Pesquisar por palavra-chave

quarta-feira, maio 28, 2008

Tapa na Cara

“Ao receber o telefonema, eu disse a ele [Duciomar] que a minha sorte e a dele era que estávamos falando por telefone. Porque se fosse pessoalmente, eu daria um tapa na cara dele.”
Priante lembrando os meses que antecederam a eleição de 2000, quando o atual prefeito Duciomar Costa (PTB) disputou com Edmilson Rodrigues (PT) a Prefeitura de Belém e perdeu no segundo turno, por cerca de 80 mil votos de diferença. Leia mais aqui a entrevista feita com o ex-deputado e primo de Jáder, no Espaço Aberto.

terça-feira, maio 27, 2008

No Smoke !





A nova campanha do Ministério da Saúde, radicaliza para alguns e para outros mostra a realidade dos risco e consequências do efeito do fumo.

As imagens foram selecionadas a partir de uma pesquisa entre jovens realizada pelo Ministério da Saúde, pelo Instituto Nacional do Câncer (Inca), pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) e por algumas universidades.

A nova série de imagens é ainda mais forte que as fotos usadas em 2001, quando o Brasil se tornou o segundo país, atrás apenas do Canadá, a adotar advertências diretas contra os fumantes, impressas no próprio produto.



Metamorfose Delirante

Executiva do PT autoriza aliança com PSDB, PPS e DEM em 12 municípios RENATA GIRALDI - da Folha Online, em Brasília. A Executiva Nacional do PT aprovou nesta segunda-feira que o partido se alie ao PSDB, PPS e DEM em 12 municípios em todo país. A decisão foi tomada no mesmo dia em que o comando petista ratificou o veto à parceria do PT com PSB e PSDB em Belo Horizonte (MG). A justificativa de integrantes da legenda é que a disputa eleitoral em BH tem reflexos nas eleições presidenciais de 2010. "Eles [os defensores da aliança de BH] dizem que Belo Horizonte poderia ser um caso idêntico com os outros [casos em que o partido negocia com legendas que não apóiam o PT em nível nacional], mas o problema é que os outros [casos] não tiveram a visibilidade de Belo Horizonte, não tiveram o dedinho, o desejo e a ansiedade do Aécio [Neves, governador de Minas Gerais pelo PSDB]", afirmou a líder do PT no Senado, Ideli Salvatti (SC), após a reunião da executiva. Nesta segunda-feira, a executiva manteve o veto à aliança do PT com o PSDB por 13 votos favoráveis e apenas dois contrários --Roménio Pereira e Jorge Coelho. Também hoje a executiva analisou 15 casos em que o PT negocia alianças com PSDB, PPS e DEM, partidos que fazem uma dura oposição ao governo do presidente Luiz Inácio Lula da Silva no cenário político nacional. A Executiva Nacional do PT aprovou hoje a aliança com partidos que fazem oposição a Lula em nível nacional nos seguintes municípios: Palmas (TO) e Montes Claros (MG) que articulam aliança com PPS; já com os tucanos a aliança foi aceita em Linhares (ES), Nova Friburgo (RJ), Criciúma (SC) e Itajaí (SC). Já a parceria com o DEM foi aprovada pelo comando nacional do PT em Guarujá (SP) e Canoas (RS) e mais uma inusitada aliança dos democratas e tucanos com os petistas em São Vicente (SP) e Cáceres (MT). Segundo interlocutores, essas parcerias foram aprovadas desde que PSDB, PPS e DEM não estejam como cabeça de chapa na aliança com o PT. Ainda na reunião da executiva hoje foram rejeitados Belo Horizonte, Açailândia (MA), Cláudia (MT), Cabo Frio (RJ) e Xanxerê (SC). Em todos esses casos o PT negociava aliança com o PSDB. Na sexta-feira e sábado, o Diretório Nacional do PT se reunirá em Brasília. Na ocasião serão apreciados --e votados-- os recursos encaminhados pelos diretórios estaduais sobre eventuais alianças consideradas polêmicas.

Confira!

CQC - Custe o Que Custar - É o programa que já existia na Argentina, Espanha e Itália e agora com versão brasileira, a qual é transmitida pela band, coloca diversos políticos em boca ou saia-justa, como queiram. Como não poderia deixar de ser, está tinindo no país da piada pronta, como nos diz o cronista Zé Simão. Vale à pena esticar as pernas e assistir. Aqui, os dias, horários e uma prévia básica.

segunda-feira, maio 26, 2008

Dias Contados

Proibido pela Constituição

CCJ do Senado aprova emenda contra nepotismo

A proibição do nepotismo pode ganhar caráter constitucional. A Comissão de Constituição e Justiça do Senado aprovou, nesta quarta-feira (21/5), a Proposta de Emenda à Constituição 49/03, que veta o nepotismo. Se a PEC entrar em vigor, a autoridade pública que contratar parentes responderá por ato de improbidade administrativa.

O projeto segue agora para o plenário do Senado antes de ser enviado para a Câmara dos Deputados. Emendas constitucionais são promulgadas diretamente pelo Congresso — não precisam ser sancionadas pelo presidente da República. O nepotismo não tem no ordenamento jurídico uma norma que o proíba nos três poderes. O Conselho Nacional de Justiça editou uma resolução proibindo a prática no Judiciário.

Pelo projeto, membros do Legislativo, Executivo e Judiciário federal, estadual e municipal ficam proibidos de contratar parentes até terceiro grau para cargos de comissão ou confiança. Somente por concurso público é que parentes poderão trabalhar no mesmo lugar que a autoridade.

O senador Demóstenes Torres (DEM-GO) afirma que a proposta tem por objetivo colocar na lei maior aquilo que já é consagrado por vários tribunais, que emitem sentenças contra o nepotismo. Segundo Torres, a medida evitará também o nepotismo cruzado. Isso acontece quando as autoridades fazem um acordo para que seus parentes fiquem no gabinete do colega.

Já o senador Epitácio Cafeteira (PTB-MA) votou contra a proposta. Ele diz que não conhece alguma autoridade que não tenha se cercado de pessoas de confiança para cargos de comissão. “A não ser que o governante seja filho de chocadeira”, afirma Cafeteira. O senador Arthur Virgílio (AM) não se conteve: “já que estamos no terreiro da granja, não tenho notícia de que nenhum galo ou galinha tenha nomeado um parente para coisa nenhuma”.

O senador Wellington Salgado (PMDB-MG) observou que a medida pode prejudicar bons juízes, prefeitos, governadores e legisladores que têm ao seu lado assessores de confiança.

Revista Consultor Jurídico, 21 de maio de 2008.

Detalhes Significativos

Do Repórter 70 das ORM.

SEEL

Embates

Há um "Capitão Nascimento" e sua "Tropa de Elite" na Secretaria de Estado de Esporte Lazer (Seel), nesta era pós-Lúcia Penedo, ex-tucana expurgada na semana passada pela governadora Ana Júlia Carepa. Quem intitulou a si mesmo de "Capitão Nascimento" e disse que uma "Tropa de Elite" o acompanha foi o secretário-adjunto Otávio Carepa, irmão da governadora e personagem determinante para a troca de comando na Seel.

Luz

Otávio "Capitão Nascimento" Carepa e a ex-secretária se entestaram ontem, no "Bola na Área", o programa esportivo do jornalista José Maria Trindade que vai ao todos os domingos, das 12h às 15h, na Rádio Liberal AM. O radialista saiu à caça do adjunto e da ex-secretária e não apenas os encontrou, mas teve a sorte de encontrá-los dispostos a falar. E o que ambos falaram ajuda a lançar um pouco mais de luz sobre as razões que determinaram a saída de Lúcia Penedo da Seel.

Tucanos

"Capitão Carepa" abriu o bocão primeiro. Disse claramente que um dos fatores que precipitaram a queda de Lúcia Penedo foi o fato de a então secretária ter readmitido 21 servidores temporários. Ainda que não tenha dito explicitamente, o "Capitão Nascimento Carepa" foi muito claro ao mencionar outro fator de peso para a queda da secretária: o fato de Lúcia Penedo ter adotado um estilo tendente a deixar digitais tucanas em ações e procedimentos que deveriam ter a marca e o estilo de um governo petista como o de Ana Júlia Carepa, irmã do agora "Capitão" da Seel.

"Tropa"

Otávio "Nascimento" Carepa, o novo capitão da Seel, desconversou quando José Maria Trindade lhe perguntou se era verdade que ele, logo no início da gestão Penedo, disse a auxiliares, em reunião interna, que seu papel seria o de exercer, na condição de irmão da governadora, uma fiscalização severa que para que "ninguém roubasse". Otávio Carepa não confirmou tal versão, mas foi aí que aproveitou o gancho e informou que agora ele seria o "Capitão Nascimento" da secretaria e que agiria acompanhado de uma "Tropa de Elite".

TEMPORÁRIOS

Usurpação

Depois do "Capitão", foi a vez da ex-secretária abrir o verbo diante do gravador de José Maria Trindade. Ela admitiu claramente que tinha "divergências" com o irmão da governadora. Acusou-o de ter usurpado as funções de secretário-adjunto ao assinar "na calada da noite" - expressões de Lúcia Penedo - um ato afastando 21 temporários. A ex-secretária disse que ele, como adjunto, não poderia fazer isso, daí a decisão que ela tomou de readmitir todo mundo.

Gran Prix

Lúcia Penedo afirmou que, se fosse apenas pela vontade de Otávio Carepa, o Gran Prix de Atletismo, em sua sétima versão, não teria se realizado ontem, em Belém. O "Capitão", segundo confirmou a ex-secretária, não atribuía a menor importância à realização do Grande Prix como um projeto importante para promover Belém e o Pará.

Estilo

A ex-secretária, que foi adjunta de José Ângelo Miranda na Seel, durante o governo tucano de Simão Jatene, rebateu as insinuações de Otávio Carepa de que ela não teria adotado, à frente da secretaria, estilo compatível com o de um governo dito "popular", como o de Ana Júlia. "Sou povão, sempre trabalhei junto à comunidade", disse Lúcia Penedo, para mostrar que seu estilo não destoou daquele colocado em prática por um governo petista.

Reajuste de Conduta


Com a fala acima, se arrasta para o 33º dia, a greve dos educadores e educadoras do Estado do Pará.

Amanhã, 27/05 no Ginásio da UEPA será avaliada a proposta do governo à categoria.

O secretariado reúne-se hoje à tarde para definir junto à governadora qual a estratégia do governo para acabar de vez com a greve, já que a proposta até agora apresentada e a aventura jurídica não fez com que os educadores descruzassem os braços e a luta - pelos direitos reivindicados, entre eles o reajuste salarial e a qualidade na infraestrutura das escolas, condições de segurança e etc, etc, etc... continua.

Na opinião das Falas, o principal reajuste deve ser na conduta e no trato com os servidores e movimentos sociais do Estado, já que várias feitas até agora, só tem demonstrado inabilidade e truculência, por parte dos "representantes" do governo Ana Júlia.

Mas...Há de se levar em consideração que a sociedade paraense não deseja que esta greve se mantenha por mais tempo, então, é pertinente e cabível de avaliação e encaminhamento, a proposta para que a categoria retorne para sala de aula e mantenha o debate para solucionar as questões - que sinceramente - foram herdadas dos outros governadores que antecederam Ana Júlia.

Sabemos das falas do SINTEPP sobre reposição de dias parados, mas também conhecemos essas reposições e sua qualidade. Reajuste de conduta para o sindicato também.

Por fim, intransigências de ambas as partes, neste momento de negociação, em nada ajudarão. A não ser que a greve reforce os caminhos político-eleitorais e seja utilizada como bandeira birrenta na oposição ao governo.

Se assim acontecer, perde o governo, perdem os estudantes, perde o sindicato e este, sua moral.

Perdem os educadores em sua emancipação política e seu eixo de luta trabalhista para servirem de massa de manobra para outro projeto partidário da esquerda brasileira.

Tuíra, a Heroína da Mata


Dezenove anos se passaram, desde o 1º Encontro dos Povos Indigenas do Xingú, realizado entre os dias 20 a 25 de fevereiro de 1989, em Altamira (PA). O encontro ficou marcado pelo gesto de advertência da índia kaiapó Tuíra, que tocou com a lâmina de seu facão o rosto do então diretor da Eletronorte, José Antônio Muniz Lopes, aliás presidente da estatal durante o governo FHC. O gesto forte de Tuíra foi registrado pelas câmaras e ganhou o mundo em fotos estampadas nos principais jornais brasileiros e estrangeiros.

Este mês, no dia 19/05/2008, o Encontro Xingu Vivo para Sempre, em Altamira, Pará, reuniu cerca de três mil pessoas (um banho de participação se compararmos a média de participação popular nas plenárias do PTP implantado pelo governo estadual, por exemplo), entre indígenas, ribeirinhos, pequenos agricultores e ambientalistas, serviu para reafirmar a posição dos povos da floresta sobre o alagamento de suas terras para mais um megaprojeto nacional.


O que mais incomoda a critícidade deste blogger é o espaço destinado à falsa polêmica sobre o tema que baila os noticiários locais, nacionais e internacionais.

Uns carregados de preconceito, outros de absurda ignorância....

Até quando vamos ter que discutir se o teçado é ou não da "cultura" Kaiapó? Até quando iremos querer forçar os povos da floresta à mudarem suas vidas, hábitos, local de moradia, para implantarmos nosso projetos, tão necessários ao "desenvolvimento nacional"?

Não prá dá deixar de dizer que Tuíra é mesmo uma heroína de nossas matas!

domingo, maio 25, 2008

O Privado se Aproveita

Hiroshi: A referencia de saúde no Sul do Pará na qual se transformou a Unimed pode ser atribuído falência do Sistema Único de Saúde –SUS? O guarda chuva social que a constituição Brasileira se propõe a oferecer pelo SUS é muito amplo, daí advêm às dificuldades de se colocar isso em prática, quando comparamos nosso SUS com a saúde pública de alguns países de primeiro mundo como os Estados Unidos vemos o quanto estamos adiantados, pode ser que alguns se surpreendam com minha declaração, mas é a realidade, naquele país ou você tem um seguro saúde ou tem muito dinheiro, não há uma terceira opção, a não ser para alguns pequenos grupos como os esquimós do Alasca, alguns índios e alguns veteranos de guerra. Em alguns pontos nosso SUS é referencia no mundo todo, como no caso dos transplantes e da AIDS, tirando inclusive este peso da saúde suplementar, porém acho que a maior deficiência se encontra na Atenção básica a saúde onde tratamos efeitos e não causas, é ai que perdemos feio para os países de primeiro mundo que tem água de qualidade para população e saneamento. A saúde suplementar cumpre hoje importante papel social quando vem oferecer ao mercado uma alternativa ao SUS, através disso aliviamos a demanda pública e ao mesmo tempo oferecemos uma qualidade, tempo de reposta e uma ampla rede que hoje o poder público esta longe de atingir. Leia aqui na íntegra, a entrevista feita pelo blog do Hiroshi com o Eugênio Alegretti, Gerente Geral da Unimed Sul do Pará o qual demostra conhecer o SUS, mas não abre mão de lucrar com a grande demanda repremida e não atendida pelo Estado, que parecer favorecer o acesso da classe média - e outras nem tanto - aos planos privados.

Só com o Tio e Olhe Lá

Do Reporter 70 do Sábado (24/05)

ELEIÇÕES

Bolo

A governadora Ana Júlia tirou um tempo da sua concorrida agenda para participar do aniversário do prefeito de Ananindeua, Helder Barbalho. Foi, cantou parabéns para ele, mas, depois dos salamaleques, ao lado de Jader Barbalho, aquele que dispensa apresentações, aproveitou para lembrar da aliança PT-PMDB.

Apoio

Peemedebista que estava na platéia e jura que não comeu pedaço do bolo dividido entre a governadora e o deputado ficou intrigado ao ouvir da própria Ana Júlia que o ex-deputado José Priante jamais será apoiado por ela na disputa pela Prefeitura de Belém. Jader parecia não estar nem aí para a inconfidência. Priante, claro, nem foi convidado para o regabofe.

sexta-feira, maio 23, 2008

Marajoara Comandará a SEEL

O novo secretário de Esporte e Lazer do Estado do Pará é Alberto Leão, mais conhecido como Albertinho, o qual tende a revigorar a secretaria com sua postura ética, competente e carismática, o que certamente, o ajudará a imprimir um novo conceito político-administrativo na SEEL. Com a eminência de Belém ser uma das capitais-sede da copa de 2014 é oportuno ter a perspectiva estratégica e visionária do novo secretário. Filho grato de Cachoeira do Ariri, município do arquipélago do Marajó, Albertinho já foi assessor-coordenador do deputado federal Paulo Rocha e ocupava a chefia de gabinete da CDP, além de presidir a associação que administra o musel do Marajó, fundado pelo padre italiano, naturalizado brasileiro, Geovani Galo. Árduo defensor de políticas descentralizadoras, tende a romper com o histórico isolamento dos municípios do interior e assim promover o acesso equilibrado dos recursos físicos, humanos e financeiros da SEEL e sendo aberto ao diálogo, poderá tornar a secretaria que agora lhe compete, em um instrumento de garantia de direitos e cidadania com capacitação e fomento ao esporte e práticas saudáveis e produtiva à milhares de jovens do Estado do Pará. Ponto à Governadora pela escolha.
__________x__________x__________
Atualizada às 02:30 do Domingo O blog fez uma pequena entrevista via email para socializar as informações sobre quem é o novo Secretário de Esporte e Lazer do governo Ana Júlia. Parte 1 As Falas: Qual sua formação? Albertinho: Bacharel em Ciências Naúticas - Formado pelo CIABA, com especialização em máquinas marítimas de longo curso; pós-graduado em gerenciamento de Transportes fluviais pelo UFRJ- COOPE/UFPA; e também Pós graduado em Planejamento Público pelo NAEA/UFPA. Sempre estudei em escola Pública: Delago Leão em Cachoeira, Járbas Passarinho, Láuro Sodré, Escola Técnica, UFPA e CIABA; As Falas: Qual a sua relação com a área, principalmente com o esporte? Albertinho: Sou filho de atléta. Meu Pai, Jason Nono Leão que foi jogador, fundador, técnico e presidente do Arari Esporte Clube em Cachoeira do Arari, bem como da Liga esportiva da Cidade. Fui Mascote, Jogador, Técnico e presidente do Mesmo Clube. Em Belém fui fundador, atleta, técnico e presidente do Internacional do Costa e Silva. Sei de perto os maiores problemas daqueles que tentam consolidar um pequeno clube de sua rua que é de onde sai a maioria dos atletas, bem como o quanto essa prática esportiva significa na formação social de crianças e adolescentes. Fui atleta da equipe de atletismo do CIA - Centro Interescolar de Atletismo, da Escola Técnica e do CIABA, deste último também fui da seleção de futebol. Sou frequentador de eventos esportivos, principalmente do futebol. Acompanho torcidas organizadas. Ajudei na elaboração dos programas de governo do PT desde 1998. As Falas: Quais suas principais atividades ligadas ao cenário político? Albertinho: Fui Assessor da bancada do PT na ALEPA, do Deputado Paulo Rocha, do Presidente da CDP e fiu presidente do Museu do Marajó. Na 2ª parte da entrevista, o secretário de Esporte e Lazer do Pará, traçará seus planos e aprofundará o que tem em mente para avançar na relação entre governo, clubes e sociedade civil.

O Guerrilheiro da Publicidade


A jornalista Vera Paoloni, a Ministra Dilma Rousseff e Chico Cavalcante no click* de Rossana Lima, feito nos bastidores da gravação do mais novo programa de Tv do PT, que foi gravado anteontem (21) na sede central do PT, em Brasília.

A contratação da Vangarda demostra a força do publicitário Chiquinho - como é chamado pelos amigos - e de sua equipe.

O Blog parabeniza-os e sente orgulho por mais um talentoso paraense ter reconhecimento nacional de sua criavidade.

* A foto foi gentlilmente "pêga" do blog espaço aberto

quinta-feira, maio 22, 2008

Pérola Elucidatória

A manchete da versão on line de um dos maiores jornais da região norte, indica a verdadeira face do ataque de indígenas contra um representante do Estado brasileiro: A retaliação pelos séculos de descaso, humilhação e extinção de seus pares.

Indícios de negligência foram as causas do ataque ao engenheiro em Altamira. Ou seja o jornal errou acertando.

As Falas aproveita e concorda com a fala a advogada da Mary Cohen sobre o pano de fundo da questão.

Longe de querer defender o ato, que sob todos os aspectos é condenável e merece ser apurado, o que aliás já está sendo feito pela Polícia Federal, não podemos deixar de enfrentar o debate e as questões que estão por trás da teimosia do governo federal em querer construir, a qualquer custo, uma usina hidrelétrica de mais de 7 bilhões num rio que os técnicos do MPF já constataram, só terá capacidade de gerar a energia propalada pelo governo, em três ou quatro meses no ano, enquanto que a devastação da região e do povo que nela habita será para sempre.

Os estudos do impacto ambiental, por autorização judicial, serão feitos por empresas contratadas pelas empreiteiras que realizarão a obra, o que significa dizer que se colocará a raposa para tomar conta do galinheiro. Qual a credibilidade desses estudos?

E o resultado a ser obtido? Se os custos tão altos prevêem o fornecimento de energia para o ano todo, significa que estamos jogando dinheiro (nosso dinheiro, por sinal) fora, pois o rio Xingu só tem capacidade para gerar a energia desejava em três ou quatro meses no ano? Será então mais um elefante branco no meio da Amazônia, e daqui a vinte anos talvez tenhamos notícia do que realmente aconteceu nos bastidores envolvendo tão vultosa quantia...

O governo precisa debater essas questões com o povo da Amazônia e nós, paraenses, precisamos ser firmes na exigência de respostas convincentes.

Mary Cohen, presidente da Comissão de Direitos Humanos da OAB.

80 Anos do Manisfesto Antropofágico




Atores da Companhia de Teatro Oficina durante comemoração do "Manifesto Antropofágico", de Oswald de Andrade

... sobre a guerra no coração da amazônia ...

... os índios meteram o facão outra vez na cara do homem branco, isso aconteceu no coração da amazônia, esse lugar sobre o qual muito se fala mas do qual pouco se conhece, os índios repetiram uma velha cena, disseram os mídias, através de seus (algozes) defensores, que consideraram um insulto tamanha demonstração de agressividade, ou incivilidade, sob signo linguístico branco, mas, tudo isto, visto pela tv, dos gabinetes com ar condicionado, de onde nascem, enquadrados, estes planos faraônicos amazônicos, estas ideias desenvolvimentistas de levar o progresso ao pulmão do mundo imundo, que, ao meu ver, já não mais merece sequer respirar, tamanho o sufoco que este pseudo mundo impõe ao índio e ao homem da floresta, que , há muito, deixaram de ser românticos, míticos, pois que são reais, na sua vivência, por enre fendas abertas pelos rios, igarapés, canais, ramais, igapós, mangues, índios e homens ribeirinhos sem condições mínimas de vida, com a sua fome, a enfrentar, com os seus facões, os perigos brancos, as suas doenças e as suas indiferenças, e isto com uma força secular, já que éramos tantos inquantificáveis índios (sem que nenhum censo ao certo tenha sido feito), quando hoje já são poucos, como poucas são as suas etnias e as suas línguas, o que só revela um genocídio silencioso e vergohoso contra estes povos, que, afinal de contas, são os nossos antepassados originais, são o que ainda resiste de guerreiro nesta selva midática e midiótica, em que os falares sobrepõem-se apenas do lugar institucional das vozes burgueses, e do capital, que não se coloca limite para destruir o que o ser humano tem de essencial, que é a sua vida, na sua pleniude, daí eu achar que os índios, com os seus facões, apenas dançaram a histórica dança da guerra, apenas ritualizaram a sua revolta contra este estado que só enxerga através do quadrado da tv, por onde emanam as odens palacianas e por onde os seus cúmplices-capachos vêem e enxergam a própria terra em que nasceram, como se nela não tivessem nascido, pois que a negaram desde o útero materno, colonizados na sua cultura, incapazes de romper com este hibridismo dominador branco, com esta cegueira, os índios, com os seus facões, enviam-nos sinais de que nem tudo está perdido na floresta, que ela ainda sobrevive, que ela, e só ela, é majestosa, pois que nos ensina com a sua dora, pois que reage, sempre, que não vai, jamais, se deixar devassar, finalmente, eu sei o quanto isto é difícil aos homens brancos, sei o quanto é insuportável para os acadêmicos, para estes elitizados que são meros reprodutores das formas através das quais eles próprios são dominados, sei que é quase impossível para uma mente fechada e monolítica admitir o direito dos povos indígenas à sua terra e à decisão de serem eles próprios os senhores do seu chão, compreendo bem esta reação em cadeia, oriunda das classes políticas e empresariais, dos gestores do capital brasileiro, dos generais e dessa classe méddia sufocada por si prória, sei, mas não lhes posso lamentar o desespero, ao contrário, estamos e sempre etivemos em guerra e eu sempre estive de um lado, dos meus antepassados, é guerra, é guerra, é guerra...

© Franisco Weyl

Carpinteiro de poesia e de cinema

terça-feira, maio 20, 2008

A Pólis Vizinha

Eleições 2008

PT Ananindeua, um novo desastre se anuncia

Por Luís Freitas.

“Contra o gabinetismo, a prática culta da vida!”

(Osvald de Andrade – Manifesto Pau-Brasil)

Fazem 8 anos em que o PT Ananindeua, vitorioso politicamente ao eleger 3 vereadores em 1996, saiu em frangalhos das eleições de 2000 ao lançar uma candidatura majoritária sem nenhum vínculo com o Partido na cidade, dentro da lógica de que era necessário “contemplar o agrupamento que dirigia a Prefeitura de Belém” e os interesses “macro do PT”.

Karl Marx diria que a história só se repete enquanto farsa. A movimentação da Casa Civil do Estado e de alguns dirigentes do PT Estadual em viabilizar o nome da neo-petista Sandra Batista, como vice numa possível chapa de aliança com o PMDB local em 2008, soa como farsesca.

Em 2000, a candidatura a prefeito de Luiz Araújo, com o apoio de parcela da Direção Estadual, quebrou o Partido em Ananindeua. Brecht perguntaria a quem restou a tarefa de reconstruir as ruínas do PT local? Nenhum dirigente que apoiou a tal iniciativa de “fora para dentro” e “cujo nome tinha maior expressão política”, voltou para saber se houve sobreviventes. Mas, houve! E, coube a esses a missão de soerguer o Partido, mérito, portanto, do PT local.

Foram quatro anos para reconstruir a “unidade partidária”, a “confiança interna entre cada tendência” e o “respeito e cumplicidade entre dirigentes e militantes”. Era ainda o PT das diferentes concepções e práticas, porém mediadas pela relação dialógica e do convencimento pelas idéias visando o fortalecimento partidário.

O PT tornou-se, de fato, maior que as tendências e os interesses pessoais ou de grupos. Sobrevivemos e mantemos até hoje a Sede do PT aberta, apesar de todas as adversidades, em área nobre de Ananindeua. Em 2004, em um cenário totalmente adverso buscamos saídas para demarcar nosso campo junto à sociedade Ananin. Havia alguns horizontes. No entanto, a pedido do Diretório Estadual e da coordenação da campanha Ana Júlia à Prefeitura de Belém, o PT Ananin se anulou das mesas de negociações sobre as eleições locais e construiu uma campanha majoritária objetivando angariar o apoio do PMDB para o 2º turno em Belém. A orientação da Direção Estadual e da coordenação da candidata Ana Júlia era: “não atacar o PMDB e Helder Barbalho”. Dentro dessa lógica, seriam assegurados apoio e infra-estrutura para fortalecer as candidaturas proporcionais do PT no município. Não se cumpriu. Em 2005, dentro da política nacional de ampliação das alianças políticas, o PT Ananin, após uma série de debates democráticos e legítimos, aceitou o convite de participar do Governo do PMDB. Sofremos uma saraivada de críticas (muitas das vezes infundadas e injustas). Tocamos em frente. Estreitamos e consolidamos relações com o PMDB. Depois, ampliamos participações na gestão Helder Barbalho. Coordenamos juntos, na cidade, a campanha de reeleição do presidente Lula e no 2º turno da companheira Ana Júlia ao Governo do Estado. Fomos vitoriosos. Chegamos em 2008, tendo o prefeito Helder Barbalho como um dos principais defensores do Governo Lula e das ações da governadora Ana Júlia na cidade, além de estar aberto para compor uma chapa a prefeito tendo o PT como vice e dentro de uma estratégia de construirmos uma bancada representativa de vereadores na Câmara Municipal. Vislumbramos, dessa forma, a retomada do PT Ananin, a exemplo do que já ocorre no Brasil e no Pará, como um partido de força e intervenção qualificada no município. Merecemos isso. esse sentido, organizamos um dos maiores PED do Brasil proporcionalmente. Mobilizamos nossa base. Realizamos votação para tirada de delegados. Fizemos encontro de delegados com mais de 150 companheir@s. Aprovamos a tese sobre política de aliança de forma democrática, transparente e legítima, tendo sempre como referência a estratégia estadual do PT e não de grupos ou governo. Então como ousam agora alguns “paladinos da tática e estratégia sempre corretas”, “arautos do Partido” e “estrelas momentâneas do poder” anunciarem que o PT Ananin não tem quadros históricos com capacidade, maturidade ou legitimidade para ser o senhor do seu destino? Como diria o poeta: “na primeira noite, eles entram em nossa casa roubam uma flor e não dizemos nada... Na segunda noite, eles entram em nossa casa, pisam em nosso jardim, matam nosso cão e não dizemos nada... Até que um dia, o mais frágil deles, sozinho, entra em nossa casa, rouba nossa luz, apaga nossa voz e já não podemos dizer mais nada”! O PT Ananin com seus dirigentes e históricos militantes já demonstraram ao longo da construção partidária seu compromisso com o fortalecimento do PT em Belém, no Pará e no Brasil. Agora é a hora do PT Ananin ocupar seu lugar ao sol, assim como, já ocorreu em tantas outras cidades e estados do país. Vamos fazer valer nossa estrela! Vamos fazer brilhar nossa história! Vamos governar Ananindeua!
Ananindeua, maio de 2008.
Luís Freitas, é professor, jornalista, ex-vereador e secretário geral do PT Ananin.

segunda-feira, maio 19, 2008

A Rapoza no Galinheiro


O ministro que tem nome de ministério anuncia de fora do Brasil que quer a Amazônia vigiada e controlada pelas forças armadas, principalmente o exército.

Vai ser um pandemônio se entre os milicos escalados pelo futuro ministro, estiver o famoso general Augusto Heleno, atual Comandante Militar da Amazônia.

Vamos conhecer um pouco de sua história com nosso amigo ambientalista e blogueiro Paulo Lucena que reproduziu o lúcido artigo sobre o militar "defensor" da amazônia de Laerte Braga.

Não se trata de imaginar que as tropas vão sair às ruas prendendo pessoas e depondo um governo legítimo como aconteceu em 1964, quando a direita das Forças Armadas esmagou a esquerda, tomou o poder e implantou uma ditadura sanguinária, montada na tortura, no assassinato de adversários e na absoluta subserviência aos interesses do grande empresariado nacional e internacional.


Foi esse grande empresariado, que financiou instrumentos de repressão como a OPERAÇÃO BANDEIRANTES (OBAN) e a construção do famigerado DOI/CODI que juntou todos os setores e grupos dos chamados serviços sujos da ditadura e acabou desembocando na Operação Condor, uma espécie de holding do terror em toda a América do Sul.


Líderes nacionais que se opunham às ditaduras em seus países foram assassinados no curso da Operação, criada para esse fim. Foi um desses crimes, o que matou Orlando Letelier, ex-chanceler do governo Allende assassinado em New York por agentes da DINA (Polícia Secreta chilena) que começou a levantar o véu do terror implantado nesta parte do mundo pelos militares. Até hoje não se pode afirmar com convicção que lideranças brasileiras como Juscelino e Jango não tenham sido mortos em operações dentro desse quadro.


Esse tipo de prática retornou com toda a força no governo do terrorista norte-americano George Bush. Uma lei especial autoriza o governo dos Estados Unidos através dos chamados órgãos de segurança, a prender, manter incomunicável e a torturar em benefício da segurança do país, homens e mulheres em qualquer parte do mundo. Agentes da CIA (o serviço secreto dos EUA) respondem a processos por crimes de seqüestro em países europeus como a Alemanha e a Itália.


Campos de concentração foram espalhados pelo mundo e o exemplo de uma das prisões no Iraque, onde presos muçulmanos eram submetidos a toda a sorte de humilhações chocou o mundo não faz muito tempo.


Guantánamo é um exemplo. Uma parte ocupada do território de Cuba, onde os EUA guardam prisioneiros que consideram suspeitos de ações contrárias ao país ou países que ofereçam riscos, na ótica deles, aos seus interesses.


O fim da União Soviética não significou o fim do pesadelo militarista e armamentista. Os EUA continuam a desenvolver tecnologias de armas de destruição em massa, construíram um escudo de proteção antimísseis e ocupam através de bases ou invasões militares (Iraque, Afeganistão) todos os espaços possíveis e considerados necessários para a consolidação do império terrorista de Washington.


O maior campo de provas desse terror hoje é o Oriente Médio e o braço terrorista norte-americano ali é o Estado de Israel, um enclave do IV Reich. As humilhações, a violência, a barbárie semelhante à dos campos de concentração da IIª Grande Guerra que são impostas aos palestinos não encontram paralelo na história a não ser na horda de bárbaros que se desenrola ao longo do processo dito civilizatório, passar por Hitler e encontra seu ápice no terror do período Bush.


A América do Sul é um dos alvos primordiais do terrorismo norte-americano neste momento. As sucessivas derrotas eleitorais em quase todos os países dessa parte do mundo e as profundas mudanças propostas por governos como os de Chávez (Venezuela), Evo Morales (Bolívia) e Rafael Corrêa (Equador) e agora a vitória do ex-bispo Fernando Lugo no Paraguai, até então uma grande fazenda norte-americana e brasileira por conta da corrupção dos governos do partido Colorado, acenderam a luz vermelha em Washington.


A rigor os norte-americanos dispõem de duas bases (colônias) na América do Sul. O governo do narcotraficante Álvaro Uribe e o de Alan Garcia, no Peru.


Países como o Brasil e a Argentina, os dois maiores da região, têm governos independentes e o Chile alinha-se no geral com posturas de integração sul americana, ao contrário da proposta norte-americana (ALCA) de integração de todas as Américas na visão de Washington. Os ESTADOS UNIDOS e um monte de protetorados.


À semelhança com o que acontece hoje ao México, um depósito de lixo dos norte-americanos. Na América Central a presença de Daniel Ortega na Nicarágua e a transição cubana para Raul Castro mantêm a perspectiva de luta popular nos outros países. O Haiti hoje é um país ocupado militarmente pelos EUA que contam com apoio da polícia brasileira que alguns insistentes teimam chamar de forças armadas.

O recente ato de rebeldia e insubordinação do general Augusto Heleno, transformado em comandante militar dos EUA na Amazônia mostra que a estratégia dos EUA passa por acentuar o processo de cooptação de militares dos países alvos, sempre ligando a seta para um lado (nacionalismo, soberania nacional, integridade do território nacional e depois entrega absoluta).



Foi assim no Iraque, foi assim quando atacaram o acampamento do chanceler Raul Reyes (das FARCS-EP) no Equador. A guarda republicana de Saddam e os principais generais do exército terminaram cooptados e hoje ocupam postos chaves no governo daquele país, como o exército equatoriano omitiu-se no ataque terrorista contra o país a partir da Colômbia.


No caso específico do Brasil a preocupação dos EUA se volta para as eleições de 2010, pelo menos até o momento existe a necessidade de manter o modelo de farsa democrática (“o direito do oprimido escolher o opressor”) e a tranqüilidade só não é total pelo risco de um terceiro mandato para Lula desejado hoje pela maioria dos brasileiros (sem juízo de mérito).


Qualquer um dos pré-candidatos até agora citados, exceto a ministra Dilma Roussef, que venha a ser eleito é parte do esquema norte-americano, sobretudo o paulista José Serra.

quinta-feira, maio 15, 2008

Movimento GLBT exige retratação de vereadores

Lideranças do Movimento GLBT (Gays, Lésbicas, Bissexuais, Travestis e Transexuais) entregarão amanhã, dia 15, as 10h00, na Câmara Municipal de Belém, um manifesto repudiando a atitude dos vereadores Paulo Queiroz (PSDB), Paulo Mardock (PMDB) e Raul Batista (PRB) da bancada evangélica que usaram termos homofóbicos durante sessão da câmara que aprovou por 12 votos a 7 uma sessão especial pelo Dia Municipal do Orgulho e da Consciência Gay.

De acordo com Roberto Paes, coordenador do Movimento GLBT, a comunidade homossexual exige retratação pelo discurso dos vereadores que utilizaram termos preconceituosos. "As entidades do movimento GLBT do Pará consideram inaceitável a postura dos vereadores e pretendem tomar uma série de medidas denunciando a homofobia e pedindo providências aos órgãos competentes. Para o movimento, a atitude foi extremamente preconceituosa, divulgando conceitos arcaicos, que incitam à discriminação. A homossexualidade não é distúrbio nem doença, segundo a Organização Mundial de Saúde e o Conselho Federal de Psicologia. Além disso, a Constituição Brasileira proíbe qualquer tipo de discriminação", explicou Roberto.

O Dia Municipal de Orgulho e da Consciência Gay foi criado pela Câmara Municipal de Belém e sancionado pelo então prefeito Edmilson Rodrigues em 1998.

Este ano, a sessão na Câmara que celebra a data será realizada no dia 26 de junho, a partir das 9 horas.

Polêmica

O fato que gerou polêmica ocorreu durante a sessão desta segunda-feira, 12, quando, apesar de aprovada a proposta do presidente da Casa, vereador Zeca Pirão (PP), de uma sessão especial pelo Dia Municipal de Orgulho e da Consciência Gay, recebeu muitas críticas da bancada evangélica.

O primeiro a falar de forma homofóbica foi o vereador Everaldo Moreira (PRTB). O parlamentar disse que votaria em favor da sessão, mas pediu que o autor retirasse do título da sessão a palavra orgulho alegado que "nenhum pai e nenhuma mãe tem orgulho de ter um filho gay", justificou.

O vereador Paulo Queiroz (PSDB) declarou que "Deus não criou o terceiro sexo (...) não se trata de discriminação, mas não façamos apologia desse tipo de comportamento nocivo à família", defendeu.

Paulo Mardock (PMDB) citou um trecho da Bíblia que, segundo ele, diz que "ficarão de fora os afeminados" e afirmou que não poderia contrariar a palavra de Deus. "Deus ama o efeminado, mas não ama o pecado e a promiscuidade que há nele", disse.

Estado Laico

De acordo com Roberto Paes o Movimento GLBT defende a existência de um Estado Laico onde as convicções religiosas devem ser encaradas como de caráter pessoal, de foro íntimo, e não podem influenciar na elaboração de políticas de governo, muito menos servir de anteparo para discriminar quem quer que seja. "O espaço público pertence a todos. Nenhum cidadão ou grupo de cidadãos deve impor as suas convicções aos outros. Garantir o Estado Laico não significa dizer que somos contra as religiões - que devem ter garantidos seus espaços de expressão. O que o Estado Laico deve se opor é quando as religiões preconizam discriminação ou tentam apropriar-se da totalidade ou de uma parte do espaço público, por isso vamos atrás dos nossos direitos exigir que os vereadores se retratem.

Voto Gay

Segundo Marcelo Carvalho, coordenador de comunicação do Movimento GLBT, este ano a Parada do Orgulho GLBT que correrá em agosto, terá como tema o voto. "Foi ótimo esse fato ter ocorrido agora pois durante o nosso evento que comporta mais de 400 mil pessoas iremos denunciar qualquer parlamentar que haja de forma homofóbica, vamos citar os nomes dos preconceituosos", denunciou.

Ainda de acordo com Marcelo Carvalho, na sexta-feira, dia 16 o movimento GLBT realizará, na Casa da Linguagem, uma programação em homenagem ao Dia Mundial de Luta contra Homofobia. "Estaremos reunidos e com certeza vamos rechaçar atitudes como estas dos vereadores homofóbicos e preconceituosos que querem impor sua opinião e ir contra nossa luta por respeito", afirmou.

Fonte: ASCOM - Assessoria de Comunicação do Movimento GLBT do Pará.

Daí que vem o ditado

Com a idéia de amenizar os danos causados à história de luta e defesa dos trabalhadores e a contradição do governo, o PT reunir-se-á com @s professoras e professores filiados/militantes do PT e do Sintepp para discutir entre outras pautas: a greve, a crise causada pela repressão da PM, no dia 09 de Maio, quando o movimento grevista fazia um ato de protesto em frente à casa civil da governadoria e a ação judicial que declarou ilegal e abusiva a greve que iniciou dia 24 de Abril e promete se estender, mesmo com a decisão da liminar da justiça.
"Os crocodilos derramam lágrimas quando devoram suas vítimas. Eis aí sua sabedoria" Francis Bacon.

quarta-feira, maio 14, 2008

Contra

“É a salvação da Amazônia. Ela engessou a economia, a serviço de organismos internacionais, com a criação de tribunais de exceção”.
Carlos Xavier, presidente da Federação da Agricultura, ironizando com alegria a renúncia de Marina Silva do Ministério do Meio Ambiente, onde enfrentou bravamente a gula predadora e inconsequente do agrobussiness, da exploração madereira e da apecuária.

terça-feira, maio 13, 2008

Abismo

As coisas estão realmente devagar quase parando na ação política do governo do Estado. Tanto reboliço na escolha de Belém como sede do Fórum Social Mundial, o que se repetiu a candidatura de Belém quando recebeu Ricardo Teixeira e a partir daí deu esperanças de Belém sediar a copa de 2014, mas ação que é bom, bulufas. De lá prá cá, quase nada foi encaminhado para que isso se torne realidade. Do discurso da governadora à ação governamental, abre-se cada vez mais um abismo que encabula mesmo os mais próximos que não entendem tanta gente mandando, tanta falta de sintonia e contradição neste governo de coalizão.