sexta-feira, julho 07, 2017

E quando os escândalos de corrupção envolvem o meu candidato ou partido?

Pela manutenção de nossas crenças é fácil compreender o porquê de sermos tão céticos quando tomamos conhecimento de informações que nos contrariam.

Por Ruiz Ritter, no Justificando

Acreditar espontaneamente nos escândalos de corrupção envolvendo nossos candidatos ou partidos políticos é, sem dúvida, um desafio. Afinal, ainda que ninguém se auto considere intolerante de modo geral (e aqui mais especificamente no que diz respeito àquilo que contraria o que previamente acreditamos), a verdade é que somos, sim, naturalmente céticos em relação a tudo que desafia nossas crenças, valores e ações passadas ou planejadas. E isso pode não ser bom. Principalmente, levando em consideração que a persistência em crenças, valores e ações equivocados, costuma nos custar caro nos mais variados contextos.

Uma teoria que aborda com precisão esse fenômeno e que deve ser aqui mencionada é a teoria da dissonância cognitiva, desenvolvida no âmbito da psicologia social pelo psicólogo norte-americano Leon Festinger e que trata essencialmente da cognição e do comportamento humano.[1]

Fundamentada na premissa de que o indivíduo tende sempre a buscar um estado de coerência (consonância) entre seus conhecimentos (opiniões, crenças e atitudes), desenvolve-se no sentido de comprovar que há um processo involuntário, por isso inevitável, para se chegar a essa “correlação”, admitidas naturais exceções. Assim, atenta às situações em que há o rompimento desse estado e o indivíduo se encontra diante de incontestável incoerência (dissonância) entre seus próprios pensamentos, ou entre sua ação e sua razão (sujeito que fuma habitualmente – ação – toma conhecimento de que a nicotina é extremamente nociva para sua saúde – razão -, e permanece com o hábito), identifica e apresenta reflexos cognitivo-comportamentais decorrentes desse contexto antagônico e inquietante.

O âmago da teoria em questão pode ser sintetizado em duas hipóteses:

(a) existindo dissonância cognitiva haverá também uma pressão involuntária e automática para reduzi-la; e,

(b) quando há essa dissonância, além da busca pela sua redução, há também um processo de evitação ativa de contato com situações que possam aumentá-la.

É dizer que, admitindo-se que o indivíduo tenta sempre estabelecer uma harmonia interna entre suas opiniões, ações, crenças e etc., havendo dissonância entre essas cognições, dois efeitos subsistirão imediatamente: uma pressão para a eliminação dessa “incoerência” entre os “conhecimentos” ou “entre a ação e a razão”; e, um afastamento ativo de possíveis novas fontes de aumento dessa incongruência; cenários responsáveis pelo desencadeamento, no indivíduo, de comportamentos involuntários direcionados à recuperação desse estado de consonância plena que tanto é favorável.

Sendo assim, sem adentrar em tais processos involuntários, repita-se, que se desencadeiam a partir daí (em busca da retomada da consonância cognitiva), o que particularmente interessa aqui, é que se há, de fato, uma preferência de nosso sistema psíquico pela manutenção de nossas crenças, é fácil compreender o porquê de sermos tão céticos quando tomamos conhecimento de informações que as contrariam: elas geram dissonância cognitiva e estamos sempre tentando evitá-la ou eliminá-la.

Daí não ser surpresa alguma vermos eleitores do Partido dos Trabalhadores (PT) descartarem de plano e refutarem com veemência notícias de possíveis práticas criminosas envolvendo o ex-Presidente Lula, de forma idêntica à que vemos eleitores do Partido da Social Democracia Brasileira (PSDB) contestarem notícias dessa natureza ligadas ao senador Aécio Neves, para dar apenas dois exemplos.

Enfim, tencionar nossas próprias crenças e valores dando espaço para opiniões divergentes pode ser um bom exercício de tolerância, além de muito contribuir para a diminuição da polarização estúpida que domina o cenário político do País e impede um debate sério e enriquecedor capaz de nos tirar desse buraco.

Ruiz Ritter é advogado criminalista, Mestre e Especialista em Ciências Criminais pela PUCRS.

[1]  FESTINGER, Leon. Teoria da dissonância cognitiva. Trad. Eduardo Almeida. Rio de Janeiro: Zahar Ed., 1975.