Pesquisar por palavra-chave

sexta-feira, junho 04, 2010

A verdadeira notícia da Mulher

Numa simples pesquisa de Internet, pude constatar que ainda vigora a percepção machista na imprensa brasileira. Pelo menos dez veículos publicaram reportagens pretensamente eleitorais em que a questão central ficava por conta do corte de cabelo, maquiagem, figurino ou mesmo postura corporal em entrevistas e eventos oficiais da pré-candidata Dilma Rousseff.

Tal comportamento com políticas mulheres não é novidade. A ex-prefeita Marta Suplicy também sofreu com esse mesmo machismo eleitoral da imprensa em 2004 e 2008. Seguidamente, os repórteres perguntavam por que ela estava com cabelos desarrumados ou o porquê de estar usando certas roupas, sapatos, maquiagens.

Nesta pré-campanha, isso já começou a acontecer com relação a Dilma. Nos jornais, a maquiadora que a acompanhou na viagem a Nova York, o novo corte de cabelo, o cabeleireiro Celso Kamura e a suposta preferência de Lula por Dilma usar terninho consumiram várias páginas dos veículos impressos. O cúmulo se deu em uma revista que chegou ao ponto de fazer uma “bonequinha” de Dillma para que o leitor escolhesse o “modelito” mais adequado.

Ocorre assunto não ganha o mesmo destaque quando se trata de candidatos homens. Incrível, mas alguém já ouviu, leu ou assistiu alguma reportagem a respeito do corte dos ternos do pré-candidato tucano José Serra? No fundo, isso acontece porque persiste no imaginário o estereótipo de que é assunto de mulher ou, o que é pior, prevalece o preconceito inverso, de que a política não é o espaço da mulher por definição.

Infelizmente, a realidade política feminina do Brasil ainda é essa. Do total de parlamentares da Câmara Federal, por exemplo, apenas 9% são mulheres. No Senado, essa porcentagem chega a pouco mais de 12% do total. Lamentável também pensar que não chega a 10% o total de prefeitas no Brasil, e que há hoje somente três mulheres num total de 27 governadores —Ana Julia (PT-PA), Roseana Sarney (PMDB-MA) e Yeda Crusius (PSDB-RS). Se considerarmos Wilma de Faria (PSB-RN), que renunciou para concorrer ao Senado, chegamos a apenas quatro governadoras em 2010.

As mulheres, hoje, já conquistaram espaços que eram considerados apenas masculinos, entretanto, os salários, por exemplo, são 70% do valor pago aos homens, ou seja, a mulher ganha 30% a menos que o homem e exercendo o mesmo trabalho. Vale lembrar que o PT foi o primeiro partido a eleger uma mulher prefeita de capital, com Maria Luiza Fontenelle, em Fortaleza, em 1984.

Mas, afinal, por que a mídia não se preocupa em noticiar o plano de governo da pré-candidata Dilma? É mais importante noticiar o que uma candidata fará para resolver problemas crônicos, envolvendo os direitos das mulheres como a violência doméstica, ou o fato de estar vestida com saia verde ou calça vermelha?

Além do afastamento imposto às mulheres no debate sobre os rumos do país, nas eleições, sempre ficam em segundo plano as questões específicas voltadas às políticas públicas às mulheres. É preciso saber o que os pré-candidatos defendem. Por exemplo, o que será feito do programa Bolsa Família, que tem hoje como maioria de beneficiados justamente as mulheres chefes de família, permitindo ampliar a renda familiar e melhorar a educação dos filhos.

Em entrevistas recentes, Dilma já afirmou que irá construir 6.000 creches —1.500 por ano— em todas as grandes regiões e cidades médias brasileiras. Tal iniciativa integra o conjunto de ações do PAC 2 (segunda etapa do Programa de Aceleração do Crescimento).

Definitivamente, esse é um tema desta campanha, que contará ainda com Marina Silva (PV) na disputa. A presença de Marina e de Dilma é reflexo de que o país está maduro para ter uma mulher ocupando a Presidência da República. O presidente Lula já afirmou que o Brasil derrotará o machismo quando eleger uma mulher presidenta. Pela primeira, temos essa oportunidade histórica.

José Dirceu, 64, é advogado e ex-ministro da Casa Civil

Badalados Inglórios 2

Do Bêbado Gonzo









Uuuiii..

A logo do Blog - I

Uma seguidora que tatuou o que acha que deveria ser o layout do blog e pediu o anonimato.

Lalalalalá, tá chegando a hora...


Não adianta reclamar, espernear, muito menos chorar sangue. Se você não gosta de futebol, vai ter que engolir 190 milhões de pessoas ao lado, em cima e embaixo (ui!) amando o esporte mais do que nunca, mostrando a cara horrível de choro e usando clichês absurdos como “Pátria de chuteiras”, perdoável apenas porque foi criado pelo muito safo Nelson Rodrigues, maior PHd em sacanagem que o Brasil já teve. Sim, amigos da rede Globo, mais uma Copa do Mundo está na porta. 


O restantante tá lá no http://bebadogonzo.blogspot.com/ que mereceu ser linkado aqui ao lado.

As novas tecnologias e a internet - Parte I


Não é estranho aos jornalistas, intelectuais, políticos e autoridades públicas o quanto a comunicação é hoje um instrumento mais democrático com o advento da internet. Não é novidade também que estamos diante de uma mudança de paradigmas no jornalismo mais pelos instrumentos disponíveis do que pelo interesse/capacitação dos profissionais da área.
Assim como não é como descobrir a pólvora dizer que as mídias sociais hoje são o que o rádio foi para a comunicação quando só havia o impresso para divulgar notícias e abastecer de conteúdo a sociedade até o século XX, no começo do uso das ondas eletromagnéticas para a difusão de idéias, palavras, sons e imagens possíveis após o advento tecnológico da TV.
Não é de hoje que os satélites transmitem em tempo real um evento esportivo de qualquer parte do mundo para as regiões mais longínquas, isso já se fazia desde a guerra-fria. A novidade agora é que o índio no Alto do Rio Xingú já consegue acessar a internet (via ondas eletromagnéticas) e transmite - se for o caso – uma opinião, revelar um ato criminoso, um desastre ecológico ou um evento de sua tribo. Isso podemos dizer que é novo: A inserção sócio-virtual de milhares de pessoas através da comunicação bilateral.
Aqui nasce mais um termo entre tantos cunhados nos ambientes cibernéticos e não vem à toa, nasce da observação científica do impacto que o uso das novas tecnologias tem sobre a mudança de comportamento da sociedade e da participação e acesso dos indivíduos em produzir conhecimento, transmitir conteúdos e orientar os rumos da vida política e social de milhares de pessoas mundo à fora.
Pode-se dizer que qualquer pessoa pode agregar em um único aparelho celular, tecnologias como recepção de TV Digital, máquina fotográfica e filmadora, GPS, conexão 3G (internet), Bluetooth e infravermelho. Até bem pouco tempo atrás isso era ficção e cada um deste itens só era acessível às altas classes sociais, quando a tinham.
Micro-cameras usadas para filmagens clandestinas de negociações fraudulentas promoveram  a prisão por 2 meses do governador do Distrito Federal no Brasil. James Bond poderia até achar que isso é coisa de um dos seus filmes mas aconteceu e cada vez mais se populariza a produção de vídeos feitos por câmeras em posse de pessoas comuns, fora dos estúdios da grande mídia, mas que acabam se configurando como instrumentos de uma era que ainda não acabou de iniciar..
Prova inconteste são os vídeos de anônimos postados no youtube e acessados centenas de milhares de pessoas ao redor do mundo, causando uma exibição exorbitante ou mensagens do twitter que são replicadas inúmeras vezes.
Continuarei outro dia esta conversa e sua relação com as eleições deste ano, os efeitos positivos do Navega Pará e os blogs das escolas do Pará.
Quer iniciar no mundo das mídias sociais com Blog ou twitter?
Decida-se, mas antes leia aqui.