Pesquisar por palavra-chave

terça-feira, junho 24, 2014

Avisem ao Tino Marcos

Tino Marcos corrige Galvão Bueno e hoje corre risco de vida.

Alguém precisa avisar ao comentarista Tino Marcos, que do dia do jogo da abertura da copa pra cá, ele é tido como 'persona non grata' pela família controladora das Organizações Rômulo Maiorana (ORM), aquela que é proprietária de prédios, uma fábrica de refrigerantes, um hotel de luxo, de rádios, de um jornal e da TV Liberal, afiliada da Rede Globo no Estado do Pará.

O fato do jovem e inteligente comentarista de futebol da "Vênus Platinada" ter corrigido seu colega global, o Galvão Bueno, quando este disse que o hino à capela foi cantado pela primeira vez, em uma partida da seleção brasileira de futebol em Fortaleza e não em Belém, como de fato ocorreu, fez o Portal UOL noticiar o fato afirmando que o Diário do Pará é o principal jornal do Estado e não o Jornal O Liberal que reivindica a mesma posição, há muito tempo superada pelo concorrente. 

Mesmo assim, a notícia publicada causou um tremendo furor nos herdeiros do império da comunicação, montado à base de contrabando e alianças espúrias com a ditadura militar e setores atrasados da política e mantido por corrupção, chantagens, sonegação de impostos e até desvio de recursos públicos. 

Tino Marcos, eu sei que não tens culpa e que foi o UOL que disse o que todos nós sabemos, mas quando vieres ao Pará, não aceite a hospedagem no Radisson Hotel Maiorana Belém. Seu café tem enormes chances de ser envenenado. 

Vai por nós, paraenses!