Pesquisar por palavra-chave

quinta-feira, abril 02, 2020

1ª morte por COVID-19 no Pará é questionada

Enterro da idosa que a SESPA diz ter morrido com a COVID-19 reuniu muitos populares.

Por Diógenes Brandão

A fotografia acima registra o enterro, em Alter do Chão, no oeste do Pará, da senhora de 87 anos que, teria sido a primeira vítima fatal da pandemia do novo coronavirus - Covid 19 - no Pará, segundo anunciaram ontem, primeiro de abril, o governador Helder Barbalho e o prefeito de Santarém, Nélio Aguiar, que são aliados. 

A forma que foi investigada e confirmada da causa da morte da idosa, ocorrida em 19 de março, provocou polêmica no Pará, pela sucessão de erros na divulgação. Ela era muito querida em Alter do Chão, uma praia de rio no Tapajós, conhecida como Caribe da Amazônia, pelos seus encantos naturais e, por isso, bastante procurada por turistas de todo o Brasil e do mundo. 

A idosa foi sepultada com grande acompanhamento, pois, àquela altura, as pessoas não tinham conhecimento de que ela já seria um caso suspeito de Covid-19. O óbito supostamente teria ocorrido por infecção pelo coronavírus, o que a família nega, com veemência.

Diante de documentos que circularam nas redes sociais e grupos de WhatsApp, expondo o nome da falecida pelo próprio governo do estado, surgem várias perguntas que não querem calar.

A primeira pergunta refere-se à uma alegada coleta de sangue da senhora - que os familiares também negam ter ocorrido - que teria sido feita por um médico particular. Se ele realmente o fez, deixou de cumprir seu dever e não comunicou a suspeita que ele próprio alegou, de ser um caso de coronavírus, nem à Secretaria de Estado de Saúde e nem à Secretaria de Saúde de Santarém, nem aos familiares, embora tenha usado formulário oficial - receituário do SUS - e um carimbo de uma unidade de saúde pública, sendo que ele, o médico, não é da rede pública de saúde, o que já configura crime de falsidade ideológica. Além disso, o médico negligenciou informações médicas e tem tudo para responder processo e até ser preso por agir totalmente contra o que pregam os protocolos para o procedimento médico em relação aos casos suspeitos de COVID-19.

Outra pergunta intrigante, ainda sem resposta: porque o médico teria encaminhado o sangue - supostamente coletado - para um laboratório em Belo Horizonte, Minas Gerais, e não para o gabaritado Instituto Evandro Chagas, em Belém do Pará, ou para o LACEN - Laboratório Central do Governo do Pará, que são referências para realizar os testes para o COVID-19?

O que mais intriga a maioria das pessoas, profissionais da saúde e leigos, é: porquê, depois de tanto tempo, ainda não há familiares infectados com o coronavirus, que tem grande poder de propagação, ainda mais em ambientes pequenos e com tanta gente cuidando da anciã?

Outra: porquê a Sespa demorou quase uma semana para divulgar a primeira morte por coronavirus no Pará e o fez pelo Twitter, sem antes se comunicar com os familiares da vítima? Teria sido um gesto esperado tanto pelos protocolos de segurança sanitária, quanto principalmente um ato humanitário. 

São perguntas que exigem respostas, a bem da verdade e do esclarecimento completo de fatos que podem ter implicações previsíveis na saúde pública. Há um reboliço em Alter do Chão e a família exige ser poupada de mais problemas.

Por ora é isso. Logo mais traremos outras informações, sempre com o objetivo de esclarecer as dúvidas de nossos leitores e leitoras, e trazer à luz os motivos que levaram o governador e a SESPA a omitirem todos esses problemas e vícios no processo, que tem tudo para ser reformulado por quem o chancelou e deu fé.


O que vc acha disso tudo?

Nenhum comentário :

Postar um comentário