Pesquisar por palavra-chave

quinta-feira, junho 26, 2014

O reizinho e suas bravatas

Nota em destaque na coluna "Repórter Diário", do jornal Diário do Pará, em 26.06.2014.

Depois que revelei o Rei da quitanda defendendo o tucanistão paraense, o jornal Diário do Pará percebeu a onda de solidariedade que este blogueiro vem recebendo de vários internautas e noticiou o fato, confirmando a má fama e os atos de covardia e empáfia do reizinho, na coluna mais lida e comentada do jornal, o Repórter 70, na edição desta quinta-feira (26).

Conversando com amigos advogados que estão de prontidão para agir em minha defesa, constatamos com estranheza o fato de que Ronaldo Maiorana, sendo um rico advogado, que possivelmente conhece as leis e tem todo o direito (e dinheiro) de defender sua vida e a de seus filhos - ainda não cumpriu a promessa de procurar a polícia e denunciar aqueles que, segundo ele estão ameaçando-lhes. 



O caso é grave ou uma grande mentira, mas foi isso que foi colocado em público através de seu perfil no Facebook. Pra piorar, o filho caçula e herdeiro do império de comunicação, denominado de ORM (Organizações Rômulo Maiorana) - que no Pará retransmite a rede Globo, controla várias rádios e o jornal OLiberal - não mede esforços para revelar seu comportamento arrogante e cheio de bravatas.

Da minha parte, continuarei a exercer a liberdade de expressão pelos meios que me são possíveis e como não tenho medo, nem tão pouco qualquer interesse de algum dia servir-lhe como empregado, manterei o bom combate contra todos que utilizam as outorgas públicas para os serviços de radiodifusão e as utilizam com o viés do lucro fácil e assassinando reputações de quem bem entendem, tal como os barões da mídia estão acostumados a fazer no Brasil.

TV Liberal é alvo de protestos por manifestantes em Belém do Pará. Foto: Mídia Ninja.

É por essa e por outras, que em Agosto do ano passado, no auge das manifestações públicas que sacudiram o país, as empresas da família Maiorana foram atacadas por manifestantes que protestavam em Belém, jogando-lhe fezes de animas e queimando um caixão da rede Globo em protesto contra sua manipulação através dos meios de comunicação.