Pesquisar por palavra-chave

sábado, abril 19, 2008

Paz Sem Voz é Medo!


Dú Vermelho.org

Levantamento mostra atrocidades que Israel cometeu no último mês

Enquanto a imprensa mundial faz ampla cobertura dos protestos pela independência do Tibete e insinua supostas violações de direitos humanos na China, um outro país, Israel, continua espalhando seu manto de assassinatos e destruição contra o povo palestino sob o olhar complacente das nações e da mídia ocidentais.

Um levantamento feito por organizações ligadas à resistência palestina mostra que em apenas um mês --de 1º a 31 de março de 2008-- as forças israelenses assassinaram 119 palestinos, feriram outros 443 e prenderam e seqüestraram mais de 500 pessoas.


Em abril, já são mais 23 civis palestinos, incluindo 1 jornalista e 5 crianças, assassinados pelas forças israelenses.


Diante da nova explosão de violência, a pior desde março, o presidente palestino, Mahmud Abbas, que está em Moscou, pediu que se organize "o mais rápido possível" uma conferência sobre o Oriente Médio na capital russa já que as negociações com Israel não estão avançando o suficiente.


Aproximadamente 413 pessoas morreram desde a conferência de paz de Anápolis, no final de novembro de 2007 nos Estados Unidos, onde as negociações de paz entre Israel e Palestina foram retomadas.

Veja abaixo o resumo das violações israelenses cometidas no último mês de março:


119 mortos: A potência ocupante matou 4 palestinos na Zona Norte da Palestina (Cisjordânia) e a 115 em Gaza, incluindo 15 crianças, entre eles 1 bebê de un ano; 1 estudante universitário assassinado pelos colonos; 1 enfermeiro e 175 militantes da resistência palestina.

4 assassinatos seletivos: Uma unidade israelense da força especial de ocupação, assassinou seletivamente a 4 civis localizados na cidade de Belém.

443 feridos: Na Cisjordânia, 172 palestinos foram feridos e 271 em Gaza, incluindo 66 crianças; 3 mulheres civis; 1 para-médico; 7 jornalistas; 4 ativistas internacionais pela paz; 1 membro do Parlamento Palestino PLC; 2 oficiais militares e 35 palestinos da resistência.

362 ataques : Israel promoveu 213 ataques na Cisjordânia e 149 em Gaza. O exército israelense realizou ainda 132 ataques durante incursões em áreas povoadas palestinas; 89 ataques durante confrontações entre o exército israelense e os palestinos; 69 ataques desde os postos militares do exército israelense até as casas e propriedades civis; 5 ataques desde os pontos de controles (checkpoints); 1 ataque perpetrado pelos colonos. Além disso, os barcos da marinha israelense abriram fogo em 9 ocasiões em Gaza e os helicópteros de combate em 57 ocasiões.

934 incursões: Na Cisjordânia realizaram 904 incursões e 30 em Gaza: Irrupções em Jerusalém capital 65; 102 em Ramallah; 92 em Jenin; 40 em Toubas; 82 em Tulkarem; 75 em Qalqilya; 101 em Nablus; 45 em Salfit; 25 em Jericó; 121 em Belém; 156 em Hebron; 14 no Norte de Gaza; 1 em Gaza; 3 em Gaza central; 7 em Khan Younis e5 incursões em Rafah.

557 detenções e seqüestros: O exército israelense de ocupação seqüestrou na Cisjordânia 498 palestinos e 59 em Gaza. Na capital Jerusalém foram mais 38 palestinos; 59 em Ramallah; 56 em Jenin; 8 em Toubas; 41 em Tulkarem; 22 em Qalqiliya; 105 em Nablus; 26 em Salfit; 17 em Jericó; 56 em Belém; 70 em Hebron; 57 no norte de Gaza norte e 2 em Khan Younis. Entre os civis presos estão 64 crianças; 1 civil ferido; 3 mulheres civis; 1 advogado do gabinete do presidente; 14 estudantes e 18 oficiais militares.

18 demolições de casas: Na Cisjordânia, 10 casas foram demolidas e outras 8 em Gaza. O exército israelense demoliu 2 casas na capital Jerusalém; 1 casa em Tulkarem; 1 prédio em Belém; 6 casas em Hebron; 2 casas em Gaza norte; 2 prédios em Gaza e mais 4 casas em Khan Younis.

29 ocupações de casas: Ainda na Cisjordânia, 20 casas e 9 moradias em Gaza. Nos distritos de Ramallah 1; Tulkarem 1; Qalqilya 4; Nablus 7; Salfit 3; Hebron 4 e em Gaza norte 9 casas.

32 toques de recolher: Foram impostos pelo exército israelense Toques de recolher nas áreas residenciais dos distritos de Tulkarem 2; Nablus 6; Qalqilya 15; Salfit 6; Belém 2 e em Hebron 1.

529 pontos de control (checkpoints): Israel mantém instalados ilegalmente pontos militares de controle (checkpoints) por toda a Palestina. Cisjordânia: Jerusalém Capital 98 pontos; Ramallah 33; Jenin 80; Toubas 5; Tulkarem 33; Qalqiliya 52; Nablus 16; Salfit 39; Jerico 7; Belém 54 e Hebron 112 pontos militares.


Fonte: Cifras PMG-PLO

Pra ouvir no Domingão

SAMBA DO GRANDE AMOR - CHICO BUARQUE

Tinha cá pra mim Que agora sim Eu vivia enfim o grande amor Mentira Me atirei assim De trampolim Fui até o fim um amador Passava um verão A água e pão Dava o meu quinhão pro grande amor Mentira Eu botava a mão No fogo então Com meu coração de fiador Hoje eu tenho apenas uma pedra no meu peito Exijo respeito, não sou mais um sonhador Chego a mudar de calçada Quando aparece uma flor E dou risada do grande amor Mentira Fui muito fiel Comprei anel Botei no papel o grande amor Mentira Reservei hotel Sarapatel E lua-de-mel em Salvador Fui rezar na Sé Pra São José Que eu levava fé no grande amor Mentira Fiz promessa até Pra Oxumaré De subir a pé o Redentor Hoje eu tenho apenas uma pedra no meu peito Exijo respeito, não sou mais um sonhador Chego a mudar de calçada Quando aparece uma flor E dou risada do grande amor Mentira

letrasdemusicas.com.br Esta letra foi retirada do site www.letrasdemusicas.com.br

As Falas do Candidatos

O Espaço Aberto diz aqui como foi a refrega retórica entre Mário Cardoso e Priante, na anunciada disputa pela preferência de Lula e obviamente, do eleitorado belenense.

A Fala do Chefe

O chefe da casa civil da governadoria, Claúdio Puty desceu do pedestal - que a imprensa local o colocou quando o rotulou de acadêmico e tantas outras definições, nas quais ignoravam o papel militante de outrora e de gestor público de agora - e foi até à plenária do PT realizada ontem (sexta-feira) na sede do Monte Líbano. Panfleteando material do governo, Puty cumprimentou e abraçou companheir@s e fez fala. Nela, deu o novo tom do governo sobre Duciomar e o PMDB: O PT entra pra ganhar, não iremos concordar que se mantenha o abandono nem tão pouco que aventurem-se sobre a capital do Estado, disse o chefe. No entanto, errou ao se referir ao vereador Marquinho - de sua tendência a DS - como sendo ainda o presidente do PT-Belém, mas quase ninguém notou, quem notou deixou passar e assim seguiu a carruagem levando Mário Cardoso e todo o PT unificado para sua eleição. Ali estavam presentes todas as tendências: PT pra Valer, Articulação Socialista, Democracia Socialista, Corrente Revolucionária Socialista, PT de Lutas e de Massas, Movimento PT, Articulação de Esquerda e a Articulação Unidade na Luta de Mário Cardoso. Detalhe curioso foi a admissão feita pelo presidente do PT Estadual, João Batista e reafirmada por Mário Cardoso sobre a reunião secreta que envolveu Regina Barata e os outros dois acima citados. Nada simpático para os ouvidos do presidente do PT-Belém, Adalberto Aguiar. Verdade seja dita: Quando o PT nacional mete o bedelho na questão local, quase ninguém se agrada.