Pesquisar por palavra-chave

sexta-feira, janeiro 14, 2011

A Cultura no PSDB e no PT - Parte I

"É preciso atrair violentamente a atenção para o presente do modo como ele é, se se quer transformá-lo. Pessimismo da inteligência, otimismo da vontade."

Paulo Chaves o egocêntrico tucano de penas douradas e bico de diamante, permaneceu secretário de Cultura na era tucana (1994/2006), retomando novamente a pasta na gestão de Simão Jatene. Megalomaníaco, arquitetou uma das obras mais super-faturadas da história política do Pará - A Estação das Docas - onde se deu o direito de colocar uma foto sua em frente ao Teatro Maria Silva Nunes, um abuso sem tamanho, desfeito no início da gestão petista de Ana Júlia em 2007.

Se houve uma área que a gestão tucana em 12 anos (Almir/Jatene) tenha sido marcada por críticas contundentes em todas as regiões do Estado foi a cultura. Foi  justamente na área cultural que os tucanos sofriam acusações de promoverem uma política excludente, centralizadora e elitista. 

O termo cultura elitista ganhou força com a adequação dos galpões da CDP para a Estação das Docas, projeto encabeçado pelo então secretário de Cultura Paulo Chaves, recém empossado no cargo pelo governo reeleito de Simão Jatene.

Paulo Chaves foi um dos poucos secretários que sobreviveu aos 12 anos da era tucana, pausada em 2006 com a vitória petista de Ana Júlia. O racha entre PSDB e PMDB possibilitou com que as críticas feitas ao tucanato fossem amplificadas pelos instrumentos de comunicação de Jader Barbalho, o Sistema RBA de comunicação, que controla emissoras de rádios, TV, portal na web e o jornal Diário do Pará, um dos maiores em número de leitores no estado, segundo o IBOPE.

Com a pecha de “Estação Dondoca” e o ar-condicionado para borboletas, as obras idealizadas por Paulo Chaves que unificariam espaços culturais e de turismo, foram desgastadas pelos apresentadores e radialistas à mando de Jader Barbalho e a opinião pública e o PT reforçaram o tom de sátira contra aquilo que soava como uma afronta à realidade dos postos de saúde, escolas, equipamentos de segurança e todas deficiências naquele fim de gestão tucana.

O descontentamento dos profissionais da área cultural eram latentes e eram mais visíveis entre as entidades, grupos e indivíduos do ramo artístico-cultural. Até a pseudo-valorização do erudito em detrimento do popular era contestada pelos músico da orquestra sinfônica do Teatro da Paz onde o salário de cada profissional era irrisórios R$600,00, vindo à ser corrigido no governo Ana Júlia.

Expressões como o boi-bumbá, a Bicharada, os Pássaros juninos entre outros eram simplesmente alijados do roll de apoio da SECULT. Uma visão discriminatória julgava quais eram os grupos/indivíduos que seriam agraciados com cachês em programações oficiais, gravações de CD/DVD e apoio e financiamento de projetos. Exemplos podem ser citados como Nilson Chaves - agraciado agora como o novo Superintendente da Fundação Cultural Tancredo Neves - CENTUR), Marco Monteiro, Lucinha Bastos, Arraial do Pavulagem, Almirzinho Gabriel (filho do ex-governador Almir Gabriel) e outros abençoados pela visão de que eram artistas valorosos e a imensa maioria não.

 Nilson Chaves que com o apoio intransigente à candidatura de Almir Gabriel em 2006, após sua derrota pegou o Ita e ficou no ostracismo por 4 anos, voltando agora pulsante para comandar o CENTUR na 2ª gestão de Simão Jatene.

Com a chegada da corrente de Ana Júlia (DS) à SECULT os ares mudaram e elegeram-se outras prioridades. A Fundação Cultural Curro Velho por exemplo foi “descentralizada”, ou seja, suas oficinas e atividades chegaram ao interior do Estado. Ainda que fosse ínfimo, o ato simbolizou para muitos o início de uma nova era onde não só as programações, grupos e artistas e produtores culturais de Belém estariam contemplados, mas as demais regiões também.

Em breve, a 2ª parte.