Pesquisar por palavra-chave

quinta-feira, fevereiro 03, 2011

Tá por demais!


Na foto recente do Governador Simão Jatene em companhia do prefeito de Belém, quem ajudou eleger e reeleger (Duciomar Costa), feita pelo celular do Secretário de Comunicação Ney Messias, o mesmo que criou a potoca do século, ao justificar a queda mais rápida da história de um secretário de Estado  (Sahid Xerfan) que deixou a SEEL por doença na família, disq!

Tá por demais!


Não tô me aguentando de vontade de gritar, de dizer bem alto para todos que votaram no atual governador Simão Jatene, que...

Não dá.

Não tem cabimento.

Não tem ninguém que mereça tamanha judiação com aqueles que votaram e principalmente, os que não votaram neste senhor que ocupa cargos relevantes na governança do Estado por quase 30 anos e reelegeu-se governador e ainda sim parece ignorar o termo NEPOTISMO, o qual em seu governo é regra ao invés de exceção.

Nem o Dudu que ele mesmo ajudou a eleger e reeleger foi capaz de tanta irregularidade em tão pouco espaço de tempo. Eu hein!

Não é gestão pública o que tem sido feito nos primeiros 32 dias da volta dos tucanos para o governo do Estado do Pará.

É nepotismo em tudo que é orgão estadual.

É potoca de secretário ficha-suja sendo afastado por motivo de doença na família.

É nomeação de servidores temporários e DAS's em atos secretos.

É empresário do ramo da comunicação sendo nomeado com DAS Especial II. 

E agora me aparecem com essa dispensa de licitação de mais de R$ 3 milhões e meio para a "emergente" contratação de empresas prestadoras de serviços de limpeza e fornecimento de merenda escolar na SEDUC.

E, se como se vivêssemos numa ditadura, num Estado de exceção, onde a imprensa, o Ministério Público Estadual, a OAB-PA,  parecem que não existem mais, foram amordaçados pela força do poder de mando do governador?

Assim não dá.

Mas já que Simão Jatene, depois de eleito abandonou as redes sociais - as quais, em campanha dizia valorizar, fica a pergunta:
Uma escola caindo, um hospital em situação precária, ainda vai, tudo bem, é legal.
Mas dispensar 3,6 milhões para serviços de limpeza e merenda escolar não é demais, suspeito, ilegal?

Nunca na história deste Estado houve tanta gente ficha-suja, nepotista e com predisposição à malservação do dinheiro público em tempo recorde, mostrando do que ainda são capazes caso as autoridades competentes continuem de braços cruzados.

Guinness Book, eis aqui um recorde!