Pesquisar por palavra-chave

quarta-feira, setembro 28, 2011

O Fisioligismo de Flexa Ribeiro no PSD

Flexa Ribeiro: "Mesmo se me filiar ao PSD, continuarei na oposição construtiva"
Flexa Ribeiro: "Mesmo se me filiar ao PSD, continuarei na oposição construtiva" (Moreira Mariz/Agência Senado)
No site da Veja
 

Sigla, que sai do papel após decisão do TSE, precisa agora de três senadores para formar bancada e conseguir vantagens administrativas. By Luciana Marques.

O senador Flexa Ribeiro (PSDB-PA) pode ser o terceiro senador a integrar os quadros do PSD, ao lado de Kátia Abreu (TO) e Sérgio Petecão (AC). O tucano conversou nos últimos dias com o prefeito de São Paulo, Gilberto Kassab, sobre a provável filiação e deve tomar uma decisão até segunda-feira. Ribeiro pretende disputar a prefeitura de Belém em 2012 – o nome do deputado Zenaldo Coutinho (PSDB-PA) também é ventilado para concorrer ao cargo.

“Estou fazendo uma avaliação política do processo. Mesmo se me filiar ao PSD, continuarei na oposição construtiva. O Kassab me garantiu que o partido será independente, então votarei a favor dos projetos do governo se forem de interesse da nação”, afirmou o senador ao site de VEJA. O regimento do Senado exige o mínimo de três senadores para a formação de uma bancada partidária – motivo pelo qual o PSD está cortejando alguns senadores. Além de Flexa Ribeiro, a legenda espera convencer o senador Jayme Campos (DEM-PA) a migrar para a nova sigla. O democrata, no entanto, não sinalizou que vá migrar para o PSD até agora. 

Espaço - Se conseguir formar uma bancada, o PSD garantirá mais espaço, não só político, mas físico no Senado. Ou seja, vai pedir gabinetes extras para reuniões. O DEM, contudo, diz que não vai ceder seu espaço ao novo partido, apesar da perda de parlamentares ao PSD. “Não tem o que discutir. Não houve nenhuma eleição agora, então é evidente que devemos manter o espaço”, afirmou o presidente do DEM, o senador Agripino Maia (RN).  

O senador Sérgio Petecão, um dos fundadores do PSD, criticou a postura do Democratas: “Será que o DEM não vai se aquietar? Quem é o DEM para dar ordens? Eles vão lutar pelo espaço deles e, nós, pelo nosso”. Além do gabinete da liderança, a bancada tem outras vantagens administrativas, como funcionários comissionados, cota de telefone e um carro. Tudo custeado pelo erário.

DEM – Para evitar desgastes, o DEM decidiu não recorrer da decisão do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), que concedeu registro ao PSD na noite de terça-feira. “Decisão de justiça é decisão de justiça. O assunto está encerrado”, disse Agripino. O DEM foi o partido que mais saiu prejudicado com a criação do PSD: pelo menos quinze políticos deixaram a legenda. Logo após o julgamento do TSE, o partido anunciou que iria à Justiça.

Na avaliação do cientista político da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) Francisco Carlos Teixeira, a situação do Democratas tende a piorar. “Todos aqueles que ficaram com medo de aderir ao PSD com medo dele não dar certo agora vão correr, provocando uma sangria no DEM. Acho lamentável a direita perder voz no cenário brasileiro. Temos visto a direita se diluindo no adesismo ao governo”, avaliou. 

Teixeira também criticou a postura do PSD, que depois de dizer que não é de direita, nem de esquerda, agora afirma ser de centro. “A legenda não tem nenhuma identidade, é apenas um procedimento eleitoreiro. O partido viabiliza a carreira política de quem não está à vontade em seus partidos. É uma forma também de receber favores do governo federal”, declarou.

Discurso de um desgoverno

Uma migalha travestida de clássico

Opinião: uma migalha travestida de clássico (Foto: Mário Quadros)
Assédio dos paraenses impressionou os jogadores da Seleção (Foto: Mário Quadros)



A euforia está em cada canto da cidade. Trânsito caótico, torcedores acampados na frente do hotel e 25 mil pessoas para acompanhar um simples treinamento. Tudo isso compõe, à primeira vista, o cenário desta passagem da seleção brasileira por Belém. E o jogo de hoje, que deve lotar o Mangueirão, ainda é contra a Argentina. Um clássico. Difícil pensar em algum aspecto negativo? Nem um pouco.

Para começo de conversa, é preciso separar a torcida de verdade do histerismo das “fãs”. Essas só querem aproveitar o momento para ter, quem sabe, uns cinco minutinhos de fama nas câmeras de alguma rede de televisão. Patético. Torcedor de verdade quer saber do esquema tático do Mano Menezes, se o Neymar e o Ronaldinho Gaúcho vão arrebentar e coisas do tipo. E esse torcedor é consciente de que o jogo de hoje faz parte da série de “cala-bocas” que a CBF está dando às cidades excluídas da Copa do Mundo de 2014, que ainda pode render uma Copa América para Belém.

Nada mais natural, já que a bajulação em cima de Ricardo Teixeira atinge níveis extraordinários por essas bandas, tanto da Federação Paraense de Futebol (cujo presidente é constantemente chamado para integrar a delegação brasileira em torneios por aí), como também de Remo e Paysandu, que ignoram o fato de que o futebol do Norte é historicamente desprezado (e prejudicado) pela CBF, tendo a questão da Copa do Mundo como exemplo mais recente.

Tendo isso em mente, está liberado torcer, fazer festa, dar aquele show. Até porque é complicado ficar imune a um Brasil e Argentina, por mais que ele esteja impregnado de tons políticos. A paixão pelo futebol fala mais alto. E assim, vai ficar ainda mais evidente, quando a bola rolar, às 21h50, no Mangueirão, a bizarrice que foi deixar Belém de fora da Copa do Mundo, um torneio cada vez mais comercial do que esportivo.

E um último detalhe. Torcedor que é torcedor não é burro. Também cobra. Sabe que é a Argentina, mas é o time B dos hermanos. Se o Brasil jogar mal e perder, tome vaias, sem piedade. As garotinhas ainda estarão suspirando por Neymar, mas quem quer saber de futebol não vai se importar com um penteado bem (?) produzido...  

(Carlos Eduardo Vilaça/editor do caderno Bola)

A lista dos que venderam o lixo de Belém

Com 18 votos à favor e 11 contra, o prefeito Duciomar Costa conseguiu que sua base de apoio na Camara Municipal de Belém, aprovasse a privatização do serviço de coleta do lixo de Belém, por 35 anos.
A lei segue para ser sancionada pelo prefeito que o fará com os olhos bem abertos para a fortuna que a empresa que "ganhará" a licitação da parceiria público-privada tal como prevê a lei aprovada.
Cabe à justiça paraense embargar mais esse assalto aos bolsos dos contribuintes de Belém e fazer jus aos seus salários e funções de proteger o cidadão contra esse tipo de rapinagem.
 
Veja a lista completa dos vereadores que participaram da votação:
Favoráveis
1. Antônio Rocha (PMDB)
2. Antonio Vinagre (PTB)
3. Gervásio Morgado (PR)
4. Henrique Soares (PMDB)
5. Iran Moraes (PSB)
6. Luiz Pereira ((PR)
7. Miguel Rodrigues (PRB)
8. Nadir Neves (PTB)
9. Nehemias Valentim (PSDB)
10. Nonato Filgueiras (PV)
11. Orlando Reis (PV)
12. Paulo Queiroz (PSDB)
13. Pio Neto (PTB)
14. Raimundo Castro (PTB)
15. Rildo Pessoa (PDT)
16. Tereza Coimbra (PDT)
17. Walter Arbage (PTB)
18. Wanderlan Quaresma (PMDB)
Contrários
1. Adalberto Aguiar (PT)

2. Alfredo Costa (PT)

3. Augusto Pantoja (PPS)

4. Ademir Andrade (PSB)

5. Evaldo Rosa (PPS)

6. Carlos Augusto (DEM)

7. Fernando Dourado (DEM)

8. Otávio Pinheiro (PT)

9. Raul Batista (PRB)

10. Sahid Xerfan (PP) 

11. Vandick Lima (PP).

Os vereadores que nem se quer puseram os pés na CMB foram: Abel Loureiro (DEM) e Vanessa Vasconcelos (PMDB).

Amaury Souza (PT), José Scaff Filho (PMDB), Marquinho (PT) e Mário Correa (PR) estavam no plenário mas saíram na hora da votação e assim foram contabilizados como ausentes.

Nilson Pinto: O Pinóquio de Jatene

Por incrível que paraceça, existe uma meia-verdade na fala do secretário de Promoção Especial, Nilson Pinto. 

Quando diz que os governos anteriores não fizeram o PCCR, é verdade! 

Ele só mente ao dizer que foi o governo Jatene, ao invés de dizer a verdade, de que foi Ana Júlia quem criou, debateu com a categoria, reuniu técnicos, debateu na ALEPA e sancionou a lei do Plano de Cargos e Carreira dos Servidores da Educação em 2010, ao contrário do PSDB, PMDB e demais partidos que governaram o Pará, antes do PT e que sempre ignoraram este direito. 

A cara de pau de Nilson Pinto é tamanha, que chega a conclamar, que juntos professores e governo lutem para que o governo federal ajude o Estado do Pará e deixa em meias palavras a responsabilidade dos servidores pela greve e com isso, quebra a promessa de Jatene que falava no tal pacto pela Educação e  agora joga a população contra os trabalhadores, numa clara e nefasta demostração de um governo que começa terminando com suas últimas reservas de credibilidade. 

A greve continua e cresce e tende à responder por essa canalhice tucana, com mais dias de paralização e aumento da adesão às manifestação públicas.

Os estudantes sofrerão, os vestibulandos e demais alunos que farão o ENEM ,mais ainda, mas a demostração de insensibilidade por parte do gestor do Estado do Pará, demostrada no vídeo publicitário, pago com dinheiro público, mostra que tipo de governo os servidores e o povo paraense enfrentarão daqui pra frente.