Pesquisar por palavra-chave

terça-feira, julho 30, 2019

Intervenção federal no Pará revela incapacidade de Helder Barbalho

Governador Helder Barbalho não dá conta de resolver os problemas da Segurança Pública do Pará e apela novamente por ajuda do governo federal.

Por Diógenes Brandão

Eleito governador com apenas 39 anos e o suporte de uma megaestrutura financeira, partidária e comunicacional, em 06 meses Helder Barbalho bem que tenta provar o contrário, mas os fatos revelam que ele não possui competência, maturidade e a experiência necessárias para enfrentar a realidade de um Estado complexo e cheio de problemas sociais históricos, como a violência, que ele vive dizendo estar reduzindo, mas o que vemos é uma série de eventos inéditos, que surpreendem pela falta de preparo do governo em evitar que eles aconteçam, como a chacina do Guamá e agora o massacre de Altamira, os maiores casos com assassinatos em massa, em todo o país este ano.

Leia também: Contradições no governo revelam omissão para evitar a maior chacina do Pará

Mal a Força Nacional de Segurança deixou o Pará, após ser solicitada e ter passado dois meses ajudando no policiamento da região metropolitana e mais um novo pedido de ajuda foi feito ao Ministro da Segurança através de ofício, onde Helder Barbalho solicitou o imediato envio de uma tropa de Força-tarefa de Intervenção Penitenciária com, no mínimo, 40 homens. Sérgio Moro atendeu a demanda e disse que vai ajudar, enviando a tropa por 30 dias.

Anteontem, 57 detentos foram executados no presídio de Altamira, sendo que 16 foram decapitados. 

"Trata-se do maior massacre numa penitenciária desde 1992, quando 111 pessoas morreram no Carandiru", noticiou O Globo.

Contradições no governo revelam omissão para evitar a maior chacina do Pará

Foto divulgada pelo jornal Folha de São Paulo mostra as cabeças de presidiários decapitados na chacina de Altamira.

Por Diógenes Brandão

O alto comando da segurança pública do Pará está batendo cabeça. 

Afinal, com quem está a verdade?   

Depois do Secretário Extraordinário para Assuntos Penitenciários, Jarbas Vasconcelos, afirmar que nenhum Relatório de Inteligência indicava que um ataque de grandes proporções estava próximo de Altamira, a Folha de São Paulo divulgou que, segundo o Secretário Adjunto de Inteligência e Análise Criminal do Pará, delegado Carlos André Costa, a alta cúpula da segurança paraense ja monitorava as ações do Comando Vermelho (CV) e sabia que o grupo estava disposto a investir sobre as ações do PCC.  

Ou seja, o Secretário Adjunto de Inteligência do Pará desmentiu o Secretário Extraordinário para Assuntos Penitenciários e, pior, expôs a negligência do Estado, por meio da Secretaria de Segurança Pública, em adotar as providências necessárias para que a matança não ocorresse.