesmo ocupado com tarefas do ganha pão, não poderia deixar de fazer suas considerações sobre o anúncio do governador Simão Jatene, feito hoje após a mensagem que proferiu aos deputados estaduais na ALEPA.

Em entrevista à imprensa, Jatene só disse que se descompabilizará do cargo, dia 08 de Abril deste ano, prazo máximo estipulado pela lei eleitoral e criou expectativa não só em seu partido, quanto nos demais, haja vista que sua decisão mexe em todo o tabuleiro político-eleitoral das próximas eleições.

Há quem suspeite que Jatene esteja esticando a corda afim de observar a movimentação do lado de fora, ou seja, quais serão as mexidas dos dois maiores partidos adversários do PSDB no Pará, o PT e o PMDB.

Com a especulação sobre uma eventual candidatura do atual governador ao Senado, a cogitada coligação entre o PT e o PMDB pode fazer água, já que a candidatura deste representa uma ameaça muito mais significativa neste pleito, onde há apenas uma vaga ao Senado. Especula-se de que consagrada este hipótese, o atual prefeito de Ananindeua, Manoel Pioneiro, seria o candidato à sucessão de Jatene pelo PSDB.

No entanto, observadores próximos ao PMDB imaginam que toda essa expectativa pode ser apenas um blefe para o nome do governador seja preservado e a candidatura de Helder Barbalho não avance nas negociações de acordo com parte de base aliada de Jatene. 

PT, a noiva indecisa.

Com a 2ª maior bancada de deputados estaduais, várias prefeituras e uma militância aguerrida, o Partido dos Trabalhadores no Pará ainda não definiu qual será sua posição nestas eleições mas o fará  no próximo Encontro Estadual do partido, previsto para os dias 28 e 29 de Março. Na pauta: tática, política de alianças, programa para as eleições 2014.

A grande expectativa do encontro é se o partido terá candidatura própria ou apoiará a candidatura majoritária do pré-candidato do PMDB, o ex-prefeito de Ananindeua, Hélder Barbalho. 

Mantida a polarização, a vaga ao Senado promete ser mais disputada do que o próprio governo.

Quem viver, verá!