Pesquisar por palavra-chave

terça-feira, junho 28, 2011

Divisão do Estado: No dos outros é refresco!


 
No último fim de semana, o jornal "O Estado de S.Paulo" revelou que o publicitário Duda Mendonça será o responsável por criar a campanha em favor da separação do Estado do Pará em três.

Dono de fazendas no Estado, Duda seria, ainda, um entusiasta da ideia.

Para o marqueteiro, o Pará não deve ter as qualidades transcedentais de sua Bahia natal.

Afinal, foi Duda o responsável por criar um famoso vídeo acima em que Maria Bethania, sentada num banquinho e com uma trilha incidental de "Na Baixa do Sapateiro", de Ary Barroso, declamar um texto em que dizia que dividir a Bahia seria separar "Castro de Alves", "Ruy de Barbosa", "Mãe Menininha do Gantois" e por aí vai.

A ideia de fazer um plebiscito pela divisão da Bahia surgiu em 1982, e foi abortada de pronto _muito graças à comoção criada pelo vídeo de Duda.

Em seu livro "Casos & Coisas", Duda narrava em tons épicos a campanha, a forma como escreveu o texto de bate-pronto e como Bethania também se vestiu das cores da Bahia para declamar o texto.

Resta saber quem será a musa do separatismo paraense. Tem que ver isso aí, Fafá de Belém.

FPA 15 anos: A Fundação Perseu Abramo e a memória do PT

Por Marco Aurélio Garcia
Quando do surgimento da Fundação Perseu Abramo, uma das primeiras decisões que tomamos foi a de criar  um programa  que se ocupasse da memória do Partido dos Trabalhadores.

Muitos de nós – familiarizados com a historiografia dos partidos comunistas, e críticos em relação a boa parte dela – sabíamos bem o perigo que nos rondava. O risco maior era o de sofrer a tentação de produzir uma “história oficial” do PT, suscetível de ser alterada ao sabor de eventuais guinadas de sua política e de sua direção. Foi isso que  ocorreu por mais de uma vez com muitos dos Manuais de história dos PCs. Neles se reescreviam situações e políticas ou se ocultavam posições e personagens ao sabor de mudanças conjunturais, chegando-se até mesmo a suprimir dirigentes “renegados” da iconografia partidária.

Como partido plural, em sua origem e desenvolvimento, era importante deixar o campo aberto para uma historiografia crítica, que abrigasse as mais distintas perspectivas de análise.

Mas era necessário igualmente que a história do PT não se confundisse exclusivamente com a história de seus congressos e encontros, de suas resoluções políticas, de seus dirigentes. Todos esses elementos de sua trajetória são importantes, mas representam apenas uma parte da história de um partido.

Ela tem de dar conta da distinta composição social da organização, das múltiplas culturas políticas que a influenciaram, de sua diversidade regional. Como entender o Partido dos Trabalhadores, sem levar em conta o papel que tiveram em sua formação e desenvolvimento os sindicalistas do campo e da cidade, os intelectuais, as Comunidades Eclesiais de Base, para só citar alguns exemplos relevantes entre tantos outros?

Uma historiografia petista tem de dar conta igualmente das múltiplas esferas de intervenção do partido: na “grande” e na “pequena” política,    nos governos municipais e estaduais (e, mais tarde, Federal), nos parlamentos, nos movimentos sociais, no âmbito  da cultura, na esfera internacional, etc..
O Centro Sérgio Buarque de Holanda, assim nomeado em homenagem a esse grande intelectual brasileiro que esteve entre os fundadores do PT, tem como finalidade reunir toda a sorte de documentos – escritos, sonoros, visuais – para oferecer suporte ao trabalho daqueles que se derem por tarefa analisar, sob as mais variadas perspectivas disciplinares e ideológicas, esse “fenômeno político” chamado Partido dos Trabalhadores.

Essa tarefa não pode ser realizada em uma perspectiva “internista”, mas sempre em relação à evolução histórica do Brasil nas quatro últimas décadas, quando se criaram as condições de possibilidade de surgimento do partido e de seu posterior desenvolvimento.

Pensar a história do PT é fundamental para aceder  a uma melhor compreensão do passado e do presente  do partido e do Brasil contemporâneo e, com isso, vislumbrar as possibilidade do futuro que queremos construir.

Brasília, junho de 2011.

*Marco Aurélio Garcia, coordenou o Projeto Memória do PT nos primeiros anos de seu desenvolvimento. Professor aposentado do Departamento de História da Unicamp, foi Assessor Especial de Política Externa do Presidente Lula, ocupando atualmente as mesmas funções junto à Presidenta Dilma Rousseff.

PT pede investigações contra o Senador Mário Couto (PSDB-PA)

Sempre cheio de bravatas, o Senador irá responder por seu envolvimento nas fraudes da ALEPA

 
O Presidente Nacional do PT, Rui Falcão, ingressará logo mais na Procuradoria Geral da União, com a representação do partido contra o senador tucano Mário Couto (PSDB-PA), envolvido no escândalo da ALEPA – Assembleia Legislativa do Pará – que está sob investigação do Ministério Público Estadual, da Procuradoria Geral do Estado e da Polícia Civil do Pará, que conclui o indiciamento de empresários, deputados e funcionários em fraudes e irregularidades.


As investigações chegaram à conclusão de que durante sua gestão, Mário Couto, então Deputado Estadual e Presidente da Assembléia Legislativa do Pará, sabia e tinha participação ativa no esquema milionário de desvio de recursos públicos, através de licitações fraudulentas e contratação de funcionários fantasmas.

Persona Non Grata

Mário Couto é o tipo de parlamentar que já não goza de muita simpatia no Congresso Nacional, inclusive dentro de seu próprio partido, o PSDB, pelo qual se utiliza da indicação de membro da Comissão de Ética do Senado, para constantes ataques, sempre com termos chulos, ao governo federal e as gestões do PT em todo o Brasil, tendo alcançado o ápice de sua eloquência difamatória durante os últimos quatro anos, sempre se utilizando da palavra no parlamento, para quase exclusivamente, atacar o governo de Lula e de Ana Júlia, no Pará.


Antes da vida parlamentar, Couto era bicheiro, envolvido em diversas outras contravenções no Estado do Pará, mas que foram abafadas por sua inserção e relações no meio político e empresarial. Até uma metralhadora foi encontrada em sua casa durante a vida pregressa do cara.

O mar de lama no Pará

As investigações das denúncias apresentadas pelo MPE-Pa já remontam 3 meses e até agora ninguém ficou definitivamente preso, mas a polícia civil já chegou a  apreender documentos e dinheiro no apartamento do ex-deputado Robgol (PMDB), nas empresa Croc Tapioca e até na mesa do Diretor Geral do Departamento de Trânsito do Pará, Sérgio Duboc, que está forarigo da polícia.

O Ministério Público Estadual prepara o segundo lote de denúncias contra a quadrilha, agora envolvendo o ex-Deputado e sucessor de Mário Couto na presidência da ALEPA, Domingos Juvenil do PMDB. 

Por ter foro previlegiado, os promotores paraenses dizem que Couto só será atingido por investigações mais profundas em instâncias superiores e isso é o que vai acontecer a partir de agora.

Quem sobreviver verá, inclusive o governador do Pará, Simão Jatene (PSDB), que havia dito que era à favor da CPI na ALEPA para investigar à fundo todas as irregularidades, mas até agora nenhum parlamentar de seu partido e/ou da base aliada não assinou a mesma, gerando mais um dúvida sobre a palavra do tucano que hoje governa um dos Estados mais importantes da região amazônica.

Atualização
Leia a nota oficial do PT, enviada ao blog agora à pouco:

O PT protocolou na tarde desta terça-feira (28) uma representação na Procuradoria Geral da República (PGR) solicitando do Supremo Tribunal Federal a instauração de inquérito contra o senador Mário Couto Filho (PSDB-PA), ex-presidente da Assembleia Legislativa do Pará.

A representação, que pede a instauração de inquérito e posterior ação penal perante o STF, visa a apuração de aspectos criminais dos atos que teriam sido praticados pelo senador tucano durante a sua gestão na presidência do Legislativo estadual.

“(...) ainda no exercício da presidência da ALEPA, o representado provavelmente teria cometido vários atos que redundam em sérias ilegalidades, improbidades administrativas e crimes. Irregularidades que permaneceram, com sua intervenção, mesmo após sua saída daquela ALEPA, já no exercício do cargo de senador, vez que lá ficaram servidores exercendo importantes funções, intimamente ligados ao representado”, diz um trecho da representação.

Beto Faro, Rui Falcão, Cláudio Puty e Zé Geraldo na PGU


Por se tratar de um senador da República, a competência para a instauração de inquérito é do STF.O documento foi protocolado pelo presidente do PT, Rui Falcão, que estava acompanhado dos deputados federais pelo PT-PA: Zé Geraldo, Beto Faro e Cláudio Puty. 

“O PT, como partido que mais defende a ética na política, pretende que o Ministério Público Federal investigue com profundidade as denúncias de supostos crimes cometidos no Estado do Pará pela quadrilha que ficou conhecida como‘fábrica de tapioca”, afirmou Rui Falcão.

Veja o documento:

Veja mais no site do PT Nacional

Jatene gastou em 2 noites o que será gasto em 6 meses

Me rouba logo!

A 2ª edição do Terruá Pará foi bastante comentada pelos assessores de Jatene, mas nem todos o viram com os mesmos bons olhos, dos que estão na SECOM, sob a indicação e tutela de Ney Messias, aquele apresentador da TV Liberal que depois assumiu a presidência da FUNTELPA, no primeiro governo de Jatene com a missão de recontratar com os Maioranas aquele escandaloso esquema de uso das antenas públicas da TV Cultura e ainda tirou milhões dos cofres públicos para os barões da mídia no Pará, lembram?


Pois é. Almejando ser o Secretário de Cultura do governo tucano, Ney Messias, astuto, mas pouco transitável no ninho tucano, principalmente na velha guarda, acabou sendo preterido por Paulo Chaves, quem adentrou em seu 13º ano de comando da pasta. Há quem diga que o Terruá Pará seja a cobrança de Ney pelo pagamento do "serviço" feito durante a campanha eleitoral, quando este, assim como o totó do Orly, usaram e abusaram de trollagens, jingles, vídeos e textos apócrifos e difamatórios, para desgastar a gestão petista. 

Acontece que o mimo dado por Jatene ao capacho mor, incomodoou outros secretários do governo, que se sentem desprestigiados desde o lançamento da agenda mínima, apresentada pelo governador, na qual se destinou a bagatela de R$ 3 milhões de reais, por duas noites de show, de alguns artístas paraenses escolhidos à dedo para se apresentarem em São Paulo, o que representou o que será a metade do custo operacional das cinco secretarias especiais que Jatene pretende recriar ainda este ano e que juntas custarão ao erário R$ 6 milhões de reais/ano, 500 mil/mês.

Para se ter idéia de como é bom um DAS na Secretaria de Comuicação do Estado, um dos seus diretores recebeu apenas este mês, somente em DIÁRIAS, a bagatela de R$ 3.564,00 mil reais e ficará até o mês de Julho, sete dias após o evento em sampa, por conta do Terruá Pará, fazendo a pós-produção, disque.


Pra quem recebeu uma “herança maldita”, não tá nada mal, hein?!!

Atualização.

Um olhar mais atento no site Transparência Pará, me mostrou que houve "anulação de empenho do próprio exercício" no valor de R$ 1.118,00 reais, ficando então com o total de R$ 2.376,00 em diárias este mês, pela participação de 3 eventos do referido servidor.