Pesquisar por palavra-chave

quinta-feira, abril 25, 2013

Barrado em 2012, Edmilson tentará lançar livro sobre soberania territorial na Amazônia


Barrado ano passado de lançar seu livro “Território e Soberania na Globalização – Amazônia, Jardim de Águas Sedento”, Edmilson Rodrigues dessa vez espera não ter nenhuma surpresa e que o governo Simão Jatene não tente criar dificuldades para lançá-lo, com quase um ano de atraso, na XVII Feira Panamazônica do Livro. 

Enviado por email pela ASCOM - Edmilson Rodrigues.
        
Doutor em Geografia Humana pela Universidade de São Paulo (USP), o arquiteto e professor pesquisador da área de planejamento urbano e regional, Edmilson Rodrigues lançará hoje, 25, o livro Território e Soberania na Globalização - Amazônia, Jardim de Águas Sedento. O livro é baseado em sua tese de doutorado - defendida em 2010 - aprovada com conceito excelente, distinção e louvor. e foi publicada pela Editora Fórum, de Belo Horizonte - MG, no ano passado. Agora, será apresentada aos leitores paraenses, em pré-lançamento que será realizado na Fox Vídeo (Trav. Dr. Moraes, 584), em noite de autógrafos que iniciará às 18 horas. No dia 04 de maio o livro será lançado na XVII Feira Pan-Amazônica do Livro, no estande de Escritores Paraenses, no Hangar - Centro de Convenções e Feiras da Amazônia. 

Edmilson Rodrigues analisa no livro a relação entre globalização e soberania territorial, centrando seu foco analítico de forma profunda o fenômeno da apropriação privada dos recursos hídricos do território, mormente no subespaço amazônico. Para sua análise, utiliza categorias, conceitos e noções da Geografia Humana por si desenvolvidos bem como os criados e difundidos por Milton Santos, Maria Adélia Aparecida de Souza entre outros espaciólogos críticos. Na análise crítica do território usado discorre sobre a dialética espacial expressada na contradição entre o território como um bem social ou abrigo e o território como um bem mercantil, ou seja, como espaço banal. Segue assim a concepção de espaço geográfico como categoria de análise social, o que significa apreendê-lo, compreendê-lo e analisá-lo como um híbrido de sistemas de objetos e sistemas de ações. A pesquisa avança na compreensão e reflexão teórica complexa da Amazônia como região fundamental para a manutenção do planeta. 

Demonstrando grande maturidade enquanto pesquisador, Edmilson Rodrigues lança olhar científico ao uso de uma das disponibilidades mais cobiçadas da região amazônica: a água, vista como recurso hídrico, a partir da perspectiva do território sendo usado seja segundo a racionalidade hegemônica, a racionalidade capitalista, de um lado, ou segundo racionalidades não hegemônicas ou mesmo contra-hegemônicas. Segundo explica sua orientadora de doutorado, Professora Dra. Maria Adélia Aparecida de Souza, que é titular de Geografia Humana da USP, o livro de Edmilson desemboca na “análise da relação entre a globalização atual e a soberania no contexto da formação socioespacial brasileira, ou seja, analisa o uso do território nas circunstâncias do período histórico-geográfico atual - período técnico, científico e informacional - através da análise de eventos já realizados ou que estejam em processo de realização, significativos para a interpretação dos constrangimentos que, em maior ou menor grau, impactam a soberania territorial no processo de totalização dinâmica de reconfiguração e refuncionalização do território".

 Vale destacar que um dos eventos analisados por Edmilson é a instalação de Belo Monte, maior projeto do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) do governo federal e que está ocasionando não só constrangimentos como conflitos, intervenções fortes ambientais e sociais e o comprometimento da soberania territorial do Brasil. 

O professor Dr. Carlos Lima, do Programa de Mestrado e Doutorado de Políticas Públicas em Serviço social da UnB, assina a apresentação do livro e destaca que Edmilson analisa ”a dinâmica do capital, a inserção e função da Amazônia na complexa teia de relações produzidas pelo processo de globalização e crise do mundo do capital". "A análise encetada no decorrer do livro nos permite compreender o saque, a exploração existente nas relações sociais conflitivas, contraditórias, antagônicas, esgarçadas etc. que proliferam no jardim das águas, onde a sociedade é eviscerada pelo capital em crise. A irracionalidade se manifesta concretamente na construção de estranhas catedrais como a de Belo Monte, que este livro analisa em profundidade", destaca Carlos Lima, que também faz referência ao livro anterior publicado por Edmilson, na ocasião de seu mestrado, intitulado Aventura urbana: urbanização, trabalho e meio ambiente em Belém.

As reflexões sobre a Amazônia, o modelo de desenvolvimento brasileiro implementado na região e todos os conflitos advindos da sua ocupação territorial já fazem parte do trabalho de Edmilson Rodrigues desde o início de sua trajetória como pesquisador. Agora, ele convida os paraenses, o povo da região amazônica e do Brasil a mergulhar nesse "jardim de águas sedento" e a se apropriar de conhecimentos que possibilitem resistir ao sistema submetido à irracionalidade da razão do capital e afirmar o futuro como possibilidade segundo uma razão humanizadora da humanidade.