Pesquisar por palavra-chave

sábado, fevereiro 03, 2018

Mudanças de Zenaldo Coutinho levam o carnaval de Belém para a vala

A imagem da nova passarela do samba em Belém, revela o que muita gente já sabia: O prefeito quer acabar com o desfile das escolas de samba durante o carnaval e está prestes a conseguir.

Por Diógenes Brandão

Desde que soube das mudanças propostas pela prefeitura de Belém para o local e a dinâmica do carnaval da cidade, diversas pessoas passaram a se contrapor ao projeto. Um destes foi o advogado e carnavalesco Cláudio Bordalo, que vem usando seu perfil no Facebook para mostrar o quanto a equipe da FUMBEL e demais assessores do prefeito Zenaldo Coutinho (PSDB) estavam ajudando a acabar com alegria da festa de momo, ainda mantida graça aos esforços de carnavalescos como ele, assim como de brincantes que sempre esperam pelo desfile das escolas de samba e blocos de carnaval em nossa cidade.

Com o fiasco na abertura do Desfile Oficial do Carnaval 2018, na noite desta sexta-feira (02), as escolas de samba e blocos puderam confirmar o erro de terem aceito que a prefeitura tenha levado o evento para a Avenida Marechal Hermes, um local isolado e sem a infraestrutura necessária para abrigar a festa carnavalesca.

O Bloco Colibri, da Pedreira, abriu a noite de desfile fazendo uma homenagem pela vida e um protesto pela morte do carnavalesco Alex Meireles, assassinado há dois meses em Belém, cidade que amarga um caos administrativo em diversas áreas, sobretudo na segurança pública. 

"Alex foi o fundador do bloco e era ex-presidente da Escola de Samba Embaixada Pedreirense. O bloco Colibri desfilou com um casal de mestre sala e porta bandeira e uma bateria, além de brincantes com camisas homenageando o fundador. No meio da avenida eles clamaram por justiça para o caso de Alex", informou o portal da prefeitura de Belém.

O Carnaval Oficial de Belém segue neste sábado (03) a partir das 20h, com o desfile das escolas do primeiro grupo, as quais deveram enfrentar diversos problemas, tal como aconteceu ontem.

Até os mais céticos chegaram a acreditar que as mudanças poderiam melhorar o já combalido Carnaval de Belém, que sofre pelo ínfimo investimento feito pela prefeitura, mas veja o que disse o carnavalesco Claúdio Bordalo, diretor do bloco Chupicopico:

"Fui ontem na Marechal Hermes e desfilei nos Colibris na Homenagem ao amigo Alex Meireles.  

Em relação ao local do evento continuo considerando ter sido uma insanidade a mudança. Taparam os buracos mas não retiraram as inúmeras falhas existentes no asfalto. 

Lá, diferente do bairro da Pedreira, não existe um público cativo. E ontem não tivessem liberado não teria ninguém nas arquibancadas e camarotes. 

As escolas de samba e Blocos, pelo espetáculo que apresentam, salvo as do grupo 1 (leia-se Rancho e Quem São Eles ) não conseguem vender ingressos. E olhem que as arquibancadas de "desfile infantil" tem a capacidade limitada a mil lugares. 

Outro absurdo foi a podagem agressiva realizada na mangueira que fica ao final da pista de desfile.

Outro inconveniente para o uso do local é o trânsito. Ontem no desfile de escolas médias foi grande o transtorno causado em uma das vias mais movimentadas da cidade, a av. Pedro Álvares Cabral, por onde trafegam dezenas de linhas de ônibus e grande número de outros veículos. 

Foi apenas um anúncio de como será hoje no desfile das grandes escolas. Lá tomei conhecimento de que os moradores milionários dos apartamentos da Pedro Álvares Cabral entraram na justiça para tentar impedir o desfile naquele local. 

Hoje de madrugada deu para ver a dificuldade do carro do Habitat do Boto para fazer a curva fechada para sair da área de dispersão. Fiquei imaginando como será hoje com os carros das grandes escolas. A pista de desfile não chega a 300 metros. Na Aldeia são 400.  

Ah! me surpreendi em constatar que as propagandas e cervejas vendidas são da CERPA e não dá AMBEV conforme havia sido fartamente divulgado. Aí fiquei em dúvida. 

Será que a AMBEV foi comprada pela CERPA ou viu a "CAGADA" onde estava se metendo e deu o fora? 

Fiquei me perguntando será que a CERPA manteve o acerto que a AMBEV havia feito de pagar a estrutura de arquibancadas e o som ou está sendo usado o dinheiro que o governo repassou do qual uma parte era para ser repassado para os blocos e escolas menores conforme promessa do prefeito o que não ocorreu."

Também pelo Facebook, o médico e brincante Márcio Maúes ironiza com uma foto que mostra a passarela do samba, alagada.