domingo, abril 05, 2020

Fortalecendo o MDB, família Faro racha o PT e militantes deixam o partido

Ao lado do casal Dilvanda e Beto Faro, Helder Barbalho vai cooptando bases e lideranças petistas.

Por Diógenes Brandão

Que o atual presidente estadual do PT fechou um acordo político e eleitoral que vem enfraquecendo o próprio partido em reforço à estratégia do MDB, partido do governador Helder Barbalho, os petistas mais esperançosos já sabem há tempos. O que talvez eles não imaginassem era que mesmo na condição de presidente do PT, Beto Faro iria deixar a estratégia eleitoral do partido em segundo plano, em nome de uma aliança fiel com a família Barbalho.

Nos últimos 15 dias, o PT perdeu vereadores e diversas lideranças municipais. 

O caso mais grave de esvaziamento do partido é em Cametá, município onde o PT já governou por duas vezes e onde pelo menos metade do partido, incluindo parte do grupo de Beto Faro, deixou o PT, em protesto e decepção com os rumos que foram levados pela força de cima pra baixo, de forma anti-democrática e unilateral do que a família Faro quis e implantou na marra.

O motivo da debandada geral, segundo fontes do blog, é a insistência de Beto Faro e sua esposa, a deputada estadual por ele eleita, Dilvanda Faro, em tentarem impor goela a baixo quem será o candidato da legenda no município. 

Não respeitando os chamados “ritos petistas", que incluem debates democráticos e prévias partidárias para escolha dos candidatos majoritários, o casal vem dizimando a estrutura do Partido dos Trabalhadores no Pará. Por isso, alguns dirigentes e lideranças começam a se manifestar. É o caso de Paulo Gaya, que disputou a presidência municipal do PT em Belém, nas últimas eleições internas do partido. 

Leia abaixo:



Um áudio que circula nos grupos de Whatssap é atribuído à liderança conhecida como Moreno, que foi candidato a presidente municipal do partido em Cametá e que também fazia parte da direção do PT estadual, indicado por Beto Faro.

Moreno se despede do partido e sem cerimônias expõe as vísceras autoritárias do grupo que hoje controla o PT.

Ouça o que o petista ligado ao grupo de Beto Faro, diz para a executiva estadual do partido:


Como se não bastasse perder o que tem, Beto Faro teria anunciado nos últimos dias, a entrada de diversas lideranças no PT, Wellinton Magalhães vereador de Belém e Jarbas Vasconcelos atual secretário do governo estadual, seriam algumas das novas aquisições do PT de Faro. 

Ao lado do deputado federal José Priante, presidente do MDB Belém e de Jader Barbalho Filho, presidente estadual do MDB, Jarbas Vasconcelos foi filiado ao partido, depois de muitas promessas de que seria filiado ao PT.

Vasconcelos chegou a ser anunciado em fóruns internos do partido como mais novo filiado. Mas na tarde de ontem, tanto Wellington, quanto Jarbas filiaram-se no MDB, com as bênçãos de Beto Faro, que também entregou o PT do Acará (cidade em que sua esposa, a deputada estadual Dilvanda Faro, foi candidata nas duas últimas eleições municipais e foi derrotada), para o MDB.


Para muitos petistas ouvidos pelo blog, causa decepção e surpresa o fato de que assim como Jarbas Vasconcelos, até às vésperas do prazo final para filiações partidárias de futuros candidatos, o tal do Pedrinho da Balsa, candidato de Beto Faro a prefeito do município do Acará, era anunciado como futuro candidato do PT e no fim foi filiado ao MDB.

Embora o esvaziamento do PT tenha um custo muito alto à organização partidária, há quem diga que Beto Faro negociou o partido em diversos municípios, com a promessa de que terá o apoio político, comunicacional e financeiro do MDB e de toda a estrutura do governo de Helder Barbalho e de suas empresas, para a disputa da única vaga ao senado, nas eleições de 2022, quando o senador Paulo Rocha deverá deixar o cargo e se aposentar da política, por motivos ainda não revelados.

Rocha há 6 anos é senador e nem a militância petista, muito menos a sociedade paraense, conseguem perceber algum resultado de seu mandato, o qual é considerado como um peso morto em Brasília e inútil para o país, embora caro e dispendioso.


Assista o vídeo de Beto Faro:

A polêmica filiação de Ursula Vidal no partido mais fiel a Bolsonaro



Por Diógenes Brandão

Tal como este blog anunciou em primeira mão, há quase seis (6) meses atrás, a Secretária Estadual de Cultura, Ursula Vidal anunciou nesta sexta-feira, 3, a sua filiação ao PODEMOS, seu quarto partido na carreira política. 

A jornalista que entrou pra política dizendo querer fazer diferente, ingressou no partido que Joaquim Campos deixou essa semana. Ontem, soube que além de colega de trabalho nas empresas de comunicação da família Barbalho - ele como apresentador de dois programas na TV RBA e ela como apresentadora de um programa na Rádio Clube - Ursula seria, como se confirmou ontem, sua correligionária e lá, candidata à prefeita de Belém.

POLÊMICA RECENTE

Além de radialista, Joaquim Campos é vereador de Belém e mês passado chamou a jornalista Patrícia Campos Mello, do jornal Folha de São Paulo, de 'vagabunda' em plenário da Câmara Municipal. A jornalista entrou na Justiça estadual de São Paulo contra o presidente Jair Bolsonaro (sem partido). 

JORNALISTA PROCESSA BOLSONARO


A ação pede indenização por danos morais por ofensas de cunho sexual, após o presidente dizer: "Ela [repórter] queria um furo. Ela queria dar o furo [risos dele e dos demais]", disse o presidente, em entrevista diante de um grupo de simpatizantes em frente ao Palácio da Alvorada. Após uma pausa durante os risos, Bolsonaro concluiu: "A qualquer preço contra mim".

SUSPENSÃO DE DUAS SEMANAS FOI VENDIDA COMO AFASTAMENTO

Já Joaquim Campos foi afastado das empresas da família Barbalho, logo após o governador Helder Barbalho se manifestar em suas redes sociais sobre o fato que rapidamente ganhou grande repercussão negativa na internet. 



OPERAÇÃO ABAFA O CASO


Seu primo, o presidente estadual do Podemos, deputado estadual Igor Normando também se posicionou sobre o caso e cantou a expulsão do vereador Joaquim Campos.


JOAQUIM AJUDOU IGOR NORMANDO, A PEDIDO DO MDB

Um mês e meio depois, ficamos sabendo hoje através do twitter do jornalista Gabriel Pinheiro, que Joaquim Campos teria sido expulso do partido, mas em ligação telefônica ao próprio vereador, ele disse ao blog que está surpreso e desconhece a informação, tendo ainda informado que essa semana enviou documento ao partido e ao TRE-PA, oficializando sua saída do PODEMOS e o retorno ao MDB, de onde saiu para, segundo ele, ajudar o vereador Igor Normando em sua campanha a deputado estadual, em 2018, quando ele, Joaquim Campos disputou uma vaga de deputado federal.


Ao blog, o vereador Joaquim Campos revelou que atendeu um pedido do MDB, para reunir seus candidatos a deputado estadual e juntos se filiarem ao PODEMOS para ajudar na eleição de Igor Normando. Segundo ele, seus candidatos somaram cerca de 27 mil votos para a chapa PHS-PP.

Ouça o áudio que Joaquim Campos gravou com exclusividade para o blog, na noite deste sábado, onde reafirmou que não sabia que estava filiado ao PODEMOS e só tomou conhecimento da fusão com o PHS, após a repercussão da polêmica sobre sua expulsão, que na verdade não aconteceu. 

Joaquim também disse que encaminhou o pedido de desfiliação e retornou ao MDB, partido onde foi eleito como o mais votado, mas que poderia ficar, pois como já disse, a propagada Comissão de Ética, que, em tese, avaliaria sua expulsão, nunca sequer o chamou para que ele apresentasse sua defesa e que se soubesse que Ursula Vidal iria se filiar no PODEMOS, ele sairia também, pois segundo suas próprias palavras "Não simpatizo com essa pessoa, não sei o que ela soma. Não sei nem o que ela é, nem pra onde vai e nem de onde ela veio. Política pra que? Eu não entendo, concluiu.

Ouça:



Os 41 deputados paraenses eleitos em 2018, receberam ao todo 4.017.948 votos, tanto nominais, quanto em legenda. O coeficiente eleitoral daquele ano, ficou em 97.998 votos. Ou seja, para eleger um deputado estadual, as coligações precisariam de pelo menos essa quantidade de votos. 

Igor Normando entrou na política em 2012, quando se candidatou a vereador de Belém, sendo eleito com 3.477 votos e 6.172 votos nas eleições de 2016, quando foi reeleito. Já em 2018, com a soma dos votos da coligação de seu partido com o PP, recebeu 25.443 votos e foi eleito deputado estadual. Pela sobra, com apenas 16.325 votos, o delegado Caveira também foi eleito deputado. 

Em uma rápida consulta no site do TRE-PA, apuramos que a coligação PP/PHS obteve 177.775 votos. Destes, o PHS teve 128.931 votos, com seus 38 candidatos. Já o PP recebeu 48.844 votos, com apenas 24 candidatos.


A FILIAÇÃO DE URSULA VIDAL

Em uma postagem nas suas redes sociais, Ursula Vidal confirmou o que esse blog havia previsto há 6 meses atrás. Leia:

"As decisões que venho tomando na caminhada política dizem muito sobre a maturidade necessária para construir projetos e soluções. E esta crença me leva a anunciar minha filiação ao PODEMOS. ⠀ ⠀ 

Recebi convites de vários partidos e tenho um sentimento imenso de gratidão por todos. Os convites me honram. Sinalizam que estamos trabalhando bem.⠀ ⠀ 

Considero importante manifestar à sociedade e aos que dão vida à política em Belém que a escolha de um partido não é o fim, mas o recomeço de uma jornada. E minha trajetória de vida tem sido marcada por recomeços que valorizam o diálogo, o respeito e a capacidade de construção entre os diferentes. ⠀ ⠀ 

Não abrirei mão de fazer a necessária composição política com todos os segmentos sociais, políticos, religiosos e ideológicos para derrotar o projeto vigente que governa nossa cidade. Sabemos que esta é uma das piores gestões que Belém já viu e que é preciso mudar. E para tirá-la do abandono em que está, é necessário construir um diálogo sólido e confiável. 

Ninguém faz nada sozinho".⠀

Abaixo, a trajetória partidária da atual secretária de cultura do estado do Pará, que tentou filiação no PT, PCdoB, PDT (onde gerou uma crise que abala o partido e será pauta de outra matéria) e o Solidariedade, mas acabou mesmo no PODEMOS, partido quem tem como liderança nacional o senador Álvaro Dias, o qual é considerado o mais fiel líder da direita brasileira em apoio ao presidente Jair Bolsonaro. No Pará, o PODEMOS é considerado um partido apêndice e satélite do MDB.

Filiada no PPS, durante o período de 2013 a 2015, Ursula disputou em 2014, a uma vaga de deputada estadual, quando obteve 5.653 votos e por isso teve sua primeira derrota eleitoral. Deixou o PPS e ingressou na REDE, partido em que permaneceu entre os anos de 2015 e 2018. 

Em 2016, Ursula disputou a prefeitura de Belém, quando recebeu 79.968 votos, ficando na quarta posição do pleito, chegando à segunda derrota eleitoral. Mesmo com todo o esforço da militância da REDE, durante toda sua campanha, a candidata abandonou seus companheiros e de forma unilateral declarou apoio ao então candidato Edmilson Rodrigues (PSOL), que por sua vez também foi derrotado por Zenaldo Coutinho, em uma eleição apertada.

Em fevereiro de 2018, Ursula Vidal se filia ao PSOL, onde adotou o discurso e as bandeiras da esquerda, passando a intensificar sua preferência ideológica pelo socialismo. No partido disputou sua terceira eleição, agora para o senado federal. Recebeu 585.344 votos, ficando em 6ª lugar entre os concorrentes. 

3 meses depois das eleições e com apenas 10 meses no PSOL, pediu desfiliação após ser convidada para ser para assumir a Secretaria de Cultura do Pará, onde está até hoje. 

Leia também: 

Helder nomeia petistas para atuarem como cabos eleitorais de Ursula Vidal




O cemitério hospitalar de Helder Barbalho

Depósito da SESPA está mais para um cemitério de equipamentos hospitalares, denuncia populares. Por Diógenes Brandão O escândalo ...