Pesquisar por palavra-chave

sexta-feira, novembro 09, 2012

O Partido da Imprensa


Davis Sena Filho, no site Brasil247.com

Há 30 anos lido com o jornalismo — a partir de 1981. Formei-me na Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) em meados da década de 1980. Naquele tempo eu via a imprensa, a chamada “grande” imprensa como um instrumento de proteção da sociedade, além de considerá-la, apesar de pertencer à iniciativa privada e comercial, entidade democrática disposta a defender as liberdades de pensamento, de expressão, com o propósito de, por exemplo, apoiar ações que efetivassem a distribuição de renda, de terras, enfim, das riquezas produzidas pelos trabalhadores e acumuladas pelos empresários deste imenso País injusto. Eu era jovem, inexperiente e, além disso, no País não existia liberdade democrática, havia a censura, as pessoas não falavam de política no dia a dia, o que dificultava ainda mais perceber os reais interesses da imprensa empresarial. Como me formei na metade da década de 1980, cujo presidente da República era o general João Figueiredo, via a imprensa como um segmento que lutava em favor de uma sociedade que se tornasse justa, democrática e livre, processo este que somente acontece por intermédio da implementação constante de justiça social, por meio de políticas públicas desenvolvimentistas e distributivistas.

Naquele tempo, vivíamos em um regime de força, que teve seu auge nos idos de 1967 a 1977, a imprensa, recém-saída da censura, que “terminou”, definitivamente, em 1978, era vista por mim, jovem jornalista, como um instrumento de resistência aos que transformaram a República brasileira em uma ditadura militar, com a aquiescência e o apoio financeiro e logístico de influentes segmentos econômicos da sociedade civil, que viram na ascensão dos militares ao poder uma forma também de aumentar seus lucros, sem, no entanto, serem alvos de quaisquer questionamentos, já que havia a censura e a oposição partidária à ditadura se encontrava em um momento de perseguição política e sem voz ativa para ser ouvida, inclusive pela grande imprensa que, por ser comercial, bem como o braço ideológico das elites econômicas brasileiras, aliou-se aos novos donos do poder.

O jornalista minimamente alfabetizado, experiente e informado, independente de sua formação cultural, política e ideológica, independente de sua influência profissional e de seu contracheque, sabe (ou finge não saber) que os proprietários da imprensa privada são megaempresários, inquilinos do pico da pirâmide social mundial e pontas-de-lança dos interesses do capital. A imprensa burguesa censura a si mesma, quando considera que os interesses empresariais estão a ser contrariados. O faz de forma rotineira, ordinária, e expurga de seus quadros aqueles que não se unem ao pensamento único do Partido da Imprensa, que é o de disseminar, ou seja, propagar, aos quatro cantos, que não há salvação fora do mercado de ações, dos jogos bancários, da especulação imobiliária e da pasteurização das idéias, geralmente difundidas pelos doutores, mestres e professores das universidades e dos órgãos de supremacia e de espoliação internacional, como o BID, o Bird, o FED, a ONU, a OEA, a OTAN, o FMI, a OMC e a OMS.


PT-PA: Avaliações de 2012 e Conjecturas para 2014.

João Batista considera a Unidade na Estratégia Petista fundamental para a vitória em 2014.
Convicto do dever cumprido, o presidente do PT-PA, João Batista reunirá o Diretório Estadual do partido neste sábado (10), para junto com os 14 prefeitos eleitos e os 09 reeleitos, avaliar o processo eleitoral 2012 e dar início na formulação da estratégia eleitoral de 2014.

Logo após as eleições deste ano, o site do PT-PA publicou o seguinte balanço: "Com 23 prefeitos eleitos, o PT foi o terceiro partido que mais teve votos nas chapas majoritárias que disputou no Pará. Ao todo, foram 517.665 votos registrados para candidatos a prefeito(a) em todo o estado. Em relação ao número de votos para vereadores(a), o Partido ocupou o mesmo lugar no ranking e com 360.675 votos, foi a terceira legenda que mais elegeu parlamentares no Pará. “Esses números mostram o quanto o nosso Partido continua forte. Mesmo estando na oposição do governo estadual e não tendo toda a estrutura dos partidos aliados do governo, conseguimos elevar o número de votos, eleger candidatos em cidades estratégicas, e nos manter como uma das principais forças políticas do estado”, afirmou João Batista".

Wagner Souza, Secretário de Organização do Partido complementa os dados: "Em relação ao quadro de parlamentares, o PT ampliou a bancada de vereadores(a) nessa eleição. O Partido teve o saldo de 183 candidatos(a) eleitos em diversos municípios, espalhados por todas as regiões do estado", concluindo que o balanço dessas eleições é muito positivo, pois o partido continuará como uma das três maiores forças políticas no Pará.

Por conta disso, uma das maiores tendências internas do PT no Estado, a Unidade na Luta, da qual fazem parte o Deputado Federal Miriquinho Batista, o Deputado Estadual Alfredo Costa (candidato derrotado nas eleições de Belém) e os vereadores Adalberto Aguiar e Otávio Pinheiro - que não conseguiram a reeleição – reúne seu Conselho Político Estadual, nesta sexta-feira (09), na sede da CNBB-Norte, para avaliar o processo eleitoral 2012, planejar suas ações para 2014 e debater o futuro político do ex-deputado federal Paulo Rocha, inocentado pelo STF no processo do “Mensalão”.

presidente de Honra do PT, Paulo Rocha diz estar revigorado com sua vitória no STF.
Na oportunidade, os 07 prefeitos eleitos pelo grupo estarão presentes participando do balanço eleitoral que avaliará o desempenho das cidades que o PT elegeu ou reelegeu prefeitos.

No quadro abaixo, o resultado eleitoral do PT-PA por forças políticas internas:

Tendência
Candidatos
Prefeitos Eleitos
Unidade na Luta
12
07
PT pra Valer
11
08
Democracia Socialista
05
04
Articulação Socialista
12
04

Na tabela abaixo os prefeitos petistas eleitos/reeleitos e seus respectivos municípios por forças políticas internas:



Articulação Unidade na Luta



Município
Prefeito Eleito
Situação
Baião
Saci
Reeleito
Bom Jesus do Tocantins
Dr. Sidney
Reeleito
Cametá
Irácio
Eleito
Monte Alegre*
Dr. Sérgio
 Eleito
Soure
João Luís
Reeleito
Santa Cruz do Arari
Marcelo Pamplona
Reeleito
São Sebastião da Boa Vista
Getúlio Brabo
Reeleito
   
O grupo perdeu a prefeitura de Igarapé-Miri (Pina) e Santarém (Lucineide), uma das mais importantes do Estado, onde governava há 08 anos com a prefeitura Maria do Carmo que já foi candidata à governadora do Estado em 2002, indo pro 2º turno, quando ficou muito próxima de ter sido eleita (se não fosse os famosos 05 centavos!).



Articulação Socialista


Município
Candidato
Situação
Bujarú
Lúcio Bessa
Reeleito
Curralinho
Léo Arruda
Eleito
Mãe do Rio
Badel
Eleito
São João da Ponta
Nelsão
Reeleito



PT pra Valer



Município
Candidato
Situação
Água Azul do Norte
Deusmir
Eleito
Almerim
José Botelho
Reeleito
Belterra
Dilma Serrão
Eleito
Gurupá
Raimundo Nogueira
Eleito
Itupiranga
Bejamim Tasca
Reeleito
Jacareacanga
Raulien Queiroz
Reeleito
Medicilândia
Nilson Daniel
Eleito


Democracia Socialista

Município
Prefeito Eleito
Situação
Augusto Correa
Romana
Eleito
Bragança
Padre Nelson
Eleito
Ipixuna Pará
Salvador Chamon
Eleito
Jacundá
Izaldino Altoer Gurupá
Reeleito
 
Terceiro turno judicial

"Em pelo menos cinco municípios do Pará ainda é possível que prefeitos eleitos no domingo percam o cargo para seus concorrentes que, apesar de terem tido mais votos, estão sendo julgados pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE). Em Santa Bárbara do Pará, Água Azul do Norte, Marituba, São João da Ponta e Monte Alegre os nomes divulgados como novos prefeitos no domingo, 7 de outubro, ainda poderão ser alterados", noticiou No blog ContraPonto.

Uma das cinco cidades que aguardava decisão judicial do TSE para saber quem a governará é Monte Alegre que tem como prefeito Jardel Vasconcelos, irmão do presidente da OAB-PA, Jarbas Vasconcelos e marido da Deputada Estadual Josefina (PMDB), quem ficou inelegível por conta das denúncias apresentadas pelo Tribunal de Contas da União que lhe acusavam de não prestar contas de R$ 378.126,24 reais, oriundos do Fundo Nacional de Saúde.

Mercadante defende que royalties do petróleo sejam investidos em educação