Pesquisar por palavra-chave

quinta-feira, julho 25, 2013

O que os jornalistas pensam sobre a revolução digital

No Mídia8
 
O que os jornalistas pensam sobre revolução digital? O 6° estudo sobre jornalismo digital da Oriella buscou entender como a revolução digital transformou o mundos dos media. Não apenas do ponto de vista da audiência, mas também do ponto de vista de quem continua contando histórias: os jornalistas. Abaixo tentei dissecar as informações contidas no infográfico separando ponto por ponto.

Primeiro, o que os jornalistas pensam sobre o futuro do jornalismo.


  • Retorno publicitário: De forma geral, os jornalistas acreditam que a revolução digital aumentará os investimentos publicitários. Imagino eu que por conta da pluralidade de plataformas. Apenas os europeus se mostraram mais céticos e apostam em um declínio nos próximos anos;
  • Audiência: Neste quesito, os jornalistas são unânimes. A audiência tende a crescer muito nos próximos anos;
  • Redações jornalísticas: Os jornalistas de todo o mundo também concordam com a crença de que o tamanho das redações e o número de funcionários trabalhando irá diminuir sensivelmente nos próximos anos.

Para mim, há uma paradoxo nestes pontos. Como pode ser possível o crescimento do retorno publicitário e a redução das equipes? Hoje estamos assistindo o enxugamento das redações e as justificativas são sempre ligadas aos inputs financeiros nos veículos jornalísticos. O crescimento da audiência, por outro lado, não garante mais receita para um jornal. Junto com o crescimento da audiência, cresce também o número de veículos e plataformas. A audiência está mais difusa e especializada.




No segundo quadro do infográfico, a pesquisa opôs o jornalismo digital aos jornalismos televisivo e impresso. Talvez, se a análise fosse individual, os resultados seriam diferentes, uma vez que eles uniram dois formatos clássicos contra o digital.


Canadá, Estados Unidos, Espanha, França, China e BRASIL dizem preferir o jornalismo digital, já Reino Unido, Suécia, Rússia, Alemanha, Itália, Índia e Austrália dizem preferir o jornalismo feito por televisão e impresso. A pesquisa ficaria muito mais rica se separasse cada plataforma de mídia individualmente.

Na próxima análise, o gráfico mostra as principais fontes de receita dos veículos jornalísticos hoje. A pesquisa teve o cuidado de mostrar, além do estágio atual, a tendência de crescimento.
  • Em processo de crescimento estão as verbas geradas a partir de documentos individuais (o usuário paga para ter acesso a um documento exclusivo daquele veículo) e, principalmente, os pagamentos por conteúdos em celulares, smartphones e tablets;
  • Com taxas menores de crescimento estão o acesso online para assinantes da versão impressa, assinantes de portais e usuários que pagam por conteúdos individuais;
  • As receitas que decresceram nos últimos anos, mas continuam tendo papel importante na composição do modelo de negócio de uma empresa jornalísticas, são o acesso gratuito aos sites bancados pela publicidade e o freemium (acesso à uma parte do conteúdo).



No próximo gráfico, fica claro que, apesar do crescimento da importância de blogs e microblogs como fonte de informação, a fonte, a pessoa e a origem continuam sendo importantes elementos para o jornalismo.


Confiança ainda importa.

Em quem confiar? No próximo gráfico podemos ver quem são as pessoas mais e menos confiáveis da esfera pública.

  • Entre os mais confiáveis estão acadêmicos, técnicos de empresas, pessoas parecidas com você, analistas e CEOs;
  • Entre os menos confiáveis estão políticos, relações públicas, marketeiros e analistas de mídias sociais e internet.


O próximo ponto mostra como o sucesso dos jornalistas e veículos de comunicação é medido. Em ordem decrescente estão número de visitantes únicos, número de views, crescimentos de seguidores e fãs em perfis sociais, likes  e tweets, número de comentários online, retorno publicitário e textos exclusivos.
 
 
 
No último gráfico, há um comparativo do tipo de conteúdo usado para contar histórias pelos jornalistas em 2012 e 2013.
  • O número de vídeos terceiros, feitos por pessoas fora da redação, cresceu de 30 para 34%. Já os vídeos feitos por jornalistas cresceram de 36 para 49%. Mostra que as redações estão investindo forte nos jornalistas multi-tarefa que escrevem e tiram fotos, nos conteúdos autorais;
  • O número de blogs de jornalistas também cresceu bastante de 40 para 53%. Gosto de citar no Brasil a ESPN;
  • A produção de conteúdos jornalísticos para apps mobile também está crescendo em todo o mundo;
  • Os infográficos também estão crescendo, tanto os que são feitos por terceiros quanto os que são feitos dentro das redações.


Por último o rodapé do infográfico com informações sobre o estudo: