segunda-feira, março 23, 2020

Jair Bolsonaro: O sabotador


Jair Bolsonaro descumpre as orientações das autoridades de saúde e diz o oposto do que elas apregoam.

Por Lúcio Flávio Pinto

Bem ou mal, o governo federal age para combater a contaminação e a propagação do coronavírus pelo Brasil, que evolui exponencialmente todos os dias. Mas está sendo sabotado por dentro.

O sabotador é ninguém menos do que o presidente da república.

Jair Bolsonaro descumpre as orientações das autoridades de saúde e diz o oposto do que elas apregoam.

Continua a sustentar, ecoando os mantras do guru da família, o tresloucado astrólogo Olavo de Carvalho, que a pandemia é uma invenção, talvez um instrumento de uma conspiração internacional, provavelmente desencadeada pelo nosso maior parceiro comercial, a China; que o povo está sendo manipulado pela mídia; que não é preciso se isolar socialmente; que as iniciativas do seu próprio governo são exageradas, fruto de um pânico coletivo, e outros absurdos, em completa dissonância com a realidade assustadora em 171 países,  que são acompanhados atentamente por entidades internacionais e têm autonomia de ação.

Como o presidente parece concordar com as providências adotadas por seus auxiliares quando está com eles em público (felizmente, já não tanto de corpo presente, que pode estar contaminado), só há um jeito de definir o comportamento pendular de Jair Messias Bolsonaro: ele vive num mundo à parte do que gira para todos nós.

Um mundo só dele, de sua família e da sua organização secreta.

O comando mental do presidente pode estar se esgarçando entre a esquizofrenia e a psicose.

Já não seria caso de impeachment, mas de psiquiatria.

Quem vai derrubar Bolsonaro não é o PT e sim o COVID-19

"Depois da facada, não é uma gripezinha que vai me derrubar", disse o presidente Jair Bolsonaro ao encerrar a segunda entrevista coletiva realizada em Brasília nesta sexta-feira (20). 
Por Diógenes Brandão


"Depois da facada, não é uma gripezinha que vai me derrubar", disse o presidente Jair Bolsonaro ao encerrar a segunda entrevista coletiva realizada em Brasília nesta sexta-feira (20). 

O teor das declarações fez o professor Carlito Aragão a escrever um breve artigo, onde prevê que a queda de Bolsonaro pode sim, vir acontecer por causa do Coronavírus.

Leia:

Ontem, domingo (22), assisti a entrevista do presidente para a rede Record sobre a crise atual.

Confesso que, pelas palavras do nosso gestor institucional maior, tenho a impressão que ele será afastado do cargo não por pressão do PT, do Congresso Nacional ou do Superior Tribunal Federal(STF).

Uma personagem principal o derrubará do trono republicano: o Covide 19, com o apoio das classes médias e suas panelas amassadas.

O presidente deu uma das piores entrevistas em curto tempo de mandato eletivo. 

Apenas duas questões expostas por ele demonstram o seu despreparo quanto a crise: que sua maior preocupação não é com o tal corona Vírus, mas com o desemprego(porém, ele mesmo editou uma MP que reduz jornada e corta salários); e que muitos estão morrendo não em função do vírus que adquiriram, mas por já terem vícios como o fumo e demais drogas não autorizadas.

Por fim, enfatizou mais uma vez sua briga com os governadores dos estados, que estão implementando medidas de prevenção sem o "aval" do governo federal e que não é necessário ficar em pânico, pois essa é uma gripezinha passageira.

Helder Barbalho: Herói ou tirano?

O marketing cria a fantasia de um super-herói para Helder Barbalho, mas a realidade é muito diferente e a população é quem sofre pela brincadeira e arrogância.

Por Diógenes Brandão

A birra, o autoritarismo e o revanchismo político, somado ao apego pelo palanque eleitoral, tem feito o governador Helder Barbalho a manter-se um candidato em época de campanha eleitoral, onde tudo faz para demarcar um campo de agressão e distanciamento dos seus adversários.

Nem mesmo a gravidade do momento em que o mundo enfrenta os riscos mortais da contaminação da população pelo COVID-19, o governador do Pará não abre mão de sua formação maquiavélica, herdada do pai, um escorpião que age sempre com seu instinto traiçoeiro e beligerante, 24h por dia e nos 365 dias do ano.

Aqui, Helder evita e ignora os apelos do prefeito da capital paraense para que dialoguem medidas unificadas de enfrentamento da pandemia do Coronavírus.

Diferente de estados como a Bahia, onde o governador Rui Costa do PT, chamou o prefeito de Salvador, ACM Neto para juntos traçarem as estratégias de combate do COVID-19 na capital, cidade baiana com o maior índice populacional, bem que poderia servir como exemplo para que o governador Helder Barbalho convoque Zenaldo Coutinho, assim como os demais prefeitos da Região Metropolitana, para fazerem o mesmo que foi feito na Bahia, onde a maturidade e a responsabilidade política, ficaram acima dos palanques, do orgulho e da velha política revanchista.

E ao adotarem esse comportamento maduro e responsável, os políticos não estão fazendo nenhum favor ou ajuda pessoal a ninguém. Trata-se de uma união em prol da segurança de milhões de paraenses. 

O cemitério hospitalar de Helder Barbalho

Depósito da SESPA está mais para um cemitério de equipamentos hospitalares, denuncia populares. Por Diógenes Brandão O escândalo ...