Pesquisar por palavra-chave

sábado, novembro 17, 2018

Bancada do Microfone: quem é o jornalista milionário que derrotou Dilma Rousseff?

Carlos Viana superou Dilma Rousseff nas urnas (Imagem: divulgação)


Indo contra os números de pesquisas eleitorais, a ex-presidente da República ficou de fora da lista de eleitos para o Senado. 


Carlos Viana, integrante do PHS e jornalista com carreira no rádio e na TV de Belo Horizonte, venceu Dilma Rousseff nas urnas.


Portal Comunique-se apresenta a primeira reportagem sobre comunicadores eleitos para o Congresso Federal. É a Bancada do Microfone 


Presidente da República que sofreu impeachment em 2016, Dilma Rousseff seria eleita senadora pelo PT de Minas Gerais. O “seria” ficou por conta de institutos de pesquisas, como o errante Datafolha. Abertas as urnas, o resultado foi diferente. A petista amargurou a quarta colocação e perdeu a oportunidade de integrar o Congresso a partir de fevereiro de 2019. Para o Senado, o atual deputado federal Rodrigo Pacheco (DEM) foi o que mais recebeu votos dos mineiros. A segunda vaga ficou com um representante da Bancada do Microfone que se formará em Brasília: o jornalista Carlos Viana (PHS).  

Integrante do Partido Humanista da Solidariedade desde abril, Carlos Viana revelou o desejo de se tornar senador desde o momento de sua filiação. Missão que para ser alcançada contou com um cabo eleitoral de peso. Ex-presidente do Atlético Mineiro e figura do PHS mais conhecida nacionalmente, Alexandre Kalil chegou a se licenciar da prefeitura de Belo Horizonte para ajudar na campanha do jornalista. Em busca de uma das cadeiras para representar Minas Gerais no Senado, o comunicador, por sua vez, teve que abrir mão de seus dois empregos. Deixou a Record TV, onde apresentava o ‘MG Record’. Também se despediu dos ouvintes da Rádio Itatiaia, veículo em que comandava o ‘Plantão da Cidade’ (mas voltou à emissora na segunda-feira, 8).

No rádio e na TV

Natural de Braúnas (MG), cidade de 5 mil habitantes no Vale do Aço, o jornalista recém-eleito senador tem vasta experiência na imprensa. Dos 55 anos de vida, 23 foram dedicados ao trabalho em veículos de comunicação. Ao longo da carreira, Carlos Viana passou por jornais e revistas, sendo, inclusive, contratado dos Diários Associados. Fora do impresso, soma passagens por emissoras de rádio e televisão. Tem no currículo serviços para Rede Minas, Globo Minas, TV Alterosa (afiliada do SBT) e a já mencionada Record TV. Fora de Minas Gerais, o jornalista trabalhou na Rede Bahia (afiliada da Globo). Em 2004, experiência internacional: foi editor-chefe do National The Brazilian Newspaper, informa o Estado de Minas. No dial, é desde 2006 uma das principais vozes da Rádio Itatiaia, emissora AM sediada em Belo Horizonte.

Carlos Viana se formou jornalista aos 32 anos. Ele decidiu cursar comunicação porque desejava ser porta-voz da empresa em que trabalhava, a Lufthansa-Linhas Aéreas Alemãs.

A formação acadêmica e a vida profissional do senador eleito não se resumem à comunicação social. Carlos Viana é especializado em estratégia pelo Centro de Pós-Graduação e Pesquisas em Administração da Universidade Federal de Minas Gerais (Cepead-UFMG). Trabalhou como professor universitário, passando por Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais (PUC-MG), Centro Universitário de Belo Horizonte (UniBH) e Centro Universitário Newton Paiva. Além de tudo, ele se define como otimista. “Muita gente me pergunta quem é Carlos Viana. Eu digo, com muita sinceridade e humildade, que Carlos Viana é um otimista por natureza”, diz o jornalista em vídeo.




Jornalista milionário 

Eleito senador, Carlos Viana foge à regra da profissão. Ele é, oficialmente, um jornalista milionário. Ao registrar sua candidatura junto ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE), declarou ter bens avaliados em R$ 4 milhões. Entre os itens estão quatro apartamentos, com valor venal de R$ 1,9 milhão, R$ 288 mil, R$ 152 mil e R$ 133 mil. Há, ainda, quatro terrenos, uma casa (de R$ 492 mil) e uma sala comercial (R$ 420 mil). Por outro lado, quem se deparar com as contas bancárias do político-comunicador pode se assustar com as operações. Consta, entre os bens, depósito bancário em conta corrente no valor de um centavo. Há, ainda, movimentações de R$ 99,27 e R$ 10. De aplicação de renda fixa, soma R$ 80,38. Em contato com a reportagem do Portal Comunique-se, ele avisa: também tem dívidas e muitos dos imóveis foram conquistados por meio de consórcios.  

No Senado, os eleitores podem esperar pela atuação de um defensor da “democracia, economia liberal e liberdade de imprensa”. É o que avisa o parlamentar eleito em seu perfil no Twitter. Eleito que fez questão de colocar a profissão que exerce na urna. No último domingo, 7, mais de 3,5 milhões de mineiros digitaram 310 e confirmaram. Eles foram os responsáveis por eleger o Jornalista Carlos Viana como representante do estado no Distrito Federal.  

Especial: Bancada do Microfone Antes das eleições, especial do Portal Comunique-se já apontava que 450 comunicadores galgavam um cargo político. Ao decorrer das próximas semanas, o site apresentará os perfis de alguns desses candidatos que obtiveram sucesso nas urnas. Acompanhem as próximas reportagens.

quarta-feira, novembro 14, 2018

Bolsonaro pode ter dado um golpe no governo cubano

Jair Bolsonaro disse que Brasil vai dar asilo a quem quiser ficar.


O presidente eleito disse que o médico cubano que desejar ficar no Brasil, receberá asilo político

Ao anunciar que estava largando o programa Mais Médicos, o Ministério da Saúde Pública de Cuba pode ter imaginado que estaria dando um golpe fulminante no próximo governo brasileiro.  Afinal, de uma hora para outra, sem previsão, 8.332 profissionais cubanos serão obrigados a deixar mais de 24 milhões de brasileiros sem assistência médica. Só, em São Paulo, são 8,5 milhões.

Desses limões enviados por Cuba, no entanto, Jair Bolsonaro pode ter encontrado a receita para uma suculenta limonada.   

"Temos que dar o asilo às pessoas que queiram. Não podemos continuar ameaçando como foram ameaçadas no governo passado. Se eu for presidente (sic), o cubano que quiser pedir asilo aqui, vai ter", disse o sucessor de Michel Temer.  

Em português claro: ao propor acolhimento institucional ao profissional que deseja ficar, Bolsonaro pode ter aberto uma fenda de proporções oceânicas na política cubana.  

Uma conta importante: o Brasil gasta, por mês, R$ 95.984.640,00 com os cubanos. Dessa grana, R$ 70.988.640,00 ficam para o governo do presidente Miguel Díaz-Canel. Ou seja, mais de R$ 850 milhões anuais.  

Além de perder essa dinheirama, os herdeiros de Fidel Castro ainda correm o risco de passar pelo constrangimento de terem muitos médicos abandonando as regalias e encantos do regime socialista.     
De qualquer modo, Cuba pode retaliar, impondo restrições à saída dos familiares. Mas, aí, criaria uma monumental crise humanitária.   Resumo dessa rumba: Bolsonaro pode ter dado uma rasteira em Cuba.

Com laudo da PF confirmando fraude na ata da convenção do PP, Jader e Zequinha podem não assumir seus cargos



Por Diógenes Brandão

Eleitos senador e governador, pai e filho, Jader e Helder Barbalho já respondiam a diversos processos antes de disputarem as eleições deste ano, mas durante toda a campanha continuaram praticando crimes eleitorais e por isso, podem não assumirem os seus respectivos cargos.

Jader Barbalho (MDB) e Zequinha Marinho (PSC) podem vir a terem canceladas as suas diplomações como senadores reeleitos, ou se diplomados, ter seus mandatos cassados. O motivo é claro e muito provável: Eles foram beneficiados pela adulteração de assinaturas de dirigentes do Partido Progressista, que retirou o nome de Mário Couto - até então candidato do PP - da ata da convenção partidária que homologou seu nome como candidato ao senado para fazer com que uma nova ata fosse feita declarando o apoio do PP a Jader Barbalho e Zequinha Marinho.

Logo depois da convenção do PP, realizada no mesmo dia e local em que o MDB lançou sua chapa, junto com mais 16 partidos, em apoio a Helder Barbalho, Mário Couto recorreu ao TRE-PA, mas foi vencido. Ingressou no TSE e também não teve êxito. 

Ontem, 13, o ex-senador esteve em Brasília, onde apresentou ao corredor nacional do TSE, o lado da Polícia Federal, que comprovou que a ata que retirou seu nome da convenção do PP foi adulterada. Com isso, uma grande reviravolta no tabuleiro político do Estado está prestes a acontecer. A menos que forças ocultas ajam no TRE-PA e na sede do TSE, em Brasília.

Amanhã o blog receberá documentos que comprovarão o aceite da denúncia contra Jader Barbalho e Zequinha Marinho em Brasília.

Se tomar posse, Jader Barbalho levará o filho que fez caretas para a imprensa em 2011?

Jader Barbalho decidiu levar a família à sessão extraordinária do Senado. Ao lado de Giovanna, o filho Daniel foi o centro das atenções durante a entrevista coletiva. 

Por Diógenes Brandão


No dia 30 de Dezembro de 2011, Daniel Barbalho, de 9 anos, disparou caretas para todos os lados depois de participar da posse do pai, o senador Jader Barbalho. Barrado pela Lei da Ficha Limpa por ter renunciado a um mandato de senador em 2001 para escapar de um processo de cassação, o senador paraense só conseguiu garantir o cargo depois que o Supremo Tribunal Federal permitiu que ele assumisse a vaga. Marinor Brito (PSOL) havia passado um ano como senadora, no lugar de Jader.







O garoto perguntou qual era a principal denúncia de um vereador do PMDB, e o senador corrigiu.    

"Filho, é senador". O garoto, então, retrucou. "Tanto faz, senador, vereador". Em tom de brincadeira, Jader respondeu. "Rapaz, tu não sabe o que é essa gente", falou ao filho, referindo-se aos jornalistas. Diante das risadas, o senador disse ao filho: "Depois eu te dou uma entrevista exclusiva em casa". 

As imagens entraram para os anais da política brasileira e hoje muitos se perguntam se Daniel, com 17 anos, irá participar da posse de seu pai, no seu mais novo mandato de senador da república, após uma eleição marcada por diversas denúncias de crimes eleitorais cometidas por ele e seu filho, o governador eleito do Pará, Helder Barbalho.

sábado, novembro 10, 2018

Fábio Bentes é eleito o novo presidente do Clube do Remo



Por Diógenes Brandão

O publicitário Fábio Bentes é o novo presidente do Clube do Remo.


As chapas e seus respectivos votos:

Chapa 10: Manuel Ribeiro e Hilton Benigno: 329 votos - 27,7%

Chapa 20: Fábio Bentes e Cláudio Jorge: 627 votos - 52,8%

Chapa 30: Marco Pina (Magnata) e Francisco Rosas: 230 votos - 19,4%

sexta-feira, novembro 09, 2018

Bolsonaro manda recado aos corruptos do Pará

Bolsonaro avisa: Abre teu olho, hein! O Sérgio Moro vai pegar vocês.

Por Diógenes Brandão


Depois de algum tempo sem fazer as lives (Transmissões ao vivo pelas redes sociais), o presidente eleito Jair Bolsonaro reapareceu nesta sexta-feira, 09, direto de sua residência e acompanhado de uma intérprete de LIBRAS, para pincelar sobre diversos assuntos, mas o que mais chamou a atenção de um atento leitor do blog AS FALAS DA PÓLIS foi o trecho onde ele cita a prisão de pessoas envolvidas em esquemas de desvio de dinheiro da merenda escolar, tal como o primo do governador eleito do Pará, preso na manhã desta sexta-feira, acusado de integrar uma quadrilha que desviou mais de 40 milhões de reais que deveriam ser usados por prefeituras, na área da educação e saúde.

Leia também: Primo de Helder Barbalho ostenta com dinheiro e champanhe importada no exterior

Bolsonaro foi enfático ao destacar a notícia da prisão de diversas pessoas envolvidas em mais um escândalo envolvendo a família Barbalho: 

"Hoje mesmo prenderam um montão de gente. Desvio de merenda escolar, olha só! Roubando comida de criancinha de escola pública, filho de pobre, pow! Não dá pra continuar assim. O Sérgio Moro vai pegar vocês! Abre teu olho, hein! E ele, lá agora, ao contrário do que alguns estão falando por aí, ele pescava com varinha, agora vai pescar com rede de arrastão de 500 metros"

Assista o vídeo:


Advogado do MDB joga dinheiro na privada para se livrar da Lava Jato

Entre os beneficiários, estaria o deputado estadual João Magalhães, também da organização criminosa alojada no MDB.

Por Diógenes Brandão

Ligado ao vice governador de MG, Antônio Andrade (MDB), o advogado Mateus de Moura Lima Gomes, jogou uma quantia considerável de dinheiro na privada para tentar fugir do flagrante da Polícia Federal na manhã desta sexta-feira (9), durante desdobramento da Operação Lava Jato.  

Ex-diretor vice-presidente da Cemig, Mateus Moura teve mandado de prisão temporária decreto pela Justiça. Conforme fontes da investigação, ele é apontado como um dos operadores do MDB mineiro.  

Segundo a Lava Jato, o empresário Joesley Batista, do grupo J&F, repassou R$ 15 milhões ao vice governador Antônio Andrade. Em troca, Andrade atendeu aos interesses da empresa na época que ocupou o Ministério da Agricultura.  O dinheiro teria sido repartido para custear a campanha de parlamentares mineiros. Entre os beneficiários, estaria o deputado estadual João Magalhães, também da organização criminosa alojada no MDB.


Primo de Helder Barbalho ostenta com dinheiro e champanhe importada no exterior

Vereador de Belém, Jo estava presente na farra e exibiu maço de dinheiro, dentro de um veículo de luxo, com bedidas importadas


Por Diógenes Brandão

Um vídeo no Instagram de Felippe Barbalho, primo do governador eleito no Pará, Helder Barbalho chegou ao blog AS FALAS DA PÓLIS. Nele é possível ver um maço de dinheiro (dólares?) sendo exibido, com uma turma de amigos e amigas bebendo champanhe importado, dentro de um veículo de luxo, que aparenta ser um utilitário estilizado, que mais parece uma limousine. Pelo que tudo indica, o grupo estava em um país estrangeiro.

Segundo noticiado por diversos veículos de imprensa e blogs paraenses, o primo de Helder Barbalho, Felippe Barbalho e o deputado federal eleito Cristiano Vale (PR) receberam a batida da Polícia Federal na manhã desta sexta-feira (11). Eles foram alvos da operação Carta de Foral, que contou com o apoio da Receita Federal e CGU (Controladoria Geral da União). 

A ação policial investiga desvios de aproximadamente R$ 40 milhões, oriundos da educação básica e do Sistema Único de Saúde (SUS). Ou seja, dinheiro roubado da merenda das crianças que frequentam as escolas públicas, dos professores e demais funcionários, assim como dos remédios e demais insumos e profissionais que vivem em falta nos postos de saúde.

Segundo o blog do Jeso, os investigados na operação responderão pelos seguintes crimes: 

— Associação criminosa;
— Peculato; 
— Corrupção ativa e passiva; 
— falsidade ideológica; 
– Fraude à licitações e 
— Lavagem de dinheiro. 

VOLTANDO AO VÍDEO

O vereador de Belém, John Wayne (MDB) também aparece no vídeo da ostentação. É ele quem puxa um maço de dinheiro do bolso e bate no empresário Felippe Barbalho, que grava a cena em uma transmissão ao vivo pelo seu perfil no Instagram. 

Embalados e cantando a música Felices los 4, do cantor e compositor colombiano, Maluna, o grupo de amigos aparece no vídeo como se estivessem comemorando alguma conquista. Em um trecho da música, podemos traduzir assim:

E faremos mais uma vez 
O que é nosso não depende de um pacto 
Apenas aproveite e sinta o impacto 
O boom boom que te queima, esse seu corpo de sereia 
Fique tranquila, porque eu não acredito em contratos..

Assista o vídeo:


Que burros Helder Barbalho nomeará como seus secretários?


A pergunta foi feita por Jader Barbalho, durante um evento em Belém. A platéia foi ao delírio.

Por Diógenes Brandão 

O discurso de Jader Barbalho já chegava aos exaustivos vinte minutos, deixando a platéia de cerca de 300 pessoas, chateadas com o orador, que ao ser cutucado pelo mestre de cerimonia, pediu mais cinco minutos para contar uma história e recomeçou dizendo mais ou menos assim:

Abraham Lincoln contou um história que eu quero contar para vocês.

Um rei decidiu sair para caçar e perguntou a um dos seus ministros mais capacitados em previsões meteorológicas, se o tempo seria favorável. O ministro prontamente acenou que sim, a caçada poderia iniciar que o sol estaria perfeito.  

No caminho, o rei encontrou, montado em seu burrinho, um velho e o perguntou: Está um bom tempo para uma caçada? O velhinho então respondeu-lhe: 

Agora está, mas não tarda a cair uma baita chuva. 

Confiando em seu ministro, o rei perguntou como aquele velho sem estudos, poderia confrontar a orientação do seu ministro, estudioso de diversas ciências, inclusive meteorologia. O velho então disse que não era ele e sim o seu burro, pois toda vez que vai chover, o burro relincha, dá coices e faz o maior auê. 

Sentindo-se afrontado, o rei então mandou prender o velho e seu burro e seguiu em frente em sua caçada, mas a chuva realmente veio e acabou com a festa do egocêntrico rei, que demitiu o ministro palpiteiro e nomeou o burro em seu lugar.  

A partir de então, conta Abraham Lincoln, todos os burros querem assumir cargos importantes..

Ao finalizar a história, Jader Barbalho virou-se para o filho, Helder Barbalho, recentemente eleito governador do Pará e disse-lhe, ao microfone: Filho, veja bem que burros você nomeará para acompanhá-lo no futuro governo que você tem pela frente. 

A platéia rindo, o aplaudiu freneticamente, deixando o governador eleito, meio sem graça.

A pessoa que narrou o acontecimento, pediu anonimato e finalizou revelando que entre os presentes que testemunharam a cena hilária, a pergunta que ficou no ar foi: Quem serão os burros que o Helder Barbalho tem chamado para serem seus secretários estaduais?

O fato aconteceu nesta quinta-feira, 8, no Terminal de Contêineres do Porto de Belém, durante uma cerimônia em Belém, com a presença do ministro da Integração Nacional, Pádua Andrade, quando foram entregues 80 retroescavadeiras que devem reforçar a capacidade de trabalho de 58 prefeituras no Pará. Os recursos são oriundos das emendas da bancada paraense no Congresso.

quinta-feira, novembro 08, 2018

E o senador Paulo Rocha (PT), hein? Votou, como outros 40, a favor do aumento para ministros do STF

Paulo Rocha votou a favor do aumento para os ministros do STF, quem chama de golpistas.


Por Carlos Mendes, no Ver-o-Fato 

O Pará não dá sorte com seus senadores: quando eles não dão as caras em Brasília - e Jader Barbalho, reeleito, é o maior exemplo -  para brigar pelos interesses do Estado, comparecem ao plenário e fazem o papelão que acabou de fazer o petista Paulo Rocha. Ele aprovou o aumento de 16,38% no  salário dos ministros do Supremo Tribunal Federal (STF) — que deve gerar um rombo de até R$ 6 bilhões para União e estados, segundo cálculos técnicos da Câmara dos Deputados. Outro paraense, Flexa Ribeiro (PSDB), não compareceu ao plenário para votar.  

Dos oito senadores dos partidos que fecharam contra o aumento, apenas dois descumpriram a orientação partidária: Jorge Viana (PT-AC) também votou a favor do aumento, como Paulo Rocha. Os três senadores do PR, partido do senador Magno Malta — que já avisou que será ministro de Bolsonaro — votaram a favor de aumentar o salário dos ministros, assim como a maioria dos parlamentares de PSDB e MDB, do presidente Michel Temer.     

No tucanato, apenas Ricardo Ferraço (PSDB-ES) divergiu da orientação do governo e votou contra o aumento. Os outros dez senadores da legenda presentes na votação disseram sim ao reajuste, entre eles Aécio Neves (PSDB-MG), José Serra (PSDB-SP) e Tasso Jereissati (PSDB-CE), ex-presidentes da legenda.   

O DEM da deputada Tereza Cristina, indicada como futura ministra da Agricultura, ficou dividido na votação. Ronaldo Caiado (DEM-GO), governador eleito de Goiás, e Wilder Morais (DEM-GO), senadores que já declararam apoio explícito a Bolsonaro, votaram contra, conforme a orientação do presidente eleito. Além deles, Maria do Carmo Alves (DEM-SE) também rejeitou o aumento. Votaram a favor José Agripino (DEM-RN) e Davi Alcolumbre (DEM-AP).   

Mesmo com a situação fiscal e as contas públicas nas cordas, o MDB do presidente Michel Temer orientou que sua bancada votasse a favor do reajuste de 16,38%. A maioria dos parlamentares seguiu a orientação partidária e votou a favor, com exceção de Roberto Requião (MDB-RS).    

O senador Acir Gurgacz (PDT-RO), que cumpre pena em regime semiaberto por crimes contra o sistema financeiro nacional, estava presente no Plenário do Senado e votou a favor do aumento do salário dos ministros do STF. Gurgacz está preso na Penitenciária da Papuda, em Brasília, e por determinação do ministro do Supremo Alexandre de Moraes exerce o mandato durante o dia e retorna à prisão à noite.   

Os que votaram a favor devem se beneficiar - assim como os que votaram contra - do reajuste aos ministros do STF, uma vez que o efeito cascata irá fazer com que seus salários também subam.  Que nome você daria a esse tipo de oportunismo político? (Do Ver-o-Fato, com informações de O Globo, Folha e Estadão)  

Veja a lista de quem votou contra ou a favor:    

Votaram a favor do reajuste: 

Acir Gurgacz (PDT-RO) 
Aécio Neves (PSDB-MG) 
Ângela Portela (PDT-RR) 
Antonio Anastasia (PSDB-MG) 
Antonio Carlos Valadares (PSB-SE) 
Armando Monteiro (PTB-PE) 
Ataídes Oliveira (PSDB-TO) 
Cássio Cunha Lima (PSDB-PB) 
Cidinho Santos (PR-MT) 
Ciro Nogueira (PP-PI) 
Dalirio Beber (PSDB-SC) 
Davi Alcolumbre (DEM-AP) 
Edison Lobão (MDB-MA) 
Eduardo Amorim (PSDB-SE) 
Eduardo Braga (MDB-AM) 
Eduardo Lopes (PRB-RJ) 
Fernando Coelho (MDB-PE) 
Garibaldi Alves Filho (MDB-RN) 
Hélio José (PROS-DF) 
Ivo Cassol (MDB-RO) 
Jorge Viana (PT-AC) 
José Agripino (DEM-RN) 
José Amauri (Pode-PI) 
José Medeiros (Pode-MT) 
José Serra (PSDB-SP) 
Otto Alencar (PSD-BA) 
Paulo Bauer (PSDB-SC) 
Paulo Rocha (PT-PA) 
Raimundo Lira (MDB-PB) 
Renan Calheiros (MDB-AL) 
Roberto Rocha (PSDB-MA) 
Romero Jucá (MDB-RR) 
Rose de Freitas (PODE-ES) 
Sérgio Petecão (PSD-AC) 
Tasso Jereissati (PSDB-CE) 
Telmário Mota (PTB-RR) 
Valdir Raupp (MDB-RO) 
Vicentinho Alves (PR-TO) 
Walter Pinheiro (Sem partido-BA) 
Wellington Fagundes (PR-MT) 
Zeze Perrela (MDB-MG) 

Votaram contra a proposta: 

Airton Sandoval (MDB-SP) 
Cristovam Buarque (PPS-DF) 
Fátima Bezerra (PT-RN) 
Givago Tenório (PP-AL) 
José Pimentel (PT-CE) 
Lídice da Mata (PSB-BA) 
Lúcia Vânia (PSB-G) 
Maria do Carmo Alves (DEM-SE) 
Randolfe Rodrigues (Rede-AP) 
Regina Sousa (PT-PI) 
Reguffe (Sem partido-DF) 
Ricardo Ferraço (PSDB-ES) 
Roberto Requião (MDB-PR) 
Ronaldo Caiado (DEM-GO) 
Vanessa Grazziotin (PCdoB-AM) 
Wilder Morais (DEM-GO) 

*O senador José Maranhão (MDB-PB) se absteve. 

quarta-feira, novembro 07, 2018

A VITÓRIA DE HELDER E OS RUMOS DO PARÁ

Eleito com 55,43% dos votos válidos, Helder Barbalho terá grandes desafios para atender promessas e aliados. 

Por Edir Veiga, no Bilhetim

Em 28 de outubro de 2018 as urnas anunciaram o retorno do clã Barbalho e do MDB, ao governo do Pará, após 28 anos, materializado na vitória eleitoral de Helder Barbalho. A vitória desta família finaliza a longa quarentena política que o povo do Pará submeteu esta família em relação ao poder político estadual, cuja última vitória governamental foi em 1990.  

O governador Jatene, mesmo gravemente atingido pela propaganda negativa em torno da crise de violência que abala o Pará, e em especial a região metropolitana de Belém transformou a candidatura continuista de Márcio Miranda, que era pouco conhecido da população em um nome  competitivo e criou enormes embaraço à vitória do emedebista.  

Lembremos, Helder Barbalho teve um grande desempenho nas eleições governamentais de 2014, sendo derrotado, em segundo turno pelo governador Jatene por uma diferença de 3 pontos percentuais. No curso do quadriênio seguinte entre 2015 e 2018, o candidato emedebista trabalhou duro, cada ano em busca de seu objetivo de vir a se tornar governador do Pará nas eleições seguinte, de 2018.  

Podemos dizer que os passos de Helder foram bem planejados. Conquistou um espaço na esplanada dos ministérios como auxiliar direto dos presidentes Dilma e Temer, e como ministro direcionou sua atuação política aos municípios paraenses sendo acompanhado diariamente pela militância política midiática dos veículos de comunicação de sua família, a empresa RBA de comunicações.  

Enquanto Helder trilhava um caminho que buscava visibilidade pública como bom executivo, distribuía obras e serviços pelo estado inteiro, o governador Jatene voltou-se para seu governo e não demonstrou, a priori, nenhuma estratégia individual, de grupo ou partidária que visasse construir um nome que tivesse condições de vir a disputar as eleições de 2018 em igualdade de condições, desde o ponto de partida inicial da disputa eleitoral na pré-campanha, iniciada a partir do mês de maio de 2018.  

Já dizia um famoso marqueteiro, alertando para a correlação entre realizações governamentais e propaganda: um governo com obras e sem marketing é derrotado, assim como um governo sem obras e com marketing, também é derrotado, claro, isto no interior de uma sociedade de milhões, como a paraense.  Por outro lado, não foi percebido uma política sistemática e consistente de marketing de governo no curso deste último quadriênio da gestão de Simão Jatene, enquanto isso, a oposição emedebista trabalhou dia e noite buscando construir a imagem de um governo preguiçoso e leniente com a violência.  

No curso do ano de 2017 realizei várias pesquisas avaliando o desempenho do governo Jatene, e o retrato que aparecia nestas sondagens era de um governo muito mal avaliado, esta avaliação negativa chegava aos 70%.  

Em quanto isso, as rádios, a televisão e o jornal impresso da família Barbalho, todo dia consolidava uma narrativa de que nada funcionava no Pará tendo como ponto de apoio a violência endêmica que atingia todo o Pará, o caos no trânsito e na saúde pública.  

Observem, destes três eixos que davam sustentação à narrativa da oposição midiática, de fato, o governo só não oferecia resposta consistente à problemática da violência. Na saúde o governo Jatene tinha excelentes iniciativas, mas a saúde municipal é de responsabilidade do prefeito, assim como a responsabilidade pela mobilidade urbana nas grandes cidades paraenses, mas o governo não se preocupou em construir uma narrativa alternativa que retirasse de seus ombros o conjunto destas responsabilidades.  

O governo tinha resultados objetivos não percebidos pela população na construção e implantação de hospitais por todo estado, na manutenção das rodovias estaduais, na mobilidade urbana da região metropolitana, na infraestrutura de integração através de pontes de concretos, na construção de espaços de cultura e meio ambiente, no pagamento em dia do funcionalismo, aposentados e pensionistas e na saúde orçamentária do estado, o governo Jatene vinha tendo um desempenho de destaque a nível nacional, a ponto de ser apontado como a quinta melhor gestão estadual do Brasil.   

Enquanto isso a população percebia o governo exatamente ao contrário do que era. O governo exitoso de Jatene era percebido pela população como um governo ineficaz, ineficiente e sem iniciativas, um governo da preguiça. Enfim, a propaganda negativa da oposição se materializava na visão distorcida que o eleitorado absorveu sobre o desempenho do governador Jatene. Somando-se a isso a imprensa barbalhista insuflava o eterno insatisfeitos com governos, que são os funcionários público estaduais, e em especial os professores.  

Parece-me que o governo Jatene não monitorava periodicamente como a população percebia o desempenho do governador e dos secretários de estado. Todo político busca a recompensa junto à população pela sua boa atuação à frente de um governo ou de um mandato, mas para a população recompensar o trabalho de um governante, a população tem de perceber o trabalho deste governante como positivo. Numa sociedade de milhões, a população só toma conhecimento do trabalho de um governante ou de um político através de uma política, sistemática, de propaganda e marketing nos diversos meios de comunicação e durante todo o curso do governo.  

Esta percepção de que o governo tinha um péssimo desempenho consolidou-se pela letargia governamental. Parece que o comando político de governo via os gastos com   propaganda e marketing  e pesquisas como algo não prioritário e assim, seus custos foram minimizados.  

Durante estes últimos quatros anos do governo Jatene, não foi percebido um investimento em marketing e comunicação e muito menos em pesquisas que viessem a monitorar a percepção popular em relação ao desempenho do governo, capazes de fazer frente, no dia a dia, à máquina midiática do MDB que travou uma luta política profissionalizada para construir uma narrativa negativa em torno do desempenho do governo Jatene.  

O grande desempenho político do candidato Helder Barbalho no papel de oposicionista na política paraense se materializou na enorme rejeição que as pesquisas demonstravam em torno da percepção popular sobre o desempenho do governo Jatene, desde o ano de 2017. Estes dados começaram a sinalizar aos partidos políticos paraenses e aos seus dirigentes, de que Jatene estava preparando o pijama político, pois, em resposta ao “pique” político do candidato emedebista, Jatene respondia com o silêncio, cultivava poucas relações pessoais com deputados prefeitos e partidos políticos, enquanto isso, o governo caminhava para sua fase final.  

Assim, Helder Barbalho, mesmo na oposição ao governador Jatene, conseguiu atrair a maioria dos grandes  partidos paraenses, e ao mesmo tempo, realizou  acordos informais que vieram a influenciar o lançamento de um candidato petista, que pouco desempenho demonstrou em sua própria campanha, ao mesmo tempo que, em uma manobra hábil impediu o lançamento de outras candidaturas competitivas na região metropolitana de Belém, abortando a emergência de uma terceira via competitiva  no Pará, para a disputa governamental.  

O candidato ideal para Helder enfrentar seria um candidato identificado com o desgastado governador Jatene e esta condição se materializou.  

Enquanto Helder atuava em várias frente políticas, trazia obras e serviços para o estado, construía imagem de realizador na RBA, impulsionava uma boa percepção popular em torno de sua atuação, ampliava suas relações com partidos de todas as matizes políticas e ideológicas, ao mesmo tempo inseria ”cunhas políticas” nas relações entre deputados e prefeitos com o governador, que mostrava-se pouco afeito à articulações políticas eleitorais em seus últimos anos de governo.  

Mas a candidatura Helder precisava de outras iniciativas visando superar a terrível rejeição que o nome de sua família ostentava na região metropolitana de Belém. Estas iniciativas complementares foram em dois sentidos, de um lado costurou a neutralidade e até o apoio dos grandes meios de comunicação de massa, a exemplo do grupo de comunicação ORM, SBT, Record, assim Helder evitou que estes grupos, especialmente o grupo ORM viesse a tomar partido em favor do candidato do governador.  Em outro front, a candidatura Helder buscou neutralizar uma terceira via eleitoral que pudesse ganhar força em todo o estado. Assim Helder atraiu chefes partidários de peso a exemplo de Lúcio Vale do PR, Zequinha Marinha do PSC, Mário Couto do PP, Josué Bengtson do PTB, O PRB. 

Mário Couto, após as convenções partidárias seria descartado pelo MDB.  

Em relação à esquerda, Helder conseguiu com que o PT fizesse uma campanha tímida, este partido teve boa votação para o governo devido ao impulso recebido pela candidatura presidencial petista. Já o PSOL, não foi para o confronto com o candidato, já favorito, Helder Barbalho, este preferiu bater no já agonizante candidato governista. O PSOL não tirou como eixo demarcar com o MDB, este partido fez uma campanha morna, e só apresentou uma tênue demarcação nos últimos dois debates na TV.  

A votação do PSOL na capital representa o potencial oposicionista sempre presente nas capitais, no contexto de um PT apático na campanha na capital. Estas interações costuradas por Helder Barbalho tenham sido elas, formais ou informais, abriram caminho para que o emedebista tivesse uma grande vitória em Belém. Em Ananindeua, a depressão política do prefeito Pioneiro, seu desinteresse pelas disputas estaduais, permitiram que Helder ganhasse a eleição nesta cidade, com uma margem de 15% em relação à candidatura Márcio Miranda.  

Do lado governista especulava-se em torno das opções de Jatene para sucedê-lo. O prefeito tucano de Ananindeua, Manoel Pioneiro esperava reconhecimento por parte do governador Jatene. Pioneiro tinha sido reeleito prefeito em primeiro turno em 2016, assim como teve uma atuação espetacular na virada eleitoral de 2014, no primeiro e segundo turno, quando Jatene venceu Helder.   

O prefeito de Ananindeua tinha oferecido um desempenho eleitoral em Ananindeua gigantesco, e como tal, Manoel Pioneiro esperava o convite de Jatene para sucedê-lo. Nenhum outro candidato tucano apresentava as credenciais que Pioneiro ostentava para a sucessão de 2018 no Pará. Nas pesquisas eleitorais, Pioneiro apresentava um desempenho de saída de 17%.  

Jatene tinha uma engenharia política em mente para a sucessão de 2018. Jatene resistiu em lançar um candidato tucano à sua sucessão. 

Esta decisão custaria caro ao governador na sucessão que se aproximava, pois os tucanos de alta plumagem, em grande parte não se envolveram na sucessão governamental. O governador tucano apostava em um acordo com o vice-governador Zequinha Marinho para materializar sua estratégia eleitoral.  

Jatene apostava em sair candidato para algum cargo proporcional, lançar Zequinha Marinho ao senado e fazer com que o presidente da Assembleia Legislativa Márcio Mirando viesse a terminar o mandato de governador e se lançar a reeleição em 2018. Nestas circunstâncias, um candidato pouco conhecido do eleitorado paraense, Márcio Miranda.  

A aposta do governador Jatene seria de que Miranda em seis meses se tornaria amplamente conhecido, e de posse da máquina de governo nas mãos, sendo um político sem problemas com denúncias de corrupção, poderia a vir a ser um candidato com amplas chances de ganhar as eleições para o governo do estado. Parece que Jatene tinha como estratégia central entregar apenas 4 anos o governo para Miranda e esperava recuperá-lo para seu grupo, quatro anos depois.  

Mas Jatene não combinou com os “russos” a sua estratégia eleitoral. O vice-governador Zequinha Marinho não aceitou abandonar o seu cargo e em aliança com Helder Barbalho lançou-se candidato ao senado federal. A estratégia de Jatene foi por água abaixo. Jatene manteve a decisão de lançar o presidente da ALEPA ao governo do estado, deixando grande parte da bancada tucana insatisfeita, em especial o prefeito peessedebista Manoel Pioneiro, que não mostrou interesse em participar ativamente da campanha em 2018 para o governo do estado.  

Assim, o governador Jatene lançou a candidatura do presidente da ALEPA Márcio Miranda ao governo do estado. Miranda começou, seis meses antes das eleições, na fase da pré-campanha com 2% de intenção de votos. A candidatura apoiada pelo governador Jatene tinha agora uma dupla tarefa, fazer um candidato pouco conhecido, vir a ganhar ampla visibilidade pública no curso da campanha e construir uma campanha capaz de impulsioná-lo à disputa eleitoral, para enfrentar um candidato da oposição que era conhecido por 99% da população paraense.  

Não deu tempo. As regras que organizaram a campanha eleitoral de 2018 só disponibilizou 45 dias de campanha e para as aparições na televisão foram tão somente de 30 dias, sendo que os candidatos ao governo tiveram somente 15 dias para fazer suas aparições no horário eleitoral gratuito, e outras inserções de poucos segundos no decorrer dos 30 dias seguintes.  

Márcio Miranda demonstrou uma ampla capacidade de disputa e terminou o segundo turno com 45% dos votos válidos. Sem dúvida nenhuma, podemos afirmar que se a campanha eleitoral na televisão tivesse durado mais 30 dias, o potencial eleitoral do candidato Márcio Miranda teria sido amplificado, num contexto em que o eleitorado brasileiro e paraense mostrava grande temeridade em votar em candidatos envolvidos com algum grau de denúncias envolvendo corrupção política e eleitoral.  

Podemos notar no decorrer da campanha alguns possíveis erros que podem ter despotencializado a campanha de Márcio Miranda. Notamos nos primeiros oito programas da campanha de televisão que Márcio Miranda buscava se descolar da imagem do governador, devido sua enorme avaliação negativa, especialmente na região metropolitana de Belém e buscava prestar contas de seu mandato à frente da ALEPA para se apresentar como um executivo experiente, ao mesmo tempo que buscava carimbar Helder Barbalho como um candidato ficha suja.  

Quem é analista de política sabe que Jatene fez um bom governo, mesmo no interior da crise de violência que assolou o Pará, o resultado do governo Jatene é positivo. No período eleitoral a violência cedeu em relação aos meses anteriores ao processo eleitoral. Sabemos também, que Miranda era candidato de Jatene e Helder e sua campanha lembravam isso todos os dias. Ora, nós sabemos também que uma campanha centrada em torno da divulgação das boas realizações do governo, melhora a avaliação popular em torno do desempenho do governo e oferece a alavanca necessária para o candidato apoiado por este governador.  

A candidatura Miranda perdeu preciosos dias que poderiam consolidar na percepção popular a ideia de que Jatene fez um bom governo, bastaria comparar com outros 26 estados da federação, onde 17 não vêm pagando a folha de pessoal regularmente. Jatene tinha um cartel de mais de 500 obras terminadas, inclusive algumas de grande visibilidade como os 17 hospitais inaugurados e outros 4 em fase de acabamento, a rodovia do Marajó, o parque do Utinga, o prolongamento da avenida Primeiro de Dezembro, as pontes de concretos sobre os rios, a manutenção da malha rodoviária, e outros.   

Márcio Miranda só poderia ter suas chances eleitorais ampliadas caso a população consolidasse uma avaliação positiva do governo Jatene. Mas a candidatura Márcio Miranda só veio a fazer prestação de contas do mandato Jatene, na última semana de campanha. Assim, Helder Barbalho derrotou o candidato de Simão Jatene e fez o MDB e sua família retomarem o controle político do Pará após 28 anos afastados do comando político do Pará.  

Helder ainda obteve outra vantagem estratégica sobre a candidatura governista de Márcio Miranda, durante os debates na televisão. Ora, todos sabem que Helder foi formalmente denunciado por delatores da JBS  no curso da Operação Lava Jato. Em uma campanha este fato teria efeito devastador.  

Ora, Miranda sabia disso e centrou seus ataques contra Helder taxando-o de ficha suja. Por outro lado, Helder, se aproveitou da denúncia do Promotor estadual sobre questionamentos e denúncias sobre uma possível irregularidade na aposentadoria do candidato Miranda. Helder apresentou Miranda como um fraudador e para somar a estas denúncias, Helder buscou colar a imagem do vereador e denunciado por associação ao tráfico de drogas Gordo do Aurá ao candidato Márcio Miranda.  

Em síntese, Helder conseguiu criar confusão na cabeça do eleitor indeciso e teve sua estratégia vitoriosa. Tivemos no Pará um pouco mais de 10%¨de eleitores que votaram Branco ou Nulo, totalizando quase quinhentos mil votos. E ao final do processo eleitoral podemos dizer que o eleitor indeciso que poderia ser capturado pelo voto ficha lima foi neutralizado e Helder veio a vencer o pleito eleitoral de 2018.  

A coligação emedebista também elegeu as duas vagas ao senado em disputa. Esta vitória da coligação oposicionista era pré-anunciada devido ao racha na base governista. Da base do governador Jatene foram lançados pelo menos três candidatos com bom potencial eleitoral: Flexa Ribeiro, Coronel Osmar e Sidney Rosa. O racha dos votos na base do governo do estado propiciaram a vitória das candidaturas oposicionistas de Jader Barbalho e Zequinha Marinho

Ou seja, a pulverização de candidatos governistas já anunciava que Simão Jatene tinha perdido o poder de coordenação política sobre os partidos de sua base de sustentação.  

Jatene deixa o governo após uma exitosa gestão, mas também deixa o PSDB fraturado. Todos os estudiosos sabem que deputados e prefeitos só conseguem manter viva suas carreiras políticas se forem bem avaliados pela população. No curso de todos os governos pós redemocratização, estes têm conseguido a base parlamentar necessária para governar.   

Os deputados buscam fazer parceria com o governo de plantão para levar obras e serviços para suas bases eleitorais. Este fato prenuncia de que o novo governador terá especial satisfação de cooptar a base peessedebista no Pará, em especial os deputados e prefeitos. O PSDB deve sair a partir destas eleições como um partido bastante desidratado politicamente.   

Creio que Helder poderá ter, se assim o quiser, obter o apoio de até 40 deputados na sua base de sustentação parlamentar, além de 90% dos prefeitos municipais. Não sei se convém ao governador eleito construir tamanha base, pois o governo teria grande parte de seu orçamento consumido nesta missão, aumentando em muito os custos da governabilidade.  

Quanto às perspectivas do futuro governo Helder dependerá em muito das escolhas que serão feitas no início do governo. Os orçamentos de governos estão cada vez mais escassos. O Brasil já apresenta vários anos de estagnação econômica com baixíssimo crescimento do PIB. A lei Kandir lesa as finanças estaduais. 

Nosso estado se baseia no setor de serviços e no consumo que advém do funcionalismo público e dos aposentados e pensionistas, além dos consumidores de baixo padrão advindo dos titulares dos programas sociais do governo federal. Os grandes empreendimentos econômicos do estado estão sob controle do governo federal.  

Helder assumiu muitos compromissos com gastos fixos, a exemplo do pagamento do piso nacional dos professores estaduais, o salário dos delegados em paridade com os rendimentos dos promotores, com gastos voltados para a proteção social. É desta equação é que saberemos o poder de investimento, a partir de recursos próprios do futuro governador do Pará.  

Por outro lado, o MDB, pela primeira vez enfrenta grande incerteza quanto ao relacionamento com o futuro presidente da república, Jair Bolsonaro

O MDB sempre sobreviveu como um partido congressual e da esplanada dos ministérios. 

O MDB saiu das eleições de 2018 com o pior desempenho eleitoral de sua história recente, e toda a sua capacidade de barganha com o novo governo dependerá da participação ou não do MDB no comando da câmara dos deputados ou no senado federal.  

Estas incertezas recomendam ao novo governador muito critério na hora de assumir gastos fixos, como em relação à folha de pagamento. Ou Helder faz um governo de austeridade, cortando desperdícios na máquina administrativa, planeja antecipadamente os custos fixos da máquina de governo ou poderá no curto espaço de tempo, ver a capacidade de investimento mínimo do estado chegar a níveis paralisantes.  

Helder estará frente a um grande dilema. 

Como cumprir com a enorme de agenda de promessas que assumiu nos palanques eleitorais no contexto da grave crise econômica que o Brasil passa? 

Como atender a enorme demanda que será apresentada pelos partidos aliados, atinentes a cargos, funções, obras, serviços e empregos temporários para seus apoiadores? 

Usando uma figura de linguagem, eu diria que o Helder tem 100 ingressos para um espetáculo, mas prometeu entrada para 10 mil pessoas.  

É ver para crer.

domingo, novembro 04, 2018

Quem será da base de apoio de Helder Barbalho na ALEPA?




O blog analisou minuciosamente os nomes dos 41 eleitos que irão compor a próxima legislatura na Assembleia Legislativa do Pará (Alepa), para que se possa – à priori – montar um cenário preliminar de composição interna, e  quem será base ou estará na oposição ao governo Helder Barbalho. Tendo como parâmetro a coligação que o candidato do MDB concentrou na campanha: PTB, PSC, PSL, PHS, PSD, PP, PSDC, Avante, PROS, PRTB, PR, Podemos, PTC, PMB e PV; juntos somam 23 parlamentares eleitos. Portanto, sem negociação, o novo governador já possui maioria, porém com margem apertada e que ainda não lhe garante a folga para aprovação de projetos e assuntos de interesse de sua futura gestão.  

Os partidos que não coligaram com o MDB e que na teoria se posicionam na oposição somam 18 parlamentares. Nesse quantitativo há nomes que podem integrar a base governista na Alepa, bastará algumas tratativas e alguns acordos. O PSDB terá uma bancada de cinco deputados, mas pode-se afirmar que, pelo menos, dois já integram a base do novo governo: Dr. Daniel (o mais votado) e Luth Rebelo, que no segundo turno externou o seu apoio ao então candidato do MDB. O PDT conta com dois parlamentares, Junior Hage e Miro Sanova. O primeiro já declarou apoio ao Barbalho, o segundo ainda aguarda decisão de seu partido.  

O Democratas terá três cadeiras no parlamento estadual: Eliel Faustino e Dra. Heloisa, ambos serão oposição ao novo governo; mas Hilton Aguiar deverá compor a base governista. O PSB que elegeu Fábio Figueiras, ainda não definiu qual caminho seguir (mas pelo conhecimento de causa que este blogueiro possui sobre a legenda, dependendo do acordo, sem cerimônias, mudará de lado para integrar a base governista). O Solidariedade controlado pelo ainda deputado, mas não reeleito Wlad Costa, terá no parlamento Renilce Nicodemos como a única representante. Será que Wlad aceitará compor o novo governo depois de ter sido um dos mais duros críticos dos Barbalho?  

O PPS terá uma cadeira, a do deputado reeleito Thiago Araújo. O caso do filho do conselheiro Zeca Araújo é outra incógnita. Mudará de lado, depois de ter sido um dos maiores apoiadores dos tucanos? O PMN terá um assento reservado para Orlando Lobato, mais um que poderá compor a base do novo governo. O PSOL será representado pela deputada eleita Marinor Brito, e com certeza fará oposição a Helder Barbalho. E o PT? O partido terá três cadeiras no parlamento estadual. O blog entrou em contato com um dos três deputados eleitos, e foi informado que ainda haverá reunião entre as Executivas estaduais do PT e MDB para definir a questão. Só a partir da decisão partidária, e que Carlos Bordalo, Dilvandra Faro e Dirceu Ten Caten decidirão qual caminho seguir. Mas afirma-se nos bastidores  que o PT apoiará o governo Helder e que os dois parlamentares da AS (Articulação Socialista – Bordalo e Faro) deverão compor a base, porém o deputado marabaense Ten Caten, parece caminhar para o lado oposicionista.  

Em resumo, neste momento, o governador eleito Helder Barbalho conta com 23 parlamentares de sua coligação confirmados em sua base.  Três deputados que são de partidos adversários já confirmaram apoio ao novo mandatário da política paraense; quatro aguardam decisão partidária; três devem aderir ao governo e dois são incógnitas.  

Portanto, Helder Barbalho no atual momento conta como 29 deputados em sua base, e aguarda ainda quatro indefinições que dependem de acordos, o que poderá fazer a representação do Executivo no parlamento chegar a 33 deputados. Dois parlamentares ainda não se pode afirmar qual caminho seguirão. A oposição até o momento será representada por apenas seis deputados.  

Helder Barbalho terá o apoio da Alepa em um nível que há tempo não se acompanhava na política paraense. Caberá aos poucos parlamentares que estarão fora da órbita do Palácio dos Despachos a critica e a cobrança ao novo governo, que se faz necessária existir.

A possibilidade do presidente estadual do PT-PA deixar o cargo tem agitado o partido, que perdeu as eleições.

quinta-feira, novembro 01, 2018

DOXA explica o que aconteceu depois da sua última pesquisa ter sido divulgada na véspera das eleições

Dornélio Silva, da DOXA Pesquisas.

No blog Ver-O-Fato, sob o título Doxa explica pesquisas eleitorais no Pará, hoje à noite, ao vivo, no "Linha de Tiro"; e o Ministério de Bolsonaro

O programa "Linha de Tiro" desta quinta-feira - das 20h00 às 21h00 - será mais uma vez quente e polêmico, pois vamos abordar as pesquisas eleitorais no pará que deram certo e as que deram errado. O entrevistado é o cientista político Dornélio Silva, diretor da Doxa, que previu na véspera dos egundo turno que Márcio Miranda tinha 3,8 pontos à frente de Helder Barbalho, que foi quem se elegeu com 10 pontos de vantagem, como indicou o Ibope. 

Dornélio será questionado pelo jornalista Francisco Sidou sobre resultados tão diferentes e quais as explicações para ambos. Na mediação da conversa estará o jornalista Carlos Mendes. Também vamos tratar das escolhas de Jair Bolsonaro para seu ministério e as críticas da oposição.  O público poderá participar, fazendo comentários e perguntas a Dornélio Silva e aos integrantes da bancada do "Linha de Tiro". 

Assista clicando aqui