Pesquisar por palavra-chave

BATE-PAPO DA PÓLIS

terça-feira, outubro 16, 2018

Um ano depois de deixar o PT, PCdoB trouxe menos votos à Ana Júlia



Por Diógenes Brandão

Ana Júlia Carepa chegou onde poucas mulheres conseguem chegar: Foi a primeira mulher a governar o Pará.

Filiada ao PT, teve uma carreira política exitosa: Foi eleita pela primeira vez como vereadora de Belém em 1992 e dois anos depois foi eleita deputada federal. Em 1997 foi eleita vice-prefeita da capital do Estado. 

Em 2000, foi eleita novamente vereadora, a mais votada da história de Belém até os dias atuais.

Em 2002 se tornou a primeira mulher a representar o Pará no Senado da República, com votação histórica, mais de um milhão de votos.

Em 2006, foi eleita governadora do Estado do Pará. Em 2010 tentou a reeleição, mas foi derrotada por Simão Jatene (PSDB), eleito no segundo turno com uma vantagem de 10.48% dos votos válidos. Mesmo assim, Ana Júlia obteve 1.477,609 votos. 

Em 2014, disputou o cargo de deputada federal, quando recebeu 58.938 votos, mas não conseguiu eleger-se.   

Deixou o PT em outubro de 2017, após 30 anos de militância no partido, e anunciou o ingresso no Partido Comunista do Brasil. 

O PCdoB a deixou como única candidata do partido na disputa por uma vaga de deputada federal, mas mesmo assim, um ano depois da mudança de partido, Ana Júlia não conseguiu eleger-se, tendo obtido em 2018, sua menor votação na disputa por uma vaga na Câmara dos Deputados: 54.058 votos.

Há quem diga, que se tivesse escolhido outro partido, suas chances teriam sido melhores.

Márcio Miranda é o convidado do Bate-papo da Pólis desta terça. Participe!



Por Diógenes Brandão

No Bate-papo da Pólis desta terça-feira, 16, o programa recebe Márcio Miranda, deputado estadual, presidente da ALEPA por três mandatos consecutivos e candidato ao governo do Estado do Pará, que disputa com Helder Barbalho, o segundo turno das eleições deste ano.  

A transmissão será ao vivo pelo blog AS FALAS DA PÓLIS, no Youtube e em nossas redes sociais, bem como será retransmitido por um pool de blogs e redes sociais de jornalistas e ativistas digitais com maior audiência no Estado.

O programa vai permitir o envio de perguntas e considerações ao vivo, a partir das 20h.

Não perca! 

PS: A assessoria do candidato Helder Barbalho ficou de retornar o contanto feito ainda na semana passada, para confirmar o melhor dia para o mesmo também participar do Bate Papo da Pólis.

segunda-feira, outubro 15, 2018

Quem são os candidatos do "Gordo do Aurá"?

Por Diógenes Brandão

Dr. Daniel (PSDB) é vereador de Ananindeua, segundo maior município do Pará, pertencente à Região Metropolitana de Belém, eleito como o deputado estadual mais votado nas eleições deste ano, no Pará, protagonizou uma das estratégias mais utilizadas neste segundo turno: A exibição de adesões políticas e de apoio aos candidatos que disputam as o cargo de governador do Estado.

No último sábado (13), o blog AS FALAS DA PÓLIS publicou a matéria Mais um tucano cooptado assume a campanha de Helder Barbalho, onde confirmamos a ligação de Dr. Daniel com a família Barbalho.

No entanto, circulam pelas redes sociais, fotos e vídeos onde o Dr. Daniel aparece pedindo e recebendo apoio de  nacional conhecido como "Gordo do Aurá", o qual é vereador de Ananindeua e se encontra preso desde o dia 04 de Setembro deste ano, acusado de liderar uma facção criminosa. A prisão do vereador foi realizada durante a operação  em uma área chamada "Cidade de Deus”, localizado no bairro do Aurá, em Ananindeua.  

A propaganda eleitoral oficial e extra-oficial de Helder Barbalho (MDB) tem veiculado a imagem do 'Gordo do Aurá", como sendo apoiador de seu rival, o candidato Márcio Miranda, já que ambos são filiados ao DEM. 

No entanto, assim como "Gordo do Aurá", a campanha de Helder tem cooptado diversas lideranças do PSDB, como Dr. Daniel e exibido como se fossem prêmios ou uma vantagem sobre seu adversário.

Na foto e vídeo abaixo, veja os momentos em que Dr. Daniel (PSDB) assume a campanha de Helder Barbalho (MDB).




Agora veja Dr. Daniel (PSDB) com o "Gordo do Aurá", recebendo e dando apoio um ao outro, durante uma caminhada no Aurá, poucos dias antes de ser preso.







PT troca campanha de Haddad pela de Helder Barbalho

Desde 2014, a direção do PT-PA vestiu a camisa do PMDB e de lá pra cá, prioriza a campanha de Helder Barbalho ao governo do Estado do Pará.

Por Diógenes Brandão

A campanha de Fernando Haddad praticamente inexiste no único estado da região norte, onde o candidato do PT foi mais votado no primeiro turno. 

Apesar do apoio do povo paraense recebido nas urnas, a coordenação da campanha de Haddad hoje dedica-se a fazer a campanha do candidato do MDB ao governo do Estado, após assumirem a tarefa de eleger o filho de Helder Barbalho, como tentaram nas eleições de 2014. 

A falta de atividades e material de campanha, tem frustrados milhares de simpatizantes e eleitores de Fernando Haddad, que reclamam nas redes sociais e através delas fazem o que podem para evitar a eleição de Jair Bolsonaro, que supreendentemente, cresceu logo após o segundo turno e do anúncio de que o PT faria campanha para Helder Barbalho (MDB). Jair Bolsonaro descartou a possibilidade de declarar apoio aos candidatos que disputam o cargo de governador nos Estados, e aqui no Pará, Helder Barbalho e Márcio Miranda, que disputam o segundo turno, também não declararam apoio a nenhum candidato a presidente do Brasil.

Haddad, que esteve em Belém uma única vez nessas eleições, no dia 28 de Setembro, disse que conheceu o Pará já como ministro de Lula, inaugurando universidades. De lá prá cá, os interessados em votar no petista adotam seus próprios métodos para fazerem sua campanha, já que praticamente não se vê manifestações de rua, não há distribuição de materiais e nem caminhadas pelos bairros e municípios, como sempre o PT fez em suas campanhas. 

Já na de Helder, a direção do PT se jogou de corpo e alma, mas a militância e simpatizantes não. Sabendo disso, os parlamentares e lideranças petistas não estão assumindo o acordo feito pela executiva estadual do partido e não assumem a campanha de Helder nas suas redes sociais. 

"Só nos últimos 10 dias é que vamos receber uma ajuda para ir pra ruas e mostrar a cara", confessou uma militante, que em toda eleição recebe uma ajuda de custo para balançar bandeiras em comícios, feiras e sinais, além de participar de caminhadas.

Para um professor universitário que vai votar em Haddad, "esse tipo de militantes foi o que deixou o PT transfigurado e em contradição, perdendo apoio de setores importantes na sociedade". Segundo ele, que prefere não dizer seu nome, "os burocratas tornaram-se tão pragmáticos, que pouco importa de onde vem o dinheiro, o importante é ter a estrutura necessária para tocar a campanha e eleger o projeto político que favoreça a população, sobretudo os mais pobres", conclui.

domingo, outubro 14, 2018

A vingança de Pioneiro contra Jatene evitou a reeleição de Flexa Ribeiro

Flexa Ribeiro (PSDB)  deixa de ser reeleito por falta de votos que migraram para o Coronel Osmar (PDT), candidato apoiado por Manoel Pioneiro (PSDB).

Por Diógenes Brandão

Ao comentar, via Whatsaap, a matéria Mais um tucano cooptado assume a campanha de Helder Barbalho, um servidor público da prefeitura de Ananindeua, enviou ao blog, uma mensagem privada, onde lembra de um fato político e corrobora com o trecho abaixo:

É isso mesmo, amigos e amigas do blog: A candidatura de Márcio Miranda (DEM) é fruto de uma indicação política estudada, calculada e reiterada em reuniões com o governador e diversos setores ligados aos deputados federais e estaduais, que o elegeram pela primeira vez presidente da ALEPA e o reelegeram por mais duas vezes, de forma unânime e durante todo o ano de 2017, foi indicado com veemência pelo grupo formado por quase metade dos deputados estaduais, os quais a maioria dá suporte e sustentação ao governo tucano, mas que não queriam mais que o PSDB estivesse no comando do executivo estadual a partir de 2018. 

Ou seja, Márcio Miranda não foi escolhido por Simão Jatene e nem pelo PSDB, como reza a lenda.   

Prova inconteste disso é que diversos outros tucanos tiveram que recuar em seus propósitos umbilicais, tais como a filha do governador, Izabela Jatene, o senador Flexa Ribeiro, o secretário especial Adnan Demachki, o prefeito de Belém, Zenaldo Coutinho e  o diversos outros nomes de peso no PSDB, que passaram a compreender que sem atender esse clamor dos seus aliados, o PSDB não teria um nome competitivo para enfrentar a família Barbalho, seus principais adversários no Pará.  

A história está aí sendo construída e no primeiro turno já mostrou que a estratégia criada no parlamento paraense pode ser consolidada no dia 28 deste mês, após abrirem-se as urnas e o resultado das eleições for anunciado.  

Quem viver, verá!

Pois bem, agora vamos ao que disse, o servidor público de Ananindeua, que por motivos óbvios preza pela anonimato:

"Realmente, Pioneiro age de fato para se vingar de Jatene. Digo isso pois sei que em 2014, após reeleger-se prefeito de Ananindeua, ele foi logo procurado pelo governador, que terminou aquele primeiro turno atrás de Helder Barbalho, que por muito pouco não foi eleito. Naquele momento, Pioneiro foi cortejado, abraçado, homenageado pela família Jatene e dali em diante entendeu que ele é que seria o futuro sucessor de Simão Jatene. Mas acontece que logo que foi reeleito, Jatene passou a novamente a recolher-se em sua reserva aos mais íntimos, onde Pioneiro não participa. Jatene sempre foi assim: Reservado, nunca gostou de receber prefeitos e deputados, pois sempre há pedidos e demandas e ele detesta ser cobrado ou ter que atender pedidos, fora do período eleitoral, quando realmente precisa se submeter a essa prática político-eleitoral. 

Quando foi inaugurar uma obra em Ananindeua, Jatene em seu discurso disse que o governo do Estado do Pará não deveria cair em mãos erradas, as quais estão com seus nomes nas investigações da Lava Jato. Uma DAS de Pioneiro então gritou do meio da platéia que ouvia o governador: "Indique o Pioneiro".

Foi então que Simão Jatene passou a falar das qualidades e vantagens de Márcio Miranda, dizendo que ele moralizou a ALEPA, construindo uma ampla frente de parlamentares que juntos realizaram ações que economizaram recursos, tiraram privilégios e trouxeram uma nova imagem pública da instituição, perante à sociedade. E fez mais, exaltou a competência como gestor, já que Márcio Miranda está em seu terceiro mandato como presidente da ALEPA, nas quais foi reeleito duas vezes de forma unânime, inclusive com os votos dos deputados do MDB e todos os demais partido.

Isso tudo sendo dito, ali, na frente de Manoel Pioneiro, o deixou com a cara "azeda". 

Desde esse dia, nunca mais o prefeito de Ananindeua foi sincero ao tratar de política com Jatene e seu partido, o PSDB. 

Esse ano, ao ter certeza de que não teria forças para disputar na convenção partidária, a indicação de seu nome ao governo e para mostrar o quanto é vingativo, indicou para a disputa ao senado, o seu secretário de obras, que não se elegeu, mais obteve 324.331 votos, os quais se fossem somados aos 1.138,337 votos recebidos por Flexa Ribeiroteriam garantido a reeleição do tucano, que ficaria com 1.462,708 votos e assim seria o senador mais votado nestas eleições, superando Jader Barbalho e Zequinha Marinho.

Bolsonaro abre 10% sobre Haddad, Márcio Miranda cresce e Helder Barbalho estabiliza, aponta DOXA

Mesmo mantendo a liderança na disputa do segundo turno, Helder Barbalho teve uma leve queda, enquanto Márcio Miranda cresceu significativamente, aponta o mais novo estudo eleitoral do Instituto DOXA de Pesquisas.

Por Diógenes Brandão, com informações da DOXA Pesquisas

A divulgação da mais nova pesquisa do Instituto DOXA realizada após o resultado eleitoral do primeiro turno, mostra que Márcio Miranda cresceu 9,3 pontos percentuais, em relação ao resultado das urnas, enquanto Helder Barbalho teve uma queda de 0,89%, em relação ao mesmo resultado eleitoral do primeiro turno.

Quando estimulados, os eleitores entrevistados continuam apontando Helder Barbalho na liderança, mas a diferença para Márcio Miranda continua diminuindo a cada pesquisa. Neste momento, faltando duas semanas para o segundo turno, a diferença entre os dois candidatos é de 7.4% 

Helder Barbalho (MDB) obteve 46,8% das intenções de voto; Márcio Miranda (DEM) ficou com 39,4%. Indecisos somam 6,6%; e os que pretendem votar branco ou anular o voto são 7,2%. 


Já na disputa presidencial, Jair Bolsonaro (PSL) abriu uma diferença de quase 10% sobre seu adversário, Fernando Haddad (PT). 

Na pesquisa estimulada, Jair Bolsonaro (PSL) está com 47,8% e Fernando Haddad ficou com 37,7%. Indecisos são 4,9% e os que pretendem anular ou votar em branco somam 9,5%.

Comparando com o resultado eleitoral do primeiro turno, quando Fernando Haddad teve 41,39% e Bolsonaro 36,19% dos votos válidos, a pesquisa DOXA revela uma virada surpreendente no Estado do Pará.

A pesquisa foi registrada no TRE-PA sob o protocolo PA-07843/2018  e foi realizada no período de 10 a 13 de outubro com 1.896 eleitores, entrevistados nas seis (6) mesorregiões do Estado.  

O nível de confiança utilizado é de 95% e a margem de erro estimada de 2,25% para mais ou para menos.  A pesquisa foi encomendada GRAVASOM/A Província do Pará.

Siga no Twitter 

sábado, outubro 13, 2018

Fake News ou racismo e intolerância religiosa: O que aconteceu no Ziggy Hostel Club?

Bastante ferido, Nilberto tem fotos provavelmente em uma maca hospitalar, logo após o que ele chamou de linchamento por intolerância religiosa e política, além de racismo. A casa noturna alega que foi Fake News e o acusa de tentativa de furto.

Por Diógenes Brandão

Na tarde deste sábado (13) o blog recebeu um vídeo onde o cidadão paraense Nilberto Gonçalves relata ter sido agredido por quatro homens, em frente a uma casa de shows chamada Ziggy Hostel Club.

O blog AS FALAS DA PÓLIS entrou em campo e apurou que a vítima é professor de Geografia da rede pública estadual de ensino e da rede pública de ensino de Belém, além de ser estudante da pós-graduação da mesma disciplina, na UFPA.

Assista o relato dele e voltamos em seguida:


Após a circulação do vídeo acima, a fanpage do estabelecimento citado pelo jovem, publicou uma outra versão para o fato e chamou o relato de Nilberto Gonçalves, como sendo uma Fake News.

Assista:




Em meio à polêmica criada pelas duas versões, fica uma dúvida apresentada por um internauta nos comentário da própria publicação da página do Ziggy Hostel Club: O rapaz que aparece deitado e ensanguentado, provavelmente em uma maca hospitalar, com a mesma camisa que aparece no seu vídeo, não tem a mesma camisa do homem que aparece no vídeo, em que supostamente ele é gravado dentro e fora da casa de shows.


Diante disso, pergunto: Qual a verdade nestas duas versões de um mesmo fato?

Mais um tucano cooptado assume a campanha de Helder Barbalho

Eleito o deputado estadual mais votado do Pará, Dr. Daniel (PSDB) rompe com a aliança de seu partido e assume a campanha de Helder Barbalho (MDB)

Por Diógenes Brandão

Publicada no dia 10 de Julho deste ano, a matéria A cooptação eleitoral, a disputa pelo governo e pela prefeitura de Ananindeua foi muito criticada na época, por ter tido a ousadia de tocar em um assunto tão reservado aos bastidores da política paraense: A infidelidade partidária, que pode inclusive acabar em perda de mandatos ainda nem diplomados pelo TRE-PA.

Segundo o art. 22-A da Lei 9.096/95, que foi acrescentado pela Reforma Eleitoral de 2015, especifica os três casos considerados como justa causa para desfiliação partidária sem a perda de mandato. São eles:  

Mudança substancial ou desvio reiterado do programa partidário; 

Grave discriminação política pessoal; 

Mudança de partido efetuada durante o período de trinta dias que antecede o prazo de filiação exigido em lei para concorrer à eleição, majoritária ou proporcional, ao término do mandato vigente.

Pois bem, fazendo pouco mais de 03 meses, o blog AS FALAS DA PÓLIS publicou a informação recebida direito dos chamados currais eleitorais de Ananindeua: Dr. Daniel (PSDB), atualmente cumprindo o mandato de vereador em Ananindeua, foi "cantado" pelo MDB, para que se desviasse da orientação da coligação de seu partido e fosse apoiar o candidato Helder Barbalho (MDB). 

Para seduzir Dr. Daniel, Helder teria prometido-lhe apoio para sua campanha de pré-candidato a deputado estadual e para 2020 ser o sucessor de Manoel Pioneiro, como futuro prefeito de Ananindeua.

Na época, muita gente reclamou do blog pela informação trazida em primeira mão aos nossos leitores. Hoje, Dr. Daniel, eleito como o deputado estadual mais votado no Pará, finalmente assumiu a aliança com o MDB e seu candidato, Helder Barbalho.

Há quem diga que Manoel Pioneiro assistiu a tudo calado e fingindo-se de cego e surdo, abriu as portas de sua base política e eleitoral a Helder e seu partido, que passaram a gozar do apoio político, inclusive da prefeitura, onde DASs foram liberados para atuar na campanha do MDB, tanto ao governo, quanto para o senado. 

O resultado das urnas no segundo maior colégio eleitoral paraense administrado pelo PSDB, todos já sabem: Helder Barbalho saiu de Ananindeua com 55,36% dos votos válidos e Márcio Miranda com 25,54%.

A razão pela qual não exerceu sua liderança política para evitar a debandada de diversos vereadores, secretários municipais e assessores especiais da prefeitura de Ananindeua teria diversas motivações, mas uma das mais comentadas nas rodas de conversas no município é de que o prefeito está vingando-se do governador Simão Jatene, por este não ter-lhe indicado e o defendido como candidato à sua sucessão no governo, tal como era sua pretensão. 

Ou seja, Pioneiro queria ser o sucessor natural de Simão Jatene, pois alegava ser o tucano com mais força política no Estado, por ter sido reeleito prefeito de Ananindeua em 2016, ainda no primeiro turno e também por ser do mesmo partido do governador, o PSDB.

Acontece que nestes  meses de investigação jornalística no metiê político-partidário, o blog AS FALAS DA PÓLIS apurou que Simão Jatene não foi quem realmente escolheu seu sucessor. 

É isso mesmo, amigos e amigas do blog: A candidatura de Márcio Miranda (DEM) é fruto de uma indicação política estudada, calculada e reiterada em reuniões com o governador e diversos setores ligados aos deputados federais e estaduais, que o elegeram pela primeira vez presidente da ALEPA e o reelegeram por mais duas vezes, de forma unânime e durante todo o ano de 2017, foi indicado com veemência pelo grupo formado de quase metade dos deputados estaduais, os quais a maioria dá suporte e sustentação ao governo tucano, mas que não queriam mais que o PSDB estivesse no comando do executivo estadual a partir de 2018. Ou seja, Márcio Miranda não foi escolhido por Simão Jatene e nem pelo PSDB, como reza a lenda. 

Prova inconteste disso é que diversos outros tucanos tiveram que recuar em seus propósitos umbilicais, tais como a filha do governador, Izabela Jatene, o senador Flexa Ribeiro, o secretário especial Adnan Demachki, o prefeito de Belém, Zenaldo Coutinho e diversos outros nomes de peso no PSDB, que passaram a compreender que sem atender esse clamor dos seus aliados, o PSDB não teria um nome competitivo para enfrentar a família Barbalho, seus principais adversários no Pará.

A história está aí sendo construída e no primeiro turno já mostrou que a estratégia criada no parlamento paraense pode ser consolidada no dia 28 deste mês, após abrirem-se as urnas e o resultado das eleições for anunciado.

Quem viver, verá!

Siga-me no twitter

PT cumpre promessa e apoia o Helder Barbalho no segundo turno



Por Gabriel Hirabahasi, na revista Época

O PT apoiará a candidatura de Helder Barbalho (MDB) ao governo do Pará no segundo turno contra Márcio Miranda (DEM). 

O gesto confirma promessa feita no lançamento da candidatura do senador petista Paulo Rocha. 

Os petistas não queriam complicar a situação de Helder. Só desejavam ter palanque próprio para facilitar a eleição de deputados estaduais e federais.  

Rocha terminou em terceiro lugar com 17% dos votos.      


sexta-feira, outubro 12, 2018

PT em Marabá diz “não” ao apoio a Helder




A decisão da Executiva Estadual do PT, de apoiar o nome de Helder Barbalho (MDB) no segundo turno das eleições, continua rendendo insatisfação dentro do partido vermelho. Na manhã desta sexta-feira, 12, Dia da Criança, o Diretório Municipal de Marabá emitiu nota na qual “recomenda ao Diretório Estadual rever sua posição” e “indica que libere os filiados sem indicação de apoio na disputa do Governo do Estado”. Ou seja, que cada um vote no candidato que melhor lhe convier. A nota destaca que a manifestação foi decidida democraticamente em votação da qual participaram os dirigentes da Executiva Municipal com a maioria apoiando à tomada de posição por 6 votos a 3.  

A nota explica os motivos pelos quais o PT marabaense se manifestou contrariamente à decisão tomada em Belém: diz que quando, em 2014, Dilma Rousseff foi eleita para o segundo mandato o País registrava 4,3% de desemprego e lembra que, ao final de 2017, mais de um ano após o impeachment, esse índice já era de 12,9%, três vezes mais, portanto. E responsabiliza o governo Temer, do mesmo partido de Helder, por essa “política de terra arrasada”.  

Nota destaca a situação do  País no governo do MDB    

Diz ainda o PT local em sua manifestação quem esse quadro resulta das medidas adotadas pelo governo Temer: “O congelamento dos investimentos públicos por 20 anos e a reforma trabalhista travaram o País. A estagnação da economia promovida pela política de cortes de investimentos públicos cujo maior símbolo é a Emenda 95 do teto dos gastos, derivada da ‘PEC da Morte’ sobre os direitos dos trabalhadores, patrocinada pela reforma trabalhista que só aumentou o desemprego no País, o que reflete uma total responsabilidade do Governo Michel Temer, representado no Pará por Helder Barbalho – ex-Ministro da Integração Nacional”.  

Assinam a nota: o vereador Marcelo Alves dos Santos; presidente da Executiva Municipal; Ademir Martins dos Reis, vice-presidente; Luiz Carlos Pies, secretário de Organização; Dariane Cardoso Souza, secretária de Formação Política; Jovelina Souza Barros, secretária de Mulheres.  

LEIA ABAIXO A NOTA NA ÍNTEGRA  

Partido dos Trabalhadores  
Diretório Municipal de Marabá   
NOTA DA EXECUTIVA MUNICIPAL DE MARABÁ  

A comissão Executiva do Partido dos Trabalhadores, Diretório Municipal de Marabá, por 6 votos a 3, vem a público se manifestar sobre a decisão da Executiva Estadual (Pará) que decidiu por sua maioria apoiar o candidato Helder Barbalho (MDB), no segundo turno das eleições 2018 no Estado do Pará.  

DA MOTIVAÇÃO  

No final de 2014, quando Dilma Rousseff conquistou nas urnas seu segundo mandato, o Brasil registrava 4,3% de desemprego.  

Ao final de 2017, o contingente dos que procuravam trabalho havia triplicado: 12,9%, segundo dados do relatório do Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (Pnud) com base em informações da Organização Internacional do Trabalho (OIT).  

TERRA ARRASADA  

As informações do Pnud, compiladas pelo jornal Valor , são eloquentes em demonstrar a política de terra arrasada desencadeada por Temer e seus aliados (Helder Barbalho) a partir do golpe de 2016.  

Esse quadro é fruto das medidas adotadas pelo atual governo. O congelamento dos investimentos públicos por 20 anos e a reforma trabalhista travaram o País.  ARROCHO E 

EXTINÇÃO DE DIREITOS  

A estagnação da economia promovida pela política de cortes de investimentos públicos cujo maior símbolo é a Emenda 95 do teto dos gastos, derivada da “PEC da Morte” sobre os direitos dos trabalhadores patrocinada pela reforma trabalhista que só aumentou o desemprego no País, o que reflete uma total responsabilidade do Governo Michel Temer representado no Pará por Helder Barbalho ex-Ministro da Integração Nacional.  

DA ORIENTAÇÃO DA EXECUTIVA MUNICIPAL  

A Executiva Municipal do Partido dos Trabalhadores de Marabá, em sua maioria, recomenda ao Diretório Estadual rever sua posição de se manifestar em apoio à candidatura de Helder Barbalho ao Governo do Pará. E Indica que Libere os Filiados Sem Indicação de Apoio na disputa do Governo do Estado.  

TAREFA PRINCIPAL PARA O SEGUNDO TURNO  

O momento político é decisivo e exige o empenho dos democratas, não podemos permitir o processo de autoritarismo disfarçado de democracia. Quem tem responsabilidade tem que vir para dentro da proposta democrática e popular. 

Defendemos a união para defender as liberdades no País. Essa luta pela democracia está a exigir dos democratas um posicionamento, para que possamos defender a nossa jovem democracia, que só tem trinta anos.  

É preciso seguir na luta sem medo, temos que fazer o enfrentamento político, nós somos o lado que defende a democracia e isso não é algo abstrato. 

Queremos um Brasil que não tenha fome e que as pessoas tenham oportunidades de educação emprego e renda. Isso é democracia concreta, por isso precisamos eleger Fernando Haddad, Presidente do Brasil.  

ASSINAM ESTA NOTA  

Marcelo Alves dos Santos – Presidente Municipal e Líder da Bancada na CMM  
Ademir Martins dos Reis – Vice Presidente.  
Luiz Carlos Pies – Secretário de Organização.  
Cidiléia Lima dos Santos – Secretaria de Finanças e Planejamento.  
Dariane Cardoso Souza – Secretaria de Formação Política.  
MARAJovelina Rosa Sousa barros – Secretaria de Mulheres.

Vote em mim como blogueiro do ano, no Prêmio Sistema FIEPA de Jornalismo



Por Diógenes Brandão

Confesso que eu sempre vi de longe e a pedido de amigos que disputaram as edições anteriores, votei algumas vezes, mas nunca havia me interessado em participar. 

Mas como esse ano fui indicado ao Prêmio Sistema Fiepa de Jornalismo, na modalidade Profissionais do Ano, onde uma comissão, integrada por representantes da FIEPA, me indicou para concorrer com outros 21 grandes profissionais da área, não tenho outra opção a não ser encarar o desafio e pedir o seu voto.

Quero frisar que só de estar entre os demais profissionais que dedicam horas, madrugadas e quase enlouquecem para manterem seus blogs atualizados, com conteúdo de qualidade, já me sinto um vencedor. 

Pelo que entendi do regulamento, se eu tiver o seu voto agora e dos amigos que compartilharem, posso ficar entre os cinco (05) mais bem votados, aí passo para outra etapa, onde serei novamente colocado em um novo processo eleitoral e de lá serei julgado por outros profissionais do mercado de comunicação, mas o júri composto por influenciadores, formadores de opinião, representantes de entidades de classe do setor produtivo, instituições do terceiro setor, MPF, MPE, além dos poderes legislativo, executivo e judiciário.

Bom, para quem iniciou a escrever este blog em dezembro de 2006 e de lá pra cá já totalizou 3.336 publicações, contando com a ajuda e inspiração de Deus, das músicas, amigos e livros que influenciaram em minha formação intelectual, que somadas à todas as fontes e profissionais de diversas áreas, como advogados, professores, técnicos, entre outros, que nutrem este espaço com suas informações e opiniões, eu já me dou por satisfeito.

Mas se eu conseguir sair vencedor do prêmio com a estatueta de blogueiro do ano, me comprometo a manter a qualidade da informação jornalística e do conteúdo opinativo, respeitando as leis e a ética profissional, que dedico a este blog e às minhas redes sociais, nestes quase 12 anos de atividades.

Por isso, minhas amigas e amigos leitores do blog AS FALAS DA PÓLIS, participe da primeira fase de votação, acessando o site www.premiosistemafiepa.com.br e procurando o nome deste seu amigo, Diógenes Brandão, na categoria BLOGUEIRO

Qualquer pessoa pode votar. Basta acessar o site e clicar no meu nome. 

Desde já, eu agradeço de montão! 

Por que campanhas não souberam usar o potencial das redes sociais?

Para o jornalista Carlos Mendes, as campanhas eleitorais foram feitas por amadores e impediram que os candidatos tirassem melhor proveito do potencial existente nas redes sociais.

Por Diógenes Brandão


A campanha eleitoral dos candidatos que disputaram as vagas de senadores, deputados federais e estaduais terminou no último domingo (07) e continua para os dois candidatos que disputam a cadeira de governador e de presidente, até o dia 28 deste mês.

Comparado com o que consegui acompanhar em outros Estados, sobretudo nas campanhas eleitorais no sudeste e no nordeste do país, as agências de propaganda e produtoras de TV aqui do Pará não conseguiram realizar um trabalho criativo, surpreendente, lançando mão de linguagens voltadas às redes sociais, as quais podemos ver empregadas em peças utilizadas no webmarketing ou no marketing digital propriamente dito. 

No Pará, devo concordar com muitas das críticas feitas pelo jornalista Carlos Mendes, tanto em seu blog Ver-O-Fato, quanto em diversas edições do seu programa "Linha de Tiro", transmitido ao vivo pelo blog e suas redes sociais: As campanhas majoritárias e proporcionais foram e continham enfadonhas, sem conseguirem atrair os jovens e o público internauta. 


Esse é o recado deixado por Mendes, que junto com o jornalista Rui Baiano, do blog Ananindeua Debates, registraram a ausência de Márcio Miranda, candidato convidado e confirmado para conversar com os internautas paraenses e responder suas perguntas no Bate-Papo da Pólis, programa que estreou mês passado e visa conectar o público da blogosfera e das redes sociais, com personalidades do mundo político, artístico e empreendedor, em uma linguagem realmente sintonizada com o universo das novas mídias digitais, onde a interação entre os convidados e o respeito a liberdade de expressão, assim como o bom senso e a dinâmica do envolvimento gradual e continuo é que ditam o tempo e o número do acesso e da permanência de cada usuário conectado. 

A pergunta que fica é: Qual o segredo para que haja o engajamento e audiência desejada através das infovias? 

Tentativa de resposta: Ainda estamos descobrindo e muitos ainda nem sabem por onda começar. Atuam no mundo digital com a cabeça ligada na expertise e com os métodos da era analógica. 

Enquanto o mercado do marketing político e eleitoral não admitir que precisa se apropriar do conhecimento específico do marketing digital, ao invés de manter o mais do mesmo, nada ou muito pouco será apresentado como mudança neste segundo turno.

quinta-feira, outubro 11, 2018

Militante desabafa: O PT lança a pior mensagem à sociedade paraense

O relato e a indignação de um militante histórico, sobre a manutenção da aliança PT/MDB no Pará



É por essas e outras razões que nós vamos perder e o Bozo vai ganhar. 

E o PT não poderá se eximir da responsabilidade histórica de ter contribuído pra vitória do Fascismo. 

A história já nos ensinava que o fascismo viceja onde os justos mostram vacilação e tibieza. 

Nem sequer se exigiu como contrapartida a decretação de apoio ao Haddad, para se derrotar o obscurantismo. 

Não! 

Resta flagrante o propósito menor e mesquinho de sob o cadáver da democracia participar da pilhagem do Governo do Estado do Pará, sob a batuta da "famíglia" Barbalho

Caminhamos a passos largos para o cadafalso. 

O oportunismo já se prenunciava no horizonte, quando ainda sob a fumaça do canhonaço do golpe, Lula fazia suas caravanas abraçado com Renan Calheiros e até ontem flertava indecentemente com Eunício Oliveira


No futuro, essa triste página da nossa história será como aquele momento que podia ter sido evitado se não nos tivesse faltado, na hora mais importante, a coragem e a firmeza de propósito para derrotar o inimigo mais perigoso, que ora se abate sobre nossa jovem democracia. 

Com esse gesto o PT lança a pior mensagem à sociedade paraense. 

E isso jamais será esquecido.


*Marcelo Costa é Advogado e Militante de Direitos Humanos. Militante do PT desde 1999.


Leia também: 






PT decide apoiar Helder Barbalho, mas militância lembra do golpe e reage

Helder Barbalho mantém PT aliado do projeto do MDB no Pará, mas militância reage e ameaça não fazer campanha.

Por Diógenes Brandão

A decisão tomada pela executiva estadual do PT-PA, nesta quinta-feira (11), deixou a sociedade paraense sem entender os motivos que levaram o partido a declarar apoio a Helder Barbalho, neste segundo turno das eleições para o governo do Estado.

Representantes dos grupos de Paulo Rocha, Beto Faro, Dilvanda Faro e Carlos Bordalo, já chegaram com posição definida: Apoiar Helder Barbalho

Já o grupo de Zé Geraldo, Airton Faleiro e Dirceu Ten Caten confirmaram o que o blog AS FALAS DA PÓLIS anunciou na madrugada de hoje: Fecharam posição em apoio a Márcio Miranda para governador. 

Só o grupo liderado pelo ex-deputado federal Cláudio Puty defendeu que a estratégia prioritária para este segundo turno deveria ser a reunião de forças para eleger Fernando Haddad e que qualquer candidato que quisesse o apoio do PT, deveria igualmente declarar o apoio ao candidato a presidente do partido. 

Para tal, o grupo defendida a criação de uma ampla frente multi-partidária para conseguir juntar a maioria das forças políticas e barrar a ameaça fascista representada na candidatura de Jair Bolsonaro.

No entanto, por maioria simples, a reunião da executiva estadual do PT aprovou a posição de apoio a Helder Barbalho e soltou uma nota justificando a decisão. 

Nela, o PT diz que em 2003, durante o primeiro ano do segundo mandato de Lula como presidente, deu-se início a um projeto que representa uma política de destruição do ideário de nação, de liquidação dos direitos sociais e econômicos da grande maioria da população, de mutilação da soberania do Brasil, e de incentivo do ódio e da intolerância como método de disputa política. Confuso, né? Mas é isso que você pode ler abaixo, na fanpage do partido: 


Militância não foi ouvida e reagiu contrária à aliança com o MDB

O anúncio da decisão deixou a maioria da militância confusa e quem não é petista ficou sem entender o que leva o PT a manter-se aliado aos representantes de Michel Temer no Pará, já que o PT e a esquerda como um todo, desenvolveram a narrativa de que sofreram um golpe orquestrado pelo MDB, que tomou o poder após um impeachment forjado.

Através de métricas e análise de sentimento nas redes sociais é possível identificar diversas manifestações de filiados e simpatizantes do PT, se colocando contrários à decisão dos dirigentes do partido e ameaçando ignorar o acordo eleitoral feito com o MDB, o que pode fazer com que só seja cumprido pelos que participaram das negociações, enquanto a maioria dos votos entregues aos candidatos do PT, no primeiro turno, até agora tem rumo desconhecido, neste segundo turno das eleições para o governo do Estado.

E o Haddad?

Preocupados que a decisão adotada pelos membros da executiva do PT não contamine a campanha do presidenciável, um grupo de militantes e simpatizantes da candidatura de Fernando Haddad criaram um grupo no Whatsapp, com o intuito de discutir estratégias para ajudar e priorizar a campanha presidencial, ao invés de priorizar a campanha de Helder Barbalho ou de Márcio Miranda.