Pesquisar por palavra-chave

terça-feira, agosto 28, 2007

Homor Negro na Imprensa Paraense

Publicado no Caderno D da última segunda-feira.



Pelo jeito que a imprensa brasileira anda sendo criticada, muitos da chamada "opinião pública" que nada mais passa de opinião dos donos dos meios de comunicação, estão por certo, desatentos demais para o ato de informar e transformam-se em verdadeiras quitandas de notícias, como um dia citou Lúcio Flávio Pinto em referência à instável posição da ORM frente à Vale do Rio Doce.




Com efeito é logo que encontrado por um dos herdeiros de Rômulo Maiorana, espancado por este e alguns capangas em um famoso e "chique" restaurante da cidade. Ninguém faz nada e o bravo jornalista fica cheio de ematomas em todo o corpo. Imprimia-se a verdadeira face dos que falam em liberdade de imprensa.




Agora com a disputa entre o Jornal O Liberal e o Diário do Pará pela liderança em número e qualidade, já que a peça publicitária que afirmava que O Liberal era o maior, foi alterada para o melhor jornal do norte-nordeste, pelo fato do CONAR ter intimado a Delta propaganda, agência publicitária responsável pela peça que circulou durante anos à fora, a retirar a falsidade do "ar".
A Mentira, atestada pelo IVC - Instituto de verificação de Circulação, tentou maquiar a farsa, que omitia a real situação de crise que o império ORM enfrenta.




Muitos são os pesadelos que os Maioranas enfrentam, um deles é que o investimento na ORM cabo, que custou alto às contas da empresa, foi um fracasso de empreendimento no Estado. Um segundo motivo se dá pela derrota do grupo político (PSDB/PFL) que mais pagou à indústria da notícia e durante 12 anos vendeu aos telespectadores, ouvintes e leitores, um Pará fictício. A mesma receita é seguida pela RBA, que faz de Ananindeua uma cidade modelo, mas basta uma visita a qualquer bairro, à esquerda da BR 316 para que se comprove a realidade: Inexistência de água tratada e encanada, lixões com crianças catadoras, lama onde o asfalto é raro, falta de médicos, entre outras mazelas, são a marca da atual gestão em Ananindeua.




Um outro motivo se dá pela anulação do convênio que garantia o verdadeiro mensalão, de mais de meio milhão de reais para a TV Liberal usar as torres da FUNTELPA, uma afronta ao bom-senso e ao dinheiro do povo-contribuinte.




E como desgraça quando chega vem acompanhada, o maior grupo empresarial do Pará, (Yamada), impõe uma "jejum" à ORM e não anuncia nada em seus meios de comunicação, em retaliação às regras impostas aos anunciantes e rechaçada pelo japoneses que mais vendem fiado no Pará.




Não sabemos até quando ambas as partes pedirá arrêgo, mas uma coisa é certa: 2007 foi o pior ano para os que não perdem a pompa e se dão o luxo de comprar uma rotativa deprimeira linha, que deu mais qualidade e velocidade na impressão do jornal, mas sucesso empresarial (e político) que é bom, neca!




Com a vitória de Ana Júlia a bajulação dispensada pelos maiores concorrentes da comunicação no Pará- RBA e ORM, fica uma pergunta no ar: Quem está de bom "homor" Jáder ou Rominho ?

Lúcio Flávio, o PMDB e o PT em Ananindeua


A provocação feita ao PT de Ananindeua pelo pequeno, porém realista artigo de Lúcio Flávio Pinto em seu jornal pessoal da 1ª quinzena deste mês, gerou desconforto entre militantes daquele município.


Antes, com a secretaria de cultura nas mãos de Luiz Freitas (PT), dizia-se que a aliança inédita nos municípios paraenses entre o partido de Jáder Barbalho e o dos trabalhadores já trazia diversas observações aos mais atentos, que víam alí apenas a consolidação de um acordo entre alguns dirigentes do PT de Ananindeua e o PMDB de Hélder e que em nada interferia na condução da política que era centralizada pelo principal herdeiro de Jáder. Agora com a consolidação de mais um novo espaço (secretaria de Agronegócio - Felipe Bastos) são três os espaços importantes (?) ocupados pelo PT - ou algumas lideranças, como queiram!

Lúcio Flávio só esqueceu de citar o espaço disponibilizado por Heldér ao ex-secretário da extinta secretaria de cultura e ex-candidato à prefeito pelo PT, Luiz Freitas.

Há luz nesse fim-de-túnel? Ou o PT consiguirá um dia eleger vereadores e oxalá um prefeito na segunda maior cidade do Estado?

O mensalão em todos os lugares

Domingo passado (25/08) durante o programa Canal Livre na Band, Roberto Jefferson, ex-deputado "caçado" por receber mais de 4 milhões de reais, naquilo que ele mesmo denominou de "mensalão", reafirmou tudo que dissera anteriormente, lançando diversas lideranças do PT na lama.
No próximo domingo (02/10), no mesmo bat-programa e bat-horário é a vez do ex-chefe da casa civil, José Dirceu ser sabatinado por Fernando Mitre e seus companheiros de emissora.
Lembrando que a tropa da oposição e o relator do processo na CPI instalada para o famoso "mensalão" o classificava como chefe da quadrilha, que envolvia um também famoso publicitário, o "carequinha" Marcos Valério que desde o governo Fernando Henrique era frequentador assíduo do palácio do planalto, mas só foi descoberto pelo amadorismo dos petistas dirigente do partido naquela altura do campeonato.
Há quem diga que teremos recorde de audiência do programa e vendagem do DVD que é disponibilizado pela BAND, mas não esperemos nada de novo do ex-homem forte do governo Lula, poiso mesmo, conta com a defesa jurídica, já que julgado e detonado por quase a totalidade da mídia brasileira.
O que mais incomoda neste circo alegórico que vemos em torno desse fato histórico é que o cerne da questão não deixou de coexistir no seio da vida política brasileira. Pelo contrário, a burguesia continua a financiar as campanhas eleitorais e recebendo em troca as obras e serviços de quem se elege, vide o caso dos empresários de transportes urbano de Belém, que aumentam a passagem quando querem, mantém a frota velha e precária e o gestor municipal nada faz, ou faz: apoia!
O interesse público é refém do interesse privado e quanto mais nos afastamos do processo político, menos democracia iremos desfrutar.
Você crer nesta democracia ou no atual democrata, que formulou a denúncia contra os "mensaleiros" ?

Raul Meireles e o PTP Metropolitano


"O Momento é de somar e não de dividir, o momento é de multiplicar e não de separar."


Raul Meireles, ex-petista, agora secretário municipal de Belém, na Plenária do PTP-Belém.