Pesquisar por palavra-chave

sábado, setembro 21, 2019

Ana Júlia prefeita de Ananindeua

A ex-governadora participou de um evento pré-eleitoral em Ananindeua e não descartou a possibilidade de se lançar candidata.

Por Diógenes Brandão


Ao participar de uma Formação Política para pré candidatos a vereadores do PCdoB, a ex-governadora Ana Júlia Carepa foi provocada a se lançar candidata à prefeita de Ananindeua. 


O blog entrou em contato e ela confirmou o desejo de alguns militantes e pré-candidatos a vereadores de Ananindeua, em lançá-la como candidata ao executivo municipal.

Para um militante do partido consultado pelo blog, com Ana Júlia na disputa, as chances do PCdoB fazer uma bancada de vereadores é muito grande e ela pode levar a disputa para o segundo e até se eleger prefeita, mais isso depende muito do Comitê Estadual do partido, que hoje está muito alinhado com o governador Helder Barbalho e talvez ele tenha outros planos e nomes para apoiar em Ananindeua.

"Se conseguirmos lançar Ana Júlia candidata à prefeita de Ananindeua, temos convicção que ela surpreenderá muita gente que quer  ajudara tirar Ananindeua da lama e da violência em que hoje a nossa cidade se encontra", declarou o militante comunista que prefere não ter seu nome citado.

Para ele, o município é governado pelo atual prefeito Manoel Pioneiro (PSDB) há 15 anos, tendo Helder Barbalho (MDB) ficado 8 anos no poder e o resultado do revezamento destes dois prefeitos é que Ananindeua se tornou um dos municípios com alguns dos piores índices sociais do Brasil, sobretudo pela incompetência dos que comandam os órgãos de segurança pública e de assistência social, que permitem altos índices de violência e a absoluta falta de saneamento e abastecimento de água potável para a população do segundo maior município do Estado e embora seja um dos qu mais arrecada tributos e recebe recursos públicos federais e estaduais,  hoje com cerca de 471.980 habitantes e uma população ocupada de apenas 13,7 % desse total, Ananindeua é recordista em mazelas sociais e isso precisa mudar, finalizou o militante.