Pesquisar por palavra-chave

quarta-feira, julho 04, 2018

Sem consultar seus aliados no Pará, Temer faz acordo que prejudica o Estado

Michel Temer não foi importunado por nenhuma liderança política do Pará, mesmo tendo anunciado um acordo com a VALE que pode adiar o sonho do desenvolvimento do Estado através de uma melhoria na infraestrutura logística prometida e nunca exercida pelos governos que se revesam no poder.

Por Diógenes Brandão

O anúncio de que o governo Temer havia fechado acordo com a VALE para novamente prejudicar o Estado do Pará e nos limar das compensações pela bilionária extração de minérios do solo paraense, caiu como uma bomba no metiê político. Cientes do mal estar que essa medida causaria,  foi criado um mise en scene pelas equipes de comunicação do senador Jader Barbalho e de seu filho, o ex-ministro Helder Barbalho, ambos do MDB, partido do presidente que assumiu o poder logo depois do impeachment da presidente Dilma Rousseff, o qual foi conduzido pelo presidente da Câmara dos Deputados, o Eduardo Cunha. 


Em fotos e vídeos publicados em suas redes sociais, além de artigos publicados no jornal e diversas matérias na TV e rádios de sua propriedade, os Barbalhos trataram de mostrar que estavam reagindo, tardiamente, pelo leite derramado e procuraram o segundo escalão do governo para tentar reverter ou pelo menos dizer que tentaram evitar mais um revés que o povo paraense levou do governo, o qual são aliados. 

Afinal de contas, estamos há 03 meses das eleições e todos querem se safar da responsabilidade de terem sido omissos, como se isso não fosse a realidade nua e crua da nossa classe política, em relação aos grandes projetos que usam e abusam das nossas riquezas e nos deixam com as crateras e sérios problemas sociais, ambientais e econômicos. 


Em seu perfil no Facebook, o jornalista José Maria Piteira foi um dos primeiros a gritar:

Vejam mais esta enorme sacanagem com o Pará: dinheiro de renovação de concessão de ferrovia do Carajás, no Pará, vai financiar construção de ferrovias em outros estados do País. A propalada ferrovia do Pará foi para as cucuias. O governo do Pará e os nossos representantes em Brasília fazem ouvido de moucos.  Orçada em R$ 4 bilhões, a Ferrovia de Integração Centro-Oeste (Fico) será construída pela mineradora Vale, que em troca terá as concessões das linhas férreas Carajás (no Pará e no Maranhão) e Vitória–Minas renovadas até 2057. Mesmo descontando o que a mineradora gastou para duplicar a estrada de ferro Carajás, a empresa teria de desembolsar R$ 4 bilhões, mas vai construir a Fico em contrapartida.

Piteira baseou-se na matéria do Wellton Máximo, repórter da Agência Brasil que escreveu a matéria: Governo anuncia parcerias com Vale e MRS para construir ferrovias 


O governo recorrerá à iniciativa privada para construir ferrovias consideradas estratégicas. Em troca, as empresas terão outros contratos, como concessão de linhas férreas, renovados por 30 anos. A iniciativa foi anunciada hoje (2) pelo ministro-chefe da Secretaria-Geral da Presidência, Ronaldo Fonseca; pelo ministro dos Transportes, Valter Casimiro, e pelo secretário especial do Programa de Parcerias de Investimentos (PPI), Adalberto Vasconcelos.

Dois projetos terão prioridade. O primeiro será a Ferrovia de Integração Centro-Oeste (Fico), de 383 quilômetros, entre Água Boa (MT) e o entroncamento com a Ferrovia Norte–Sul em Campinorte (GO). O segundo será o Ferroanel de São Paulo, de 53 quilômetros, entre as estações de Perus, na capital paulista, e de Manoel Feio, em Itaquaquecetuba, na região de Mogi das Cruzes (SP), com traçado paralelo ao trecho norte do Rodoanel paulista.

Orçada em R$ 4 bilhões, a Fico será construída pela mineradora Vale, que em troca terá as concessões das linhas férreas Carajás (no Pará e no Maranhão) e Vitória–Minas renovadas até 2057. Mesmo descontando o que a mineradora gastou para duplicar a estrada de ferro Carajás, a empresa teria de desembolsar R$ 4 bilhões, mas vai construir a Fico em contrapartida.  Continue lendo..


Em resposta ao email encaminhado por este blog à Secretaria de Desenvolvimento Econômico, Mineração e Energia, o atual secretário, Eduardo Leão, informou: "A ferrovia continua firme e forte. Estamos solicitando audiência com o presidente Temer sobre esse fato.  

A ferrovia Paraense é um fato para o nosso Estado. O Governo Federal poderia ajudar na sua implantação mas sem eles vamos em frente de qualquer forma. O projeto é interessante e viável economicamente."




O projeto foi apresentado pela SEDEME, em Março de 2017, quando Adnan Demachki ainda era o titular da secretaria. Mesmo deixando o cargo no dia 06 de Março para concorrer ao governo do Estado, Adnan não deixou de se manifestar sobre o ocorrido, em uma nota distribuída à blogs e demais veículos de imprensa. Nela, Adnan, que já desistiu de sua candidatura, aponta a responsabilidade da bancada paraense em Brasília (deputados e senadores), por serem omissos.

Leia a manifestação de Adnan em sua fanpage:



Em um comentário do post, o internauta Marcos Roberto Carvalho disse: "O Adnan fez tudo o que estava no alcance dele. Provocou o ministério dos transportes, provocou duas audiências públicas na câmara federal e no Senado, mandou um e-mail pra cada parlamentar inclusive os estaduais, esteve nas federações informando dessa possível manobra contra o Para. Tem um ano que o Adnan está denunciando. Mas sozinho ele não faz nada. Isso é assunto de senadores, de governador, de uma bancada inteira. Aliás, o Adnan tem sido uma andorinha. Só ele tem feito um esforço pro dinheiro da vale ficar no estado. Mas Jarbas, isso não inviabiliza a ferrovia, tem 3 empresas interessadas na concessão da ferrovia paraense, duas chinesas e uma russa".

Na matéria Governo afirma ser ilegal recurso de ferrovia ir para outro Estado, do jornal Gazeta Online, lemos a seguinte postura que causa inveja aos paraenses, que continuam sem vozes capazes de se rebelar de forma efetiva contra essa arbitrariedade do governo Temer e da Vale. 

Em resposta ao anúncio do governo federal, o governo do Espírito Santo anunciou que recorrerá à Justiça Federal contra a decisão, por considerar a modelagem ilegal e prejudicial ao Estado (que assim como o Pará), perderia o seu ramal ferroviário. 

A tese do governo Capixaba é que, com base na lei em vigor desde junho do ano passado que regula outorgas de infraestruturas logísticas, como as ferrovias, não se pode destinar o investimento necessário para a renovação de uma concessão em outro local que não seja a malha ferroviária da estrada de ferro já existente.

BANCADA PARAENSE

Mesmo com diversos membros da bancada paraense em Brasília, não houve notícias de que o presidente Michel Temer tenha sido procurado por algum parlamentar do Estado para tratar sobre o assunto.

No Pará, nem o site do governo e nem tão pouco a fanpage do governador Simão Jatene se encontra alguma manifestação sobre o fato.

Dos três senadores paraenses, apenas Paulo Rocha (PT), que também é pré-candidato ao governo do Pará, não se manifestou sobre o caso. 


Veja as publicações de Flexa Ribeiro (PSDB) e Jader Barbalho (MDB):