Pesquisar por palavra-chave

terça-feira, fevereiro 04, 2014

Eleições 2014: PSDB, PMDB e PT mexem suas pedras



O blogueiro, mesmo ocupado com tarefas do ganha pão, não poderia deixar de fazer suas considerações sobre o anúncio do governador Simão Jatene, feito hoje após a mensagem que proferiu aos deputados estaduais na ALEPA.

Em entrevista à imprensa, Jatene só disse que se descompabilizará do cargo, dia 08 de Abril deste ano, prazo máximo estipulado pela lei eleitoral e criou expectativa não só em seu partido, quanto nos demais, haja vista que sua decisão mexe em todo o tabuleiro político-eleitoral das próximas eleições.

Há quem suspeite que Jatene esteja esticando a corda afim de observar a movimentação do lado de fora, ou seja, quais serão as mexidas dos dois maiores partidos adversários do PSDB no Pará, o PT e o PMDB.

Com a especulação sobre uma eventual candidatura do atual governador ao Senado, a cogitada coligação entre o PT e o PMDB pode fazer água, já que a candidatura deste representa uma ameaça muito mais significativa neste pleito, onde há apenas uma vaga ao Senado. Especula-se de que consagrada este hipótese, o atual prefeito de Ananindeua, Manoel Pioneiro, seria o candidato à sucessão de Jatene pelo PSDB.

No entanto, observadores próximos ao PMDB imaginam que toda essa expectativa pode ser apenas um blefe para o nome do governador seja preservado e a candidatura de Helder Barbalho não avance nas negociações de acordo com parte de base aliada de Jatene. 

PT, a noiva indecisa.

Com a 2ª maior bancada de deputados estaduais, várias prefeituras e uma militância aguerrida, o Partido dos Trabalhadores no Pará ainda não definiu qual será sua posição nestas eleições mas o fará  no próximo Encontro Estadual do partido, previsto para os dias 28 e 29 de Março. Na pauta: tática, política de alianças, programa para as eleições 2014.

A grande expectativa do encontro é se o partido terá candidatura própria ou apoiará a candidatura majoritária do pré-candidato do PMDB, o ex-prefeito de Ananindeua, Hélder Barbalho. 

Mantida a polarização, a vaga ao Senado promete ser mais disputada do que o próprio governo.

Quem viver, verá!  

Simão Jatene não disse se vem pra reeleição e cria suspense


Após a solenidade de abertura do ano legislativo de 2014, nesta terça-feira (4), o governador Simão Jatene afirmou, em entrevista coletiva na sede da Assembleia Legislativa do Pará, que vai se desincompatibilizar do cargo dentro do prazo legal, podendo ser candidato nas próximas eleições, sem, no entanto, informar o cargo para o qual deverá concorrer.

De acordo com a Lei das Inelegibilidades (LC 64/90), os governadores, assim como todos os chefes do Poder Executivo, somente são obrigados a deixar os cargos que ocupam quando pretendem concorrer a outros cargos diferentes, como senador ou deputado federal. O governador, o prefeito e o presidente que deseje se reeleger não é obrigado a se desincompatibilizar.

Jatene já afirmou, em outras ocasiões, que, independentemente da Lei, por razões de coerência e ética, não admite ser candidato a qualquer cargo estando no exercício do mandato. “Ética não se anuncia; ética se pratica”, frisou. Daí não estar descartada sua candidatura ao próprio Governo do Pará.

Como a votação deste ano para a escolha de presidente da República, governadores, senadores, deputados federais e estaduais está marcada para 5 de outubro, o prazo de desincompatibilização, no caso dos governadores - seis meses antes do pleito -, expira no próximo dia 8 de abril. “Pretendo ficar até o último dia possível”, anunciou Simão Jatene.

A desincompatibilização é um instrumento pelo qual o ocupante de cargo público opta por deixar de exercê-lo para não ser considerado inelegível, caso pretenda se candidatar novamente. O afastamento pode ser em caráter temporário ou definitivo, de acordo com a função.


Com o afastamento, o legislador pretende criar uma isonomia entre os candidatos, evitando que um ou outro se aproveite da condição de ocupante de um cargo público para fortalecer sua candidatura, seja pelo prestígio ou pelo poder econômico. 

Fonte: Agência Pará.

Governador Simão Jatene anuncia que deixará o cargo em Abril

Zenaldo, Jatene e Pioneiro. PSDB-PA debate quem vem pra governo e quem vai pro Senado.

Dep. Estadual Carlos Bordalo (PT-PA) em seu twitter:

Gov. Jatene(PSDB) confirmou hoje após apresentar mensagem na Alepa, que se afasta do Govêrno no dia 08 de março para se candidatar.

O afastamento confirmado pelo próprio Governador Jatene(PSDB) no dia 08 de março está no limite do prazo para desincompatibilização.

O que fica no ar: Jatene será candidato? -A que cargo? - Se a governador n/ precisaria sair tão cedo. Será à senador? O ninho tucano arde!

A novela de Jatene quanto ao futuro político, está deixando em polvorosa o esquema de poder do PSDB. Se afasta dia 08 de março. Para que?

Belenense: Povo pacato e enganado, anos após ano

"Se não funcionar como via expressa, pelo menos serve como piscinão". Turma do Paranoia.

Por José Carlos Lima*

Fiquei pensando aqui como o povo de Belém é paciente com o seus governantes. 

1. Uma instituição japonesa veio a Belém, estudou o trânsito e detectou que tudo iria engarrafar se o governo não fizesse obras planejadas;

2. Almir Gabirel, governador, encomendou um projeto de complexo para o gargalo do entroncamento, com uma perna para receber a João Paulo II;

3. Era prefeito Edmilson Rodrigues, houve muita divergência e a obra não saiu. Falaram até que a obra prejudicaria a Praça da Bíblia;

4. Depois que o Governo do Estado desistiu de fazer a obra, a Prefeitura de Belém resolveu faze-la, com outra concepção. Nesse novo projeto, a João Paulo II, não mais seria conectada a Augusto Montenegro, porque seria prolongada;

5. Almir Gabriel se recusou a dar a licença ambiental da João Paulo II porque ela cortaria o Parque Ambiental do Utinga, Unidade de Conservação que fica na traçado da estrada;

6. Edmilson Rodrigues perdeu as eleições e deixou incompleta as obras de prolongamento da João Paulo II e do complexo do entroncamento;

7. Os japoneses da JICA, estavam errados, ajudados pelo desgoverno, o caos no trânsito chegou muito antes do previsto.

8. Duciomar Costa foi eleito e depois de governar algum tempo, retomou as obras de prolongamento da João Paulo II e do Entroncamento. Mas tudo foi feito pela metade e de nada adiantou. Os transtornos da população apenas se intensificaram;

9. Duciomar é reeleito, entrega as duas obras pela metade, governa mais um pouco, resolve fazer o BRT, que virou mote de campanha de seu candidato. 

10. Para fazer o BRT, as passarelas e parte da obra do complexo do Entroncamento, obra cara e paga pelo povo, foi quebrada para ser adaptada ao novo projeto que seria a redenção da cidade;

11. Duciomar, para convencer o povo a votar no seu candidato, usou o BRT. Foi a Curitiba e gravou no BRT de lá. Pegou uma amostra do ônibus que circularia quando tudo estivesse pronto e botou para circular. O ônibus gigante e com ar condicionado ficou passeando no Portal da Amazônia (outra obra incompleta);

12. Zenaldo Coutinho ganhou as eleições. Olhou tudo e viu que muita coisa estava errada no BRT. Mandou quebrar e refazer do jeito que achava que deveria ser. Ainda não inaugurou, mas colocou para funcionar precariamente. 

13. A João Paulo II ainda não foi construída porque não pode cortar a Unidade de Conservação, por ser crime ambiental;

14. De 1996 até 2014 estamos suportando tudo calado. Deus é o nosso refrigério.

*José Carlos Lima é presidente do PV-PA.