Pesquisar por palavra-chave

domingo, maio 22, 2011

O Tacacá





O TACACÁ¹ 


Vera Mogilka²

"O tacacá, toma-se? bebe-se? sorve-se? saboreia-se? Não, O tacacá  deseja-se, de repente, como se deseja uma mulher, como se deseja retornar ao amor da adolescência.

O tacacá possui o toque agudo da  saudade. A memória de seu sabor salgado e ardente assalta-nos sem  aviso, em pleno dia, em determinadas horas de distração. Naquele  momento involuntário de repouso quando, por fim ao cair da tarde sobre  o rio, respiramos. Certo e pequeno instante, dezenas de sugestões  cruzam a mente. Todos os atos gratuitos e cheios de graça da vida: uma  criança correndo na grama, braços em repouso e um regaço, mãe  amamentando o filho, avião acendendo e apagando as luzes na bruma da  noite, navio singrando a baía, luar úmido sobre igarapés - vontade de  tomar tacacá. Desejo de tacacá. Porque, para tomá-lo, é preciso, antes  de tudo, um ritual.

 É preciso que seja ao anoitecer. Ainda não de todo noite completa;  ainda não dia findo. Àquela hora semi-crepuscular, indecisa e feminina  quando, por fim, o céu se envolve de um azul-cinzento intenso ou  aquela chuva antes da saída da lua. É preciso que estejamos cansados, tão fatigados que nada nos afigure mais necessá­rio, naquele momento,  do que tomar um tacacá. Nem o bate-papo informal com o amigo. Nem o  café no Central. Nem o olhar à mulher que passa. Apenas, a pro­cura, a  única procura por um tacacá, com pouca pimenta ou muita e bem quente.

 Depois, é preciso que haja um banco. Tacacá toma-se sentado para que o  corpo repouse e possa se entregar completamente ao prazer de saboreá-lo. Porque o tacacá é extremamente absorvente. Quando bem feito, o que ocorre pouco. Pois fazê-lo e tomá-lo é uma arte. É preciso, também, que a noite desponte ao chegarmos junto ao carrinho  de tacacá. E comece a chover, levemente. Faça algo de frio, algo de úmido. O que não é difícil em Belém.

 Depois, como estamos cansados e  queremos esquecer, esperamos. Uma paciência longa e calma, até que a  dona do tacacá termine por prepará-lo. De preferência que seja em  Nazaré ou olhando a Igreja da Trindade. É preciso que o tucupi seja  leve, amarelo-canário e novo. Que a goma bóie no líquido, espalhada  por acaso e se mostre apenas por alguns instantes; que não haja muita folha; que os três ou quatro camarões sejam médios, nem grandes demais ou minúsculo e somente uma parte deles apareça, a ligeira carne rósea a deixar-se entrever, adivinhar-se na cuia olorosa. Depois, é preciso que haja sal e pimenta de cheiro, mas não em demasia; o suficiente  para nos queimar a alma nos primeiros goles e reanimar o corpo; então  renascemos para a noite e a alegria novamente nos habita. O suficiente  apenas para desvanecer seu fervor após esses primeiros goles e tornar-se depois, uma presença quente, já quase uma memória, na ponta  da língua.

 É preciso saber tomar o tacacá. Aos primeiros sorvos integralmente seu  calor, sua salinidade, seu gosto de mar quente, de arbusto e molusco que os lábios experimentam fugidiamente. É preciso que o jambu e os  camarões pousem lentamente no fundo da cuia e venham à boca, por si mesmos, sem o auxílio dos dedos. É necessário que não sejamos interrompidos. Apenas um aceno de cabeça aos conhecidos que passam. Um filtro mágico que se bebe em silêncio e solidão. Somente a comunicação imperceptível com a tacacazeira: feiticeira moderna numa terra onde as lendas ainda sobrevivem em um mundo que se materializa  inexoravelmente.

 Chegados ao fim do tacacá, é preciso que o mesmo ainda se conserve morno, assim como o fim de um amor. Jamais frio. Não existe nada pior do que um tacacá frio. É como champanhe sem gelo. Neste momento tomaremos contacto real com as grandes porções maternais de goma penetradas pelo tucupi e pela amargura das folhas. Há sempre um gato gordíssimo perto do carro de uma tacacazeira. Ele comerá,
 displicentemente, as cascas de camarão que atirarmos ao chão. A cuia  está vazia.

 Agora, o mais importante: jamais repetir o tacacá, na mesma noite. A segunda cuia nunca devolverá o sabor da primeira. O primeiro tacacá daquele dia é único, autêntico, original, insubstituível como o gosto  do primeiro beijo. Como a primeira entrega de amor. Porque os tecidos de nosso cansaço e de nossos desejos são satis­feitos. Porque foi necessário todo um dia infrutífero e todo um sol de toda uma chuva  para alcançá-la. Todo o equívoco das relações humanas, toda a falta de  solidariedade, de cortesia, de amizade e de comunicação com os outros.

 A decep­ção será fatal se arriscarmos um segundo, fiéis à gula. É  preciso permitir-se um resto de fome, um resto de desejo para o dia seguinte, um resto de tristeza intransferível. Quando a baía abrir suas margens de musgo para recolher as asas do dia; quando a lua  surgir em seu halo de chuva; quando chegarmos ao fim de nossas tarefas  cotidianas, então, novamente, sentiremos na ponta da língua a subtaneidade acre do tucupi. Paraenses, não vos espanteis com essa narrativa. O que, para vós é  banal e acessí­vel desde a infância, para um sulista é um mistério, uma surpresa e um inédito prazer. Muito comum é o visitante de outro Estado que vem a Belém pela primeira vez e olha, desconfiado, aquele grupo de pessoas ao redor de um carro de tacacá. Os movimentos das mãos da tacacazeira lavando as cuias e servindo-as, Os utensílios tos­cos, rudimentares. O turista, cheio de suspeitas e de teorias  anticépticas, recusa-se a prová-la com argumentos de falta de higiene.  Procura máquinas a vapor que sequem automaticamente as cuias. Busca  torneiras reluzentes de onde jorre um tucupi sintético e insosso; e só  encontra aquela magia indígena, obscura, incons­ciente perante a qual recua porque seu coração não possui mais raízes fixas no mistério da  natureza. Porque não é mais um homem natural.

 Paraenses, vós desconheceis vossas próprias riquezas. Dia chegará a  que o gi­gante levantará a grande cabeça de florestas de seu berço esplêndido e o Brasil será redescoberto (não mais pelos portugueses).  O tacacá deixará de ser um usufruto particular e banal. E, em clima frio e chuvoso como o de São Paulo será servido à noite, entre centenas de sessões de cinemas super luxuosos.   Milhares de tacacás industrializados, produzidos por intrincados mecanismos de alumínio e aço. E o mistério amazônico perder-se-á para sempre. Será recolhido ao  coração de alguma floresta ainda virgem, porém, impenetrável e densa.  Lá onde os homens não possam mais capturá-lo e bebê-lo,  distraidamente, sem amor e sem ritos. Lá onde, enfim, seu selvagem sabor repouse intacto e inacessível no bojo do tempo.

 ¹ - Crônica publicada dia 16 de fevereiro de 1964, no jornal "A  Província do Pará" , editado diariamente em Belém do Pará.

 ² - VERA MOGILKA, turista gaúcha, retratou de modo interessante o  Tacacá em diversos dos seus aspectos.

Esta crônica foi transcrita no livro “A mandioca na Amazônia”, de  autoria do engenheiro agrônomo Milton Albuquerque, pesquisador do Instituto Agronômico do Norte, hoje Embrapa, em Belém do Pará, em  1966.


Enviado ao blog pelo grande camarada José Varella. 

Conheça-o:

http://resistenciamarajoara.blogspot.com/

"Nossa vitória não será por acidente"

CPI na ALEPA, faltam 2 votos. Vote Também!

Propondo-se a reunir a maior quantidade possível de notícias, matérias, artigos e demais informações sobre os desdobramentos das investigações das fraudes da ALEPA, o blog Não Alopre na ALEPA traz uma clipagem da semana com tudo que foi noticiado nos jornais locais sobre o epsódio.

Gabriel Guerreiro a 11ª assinatura pela CPI da ALEPA.

O blog vai crescendo assim como a campanha deslanchada por este para coleta de assinaturas favoráveis à instalação da CPI para apuração das denúncias de desvio de recursos públicos da Assembléia Legislativa do Pará, transforma em casa de noca pelos ex-presidentes e alguns comparsas.

Um jornal local nos informa que o Deputado Hilton Aguiar (PSC) foi o 12º parlamentar à assinar da CPI da Coorrupção na ALEPA. Pelas contas da oposição, restam apenas mais duas assinaturas para a CPI ser instalada o que poderá ocorrer após a reunião do PR que se reúne esses dias para bater martelo sobre o tema.

Faça você também a sua parte assinando aqui o abaixo-assinado para pressionar os deputados à assinarem a CPI da ALEPA e conheça o blog, o Facebook e o twitter da campanha CPI Já!

O Jornal de Jader e suas contradições: Escândalos da Alepa e Falsas Insinuações

No blog Proposta Democrática.

Por José Trindade (Professor da UFPA; Editor do PD13 e Ex-Secretário de Fazenda)

Na estória do Pará os episódios históricos estão cheios de gente de pouca personalidade e responsabilidade. Considero necessário responder as mentiras do jornal de Jader, sabendo o quanto tristes figuras da nossa história respondem de forma permanente por seus interesses elitistas.

Respondo a seguir todas as insinuações e mal quereres de figuras que todos na sociedade paraense conhecem!

Vale, ainda, considerar que o que está por trás ou pela frente das matérias “ jornalísticas” do Diário do Pará são os escândalos da Alepa. Vale ainda reforçar que esses senhores, juntamente com os senhores do PSDB não assinam e nem assinarão a CPI pela ética na Alepa e, portanto, estarão sempre em busca criar novas ou requentadas notícias que desviem a atenção da opinião pública de suas questionáveis ações.

Extratos da ALEPA são entregues ao MPE

"Somos totalmente favoráveis para que possam ser apurados tudo o que for necessário para que os culpados paguem pelos seus erros do passado"
Manoel Pioneiro ao entregar os extratos bancários da Assembléia Legislativa do Pará de 2004 prá cá.
Resta agora saber se o Banpará já entregou as suas cópias, estas sim, demostrarão o rastro dos desvios e marmotas aprontadas pelos deputados que se revezaram na presidência da casa nos últimos anos, além de seus comparsas.

Leia+

ORM x RBA: A guerra nada santa

Os donos das duas maiores empresas de comunicação do Estado do Pará, ambas controladoras de jornais, emissoras de TV, rádio e portais na internet, protagonizam novamente uma guerra midiática em torno de denúncias mútuas, onde esquemas de corrupção são explorados pelos veículos de imprensa que os grupos familiares dispõem.

Com direito a ofensas pessoais e de baixo calão, a porrada reiniciou com a matéria do Jornal Diário do Pará que noticiou as informações trazidas à público pela jornalista Cássia Medeiros, (TV RBA de Jader), presente no tão esperado depoimento de Rômulo Maiorana Jr, à Polícia Federal, nesta quarta-feira (18), quando depois de faltar três chamadas da justiça, adentrou o prédio da 4ª vara da Justiça Federal em Belém, num carro peliculado, cheio de seguranças.

Rominho fotografado no prédio da Justiça Federal minutos antes de seu depoimento no processo que se estende por 11 anos.

A notícia foi divulgada pelo jornal Diário do Pará na quinta-feira (19) e afirma que Rômulo Maiorana Jr. teria jogado a culpa tudo que a justiça apura, em Ronaldo Maiorana seu irmão e o principal acionista na sociedade quem ambos tinham criado e fundado a empresa Tropical Indústria Alimentícia S/A (Refrigerantes Fly), denunciada por crime contra o sistema financeiro, no valor de R$ 4 milhões, que seriam desviados via financiamento da SUDAM.  .

Afirmar que o herdeiro das ORM teria dito ao juiz que a "culpa" dos atos indignos seria do irmão foi a gota d’água para que a guerra entre os impérios voltasse à força total com direito à editorial na capa de O liberal na sexta-feira (20) sob o título "Um Safado e sua safadeza", publicado por este blog com o título "O Sujo e o Mal Lavado".

Logo, a resposta de Jader foi dizer que o pití de Rominho teria sido resultado de uma TPM, ironizando o concorrente no espaço do editoral do Diário do Pará do sábado (20) e segue nos comentários de dezenas de radialistas, apresentadores de TV e demais jornalistas do sistema RBA.

O Liberal por sua vez, traz neste domingo, um caderno especial chamado "Dossiê Jader" com 11 páginas que reviram de pernas pro ar, a vida pregressa do concorrente e inimigo mortal.

O dossiê não refresca a cara de ninguém da família do desafeto e respinga óleo quente na deputada federal Elcione Barbalho (ex-esposa), no prefeito de Ananindeua, Helder Barbalho (filho) e José Priante (primo), pré-candidato à prefeitura de Belém nas eleições de 2011, além de estampar a histórica foto de Jader, algemado pela Polícia Federal em fevereiro de 2002.



Siga-me no twitter e acompanhe o desdobramento desta e de outras gerras nada santas: @jimmynight.