Pesquisar por palavra-chave

sábado, dezembro 31, 2011

Na virada, quem paga o pato é o contribuinte

No Facebook do Zé Carlos do PV.

Acabo de ler o jornal O Liberal do 31.12, o último de 2011, aquele que chega e encontra as pessoas com o espírito de paz, típico da virada do ano. Percebo que o Governo fez um bom investimento publicitário e de quebra, ainda determinou ao presidente da Assembléia Legislativa, a publicação de uma nota de meia página. O Jornal, em retribuição, presenteou o Governador com notas favoráveis nas colunas mais lidas e uma página de entrevista, onde ele responde o que quer responder e ainda tem o direito de interromper a pergunta da repórter, que, usando seu profissionalismo, anotou a grosseria.


A entrevista de Simão Jatene pode ser resumida assim: o Pará tem dois problemas, pobreza e desigualdade, Ana Júlia não os combateu porque não tinha gestão e ele, Jatene, não os combate porque falta dinheiro. Propõe mais justiça fiscal, que sabe não acontecerá; propõe um pacto federativo de difícil concretização. Acusa a classe política do Tapajós de ser a única responsável pelo clima de discórdia no Pará. Volta com a balela de que devemos nos unir, apesar da diferença, coisa que só vale quando ele está no comando.

Quanto à taxa de minério, Jatene disse que passou quatro anos pensando sobre o assunto enquanto estava fora do Governo, menosprezando a inteligência dos pobres mortais que sabem da contribuição intelectual decisiva do vice-governador sobre o assunto, mas que nem foi citado por Jatene.


Bom, para quem conhece política e o Pará, Jatene nada disse, enrolou, ensebou e levou todos no bico, mas com um ar de intelectual e com o beneplácito da grana de publicidade.

Feliz Ano Novo!

Deputado João Salame renuncia à vice-liderança do governo


No Blog do Parsifal.



Senhor Governador,
 
A par de cumprimentá-lo, serve o presente para comunicar a Vossa Excelência minha renúncia à função de Vice-Líder do Governo na Assembleia Legislativo do Pará.

Os recentes acontecimentos políticos envolvendo o Plebiscito sobre a Divisão do Estado tornam insustentável continuar nessa função. Não lhe entreguei o cargo durante o plebiscito e no momento imediatamente posterior para não criar nenhum factoide que esgarçasse ainda mais nossas relações. Permanecer na função, no entanto, seria demonstrar apego demais por cargos, o que não coaduna com minha história de lutas em defesa de uma sociedade mais justa e da ética na política.

Nesta oportunidade quero deseja a Vossa Excelência e à sua família um Natal com muita paz e saúde e um Ano Novo repleto de realizações.

Atenciosanente,
JOÃO SALAME
Deputado Estadual

A transcrição acima pousou na mesa do governador Simão Jatene na semana passada, revelando uma indigestão aberta na base política do governo em função da campanha plebiscitária. Outras houve, mas, quem as possui, prefere guarda-las silentes, na tradução daquele dito que a “vingança é um prato que se serve frio”. 

Simão Jatene afirmou, no início do disse-me-disse, que se manteria como um “magistrado” na lide, mas, não resistindo aos ataques frontais que passou a receber na campanha de rádio e TV, resolveu tirar a toga e entrar na briga de rua que virou a campanha.
O deputado João Salame (PPS) discordava frontalmente dos ataques ao governador e sempre foi um fiel e irrestrito aliado de Simão Jatene desde a campanha que o elegeu governador pela primeira vez. 

Contribuiu decisivamente para a esgarçadura sofrida por Salame o comportamento extremamente arrogante do deputado Zenaldo Coutinho (PSDB) durante os debates televisivos, nos quais bradava que Salame era vice-líder do governo, sub-repticiamente cobrando-lhe subserviência à fala do trono, ao que Salame retrucava ser aliado do governador e não “puxa-saco” dele. 

Meu pai dizia: “Deus me livre de puxa-sacos e advogados”. 

Acabei sendo advogado, mas, concordo com Salame quanto à primeira qualificação: ser bajulador gratuito não deve fazer parte de relações políticas.

Contrato anunciado

A gente começa a achar que o ano novo pode regenerar as pessoas, mudar comportamentos imorais e trazer novidades em nossas vidas aí vem a turma da rapinagem que adora devorar recursos público e nos mostrar que tá tudo dominado, até no judiciário paraense, famoso por não agir contra o meliante que completará 8 anos como prefeito de Belém do Pará.



Veja mais essa no blog da Franssinete.


Vejam só o anuncio publicado no ultimo dia 27,na pagina 14 do caderno TEM do Diário do Para, intitulado "Por uma graça alcançada": "A fe alavanca as grandes obras do Senhor. DC ouviu suas preces. AG, és a vencedora. Juntos, agora, multiplicaremos o pão nosso de cada dia. Feliz 02/01/2012". A alusão ao processo de licitação da Prefeitura, para implantar BRT escandaliza. Iniciais do prefeito Duciomar Costa e e de uma grande empreiteira e ainda o dia da abertura das propostas. Resta saber se o Judiciário vai ignorar tudo isso.