Pesquisar por palavra-chave

domingo, setembro 15, 2019

Vítimas de incêndio querem saber por que Helder promete ajuda e não cumpre

Silvia e Suyane perderam suas casas em um incêndio no Canudos, em Março deste ano e até agora não tiveram nenhuma das promessas feitas pelo governo do estado, que mandou representantes para dizer que teriam ajuda, logo depois do sinistro.

Por Diógenes Brandão

Enquanto muitas autoridades e personalidades públicas estavam viajando ou no conforto de seus lares, com suas famílias protegidas de qualquer sinistro, às 23:30, do dia 1º de Março, a sexta-feira que antecedeu o carnaval de 2019, um incêndio consumiu dez (10) casas na Vila Rica, na rua Roso Danin, localizada no bairro de Canudos, periferia de Belém. 

Além da perda total das casas, móveis, eletrodomésticos, roupas e objetos pessoais de 26 famílias, o fogo causou a morte de uma criança, o pequeno Arthur Pontes Coelho, de apenas 2 anos e 6 meses, que vivia no local com o pai e a avó.  

Na manhã seguinte, o pastor Paulo adaptou sua igreja - que fica na frente da vila de casas que foi destruída pelo incêndio - e esta passou a servir de abrigo aos desalojados e ao mesmo tempo, como local para coleta de doações que as famílias começaram a receber. Além dessa solidariedade da própria comunidade do entorno, o local recebeu a visita de representantes de órgãos públicos, tanto da prefeitura de Belém, quanto do governo do estado. 

Segundo a comunidade, além da Cruz Vermelha Brasileira, a Prefeitura de Belém - através da Defesa Civil e a FUNPAPA - prestou assistência desde as primeiras horas após a catástrofe, orientando e cadastrando as famílias para que estas pudessem receber auxílios por parte do poder público.

O blog AS FALAS DA PÓLIS quebrou o recesso e foi até o local e fez uma transmissão ao vivo:





Ao visitar o local e conversar com as famílias desalojadas, o presidente da COHAB  - Companhia de Habitação do Estado do Pará, José Scaff, disse que o governador Helder Barbalho o designou para ajudar as vítimas daquele incêndio e lá declarou o seguinte:








Scaff se comprometeu, em nome do governador Helder Barbalho, em ser célere na ajuda do governo do estado através da SEASTER - Secretaria de Estado de Assistência Social, Trabalho, Emprego e Renda, que ficou de fazer o repasse de recursos financeiros para manter as famílias com alugueis temporários pagos, enquanto a COHAB prometeu viabilizar o Cheque Moradia para auxiliar na reconstrução das casas das famílias que perderam tudo que havia dentro delas.

A versão online do jornal Diário do Pará chegou a noticiar a promessa do governo:






Passados 6 meses e meio, até hoje as famílias atingidas pelo último incêndio no bairro do Canudos, não tiveram nenhuma ajuda do governo do estado.

Através da Defesa Civil e da Funpapa, a prefeitura fez a sua parte. Foram esses dois órgãos municipais que acolheram, auxiliaram e aliviaram a dor e o sofrimento das famílias desalojadas.

Em nota, a prefeitura informou que no dia 11 de abril, todas as famílias vítimas do incêndio em Canudos, foram cadastradas para receber o auxílio aluguel, no valor de R$ 2 mil e o benefício foi entregue naquele dia, por meio da Funpapa. Veja a nota e as fotos.

Agora, quem teve sua casa incendiada em fevereiro deste ano, se pergunta por que na Pedreira, autoridades como o vice-governador, Lúcio Vale e a Secretária de Cultura, Ursula Vidal estiveram prometendo o que não fizeram em Canudos.

Veja o vídeo gravado por Ursula Vidal, pré-candidata à prefeitura de Belém, ao visitar o local, dizendo que estava lá por determinação do governador Helder Barbalho e pediu ajuda da população para doações e solidariedade às famílias atingidas:




Para Silvia e Suyane, moradoras que tiveram suas casas destruídas no incêndio ocorrido em Março, no bairro de Canudos, o governo deveria explicar como prometeu ajudar as 45 famílias vítimas do incêndio da Pedreira, se as outras 20 famílias que tiveram suas casas destruídas no incêndio de Canudos, no dia 1º de Março, até hoje ainda não tiveram nenhuma ajuda.