Pesquisar por palavra-chave

quarta-feira, maio 22, 2019

COAF: Moro e Bolsonaro são derrotados com a ajuda da bancada paraense



Por Diógenes Brandão

Os deputados federais do Pará, Elcione Barbalho, Helio Leite, José Priante e Paulo Bengtson estiveram ausentes na importante e polêmica votação que decidiu que o COAF não ficará sob a responsabilidade do ministro Sérgio Moro, impondo uma grande derrota ao governo Bolsonaro.

Os demais membros da bancada paraense se posicionaram da seguinte forma:

Sim: Manter o COAF no Ministério de Sérgio Moro.

Não: Devolver o COAF para o Ministério da Economia.



A votação aconteceu no plenário da Câmara dos Deputados, nesta quarta-feira, 22, que por 228 votos a 210, e quatro abstenções, aprovou a transferência do Conselho de Controle de Atividades Financeiras (COAF) do Ministério da Justiça e Segurança Pública para o ministério da Economia.      

O resultado da sessão foi mais uma derrota imposta ao governo, principalmente por partidos do Centrão (DEM, PP, PR, PRB e Solidariedade). Dos 118 parlamentares desses partidos na sessão de ontem, 87 votaram contra Moro. Outros 89 votos foram dados por deputados da oposição (PT, PSOL, PSB, PCdoB e PDT).     

Por outro lado, todos do PSL, do PV, do Podemos, do PHS, do PMN, do Cidadania e do Novo votaram com o governo. Já o PSDB ficou dividido: foram 21 a favor de Moro e 5 contra.  

Assim, o COAF voltará a integrar a estrutura da Economia, como era até o ano passado com o então ministério da Fazenda    

No mesmo dia, os deputados também fizeram a análise da medida provisória 870, que trata da organização administrativa do governo de Jair Bolsonaro, que apesar da derrota, o governo conseguiu evitar a recriação de ministérios. Os parlamentares confirmaram a incorporação da Integração Nacional e das Cidades no Ministério do Desenvolvimento Regional.     

Outras mudanças feitas na comissão que analisou a MP, porém, foram mantidas, como a volta da Funai para o Ministério da Justiça.     Ao todo, a Reforma modificou estrutura do governo ao reduzir de 29 para 22 número de ministérios.

Cadê os concursos prometidos pelo prefeito de Belém?



Por Diógenes Brandão

A página Focando em Concursos, administrada pelo jornalista Raimundo Castro vem se notabilizando pela cobrança dos concursos públicos prometidos pelo governador e prefeitos paraenses. 

Em recente postagem, a página revelou que a promessa feita pelo governador, de promover concursos para sete (7) mil policiais militares, não trará aumento ao efetivo da tropa, tal como foi dito no jornal Diário do Pará e replicado pelos demais veículos de comunicação.

Debela-se mais uma bravata da propaganda enganosa que o midiático governo Helder Barbalho insiste em impor na cabeça da população e conta para isso, com uma poderosa hegemonia na imprensa paraense, inclusive a blogosfera, que hoje está praticamente toda alinhada e com seus contratos de anúncios pagos mensalmente pelo governo.

Agora vem a cobrança dos concursos públicos prometidos pelo prefeito de Belém, Zenaldo Coutinho, que em entrevista há 09 meses atrás, disse que faria ainda em 2018 e até agora nada. "Um parto", ironiza Castro.