Pesquisar por palavra-chave

quarta-feira, fevereiro 06, 2019

A Lei da Ficha Limpa e a 1ª baixa no governo Helder Barbalho?

Respondendo inúmeros processos, Iran Lima sabe que a imunidade parlamentar pode ser melhor que ser secretário de Helder.

Por Diógenes Brandão

Uma fonte do blog informa que o indicado a ser o futuro Secretário de Desenvolvimento Econômico, Mineração e Energia do governo do Estado, Iran Lima, já pensa em desistir da oferta e retornar à ALEPA. 

De Brasília, o deputado estadual reeleito pelo MDB, deu sinais de que pode ser a primeira baixa na formação do governo de Helder Barbalho (MDB).

Tendo tomando posse junto com todos os demais deputados eleitos, na última sexta-feira, 1, Iran Lima, estava prestes a pedir o seu afastamento da ALEPA, para poder assumir oficialmente o secretariado de Helder, mas hoje deu sinais de que pode mudar de ideia e permanecer deputado, ao invés de assumir a secretaria no governo estadual.

FICHA LIMPA

Conforme publicado pelo site do MPF e replicado pelo blog AS FALAS DA PÓLIS e o jornal A Província do Pára, antes das eleições de 2018, baseado na Lei da Ficha Limpa, o Ministério Público Federal pediu o indeferimento da candidatura de Iran Lima, Wladimir Costa, Chico da Pesca e mais outros 19 candidatos paraenses.

No caso de Iran Lima, o deputado estadual teve suas contas reprovadas e foi acusado pelo crime de Improbidade Administrativa, em relação ao tempo em que foi prefeito de Moju e foi alvo de diversos pedidos de impugnação por conta de uma condenação do Tribunal de Contas da União. Iran conseguiu manter-se candidato e conquistou os votos necessários para ser reeleito, mas agora está em Brasília, vendo sua situação junto à Justiça Federal e pode ser que a busca pela imunidade parlamentar, tenha feito que o deputado eleito pensar em abrir mão da secretaria estadual para preservar a liberdade.

O arranjo articulado pelo MDB para que Iran Lima assumisse a secretaria, beneficiaria diretamente o primeiro-suplente do partido, o Ozório Juvenil (MDB). 

Iran Lima já estava insatisfeito com a nomeação de seu secretário-adjunto, supostamente indicado por André Dias, Conselheiro do Tribunal de Contas do Estado. Agora, a gota d'água para sua desistência pode ter sido a informação de que sua condenação em Brasília depende apenas de uma questão de tempo. Por isso, a imunidade parlamentar é o melhor caminho para um dos deputados mais atuantes do MDB paraense.

Edmilson Rodrigues ou Kim Kataguiri: Quem venceu o debate?

Por Diógenes Brandão


A equipe de jornalismo da TV Câmara entrevistou nesta terça-feira, 6, dois parlamentares com visões e posições antagônicas: Os deputados federais Edmilson Rodrigues (PSOL) e Kim Kataguiri (DEM-SP). O assunto abordado pelos divergentes foi o pacote "anti-crime", apresentado pelo Ministro da Justiça e Segurança Pública, Sérgio Moro.


Em um debate intenso, os dois deputados apresentaram narrativas totalmente diferentes e o MBL, movimento do qual Kim Kataguiri emergiu, após a onda de protestos de julho de 2013, editou as partes onde supostamente o deputado federal teria tido um bom desempenho e o vídeo viralizou nas redes sociais, sobretudo no Pará, campo de atuação de seu antagonista, o deputado federal Edmilson Rodrigues.

Assista a entrevista e tire suas próprias conclusões:

Conheça: Um pastor e um delegado assumem a bancada paraense no Congresso

O senador Zequinha Marinho (PSC) e o deputado federal Eder Mauro (PSD) foram eleitos coordenadores da bancada paraense no Congresso Nacional.


Por Diógenes Brandão

O senador Zequinha Marinho (PSC) e o deputado federal Eder Mauro (PSD) foram eleito pelos deputados federais e demais senadores paraenses para coordenar a bancada do Pará no Congresso Nacional. Composta por 17 deputados federais e três senadores, a bancada paraense em Brasília se reúne periodicamente para debater assuntos de interesse do Estado e claro, dos próprios deputados e senadores.

BANCADA DA BÍBLIA

Além de pastor, Zequinha Marinho foi vice-governador até o dia 31 de dezembro de 2018, quando terminou o mandato do governador Simão Jatene (PSDB), com quem rompeu relações políticas para aliar-se ao então candidato Helder Barbalho (MDB), eleito governador nas eleições de 2018 e seu pai, Jader Barbalho (MDB), reeleito senador no mesmo pleito. Tanto Zequinha, quanto Jader podem perder o mandato de senadores, caso algum dos quatro pedidos para anulação da chapa pela qual eles concorrerão nas eleições seja aceito. A Polícia Federal comprovou falsificação de uma assinatura em uma ata que homologou a chapa de Jader Barbalho e Zequinha Marinho.

BANCADA DA BALA

Deputado reeleito, Eder Mauro (PSD) também é delegado de polícia e sobrevive politicamente através de uma imagem de justiceiro. Nas eleições de 2018, sabendo de sua alta rejeição perante o eleitorado paraense, colou sua imagem na de Jair Bolsonaro e passou a visitar e trazer o candidato a presidente ao Pará. Em todos os momentos em que Bolsonaro é hospitalizado, Eder Mauro o visita e registra com fotos e vídeos, que vão parar em suas redes sociais.

Mesmo não tendo projetos aprovados e nem emendas parlamentares voltadas à classe policial, Eder Mauro conseguiu reeleger-se, porém com mais de 120 mil votos a menos, ou seja, 45,23% dos votos que obteve em 2014, quando elegeu-se pela primeira vez deputado.

Segundo a Wikipedia, Eder Mauro responde, desde 2009, pelo crime de tortura, conforme o Processo nº 0017859-70.2009.8.14.0401, que tramitava na Justiça Estadual, e que após sua eleição como deputado migrou para o Supremo Tribunal Federal (STF), atrasando o julgamento. A Segunda Turma o absolveu por falta de provas.

Ele também é investigado por suspeita de extorsão em outro caso e é réu em um processo por ameaça. O delegado e mais cinco policiais a ele subordinados são acusados de torturar, ameaçar e extorquir uma senhora, a pedido do então prefeito de Santa Izabel do Pará, Mario Kato (PMDB). Sob mira de fogo, a mulher e dois filhos receberam ameaça de morte, ao que a promotoria chamou de "trama abjeta" orquestrada pelo deputado-delegado e o prefeito.

Conselho de ética

O delegado responde também outro processo no comitê de ética por editar e divulgar um vídeo adulterado onde tentou denegrir a imagem do deputado federal Jean Wyllys (PSOL), distorcendo a fala do deputado numa sessão de CPI da câmara.