Pesquisar por palavra-chave

sábado, outubro 13, 2018

Mais um tucano cooptado assume a campanha de Helder Barbalho

Eleito o deputado estadual mais votado do Pará, Dr. Daniel (PSDB) rompe com a aliança de seu partido e assume a campanha de Helder Barbalho (MDB)

Por Diógenes Brandão

Publicada no dia 10 de Julho deste ano, a matéria A cooptação eleitoral, a disputa pelo governo e pela prefeitura de Ananindeua foi muito criticada na época, por ter tido a ousadia de tocar em um assunto tão reservado aos bastidores da política paraense: A infidelidade partidária, que pode inclusive acabar em perda de mandatos ainda nem diplomados pelo TRE-PA.

Segundo o art. 22-A da Lei 9.096/95, que foi acrescentado pela Reforma Eleitoral de 2015, especifica os três casos considerados como justa causa para desfiliação partidária sem a perda de mandato. São eles:  

Mudança substancial ou desvio reiterado do programa partidário; 

Grave discriminação política pessoal; 

Mudança de partido efetuada durante o período de trinta dias que antecede o prazo de filiação exigido em lei para concorrer à eleição, majoritária ou proporcional, ao término do mandato vigente.

Pois bem, fazendo pouco mais de 03 meses, o blog AS FALAS DA PÓLIS publicou a informação recebida direito dos chamados currais eleitorais de Ananindeua: Dr. Daniel (PSDB), atualmente cumprindo o mandato de vereador em Ananindeua, foi "cantado" pelo MDB, para que se desviasse da orientação da coligação de seu partido e fosse apoiar o candidato Helder Barbalho (MDB). 

Para seduzir Dr. Daniel, Helder teria prometido-lhe apoio para sua campanha de pré-candidato a deputado estadual e para 2020 ser o sucessor de Manoel Pioneiro, como futuro prefeito de Ananindeua.

Na época, muita gente reclamou do blog pela informação trazida em primeira mão aos nossos leitores. Hoje, Dr. Daniel, eleito como o deputado estadual mais votado no Pará, finalmente assumiu a aliança com o MDB e seu candidato, Helder Barbalho.

Há quem diga que Manoel Pioneiro assistiu a tudo calado e fingindo-se de cego e surdo, abriu as portas de sua base política e eleitoral a Helder e seu partido, que passaram a gozar do apoio político, inclusive da prefeitura, onde DASs foram liberados para atuar na campanha do MDB, tanto ao governo, quanto para o senado. 

O resultado das urnas no segundo maior colégio eleitoral paraense administrado pelo PSDB, todos já sabem: Helder Barbalho saiu de Ananindeua com 55,36% dos votos válidos e Márcio Miranda com 25,54%.

A razão pela qual não exerceu sua liderança política para evitar a debandada de diversos vereadores, secretários municipais e assessores especiais da prefeitura de Ananindeua teria diversas motivações, mas uma das mais comentadas nas rodas de conversas no município é de que o prefeito está vingando-se do governador Simão Jatene, por este não ter-lhe indicado e o defendido como candidato à sua sucessão no governo, tal como era sua pretensão. 

Ou seja, Pioneiro queria ser o sucessor natural de Simão Jatene, pois alegava ser o tucano com mais força política no Estado, por ter sido reeleito prefeito de Ananindeua em 2016, ainda no primeiro turno e também por ser do mesmo partido do governador, o PSDB.

Acontece que nestes  meses de investigação jornalística no metiê político-partidário, o blog AS FALAS DA PÓLIS apurou que Simão Jatene não foi quem realmente escolheu seu sucessor. 

É isso mesmo, amigos e amigas do blog: A candidatura de Márcio Miranda (DEM) é fruto de uma indicação política estudada, calculada e reiterada em reuniões com o governador e diversos setores ligados aos deputados federais e estaduais, que o elegeram pela primeira vez presidente da ALEPA e o reelegeram por mais duas vezes, de forma unânime e durante todo o ano de 2017, foi indicado com veemência pelo grupo formado de quase metade dos deputados estaduais, os quais a maioria dá suporte e sustentação ao governo tucano, mas que não queriam mais que o PSDB estivesse no comando do executivo estadual a partir de 2018. Ou seja, Márcio Miranda não foi escolhido por Simão Jatene e nem pelo PSDB, como reza a lenda. 

Prova inconteste disso é que diversos outros tucanos tiveram que recuar em seus propósitos umbilicais, tais como a filha do governador, Izabela Jatene, o senador Flexa Ribeiro, o secretário especial Adnan Demachki, o prefeito de Belém, Zenaldo Coutinho e diversos outros nomes de peso no PSDB, que passaram a compreender que sem atender esse clamor dos seus aliados, o PSDB não teria um nome competitivo para enfrentar a família Barbalho, seus principais adversários no Pará.

A história está aí sendo construída e no primeiro turno já mostrou que a estratégia criada no parlamento paraense pode ser consolidada no dia 28 deste mês, após abrirem-se as urnas e o resultado das eleições for anunciado.

Quem viver, verá!

Siga-me no twitter

Nenhum comentário :

Postar um comentário