Pesquisar por palavra-chave

quinta-feira, janeiro 25, 2018

Adversários de Helder Barbalho não são conhecidos pela maioria do eleitorado paraense

Helder Barbalho é o nome mais reconhecido entre os pré-candidatos ao governo do Estado para as eleições deste ano.

Por Diógenes Brandão

As mudanças na reforma política realizada em 2014 aumentaram a necessidade de trabalho a longo prazo para estruturação de projetos políticos-eleitorais. Os candidatos deveriam começar o quanto antes o trabalho de melhoria da imagem pública, da formação e da capacitação da militância e da construção de reputação em ambiente on-line.

No entanto, faltando pouco mais de 08 meses para as eleições de 2018, a imensa maioria do eleitorado paraense desconhece quem sejam os adversários de Helder Barbalho (PMDB), o único pré-candidato até aqui confirmado de fato pelo seu partido, ao governo do Estado do Pará.

Sem definir o que realmente disputarão e com a falta de estrategistas no comando das pré-campanhas, os principais adversários de Helder Barbalho tem aparecido de forma negativa, seja nas redes sociais, em notas de blogs, jornais, enquetes online e até grupos de Whatsapp, onde assessores e simpatizantes tentam dar visibilidade aos seus nomes, mas acabam por torná-los desgastados, devido os erros primários que andam cometendo.  

Tal como já foi dito neste blog, embora o atual governador tenha dado a largada para eleger seu sucessor e indicado o presidente da ALEPA como seu futuro candidato, o principal adversário de Márcio Miranda é a sombra de Simão Jatene e seu partido, o PSDB.

Outro pré-candidato que tem feito conversas com empresários, fazendeiros e agricultores rurais - mas não decola nas pesquisas - é o deputado estadual Sidney Rosa (PSB), ex-prefeito de Paragominas, onde terminou seus dois mandatos com forte apoio popular, e desde então tem muita força eleitoral nas regiões sul e sudeste do Pará, mas embora tenha sido apresentado como pré-candidato pelo seu partido, ainda em Maio do ano passado, Sidney assim como Márcio Miranda (DEM) não ativou seu capital político em outras regiões e muito menos com a grande massa do eleitorado paraense.

Segundo o cientista político Edir Veiga, Pioneiro é o melhor nome de Jatene na disputa com Helder Barbalho em 2018, mas embora ele seja um dos tucanos que ainda estão resistindo internamente no PSDB, o prefeito de Ananindeua já apresenta sinais de que jogará a toalha e seguirá a orientação do governador.

Outro nome que ainda se apresenta como uma provável candidatura tucana é o super-secretário de Desenvolvimento Econômico, Mineração e Energia do Estado do Pará, o também tucano Adnan Demachki, que junto com Sidney Rosa foi citado como provável preso em uma controverso depoimento de um acusado de ser um dos mandantes do assassinato da servidora pública e empresária conhecida como 'Dona Augusta', ocorrido no dia 15 de julho de 2017, na cidade de Paragominas-PA.

Adnan, Sidney Rosa e o prefeito de Paragominas emitiram nota de repúdio e patrocinaram anúncios em diversas rádios e blogs, negando qualquer envolvimento com o crime e rechaçando as insinuações. No entanto, desde então, Adnan tem sido discreto ao falar de sua pré-candidatura.

Já o vice-governador Zequinha Marinho (PSC) não esconde de ninguém o intento de ser candidato ao governo e diz que fará isso sentado na cadeira de Jatene e com a caneta de governador nas mãos.

E NA ESQUERDA?

Paulo Rocha (PT) e Úrsula Vidal (Rede) ainda precisam de muito vento em suas costas para decolarem e se apresentarem como alternativa viável aos demais nomes apresentados até aqui, e que caso se confirmem candidatos, não devem contar com o apoio financeiro dos seus adversários. Paulo por não ter mais a força que o PT tinha outrora e Úrsula por nunca ter tido a máquina a seu favor.

O PSOL já afastou a possibilidade de apresentar o ex-prefeito Edmilson Rodrigues de qualquer disputa majoritária e este deverá manter-se na disputa pela vaga na Câmara Federal, onde o partido precisa alcançar os votos necessários para não ser barrado na Cláusula de Barreira

Com quase 14 mil votos, a maior votação para vereadora em Belém, Marinor Brito (PSOL) tenta convencer sua base de quem tem chances de dar um pulo maior que sua perna e voltar ao senado.

Já o PCdoB, depois que teve seu principal nome, o deputado estadual Lélio Costa, chamado pelo senador Jader Barbalho como seu 'comunista favorito' deverá vir em apoio a Helder Barbalho.

Faltou mais alguém?