terça-feira, dezembro 06, 2016

As Falas da Pólis comemora 10 anos de independência


Por Diógenes Brandão

Tendo completado 10 anos, no dia 1º deste mês, desde a primeira postagem, este blog tem sido uma trincheira de combate, no campo das ideias, de um jovem que desde os seus 27 anos, decidiu começar a colocar sua escrita, videos e pensamentos, assim como dos demais - que na época só trocavam emails - na internet e nas redes sociais existentes.

Embora que de lá pra cá, muita coisa tenha mudado, algumas coisas se mantém com seus princípios e conceitos fundadores, entre eles, posso citar o interesse deste blogueiro em se manter independente, justo e ético no trato das informações trazidas e socializadas a partir desta plataforma tecnológica.

Membro da Comissão Organizadora do Encontro Nacional de Blogueiros e Ativistas Digitais, desde a 2ª edição deste evento (2011), que reúne grandes nomes do jornalismo alternativo e ativismo digital brasileiro, venho me espelhando naqueles que hoje são os principais responsáveis pelo contraponto ideológico e midiático, enfrentando a grande e velha mídia monopolizada e revelando suas manobras voltadas aos representantes dos interesses especuladores e que vendem o Brasil, sem pensar nas causas populares e nacionais, tal como prevê o papel dos meios de comunicação social na Constituição Brasileira.

A Declaração Universal dos Direito do Homem (1948), em seu art. 19, destaca que “[…] todo indivíduo tem direito à liberdade de opinião e de expressão; este direito inclui a liberdade de, sem interferência, ter opiniões e de procurar, receber e transmitir informações e ideias por quaisquer meios, independentemente de fronteiras” (Assembleia Geral das Nações Unidas, 1948, Art. 19). No âmbito das Américas, a Convenção Americana de Direitos Humanos, conhecida como Pacto de San José da Costa Rica, declara que “toda pessoa tem o direito à liberdade de pensamento e de expressão. 

Esse direito inclui a liberdade de procurar, receber e difundir informações e ideias de qualquer natureza, sem considerações de fronteiras, verbalmente ou por escrito, ou em forma impressa ou artística, ou por qualquer meio de sua escolha” (Organização dos Estados Americanos, 1969, Art. 13). 

Dito isso, a função deste blog não é servir aos partidos, empresas, religiões, ou quaisquer instituição com seus interesses corporativos específicos. Digo isso para reafirmar os preceitos que fundaram a ideia de fazer deste espaço um local onde trato daquilo que considero necessário e importante, embora nem sempre eu consiga trazer para cá tudo que pretendo, pois não conto com equipe e muito menos patrocínio para me dedicar exclusivamente ao labor como blogueiro.


Portanto, meus caros leitores continuarão a ver este blog independente e livre para expressar o que seu autor bem entender, não se importando se fere a alma e o orgulho de determinados grupelhos, que reclamam-se pelos cantos por sentirem-se perseguidos pelas reflexões que trago à tona, tanto em relação aos partidos políticos da esquerda ou de direita  (e seus líderes), quanto por instituições públicas e privadas, que vai de sindicatos, até o Ministério Público e demais órgãos do poder judiciário, os quais se consideram acima do bem e do mal.