Pesquisar por palavra-chave

BATE-PAPO DA PÓLIS

quinta-feira, junho 07, 2018

Antes da grande mídia, DCM já havia revelado: Lava Jato ignora e-mail em que FHC pede doação à Odebrecht

Sérgio Moro: Para FHC e o PSDB, doação de empreiteiras é legal e normal. Para Lula e PT é ilegal e punida com prisão.

Por Joaquim de Carvalho, no DCM em 05 de Maio de 2018.

Desde que Lula começou a ser investigado, não se encontrou com o ex-presidente uma mensagem, gravação, documento ou qualquer coisa que lembre remotamente prova que o incrimine. É tudo ilação, delação premiada ou depoimento de réu.  

No entanto, ele foi condenado a 12 anos e 1 mês de prisão e, ainda que tenha direito a novos recursos, já se encontra na cadeia.  

Mas bastou ao empresário Marcelo Odebrecht apresentar os e-mails que tinha arquivados para aparecer mensagens comprometedoras de Fernando Henrique Cardoso.  

Entre os emails, existem duas mensagens que, se tivessem a assinatura de Lula, o Ministério Publico Federal pediria a sua prisão perpétua — se houvesse esse tipo de pena no Brasil.  

Em uma das mensagens, Fernando Henrique Cardoso solicita diretamente a Marcelo Odebrecht doação para seu instituto.  

Em outra, Fernando Henrique indica um candidato a deputado federal para receber recursos da empreiteira.  

Os e-mails foram relacionados em um pedido da defesa do ex-presidente Lula para que sejam juntados no processo do sítio de Atibaia.  

Pela decisão de Moro, os advogados puderam ter acesso aos e-mails de Marcelo Odebrecht, como queriam, mas deveriam apenas indicar as mensagens. Foi o que fizeram.  

A Moro, caberá decidir se esses e-mails devem ou não ser incluídos no processo.  

Até agora, Moro não decidiu.  

O objetivo da defesa é mostrar que, no caso de institutos, não há crime algum solicitar doação.  

Pelo jeito, o Ministério Público Federal pensa assim.  

Mas apenas quando o destinatário da doação é do PSDB. Se pensasse diferente, não teria ignorado os e-mails de Fernando Henrique.  

A Lava Jato trabalha com duas balanças — uma é para Lula e o PT. A outra é para os tucanos.  

E no Brasil essa prática de dois pesos e duas medidas por parte de setores do Ministério Público e do Judiciário se tornou normal.  

Como disse o relator do recurso apresentado ao Tribunal Regional Federal da 4a. Região, João Pedro Gebran Neto, em que Lula teve a condenação confirmada, processos por corrupção devem ser analisados “caso a caso”.  

Disse ele:  

“As corrupções envolvendo agentes políticos ganham contornos próprios, e a solução deve ser buscada caso a caso. Não há como definir, portanto, uma fórmula de ouro aplicada a todo e qualquer processo, pois a atividade política transborda muitas vezes os estritos limites do cargo, inclusive temporais, podendo interferir nos mais variados órgãos da administração pública direta ou indireta.”  

Em outra palavras, o que vale para Lula não vale para Fernando Henrique.  

Ou vice-versa.

O nome do deputado a quem Fernando Henrique Cardoso solicita doação está sendo mantido em sigilo, mas não é ninguém do primeiro time dos tucanos.