Pesquisar por palavra-chave

segunda-feira, dezembro 30, 2019

Governo paga Diárias para inauguração que não ocorreu



Por Diógenes Brandão

O Diário Oficial do Estado informa que a secretaria adjunta de comunicação, Vera Lúcia Alves de Oliveira recebeu meia diária para acompanhar o governador Helder Barbalho, na inauguração da Ponte sobre o rio Moju, na Alça Viária. Acontece que a ponte - que foi derrubada em Abril e que já teve três prazos de entrega prometidos e adiados pelo governo - ainda não foi inaugurada.

Portaria publicada no Diário Oficial do Estado, nesta segunda-feira, 30 informa o pagamento de meia diária para secretária adjunta de Comunicação, para participar de um evento que não ocorreu.


Vera é amiga e considerada pessoa de confiança do governador e sua família. Apesar de exercer o cargo, não pôde ser nomeada Secretaria de Comunicação por não ter diploma de nível superior  e a pasta tem gestão assinada pelo Chefe da Casa Civil, Parsifal Ponte.

Além de receber para um evento que não ocorreu, Vera acompanha o governador em diversas viagens, inclusive ao exterior. Em uma dessss viagens  foi ao Rio de Janeiro, onde dizem ter aproveitado para ir ao Rock in Rio, acompanhada de outro jovem DAS do Estado.

Fogos da Torre da RBA são criticados pelo mal que causam aos animais


Diógenes Brandão


O ego explosivo dos empresários da comunicação política não considera o sofrimento de milhares de animais, que agonizam durante a queima dos fogos, que infernizam tantas espécies do Bosque Rodrigues Alves.

O governador Helder Barbalho, um dos sócios das empresas da família que construiu e mantém a torre da RBA, esteve no início deste mês em Madri, na Espanha, onde discursou na Conferência do Clima (COP 25) da Organização das Nações Unidas. Mesmo assim, Helder e sua família ignoram os apelos de ambientalistas e defensores dos animais, que vêem no evento, um verdadeiro atentado ambiental contra os animais que ficam expostos à tanto barulho.

O advogado e ambientalista Zé Carlos Lima postou o seguinte texto abaixo:

Os tradicionais fogos da RBA estão sendo questionados por ambientalistas defensores da causa animal.   O prédio do complexo de comunicação dos Barbalhos, onde soltam os rojões, fica na zona de influência do Bosque Rodrigues Alves, uma unidade de conservação de proteção integral que abriga muitas espécies de animais sensíveis aos estampidos ensurdecedores dos fogos de geração antiquada.

Hoje, modernamente, se fabrica fogos de efeitos visuais, sem o barulho ensurdecedor que mata pássaros e altera a saúde dos animais.   Se os barbalhos quiserem podem pedir os mais modernos morteiros, solicitar a licença ambiental, cumprir a legislação e os macaquinhos, tartarugas,muçuãs, pacas, araras, peixes, do Parque Zoobotânico Rodrigues Alves e os pets da redondeza, agradecerão imensamente.

O portal Pará Web News também publicou matéria que abordou o fato, na matéria Fogos na Torre da RBA podem matar animais do Bosque Rodrigues Alves, a qual pode ser lida abaixa:
Os tradicionais fogos da RBA estão sendo questionados por ambientalistas defensores da causa animal.  

O prédio do complexo de comunicação dos Barbalhos, onde soltam os rojões, fica na zona de influência do Bosque Rodrigues Alves, uma unidade de conservação de proteção integral que abriga muitas espécies de animais sensíveis aos estampidos ensurdecedores dos fogos de geração antiquada.   Hoje, modernamente, se fabrica fogos de efeitos visuais, sem o barulho ensurdecedor que mata pássaros e altera a saúde dos animais. 

Se os barbalhos quiserem podem pedir os mais modernos morteiros, solicitar a licença ambiental, cumprir a legislação e os macaquinhos, tartarugas,muçuãs, pacas, araras, peixes, do Parque Zoobotânico Rodrigues Alves e os pets da redondeza, agradecerão imensamente.

Aves, macacos e pacas tendem a sofrer mais com os fogos. Apesar de ser momentâneo, dura em média 15 minutos, o estresse pode durar dias e levar até a morte.  “Os animais ouvem o barulho dos rojões, com intensidade até 500 vezes maior que os humanos, e sem estrutura lógica para entender essas explosões, elas produzem um medo inimaginável que pode matá-los”, diz Fernando Moreno, presidente do Grupo Caridad.




A questão também causou enorme polêmica entre os fogos soltados ao redor da Basílica de Nazaré, no Centro Acadêmico de Nazaré (CAN), tradicional comemoração da despedida do Círio de Nazaré. Os periquitos que habitavam a samaumeira do CAN sofriam estresses e muitos morriam.


Nos últimos anos, os periquitos acabaram por migrar para as árvores da praça do operário, no bairro de São Brás, cessando as discussões.



quarta-feira, dezembro 25, 2019

A volta de João Salame - Parte II

João e Beto Salame, na campanha eleitoral de 2018, ao lado de Helder Barbalho, candidato ao governo, eleito.


Por Diógenes Brandão

O ex-deputado e ex-prefeito de Marabá, João Salame Neto enviou ao blog uma nota respondendo e divergindo de algumas informações publicadas na matéria: A volta de João Salame, publicada nesta quarta-feira, 25.

Respeitando e garantindo o direito de resposta e de sua versão, sobre os fatos relatados por uma fonte, o blog reitera o compromisso com a busca pela verdade e o amplo espaço ao contraditório.

Embora João Salame diga que não foi cassado, o blog AS FALAS DA PÓLIS informa que se apoiou em diversas matérias de outros veículos de imprensa, entre os quais os portais G1 Pará (leia aqui) e o Roma News (leia aqui), o blog do Zé Dudu (leia aqui)  que abordaram sua prisão em 2018. 

Primando pela clareza e veracidade das informações aqui publicadas, o blog AS FALAS DA PÓLIS registra que João Salame foi afastado, mas não teve o mandato cassado em definitivo, tal como ele explicou.

João Salame informou ainda que ajuda o irmão, Beto Salame, a tocar o PP, já que ele não conseguiu se reeleger como deputado federal. O PP foi o partido em que o ex-senador Mário Couto disputou as eleições de 2018, mas teve o registro de sua candidatura anulado.

Tanto o vice de Mário Couto, quanto ele próprio, acusaram Beto e João Salame de falsificarem assinaturas de dirigentes partidários, para prejudicar sua candidatura ao senado,  em benefício às candidaturas de Jader Barbalho (MDB) e Zequinha Marinho (PSC), compondo a chapa que deu a vitória do então candidato Helder Barbalho, ao governo do Pará, como você pode conferir na matéria Golpe, fraudes e falsificações transformam as eleições no Pará em caso de polícia

Leia abaixo, a nota de João Salame:

Em primeiro lugar te agradecer por abrir espaço para falar de minha nova função. E fazer alguns reparos. 

Eu não tive nenhum mandato cassado.

Como deputado não fui sequer afastado do cargo. Ao contrário, liderei um bloco de 8 deputados na Alepa, fui vice-presidente da Casa e presidente da Comissão de Meio Ambiente com apenas 6 anos de mandato.

Já como prefeito respondi a uma ação da época que fui deputado e que gerou meu afastamento pelo TRE, que durou apenas 12 horas.

O TSE me devolveu ao mandato qualificando a decisão  da maioria do TRE à época de "teratológica". Fui vitorioso nessa ação, que já foi arquivada.

Como prefeito também não fui cassado. Tive um afastamento de 94 dias em função de dívidas do município com a previdência.  Fui o único prefeito do País afastado por esse motivo. E fui reconduzido ao cargo por decisão do presidente do STF.

Antes de ser afastado a folha da prefeitura estava em dia, a cidade limpa e centenas  de obras sendo executadas.

Retornei ao cargo com 2 meses de salários em atraso, a cidade suja e obras paralisadas.

Mesmo assim 16 partidos queriam apoiar minha reeleição. Nesse período tive uma paralisia facial e princípio de depressão. E nas condições que recebi a prefeitura de volta entendi que não deveria me recandidatar.

Com todos os erros que cometi e não foram poucos, me orgulho de ter sido o prefeito que mais unidades educacionais inaugurou (30 ao todo), todas climatizadas. Que mais asfalto fez (182 km ao todo, com drenagem),  mais construiu e reformou unidades de saúde  (14 ao todo), além de priorizar esses investimentos na periferia.
Fui vítima dos meus  erros e dos ataques desleais de meus adversários, que aproveitaram minhas dificuldades para me desgastar. 

Hoje tento reerguer minha vida prestando consultoria na área pública. Valendo-me de meus erros, no sentido de orientar para que não sejam cometidos pelos meus parceiros, e dos inúmeros acertos que também conquistei.

Não presto serviços apenas na área eleitoral. Meu escritório, sediado em Brasília,  trabalha com recuperação de créditos,  cartão benefícios,  elaboração de projetos,  captação de recursos e várias outras linhas de atuação.

Não tenho entre meus clientes nenhum deputado estadual. São 3 deputados federais e dezenas de prefeitos, inclusive de outros Estados.

Registro também que não fui membro de 8 partidos. Estive no PDT, depois PPS, Pros e MDB, por pouquíssimo tempo. Atualmente ajudo meu irmão,  que comanda o PP no Estado.

Continuo atento à política do Pará,  pois esse é o caminho pra tornar nossa sociedade melhor.

Estou à sua disposição pra conversarmos e debatermos sobre os rumos do nosso Estado.

Aproveito para parabenizar o belo trabalho de comunicação que vem realizando.
À  sua disposição. 

João Salame.

A volta de João Salame



Por Diógenes Brandão

O mercado da Consultoria Política ganha mais um concorrente. Trata-se de João Salame Neto, ex-prefeito de Marabá e uma das principais lideranças da campanha do SIM, no plebiscito da divisão do Pará, agora orienta deputados e prefeitos que concorrem a sucessão, nas eleições municipais de 2020. 

Ao passar por 8 partidos, João Salame já teve mandatos cassados, tanto como deputado estadual, quanto prefeito de Marabá, concluindo o mandato em 2016 pelo MDB, mas sem chances de concorrer à reeleição.

Em 2017 foi nomeado pelo presidente Michel Temer como diretor do Departamento Nacional de Atenção Básica da Secretaria de Atenção à Saúde, do Ministério da Saúde em Brasília, indicado pela família Barbalho.

Hoje, o jornalista de 57 anos, que seguiu a carreira política orienta 2 deputados federais, 1 estadual e mais 03 prefeitos paraenses.

domingo, dezembro 22, 2019

Charles Alcântara: Levamos porrada, inalamos gás de pimenta, nos colocamos na linha de tiro



Por Diógenes Brandão

O ex-petista, que foi o todo poderoso coordenador da campanha de Ana Júlia, na campanha eleitoral de 2006, e, logo depois Chefe da Casa Civil do governo do Pará, deposto por Cláudio Puty, que junto com outros petistas o acusavam de ser "muito barbalhista" Charles Alcântara foi presidente do SINDFISCO e agora é o atual presidente da FENAFISCO, entidade que crítica arduamente o governo de Jair Bolsonaro, publicou uma nota em suas redes sociais, desabafando contra o que ficou conhecido como "Pacote de Maldades" de Helder Barbalho.

O blog avalia o texto sensato, coerente com a história de lutas dos partidos de esquerda, movimentos sociais e sindicalistas dirigentes dos servidores públicos, mas estranha o fato de Charles  Alcântara - carinhosamente apelidado como Mr. Robson, pelo saudoso Juvêncio Arruda, do blog Quinta Emenda - por ele não citar em nenhuma parte do texto, o nome do governador Helder Barbalho.

Confira abaixo o artigo de Charles Alcântara, ou Mr. Robson:

Sobre a reforma da previdência Estadual

Prezados colegas do Fisco Estadual do Pará, Ontem e hoje, vivemos uma página muito infeliz da nossa história que ainda não teve tempo de se tornar uma passagem desbotada na memória de quem passou esses dois dias inteiros em frente à Alepa, lutando não apenas por si próprios, mas por uma multidão que parece anestesiada, talvez alheia ao que se passa no presente ou, quem sabe, desdenhosa do futuro.

Levamos porrada, inalamos gás de pimenta, nos colocamos na linha de tiro do aparato repressivo do governo.

Eu e todos os colegas que estavam ali, sob a orientação e comando do nosso sindicato, não somos melhores nem piores que nenhum de vocês, mas também não somos os únicos responsáveis pela defesa dos direitos de uma coletividade muito maior, da qual cada um de vocês faz parte. Cerca de 40 colegas do Fisco do Pará se dispuseram a participar da luta em frente à Alepa nesses dois dias.

Mas quantos somos, afinal? Não me refiro, é claro, aos colegas que não trabalham ou não residem em Belém. A reforma da Previdência proposta pelo governo estadual é:

I) Mais mais gravosa que a do governo federal, porque sequer o Pará está no rol dos estados em crise financeira;

II) perversa, porque vai fabricar mais pobreza, retirando direitos de gente que já vive com parcos recursos;

III) autoritária, porque imposta sem qualquer espaço para debate e negociação com os servidores;

IV) obscura, porque baseada em estudos de duvidosa consistência e confiabilidade e sem transparência.

A perversidade do governo está próxima de se consumar muito em razão da falta de atitude e da sobra de alienação da grande maioria dos servidores públicos.

Colegas, façam as contas. Vejam quanto foi o seu desconto da previdência em dezembro de 2019 e apliquem sobre esse valor o percentual de 27% (esse é o percentual de aumento na sua contribuição, resultante do aumento da alíquota de 11% para 14%).

No meu caso, a minha contribuição será aumentada em R$ 1.003,86. Esse é o valor da minha redução salarial a partir de 2020. Se eu, que recebo um bom salário, vou sentir o impacto dessa redução, imaginem um servidor que recebe 2, 3, 4 salários mínimos, que também terá a sua contribuição previdenciária agravada em 27%?

Mas isso não é o pior.

A Alepa deve dar uma carta branca ao Executivo para, em caso de déficit atuarial, cobrar contribuição extraordinária dos servidores em percentual indefinido previamente.

Digamos que o governo decida instituir uma contribuição extra de 3%. Isso significa mais 27% de aumento do valor atual de contribuição.

No meu caso, menos R$ 1.003,86 de salário, um rombo no meu orçamento doméstico.

No caso dos servidores públicos de menor patamar salarial, uma tragédia. E nem vou falar das novas regras de pensão por morte, parâmetros de cálculo do benefício de aposentadoria, etc...

A reforma da Previdência do Pará é um duro golpe contra os servidores e o serviço público paraenses, uma perversidade inominável.

Enquanto isso, o mesmo Executivo que chicoteia o lombo dos servidores públicos, apresenta ao Legislativo uma Proposta de Lei Orçamentária 2020, com uma fabulosa renúncia tributária na ordem de R$ 1,8 bilhão para o triênio 2020/2021/2022.

Colegas, acho que muitos de nós estão em dívida consigo mesmos e com a sua coletividade.

Acho que todos nós podemos e devemos fazer um pouco mais por um Fisco melhor, por um Pará e um Brasil mais justos.

Acho, por fim, que não é correto e muito menos ético limitar-se a cobrar, a criticar e a terceirizar ou delegar para o sindicato ou para um grupo de colegas as responsabilidades pela defesa do interesse coletivo.

Sinto-me do direito de lhes cobrar atitude, coragem e dignidade. Grato aos/às que chegaram até o fim desta mensagem/desabafo!

Belém, 18 de dezembro de 2019.

Charles Alcantara

quinta-feira, dezembro 12, 2019

O dia que a PF deu uma batida na sede do governo do Pará



 Por Diógenes Brandão

O blog AS FALAS DA PÓLIS aguardou para obter uma posição do governador em exercício, mas até o fechamento deste artigo, ele evitou comentar o caso. Nas redes sociais e whatsapp, o escândalo viralizou e tornou-se o assunto do dia nas mídias sociais, onde se pôde ver muita mais gente indignada, do que defendendo o governador Helder Barbalho (MDB) e seu vice, Lúcio Vale (PR).

Depois de envergonhar os paraenses em diversos veículos da imprensa nacional, como os telejornais da rede Globo, Bandeirantes, Record, Cultura, Gazeta, entre outros e pressionados pelas críticas e a força de blogs, sites e páginas independentes, os proprietários da RBA TV se viram obrigados a pincelar sobre a operação da polícia federal, que realizou diversas prisões e mandados de busca e apreensão, na manhã desta quinta-feira, 12.

No entanto, a matéria do telejornal Brasil Urgente Pará, que foi ao ar às 16h, só destinou pouco mais de um minuto e escondeu as informações sobre a batida que os agentes federais deram na sede do governo do estado e na casa do vice-governador, Lúcio Vale (PR), que ainda hoje está como governador em exercício, já que o governador Helder Barbalho se licenciou para realizar uma viagem à Europa e ainda não está no Pará.

O blog tentou contato com o suspeito, mas  não obteve êxito, assim como nenhum outro veículo de comunicação conseguiu uma posição do vice-governador, que se recusou a comentar sobre as grave acusações que lhe foram imputadas.

A MANIPULAÇÃO PARA ESCONDER A VERDADE




Empregados do governador do Pará, Helder Barbalho, o apresentador Ronaldo Porto e o repórter Marcos Aleixa limitaram-se a ler uma curta  nota oficial do Governo do Estado, a qual também não disse muita coisa, mostrando o perigo da alienação e da manipulação política de governantes, que são donos de grandes veículos de comunicação.

Nenhum outro telejornal do grupo de empresas de comunicação da família Barbalho tocou no assunto e muito menos tiveram a postura profissional de entrevistar os acusados, entre eles, o vice-governador, que até agora não explicou seu envolvimento no esquema de desvio de R$39 milhões de reais, surrupiados covardemente de 10 pobres prefeituras paraenses, pra piorar, da merenda e do material escolar de milhares de crianças, sem falar dos professores, que trabalham sem reajustes salarias e locais de trabalho dignos.

quarta-feira, dezembro 11, 2019

Funcionalismo irá paralisar nesta quinta (12) contra a reforma da Previdência de Helder Barbalho


Por Midi Flores, via Esquerda Online

O governador do Pará, Helder Barbalho (MDB), tenta aprovar no apagar das luzes do ano de 2019, uma proposta de emenda à constituição do Estado, que irá alterar o regime previdenciário dos (as) servidores (as) públicos estaduais, aumentando de 11% para 14%, o desconto em folha da alíquota previdenciária. 

Além dessa inescrupulosa PEC, Helder também encaminhou outros 4 Projetos de Lei para a Assembleia Legislativa do Pará (ALEPA) que retiram direitos, como a redução para 50% da remuneração para pensão por morte, criação de regime de previdência complementar, aumento da idade para aposentadoria compulsória para 75 anos, limitação licença para mandato classista a somente 1 servidor (a) por entidade e fixação do fator 105, que é a soma entre idade e tempo de contribuição para garantir a aposentadoria. 

Helder Barbalho vem demonstrando ser um braço do governo federal tanto nas aplicações de graves violações de direitos humanos, com a intervenção nos presídios do estado, como na aplicação de retirada de direitos de servidores.

Com esse pacotaço de maldade contra o serviço público, antecipa o que propõe a PEC paralela que Bolsonaro e sua equipe econômica quer impor, mas que ainda não foi apreciada no Congresso Nacional. 

Por isso, convocamos todos os trabalhadores e trabalhadoras do serviço público estadual, a resistir aos ataques e garantir que dia 12/12, às 9h, em frente à ALEPA seja uma grande manifestação, capaz de construir um movimento forte para barrar as medidas que representam, na prática, redução salarial de muitas mães e pais de família, que há anos vêm sofrido com a desvalorização e desrespeito dos últimos governos.

Precisamos de muita união e luta dos (as) trabalhadores (as) paraenses pra evitar a aprovação desse ataque.

Fazemos também um chamado à militância do PT e PCdoB para que exijam dos dirigentes desses partidos que compõem o governo mdbista, para que fiquem do lado dos servidores públicos em luta e não do lado do governo Barbalho. 

Todos (as) à ALEPA! Nenhum direito a menos.

terça-feira, dezembro 10, 2019

Helder demite para contratar apadrinhados



Por Diógenes Brandão

A matéria DEMISSÃO EM MASSA, publicada pela Roma News, revelou um provável esquema de contratação de funcionários apontados por apadrinhados políticos do governador Helder Barbalho.

Segundo denúncia que chegou ao blog nesta tarde de terça-feira, 10, centenas de servidores temporários, que acreditaram, se inscreveram e participaram do processo seletivo iniciado em Agosto, para preencherem as vagas ofertadas pelo hospital Abelardo Santos, foram admitidos  em Setembro e agora estão sendo demitidos em massa, sem nenhuma explicação cabível.

O motivo, segundo a fonte, um médico concursado do estado - que por motivos óbvios pediu para não ser identificado - é a troca destes servidores selecionados via Processo Seletivo Simplificado -  o que por sí só, já é uma aberração, pois descarta o concurso público e precariza a contratação - por indicações políticas de deputados e até figurões do judiciário paraense.

Se confirmada a veracidade do caso, a gravidade deste tipo de contrato deve ser investigada e punida pelos órgãos competentes, como o Ministério Público.

O blog está em campo apurando a denúncia e investigando as novas contratações que substituem os funcionários que já estavam se adaptando ao trabalho no hospital Abelardo Santos, inaugurado duas vezes em menos de um ano e que até hoje possui dois andares desativados e sem uso.

Leia a matéria Demissão em Massa, do portal Roma News:

Uma funcionária do Hospital Abelardo Santos, em Icoaraci, afirmou que 270 servidores foram demitidos da unidade de saúde na última semana. A técnica em enfermagem não quis se idenficar e disse que diariamente 20 ou 30 pessoas eram demitidas. 

Em entrevista ao portal Roma News, a funcionária afirmou que não houve sequer aviso prévio. "Fui demitida no final da tarde desta segunda-feira, 9. Eles não avisaram nada.

Eu e um enfermeiros fomos ao departamento de Recursos Humanos (RH) para assinar o contracheque e fomos informados que o nosso período de experiência de três meses havia terminado e que estávamos demitidos", desabafou a servidora que exerce a profissão há mais de 30 anos.

Todos os funcionários desligados trabalhavam no hospital desde a inauguração, no dia 19 de setembro, e estavam no período de experiência, que dura três meses.

"Ninguém deu satisfação pra gente. Todos nós estávamos com a Carteira de Trabalho assinada. Desde a semana passada cerca de 20 pessoas eram demitidas todos os dias. E hoje chegou a minha vez", disse. 

Os servidores demitidos foram contratados em um Processo Seletivo Simplificado, organizado pela Associação da Irmandade da Santa Casa de Misericórdia de Pacaembu, uma Organização de Serviço em Saúde (OSS). "Fizemos todo o processo pela Santa Casa de Pacaembu. Desde a entrega dos documentos e currículos até a prova psicotécnica", disse Francilda Silva, 40, outra funcionária que também foi demitida do Abelardo Santos.

Recém-formada em enfermagem, Francilda foi desligada na última sexta-feira, 6, no início do expediente e ainda foi obrigada a trabalhar o plantão inteiro.

"Fui demitida na sexta-feira de noite. Me chamaram no RH para ser demitida e ainda fizeram a gente cumprir todo o nosso plantão de 12 horas. Nós trabalhamos para não desfalcar a população que precisa do hospital, mas todo mundo estava muito abalado. Minha pressão subiu e tive que ser encaminhada para a urgência. Meu psicológico está abalado, não consigo sair de casa. Larguei um outro emprego no interior para assumir esse", lamentou. 

Com a demissão em massa, alguns funcionários tiveram que ser remanejados para o hospital continuar funcionando normalmente. "O único enfermeiro da clínica cirúrgica foi demitido e outros foram trocados de setor pra garantir o funcionamento", afirmou Francilda. 

"Me sinto discriminada. Ninguém foi avisado de nada. Foi uma falta de respeito não só comigo, mas com vários outros profissionais. Muita gente boa foi demitida", disse a técnica em enfermagem que não quis se identificar.

"Estamos tentando falar com o sindicato dos enfermeiros para tentar refazer essa decisão e conseguir o emprego de volta. Muita gente só tinha esse emprego e todos nós estamos sem saber o que fazer", confessou Francilda.

A reportagem do portal Roma News entrou em contato com a Secretaria de Saúde Pública do Pará (Sespa) pedindo um posicionamento sobre o caso. Até a publicação desta matéria, a nossa solicitação não foi respondida. Portanto, este texto está sujeito a alterações.

domingo, dezembro 08, 2019

Quem lucrou com o polêmico "puxadinho" da Casa das Onze Janelas

A Casa das Onze Janelas teve seu restaurante privatizado, em contrato de concessão. A empresa que explora o lucro ganhou a obra realizada com dinheiro público para atender mais clientes e quem paga é o povo do Pará, que pouco frequenta o lugar?

Por Diógenes Brandão

A instalação de uma estrutura de ferro e vidro levantou o debate sobre a desconfiguração de obras tombadas como patrimônio cultural. Se melhorou ou não, o tempo nos dirá, mas o que precisa ser explicado agora é quem fez, quanto custou, quem são os beneficiados, pois a obra envolve o uso de espaço e recursos públicos para benefício de uma empresa que goza da exploração comercial do prédio da Casa das 11 Janelas.

Em meio a toda essa polêmica quanto ao “puxadinho” da Casa das Onze Janelas, me vem algumas dúvidas, ainda não reveladas por quem de direito. 

Afinal, perguntar não ofende:

Quem é o responsável por essa Obra? A Secult/Governo do Estado? Ou a “Casa do Saulo”, restaurante que vai explorar comercialmente o espaço e, por isso mesmo, o mais beneficiado com a colocação de mesas e cadeiras no corredor e na parte dos fundos que dá pra Baía do Guajará, justamente os espaços que serão cobertos pela estrutura que está sendo montada? 

Qual o valor dessa obra? 

De quem é o projeto com essa estrutura pesada de ferro e vidro?

Qual foi a empresa contratada pra fazer essa obra no espaço público? 

Por que não tem nenhuma placa com as informações de custo e prazo de conclusão, como é de praxe e obrigatório por lei em qualquer obra pública? 

Afinal, essa é a primeira obra do governo Helder Barbalho, pra chamar de sua. E seria prudente que o respeitado público, que paga impostos, fosse informado pra onde está indo o seu suado dinheirinho.




Jader Barbalho Filho quase é vaiado em evento do PT

Jaderzinho quase é vaiado em evento do PT. O motivo seria de promessa não cumprida pelo irmão, o governador Helder Barbalho, de pagar o Piso Nacional da Educação.


Por Diógenes Brandão

Jader Filho, presidente estadual do MDB, os deputados estaduais Miro Sanova (PDT) e Marinor Brito (PSOL), além do dep. federal Edmilson Rodrigues (PSOL) foram as únicas figuras públicas que estiveram na, segundo informado por petistas, esvaziada posse do deputado federal Beto Faro, como presidente estadual do PT, na noite deste sábado, 7, em um hotel de Ananindeua. 



AMEAÇA DE VAIA 

A rápida passagem de Jader Filho causou revolta em um grupo de professores petistas que ameaçaram vaiar o presidente do MDB, irmão e sócio do governador Helder Barbalho, caso ele entrasse ou fizesse um discurso no evento.

Inconformados pelo não pagamento do Piso Nacional da Educação, 'Jaderzinho' foi Informado da rejeição dos militantes e após cumprimentar Beto Faro na parte externa do hotel, saiu do local pela "porta dos fundos".

CONSTRANGIMENTO

Outro que também causou um grande mal estar entre os presentes foi o Secretário do Sistema Penal do estado, Jarbas Vasconcelos, que ficou conhecido por no passado, ter sido defensor dos Direitos Humanos e assim que assumiu um cargo político, foi responsável pela Chacina de Altamira, a maior já ocorrida no Pará e a segunda maior do Brasil. 



SEM PRESTÍGIO 

Além da posse mais esvaziada na história do PT, segundo militantes históricos nos informaram, o novo presidente do partido no Pará, Beto Faro, não teve a presença de nenhum dirigente nacional do PT, sem falar que um dos três deputados estaduais, Dirceu Ten Caten, também não prestigiou o evento. 

Além de Dirceu, o PT tem dois deputados estaduais: Carlos Bordalo e Dilvanda Faro, esposa de Beto Faro. Ela e Bordalo são do grupo interno de Beto e, claro, não poderiam faltar.

sexta-feira, dezembro 06, 2019

Deputado que relatou a reprovação das contas de Jatene é investigado pelo Ministério Público

Wanderlan Quaresma (MDB) é um dos pré-candidatos do governador Helder Barbalho para prefeitura de Belém.

Por Diógenes Brandão


Aliado e membro do MDB, partido do governador Helder Barbalho e responsável pelo relatório apresentado na Comissão de Fiscalização, Finanças e Orçamento da ALEPA, que acabou sendo aprovada a recomendação de rejeição das contas do último ano do mandato do ex-governador Simão Jatene, o deputado estadual Wanderlan Quaresma (MDB) está sendo investigado pelo Ministério Público do Estado do Pará por “possíveis irregularidades” que teriam sido cometidas pelo deputado quando ele ainda exercia o mandato de vereador de Belém.

É que antes de chegar à ALEPA, Wanderlan Quaresma exerceu diversos mandatos como vereador de Belém e por conta disso, está sendo investigado pelo Ministério Público do Estado, após o promotor Daniel Henrique Queiroz de Azevedo instaurar inquérito civil público para apurar  denúncias de que ele, Wanderlan, teria utilizado funcionários das secretarias municipais para trabalharem em sua clínica  La Fertile, “sendo pagos com dinheiro público”.

A informação publicada no blog do jornalista Lúcio Flávio Pinto, informa que o vereador também estaria usando acadêmicos de medicina “que ainda não terminaram seus cursos de formação superior”, preenchendo guias do SUS e usando cartões de desconto em troca de votos.

O inquérito civil foi determinado pelo promotor Daniel Henrique Queiroz de Azevedo, da 1ª Promotoria de Justiça de Defesa do Patrimônio Público e da Moralidade Administrativa. 

O blog tenta descobrir como está o trâmite do processo e voltará para informar as leitoras e leitores sobre esse assunto.

PSDB defende legado de Jatene e ameaça expulsar deputados "traíras"

Contas de Jatene: Aprovadas pelo TCE e reprovadas por Comissão de Finanças da ALEPA.

Por Diógenes Brandão


Depois das publicações do blog AS FALAS DA PÓLIS trazerem as informações e provas sobre a apreciação e votação do relatório do deputado Wanderlan Quaresma (MDB), aprovado pelos  demais deputados da Comissão de Orçamento e Finanças da ALEPA, que indicou  a reprovação das contas de Simão Jatene, o PSDB acaba de publicar uma nota de esclarecimento, assinada pelo presidente estadual da legenda, o deputado federal Nilson Pinto.

Leia também: ALEPA: O voto de Cilene Couto pela reprovação das contas de Jatene

Nela, o partido do ex-governador sai em sua defesa e de seu governo, assim como sinaliza a possibilidade de expulsar dos seus quadros, aqueles que votaram a favor da rejeição das contas do último ano do exercício do mandado de Simão Jatene.

NOTA DE ESCLARECIMENTO

A presidência do PSDB-PA considera inaceitável a decisão da Comissão de Fiscalização Financeira e Orçamentária da Assembleia Legislativa do Pará de rejeitar as contas do governador Simão Jatene referentes ao exercício de 2018, em total desrespeito à orientação dada pelo Tribunal de Contas do Estado, que em setembro passado aprovou por unanimidade referidas contas. 

A postura assumida por deputados do PSDB no episódio contraria frontalmente a posição do Partido sobre o assunto.

O PSDB compartilha da opinião do TCE sobre a correção das contas do governador Jatene, elogia a seriedade e a competência de sua gestão e tem orgulho do legado por ela deixado. 

Ao tempo em que se solidariza com o governador Jatene, esta presidência informa que submeterá o caso ao Conselho de Ética do Partido, para a avaliação da conduta adotada pelos deputados do PSDB e a definição das punições cabíveis. 

Belém, 6 de dezembro de 2019
                 
Nilson Pinto


quinta-feira, dezembro 05, 2019

Os deputados que indicam a reprovação das contas de Simão Jatene

O ex-governador Simão Jatene teve suas contas reprovadas na Comissão de Finanças da ALEPA. Decisão final será definida no plenário.


Por Diógenes Brandão


O blog recebeu com exclusividade uma cópia do relatório da reunião extraordinária da Comissão de Orçamento e Finanças da ALEPA, na qual foi aprovado, por unanimidade, o parecer do relator,  deputado Wanderlan Quaresma (MDB), rejeitando a prestação de contas do governo do estado, referente ao exercício financeiro de 2018, o último ano do governo de Simão Jatene.

As últimas páginas revelam os deputados que votaram favoráveis à reprovação das contas do ex-governador Simão Jatene, o que pode torná-lo inelegível por 08 anos.

Conforme anunciado de forma exclusiva por este blog, a deputada estadual Cilene Couto (PSDB) assinou o documento contra o  seu companheiro de partido.






ALEPA: O voto de Cilene Couto pela reprovação das contas de Jatene

Na foto, Cilene Couto ao lado de Helder Barbalho, dias antes do seu aniversário, junto com a cúpula tucana, em uma visita de cortesia, em maio deste ano.

Por Diógenes Brandão

Ninguém entendeu até agora o que motivou Cilene Couto (PSDB) a votar favorável ao relatório elaborado por Wanderlan Quaresma (MDB), na Comissão de Orçamento e Finanças da ALEPA, que reprovou as contas do último ano do mandato de Simão Jatene. 

Contrariando a decisão do Tribunal de Contas do Estado, que aprovou por unanimidade as contas do ex-governador, o deputado aliado do governador Helder Barbalho não cumpriu o tempo regimental para convocar a reunião que acabou sendo realizada sem a presença de deputados como Eliel Faustino (DEM) e Thiago Araújo (Cidadania). 

Leia também: Contas de Jatene são reprovadas por Comissão de Finanças da ALEPA

Em Maio, o jornalista Marcelo Marques, publicou uma matéria sobre alguns fatos da vida política da deputada tucana, em seu blog. 

Leia abaixo o que o blog do Bacana News disse sobre a deputada estadual Cilene Couto:

A deputada desesperada

Ela rompeu com o próprio pai optando por ficar com Jatene quando esse enterrou as possibilidades do pai em se reeleger.

Ela foi uma das mais agraciadas no governo de Simão, nem te digo como….

Ela foi uma das vozes mais desvairadas e acusatórias contra o agora governador e sua família.

Não teve papas nas línguas, falou o que quis, como quis e da forma que quis.

Na posse de Helder lá estava ela com a cara de quem havia levado um chute na canela, na posse de Daniel a mesma cara.

Mas….

Já tenta se aproximar, começou fazendo s corte, chegando de mansinho.

Até o pobre do ouvido do Daniel ela alugou.

Fez o mesmo com o ouvido de outros deputados governistas.

Quer um cantinho, um abrigo, quer qualquer coisa.

Colará?

Aí depende.

Tem quem aposte que sim, tem quem aposte que não.

Como na política paraense já se viu de tudo, a gente continua urubuservando.

Muitas vezes os inimigos de outrora viram os melhores amigos.

Outras não, continuam sendo tratados da forma que deveriam, encostados no cantinho.

Vamos ver.


quarta-feira, dezembro 04, 2019

Prisão de brigadistas faz Helder Barbalho passar Bolsonaro no sonho do AI-5 próprio

Helder já havia ganhado quatro atos institucionais do pai, Jader Barbalho, quando completou 18 anos.

Por Diógenes Brandão

A postura vacilante do governador Helder Barbalho lhe rendeu mais uma matéria em revista de circulação nacional. Dessa vez foi a Piauí, do grupo Folha/UOL.

Com seu humor político, a publicação lembrou de como Helder se esforçar para superar Bolsonaro em sua investiga policialesca contra minorias, ONGs e movimentos sociais.

Leia a matéria AMAZÔNIA ILEGAL, da revista Piauí.

“Se eu conquistei isso é porque eu me-re-ci!”, afirmou Helder Barbalho, durante a cerimônia de entrega de atos institucionais na tarde dessa quarta-feira. O governador do Pará recebeu a honraria após a Polícia Civil do seu estado prender quatro brigadistas responsáveis por combater queimadas em Alter do Chão. O Ato Institucional nº 5 foi entregue a Barbalho num grande evento televisionado, que contou com a presença do famoso Caminhão do Olavão. “Ô loco, meu, a gente sabe que o Jair Bolsonaro é um grande fera, pai de família, que sempre batalhou por um ato institucional pra ter na sala de casa”, revelou o apresentador Olavão. “Mas antiguidade é posto. Tem que respeitar os Barbalhos, gente batalhadora, que mesmo não sendo do PSL, está botando pra quebrar aqui no Pará há mais de três décadas, meu!” Emocionado, Helder Barbalho contou que pretende enquadrar o AI-5 com uma moldura feita de pau brasil fresquinho, extraído de uma área de proteção ambiental. “Esse documento é uma vitória pra todos os grileiros – quer dizer, brasileiros – que passaram anos sendo reprimidos por ONGs que não nos permitiam prender brigadistas de incêndio só por causa de um detalhe irrisório como falta de provas”, declarou Barbalho, que aproveitou pra dedicar o prêmio ao juiz que determinou a prisão preventiva dos brigadistas e depois negou a liberdade deles na audiência de custódia. “É um verdadeiro herói do meio ambiente, como o Ricardo Salles.”

Sem o PT, partidos de oposição a Bolsonaro criam Frente Centro-esquerda

A reunião com dirigentes do PSB, PDT, Rede e PV deu um passo decisivo para construir uma frente de partidos de oposição a Bolsonaro e uma agenda positiva e progressista ao país.

Por Diógenes Brandão.

Acaba de ser realizada uma reunião que pode entrar para a história da centro-esquerda brasileira.

Reunidos na noite desta terça-feira, 4, em Brasília, dirigentes do PSB, PDT, Rede e PV acertaram os primeiro passos para construir uma frente de partidos, com uma pauta em comum: Atuarem coletivamente para encontrar saídas em favor do Brasil.

Um paraense esteve presente na reunião. Trata-se de Zé Carlos Lima, ou Zé Carlos do PV.

Além dele, o senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP), líder da oposição no senado, Carlos Lupi, presidente Nacional do PDT, Carlos Siqueira, presidente nacional do PSB, Alessandro Molon (PSB-RJ), líder da oposição na Câmara dos Deputados, além de Pedro Ivo, Porta-voz da REDE Sustentabilidade, André, Penna entre outras lideranças destes partidos.

A ideia não é nova, mas tem ganhado mais consistência com a oposição programática ao governo Bolsonaro.

Amanhã o blog informa se a frente dialogará ou se manterá um certo distanciamento do PT e partidos mais a esquerda, como o PSOL e PCdoB, mas já adianta que essa possibilidade é muito remota.