Pesquisar por palavra-chave

segunda-feira, janeiro 27, 2014

Manifestantes prometem fechar porto no Marajó



No blog do Dilacerado.

Os integrantes do Movimento Acorda Marajó, reunidos na Praça das Comunicações em Salvaterra, as 20h do dia 23 de janeiro de 2014, voltam a debater a situação dos valores das passagens para região pelas empresas de navios e ferry boats, com base nos últimos acontecimentos, onde os empresários deliberadamente passaram a praticar o valor de 24,90 reais para a classe econômica dos navios. Valores estes contrastantes com as condições da comunidade local e a qualidade dos serviços prestados a população marajoara e visitantes. Diante do valor de 20 reais cobrado anteriormente, com base no acordo efetuado em 05 de julho de 2013, o valor praticado atualmente promove um aumento na casa dos 33%, entendido como absurdo para a realidade dos serviços. Assim, após ampla discussão, decidem ir as ruas e promover nova rodada de debates com o Governo do Estado do Pará e os proprietários das empresas de transporte, iniciando com a paralisação do fluxo de veículos na Rodovia PA 154 a partir da 0h desta sexta feira 24 de janeiro, com data indeterminada de suspensão, apresentando as seguintes reivindicações:

1. Quebra imediata do monopólio na linha de balsas Camara/Icoaraci/Camara.

2. Suspensão imediata do aumento praticado a partir do dia 23 de janeiro de 2014 com a manutenção dos valores definidos pelo acordo do dia 05 de junho de 2013.

3. Abertura imediata de licitação para exploração da linha de navios por outras empresas.

4. Redução dos valores de passagem dos veículos que transportam os gêneros alimentícios da cesta básica.

5. Adequação dos acentos da classe econômica permitindo melhor comodidade ao passageiro.

6. Capacitação da tripulação das embarcações para atendimento de urgência com disponibilidade de equipamentos como aparelho de verificação de pressão e balão de oxigênio.

7. Melhor tratamento do ambiente dos banheiros e lanchonetes, como forma de garantir a segurança alimentar e a higiene dos passageiros e tripulantes.

8. Garantia de embarque a todas as gratuidades, em caso de vaga disponível nas embarcações, além do percentual estabelecido em leis.

9. Debate diferenciado sobre os valores das passagens para o Marajó no CONERC – Conselho Estadual de Regulação e Controle.

10. Abertura dos dados de planilhas apresentados pelas empresas para reivindicar os aumentos nos últimos três anos.

Após dois dias de manifestações o Movimento Acorda Marajó, segue com a luta. Até esse momento, nem o governo do Estado, nem a ARCON e os empresários da BANAVE ARAPARI deram sinais que irão sentar a mesa de negociação.

Frente a esse silêncio mórbido, o MAM, convoca toda a população de Soure, Salvaterra, Cachoeira do Arari e Santa Cruz do Arari para estarem a partir de 0:00 de quarta-feira, dia 29, a estarem no Porto Camará, não haverá trégua, e vamos parar o porto por tempo indeterminado, até a vitória!

Movimento Acorda Marajó.

PSDB corta pagamento de servidores, não cumpre acordo e PSOL/PSOL fazem corpo mole



Alegando a necessidade de reduzir gastos, o Governo do Estado do Pará corta o TEMPO INTEGRAL e dá mais um duro golpe contra os Servidores Públicos do Estado. 

Como se já não bastasse ter deixado de cumprir o acordo com os Educadores, a maior categoria do Estado, o governo tucano que não pagou o piso salarial mínimo e deu o calote no retroativo do piso, referente ainda ao ano de 2011, tal como tinha se comprometido para por fim na greve que durou 53 dias e terminou após uma negociação estranha entre o SINTEPP e membros do segundo escalão do governo do Estado. 

Na época, o sindicato que representa a categoria publicou em seu site a seguinte conclusão sobre a greve:  

"A decisão de SUSPENSÃO DA GREVE e consequentemente a aprovação do ESTADO GREVE constitui um acerto por parte da nossa categoria, pois precisamos recarregar as baterias para os próximos embates que teremos pela frente, onde os governos neoliberais tentam a todo custo retirar os nossos direitos, conquistados através de muitas lutas ao longo da nossa história.

Observe as conquistas da nossa greve:

1) Lotação por Jornada de Trabalho no início do ano letivo de 2014, com 25% para Hora Atividade (que só viriam em julho), sendo que apenas 5% de redução de turma, onde cumpriremos na escola, os 20% continuarão como estão;

2) Ainda será assegurado a majoração gradativa para 1/3 da jornada destinada a hora atividade, de acordo com a lei do Piso Salarial Profissional Nacional;

3) Garantia de nenhuma perda remuneratória com a regulamentação das Aulas Suplementares;

4) Apresentação de cronograma de reformas das escolas, sendo bimestralmente divulgado no site do governo, com todo o detalhamento do mesmo para que a sociedade em geral acompanhe o andamento, além da garantia do início da reforma do prédio sede “Seducão” até março de 2014;

5) Garantia de envio em até 30 dias do projeto de lei que regulamenta a eleição direta para diretor (a);

6) PCCR unificado, que contemple todos (as) os (as) trabalhadores (as) em educação, construído por uma comissão paritária num prazo máximo de 60 dias sendo encaminhado imediatamente para a Alepa;

7) Pagamento do retroativo do Piso Salarial de 2011, com escalonamento do pagamento a partir de janeiro de 2014;

8) Realização   de Concurso Público;

9) Regulamentação da lei do Some, já em vias de encaminhamento para a Alepa;

10) O pagamento do Pró-labore e do adicional de titulação, conquistados desde outubro. Vitória nossa, vitória da categoria."


Até agora o SINTEPP ainda não se posicionou sobre o que foi cumprido do acordo e a categoria segue desorientada.

Uma ação convocada por lideranças da base da categoria, está convocando um ato de protesto para a amanhã da próxima quarta-feira (29/01) em frente à Secretaria de Estado de Administração - situada na Travessa do Chaco, esquina com a Av. Almirante Barroso - onde irão forçar uma negociação direta com representantes do governo, sem a interferência do sindicato que passou 03 anos passando a mão na cabeça do governo do PSDB, o qual engavetou o PCCR, tão sonhado pelos educadores paraenses e elaborado pela gestão anterior, esta sim, sistematicamente combatida pelo grupo político que dirige o SINTEPP.

Compartilhe, pois até agora só foi publicado no Diário Oficial do Estado e a imprensa parece que desconhece essa manobra que visa tirar mais este direito dos trabalhadores.

Enquanto isso, o governador segue em suas férias pelos EUA.

Dilma tem mais de 3 vezes a soma das intenções de voto dos adversários

Pesquisa realizada no Estado do Piauí, revela o que em boa parte do país está sendo percebido pelos demais institutos de pesquisa. Se continuar crescendo, Dilma pode vencer os atuais adversários ainda no 1º turno.

A presidente Dilma Rousseff (PT) lidera com folga a disputa por sua reeleição no Piauí, onde venceria as eleições gerais deste ano no primeiro turno.

Dilma lidera a disputa com 68,43% das intenções de voto estimuladas.


O segundo colocado, o pré-candidato do PSDB à Presidência da República, senador Aécio Neves (PSDB), tem 9,5% das intenções de voto estimuladas.

O pré-candidato do PSB à Presidência, o governador de Pernambuco, Eduardo Campos, tem 7,92% das intenções de voto estimuladas.

O pré-candidato Randolfe Rodrigues, do PSOL, obtém 1,23% das intenções de voto estimuladas.

Os indecisos representam 6,95% dos votos estimulados e os que votariam nulo ou branco representam 5,98%.

Neste cenário, a Presidente Dilma seria imbatível. Ela tem, conforme a pesquisa Amostragem/Meio Norte, mais de 3 vezes e meia a intenção de votos de todos os seus adversários juntos. Sua vantagem sobre a soma ( 18,65) dos outros três candidatos é de cerca de 50 pontos.

Em uma simulação em que não consta o nome do candidato do PSOL, a presidente Dilma atinge 69,04% das manifestações de voto estimuladas; seguido de Aécio Neves, com 10,38%, e Eduardo Campos teria neste cenário teria 8,44% das intenções de voto estimuladas. Neste cenário, a diferença de Dilma é ainda maior, de exatos 50,22 pontos sobre a soma dos outros dois concorrentes.


Aqui, os indecisos somam 5,98% e os que responderam que votariam nulo e branco são 6,16%.

Os resultados são da pesquisa realizada pelo Instituto Piauiense de Opinião Pública, o Amostragem, a pedido do Sistema Integrado de Comunicação Meio Norte.

O levantamento foi realizado entre os dias 17 a 21 de janeiro, envolvendo uma amostra de 1.137 eleitores, distribuídos em 43 municípios nas 15 microrregiões do Piauí, definidas pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística).

Este tamanho de amostra permite uma margem de erro para mais ou para menos de 2,85% para os resultados gerais da pesquisa com nível de confiança de 95%.

A pesquisa está registrada no TSE-BR (Tribunal Superior Eleitoral), com o protocolo de número 00005/2014.

O presidente do Instituto Amostragem, o estatístico João Batista Teles, disse que o resultado da pesquisa coloca a presidente Dilma Rousseff no mesmo patamar de antes da crise política desencadeada pelas manifestações de junho de 2013.

“Antes de junho do ano passado, a presidente vinha em uma tendência ascendente de crescimento quando foi paralisada e diminuída com as manifestações de junho, sendo que agora, ela alcança números equivalentes aos apresentados anteriores à crise”, afirmou João Batista Teles.