Pesquisar por palavra-chave

segunda-feira, julho 22, 2013

Pará e Rio de Janeiro: A máfia das licitações é a mesma




Jatinho da ORM/Oliberal alugado para Simão Jatene custou R$ 46 milhões e está sob suspeita de fraude.
Enquanto no Pará, o governador Simão Jatene aluga um jatinho do grupo ORM/Oliberal, comprado de forma irregular, afim de dar o golpe na receita federal, no Rio de Janeiro, o governador Sérgio Cabral compra um helicóptero com apenas um concorrente na milionária licitação, igualzinho como é feito no Pará.





Na aquisição do luxuoso Agusta, que transporta até as babás dos filhos de Sergio Cabral para a casa de praia, em Mangaratiba (RJ), apenas a Sinergy, de German Eframovich, apresentou propostas; aeronave foi adquirida pelo governo do Rio por R$ 15,2 milhões.

uso de aeronaves pelo governador do Rio de Janeiro, Sergio Cabral, ganhou mais uma polêmica. Reportagem do jornalista Wilson Tosta, no Estado de S. Paulo, revela que apenas uma empresa apresentou proposta na licitação aberta para a compra do luxuoso helicóptero Agusta AW109, que ganhou projeção nacional com a descoberta do "voo das babás" – numa referência ao transporte das babás de seus filhos para a casa de praia, em Mangaratiba (RJ).
 
Avaliada em US$ 10 milhões, a aeronave foi vendida pela empresa offshore Sinergy, sediada no Panamá, que pertence ao empresário German Eframovich, dono da Avianca. A Sinergy pôde participar mesmo sem apresentar certidões negativas de dívidas, nem os livros contábeis, exigidos pelo edital. Enquanto isso, outra concorrente, a Helibrás foi desclassificada.
 
Além de utilizar o helicóptero nos voos para a casa de praia, Cabral também voava de casa ao Palácio Guanabara, numa distância de apenas dez quilômetros todos os dias – o que ele prometeu agora, diante da polêmica, evitar.

Lançamento do Fórum Paraense pela Democratização da Comunicação

Nós também queremos falar! 

Fórum pela democratização da mídia será amanhã 23, na OAB-PA. E dia 24, Oficina de Mídias Sociais! 

No blog da Vera Paoloni*

 

É amanhã, terça-feira 23, das 5 às 18 na sede da OAB.Pa, o lançamento do Fórum Paraense pela Democratização da Comunicação. 

O comitê estadual do FNDC - Fórum Nacional pela Democratização da Comunicação regionaliza a organização vital da luta para que se democratize a comunicação no país, no Pará.

A regionalização da programação da rádio e TV, além do incentivo à produção independente, sempre esteve na pauta do movimento pela democratização da comunicação.

É por isso que a regionalização da produção é um dos eixos centrais do Projeto de Lei de iniciativa popular da Mídia Democrática, lançado pela campanha "Para Expressar a Liberdade", uma iniciativa do FNDC. 

O projeto propõe uma garantia de 30% de produção local mínima diária para as emissoras, sendo que 10% da produção em horário nobre seria destinada a produções independentes. 

Para a coordenadora do FNDC e secretária de comunicação da CUT Nacional, Rosane Bertotti, "é inadmissível a Rede Globo dispor de 340 canais e retransmissoras de televisão, além de rádios, jornais, revistas e portais de internet para defender o ponto de vista das transnacionais, do sistema financeiro e do agronegócio. Também  denunciou o Ministério das Comunicações por retroceder na agenda deixada pelo governo Lula, em particular no que diz respeito ao Plano Nacional de Banda Larga, que “com Paulo Bernardo virou o plano das teles, que o elegeram homem do ano. O mesmo ocorreu em relação ao conjunto de diretrizes democratizantes apontadas pela Conferência Nacional da Comunicação (Confecom), que foram engavetadas. “Infelizmente, esta não é uma prioridade do governo Dilma. Mas nós estamos aqui para dizer que se a lei não vier pela mão de quem deveria garantir esse direito humano, virá pelas mãos do povo brasileiro”, destaca Rosane.

Outro debate, o Marco Civil da Internet  sofre com um lobby da grandes empresas de telecomunicações. Estas ameaçam a liberdade, a criatividade e a privacidade dos usuários da rede. Para Sérgio Amadeu, representante da sociedade no CGI - Comitê Gestor da Internet, "querem transformar a internet em uma grande rede de TV a cabo; prejudicar quem usa a internet livremente. Por isso temos de defender o Marco Civil'.

Os debates acontecerão nesta terça 23 na OAB.Pa, a partir das 15 horas e participarão Orlando Guilhon pelo FNDC e Altamiro Borges, pelo Barão de Itararé.
Participe!

E dia 24, oficina de mídias sociais, no Sindicato dos Bancários

E na quarta-feira 24, das 09 às 17 h na sede do Sindicato dos Bancários (Rua 28 de Setembro, 1210, próximo à Doca-Belém), a oficina de Mídias Sociais, que tem como monitor Alex Capuano, da secretaria de comunicação da CUT nacional, juntamente com a CUT.PA.

A atividade é aberta aos sindicatos filiados à CUT-PA e entidades parceiras. Contatos pelos fones: (91) 8401.6825 e 8402.2211.


Programação:

Manhã:

  • Apresentação do vídeo Levante a sua voz (17 minutos) – Coletivo Intervozes


  • Debate sobre a concentração da mídia no Brasil e a utilização da internet


  • Apresentação de ferramentas:

- Facebook

- Twitter

- Youtube

 

Tarde:

Oficina prática – Destrinchando as redes sociais

  • Explorando o Facebook


  • Mobilizando pelo Twitter


  • O Google enquanto plataforma


  • Youtube e a força dos vídeos


  • Criando um blog e jogando tudo dentro!

Encerramento:


O  Lançamento do site da CUT Pará.

 

Joaquim Barbosa: O herói da pátria

 
Será que ele não leu esse capítulo da constituição?

Por Fábio Castro*
Ao constituir uma empresa com fins lucrativos nos Estados Unidos, em maio do ano passado, para obter benefícios fiscais na compra de um apartamento avaliado em R$ 1 milhão em Miami, o presidente do Supremo Tribunal Federal, Joaquim Barbosa, assumiu o risco de viver perigosamente; o Estatuto dos Servidores Públicos da União, em seu artigo 117, inciso X, veda a todos aqueles que exerçam carreiras de estado "participar de gerência ou administração de sociedade privada, personificada ou não personificada"; de acordo com os registros da Assas JB Corp, Barbosa é o presidente da sua offshore.