domingo, junho 22, 2014

A origem das coisas é quase sempre dos amigos da Rede Globo

Há algum tempo que eu venho me aventurando nessa vibe de criar memes para as redes sociais. 

Confesso que me divirto com as peças que desenvolvo de forma artesanal. Há inclusive quem pense que eu use as ferramentas mais avançadas do mercado de edição de imagens, mas não. 

Programinhas simples, como o paint que vem junto ao sistema operacional "Rwindows", fazem quase tudo que preciso para curtir esse hobby, se assim vocês me dão licença de chamá-lo.

Na noite deste sábado, observando um meme postado por uma "militante" do PSDB paraense, resolvi parar para estudá-lo e tentar respondê-lo. Trago abaixo para que deem uma olhada: 


O material que com toda a certeza, não deve ter sido feito por amadores, foi publicado originalmente na página do Deputado Federal Fernando Francischini (SDD-PR), o qual recentemente decidiu apoiar a candidatura de Aécio Neves à presidência da República. A foto abaixo retrata o autor da publicação da postagem acima com seus aliados políticos, no dia do abraço do afogado, digo, no dia da convenção de sua partido quando anunciaram a aliança.

A seca, o pó, os dólares e a corrupção juntos numa só foto.
Não foi preciso olhar por mais de 10 segundos a sua página para ver que o deputado que já foi tucano usa sua página e redes sociais para atacar sistematicamente a presidenta Dilma. Prova disso é que logo de cara, encontro uma postagem com uma foto e seguinte provocação: "Qual a legenda?" 

É claro que logo em seguida vem um "comentarista" e chama a presidenta e a senadora Greisi Roffman (PT-PR) de vagabundas e conclama votos em Aécio.

Macete antigo do sub-mundo do jornalixo: Fazer uma pergunta e um comentarista anônimo responde ao intento.

Parei logo aí, pois quando um parlamentar dedica suas redes sociais a esse tipo de coisa, logo se vê que não se trata de um homem sério. Para não frustrar minha suspeita, fui em busca da vida pregressa do elemento e numa rápida pesquisa, na qual juntei o nome Fernando Francischini + corrupção no Gloogle, me deparo com uma máfia de dar inveja até em Al Capone. 

Fico sabendo que a arauto é um ex-delegado da polícia federal, especialista em espionagem e que em menos de 02 anos já passou por 03 partidos: Era do PSDB, 'surfou' um ano no PEN e agora está líder do partido da Solidariedade, na Câmara dos Deputados.

O então detrator - de Dilma e de outros petistas - só fez esse tour partidário por ter sido identificado em um inquérito da polícia federal que revelou seu envolvimento com um esquema que daria um ótimo roteiro cinematográfico do estilo "Cosa Nostra"

Como toda boa raposa a vigiar o galinheiro, Francischini foi membro da CPI que investigou o famoso Carlinhos Cachoeira e - pasmem! - teve descoberto seu íntimo relacionamento com os espiões da quadrilha do próprio Carlinhos Cachoeira. 

E tem mais.

O jornalismo do Brasil 247, afirmou em 25 de Maio trouxe a seguinte informação: 

O juiz federal Sérgio Moro, responsável pela Operação Lava Jato, democratizou o acesso às informações da ação empreendida pela Polícia Federal e minou o poder do deputado Fernando Francischini (SDD-PR). Moro tornou públicas as informações do inquérito – são mais de cinco mil páginas em papel e outras nove mil digitalizadas – e isso deve evitar que os vazamentos seletivos prossigam.

Suspeita-se, entre os responsáveis pela Operação Lava Jato, que Francischini, ex-delegado da PF, seja o principal responsável pelo "vazoduto" que tem instrumentalizado as manchetes de jornais, capas de revistas e longas reportagens nas TVs, que visam desgastar o governo Dilma, a Petrobras e o PT. Isso porque, logo após as prisões da Operação Lava Jato, Francischini recebeu por sete horas advogados dos doleiros presos, que lhe pediram apoio e lhe entregaram todo o inquérito, até então desconhecido da imprensa. São quase 5 mil paginas em papel  e outras 9 mil paginas digitalizadas.

Experiente no trato dessas informações, Francischini teria fatiado o inquérito, selecionando os "capítulos" mais importantes e distribuindo o material a veículos como Veja, Folha, jornal O Globo e TV Globo. O primeiro alvo foi o deputado André Vargas (PT-PR), que passou a balançar depois que um pedido de um jato emprestado ao doleiro Alberto Yousseff veio à tona. Francischini teria até montado uma lógica de distribuição de informações. Veja recebia o trecho do inquérito na quinta-feira, com o compromisso de não publicar na sua edição online. Folha e a TV Globo recebiam as informações na sexta-feira. Era a garantia de que todo os temas selecionados por ele renderiam também no fim de semana.

Viram só meus amigos da Rede Globo, como é que se faz o jornalixo no Brasil? 

Mas nada como um dia após o outro, não é verdade? 

Com a atitude ousada e correta do juiz federal responsável pelas investigações da operação lava-jato, finalmente começaram a aparecer os demais envolvidos com o doleiro, que por uma coincidência Kafkiana, tem malandro ligado ao deputado que postou o meme e que deu iniciou a esta postagem.

Não é interessante buscar informações sobre que acusa as pessoas disso e daquilo, antes de compartilhas essas figurinhas (memes) na internet?


Na imprensa brasileira é assim: As notícias só repercutem e pegam fogo quando a carona é adivinhem de que partido?


O motivo? 

Ter publicado um meme no Facebook. 


Siga-me no twitter: @JimmyNight.