Pesquisar por palavra-chave

segunda-feira, abril 04, 2011

Um fantasma ronda o Palácio dos Despachos

No Blog do Deputado Bordalo.


Vocês se lembram do antigo caso Cerpasa, que durante a campanha de 2010 nós do PT levantamos como uma possibilidade de o eleitor perder seu voto? Pois é, agora o escândalo envolvendo uma série de supostas irregularidades na relação entre o governo anterior de Simão Jatene e a empresa volta com tudo.

Hoje li no blog da jornalista Ana Célia Pinheiro que a "faca" encontrou o "queijo". Leiam:

"Depois de sete anos de idas e vindas, o Caso Cerpasa, ao que parece, entrou nos trilhos.

No último 29 de março, o inquérito 465, no qual o governador Simão Jatene é acusado de corrupção, chegou ao gabinete do ministro Massami Uyeda, que integra a Corte Especial do Superior Tribunal de Justiça (STJ), encarregada de julgar governadores, desembargadores e outros figurões da República.
Massami assumiu a Corte Especial na cadeira deixada por Luiz Fux, que ascendeu ao Supremo Tribunal Federal (STF).

Paulista da cidade de Lins, 68 anos, Massami é doutor em Direito pela Universidade de São Paulo. Foi 
advogado militante e é juiz de carreira, daqueles que ralou para chegar aonde chegou.

Na internet, consta que os pais, imigrantes japoneses, criaram-no à moda da Terra do Sol Nascente, com valores como a honra e honestidade e seus samurais e haraquiris..."

O bicho vai pegar e a oposição estará atenta na ALEPA para tomar as medidas políticas, judiciais e administrativas conforme o desenrrolar dos acontecimentos.

O restante da postagem que pincei do blog A Perereca da Vizinha, você pode ler aqui. Lá você também encontrará um amplo dossiê a respeito do caso Cerpa (clique para ler). 

Niver do Bordalo

MST deflagra na Bahia o 1º ‘Abril Vermelho’ de Dilma


No Blog do Josias.

Leonardo Wen/Folha/Arquivo
O MST invadiu no final de semana, na Bahia, quatro fazendas. Até o final do mês, planeja empurrar militantes para dentro de cem propriedades.
Essas primeiras invasões ocorreram ao sul do mapa baiano. Duas na madrugada de sábado (2), nos municípios de Teixeira de Freitas e Alcobaça.
As outras duas, neste domingo (3), nas cidades de Itabela e Juruçu. Uma das propriedades ocupadas, a de Itabela, produz eucaliptos.
Plantada em 6,8 mil hectares, a madeira abastece uma fábrica de papel, a Veracel Celulose, no município vizinho de Eunápolis.
Repete-se em 2011 algo que já virou rotina, o “Abril Vermelho”. Neste ano, o MST invoca duas razões adicionais para reiterar o ciclo de invasões.
A primeira: no dia 17 de abril, o massacre de Eldorado dos Carajás (PA), que resultou na morte de 18 sem-terra, faz “aniversário” de 15 anos.
A segunda: Apoiada pelo MST na eleição de 2010, Dilma Rousseff ainda não se animou a conceder uma audiência ao movimento. Deseja-se pressioná-la.
“Já fizemos pedido de reunião com a presidente, mas não houve nenhuma resposta”, diz Gilmar Mauro, um dos coordenadores nacionais do MST
“Esperamos ser recebidos, ao menos, por ministros agora”, ele acrescenta.
A cúpula do MST está incomodada com o fato de ter evaporado da agenda do governo o tema que justifica o movimento:
“Desde o fim da eleição, o tema reforma agrária sumiu da pauta, e precisamos que ele seja retomado”, lamuria-se Gilmar.
“Garantimos que a pressão social vai aumentar”, avisa o grão-emeessetê.
Esse é o primeiro “Abril Vermelho” da Era Dilma. Além de invadir propriedades, planeja-se ocupar prédios públicos e marchar pelas ruas de grandes cidades.
No Planalto, cabe ao ministro Gilberto Carvalho (Secretaria-Geral da Presidência) manter contato com o sindicalismo e os movimentos sociais.
Em várias entrevistas, o ministro disse que não é intenção do novo governo “ciminalizar” os seus parceiros “sociais”. Porém...
Porém, Gilberto Carvalho também disse que, sob Dilma, não seriam toleradas ações que afrontassem a lei. Tem agora a oportunidade de demonstrar que falava sério.

Redes


Belo Monte: A propaganda da mixaria.


 
O anúncio pago do Consórcio "Norte Energia" que construírá o complexo da Usina de Belo Monte está estampado noss jornais locais de hoje, fazendo publicidade pela entrega de um ônibus, uma caminhonete algumas motos e outros equipamentos de segurança para a prefeitura de Altamira (PA).
Os presentes na verdade fazem parte do cumprimento das condicionantes da Licença Prévia de Belo Monte, impostos pelo Ibama.
Precisamos no entanto, dizer que falta construir escolas, postos de saúde e toda a infra-estrutura para receber operários e todos os profissioanais que irão construir mais uma grande obra no coração da amazônia.
Além disso, os impactos ambientais e sociais precisam de uma acelerada, haja vista o grande fluxo migratório que a obra começa a gerar para a região e assim não ocorra o que históricamente vem resultando com os grandes projetos amazônicos: Impactos ambientais irreversíveis e ausência de qualidade de vida para a população nativa.
Diante destes desafios, o maquinário entregue é sim uma mixaria.