sexta-feira, agosto 21, 2015

Derrotado em 2014, ex-senador Mário Couto deixará o PSDB

Couto gritava aos quatro ventos que Dilma cairia e como todos sabem, a presidente se mantém no cargo e no seu partido, enquanto Mário Couto perdeu o cargo e agora sai do seu partido, depois de perder a disputa interna que travava com o governador Simão Jatene.
O senador tucano que já foi preso por porte de armas de grosso calibre  e por comandar bancas do jogo do bicho no Pará, Mário Couto anunciou que se desfiará do PSDB, depois de 25 anos na legenda. O rumo do mesmo ainda é incerto, podendo até ir para o PMDB, partido que ele já foi filiado.
Em Brasília, Mário Couto sempre foi um dos senadores do PSDB que mais atacavam o PT e os governo de Lula e Dilma. Em 2014, ano em que tentou a reeleição, chegou a protocolar dois pedidos de impeachment contra Dilma, o primeiro em Abril e o outro em Novembro, já depois de derrotado, pois ficou em terceiro lugar, com apenas 18,46% dos votos válidos, enquanto Paulo Rocha (PT) obteve 46,23% e ocupou a única vaga existe naquele disputa ao senado. 
Bravatas e corrupção
Embora não muito explicada, sua saída do PSDB é tida como resultado de conflitos com seus colegas de partido no Estado do Pará e já havia sido anunciada em junho do ano passado, quando chamou o governador Simão Jatene de mentiroso e safado.

Sempre com discursos recheados de uma falsa moralidade e chamando seus adversários de corruptos, em novembro de 2012, o senador teve seus bens bloqueados por determinação da Justiça do Pará, a pedido do Ministério Público. Mário Couto foi acusado por improbidade administrativa em licitações na Assembleia Legislativa do estado, quando como deputado estadual presidiu aquela casa entre 2003 e 2007. 

Os promotores paraenses alegaram ter encontrado contratações suspeitas em sua gestão, como uma fábrica de tapioca que foi contratada para prestar serviços de engenharia, e solicitaram a devolução de R$13.000.000,00 (treze milhões de reais) desviados do erário. 
Já como senador, Mário Couto foi acusado de financiar o Cuiarana com dinheiro público do DETRAN, órgão que esteve sob o comando de apadrinhados por ele. Segundo matéria do jornal Diário do Pará, "o senador operou a mágica de transformar um clube inexpressivo do interior paraense numa agremiação com ares de Primeiro Mundo, com estrutura de deixar no chinelo até mesmo clubes tradicionais como Remo e Paysandu. Especula-se que, por baixo, a folha salarial do clube alcance R$ 400 mil por mês".
Antes disso, os cofres do DETRAN já haviam sido arrombados por outro esquema coordenado por Sérgio Duboc, amigo de confiança e indicado pelo senador Tucano para operar a gatunagem. Após ser tido como foragido da polícia, pegou o beco e até hoje seu paradeiro é desconhecido. 
Com todos esses indícios e escândalos, Couto agora teme ter que responder pelos crimes e esquemas de corrupção que sempre foi acusado, mas que a imunidade parlamentar lhe aliviada a barra. Por isso, pensa em continuar na política, vindo a "escolher" outro partido e manter-se impune. Especula-se que ele possa engrossar as fileiras do PMDB ou do PSD, mas ele ainda não confirma, só diz em alto e bom som que tem a certeza de que será amigo por toda a vida do presidente nacional do PSDB, o senador Aécio Neves.
Que tal me acompanhar no twitter?!