Pesquisar por palavra-chave

terça-feira, outubro 29, 2019

Governo não quer, mas ALEPA estuda reduzir o ICMS para baratear a conta de luz

Eliel Faustino propõe reduzir o ICMS, o imposto estadual que mais encarece a conta de energia dos paraenses.

Por Diógenes Brandão, com informações de Hanny Amoras, correspondente do Blog do Zé Dudu, em Belém.

Muita gente só sabe criticar a classe política. Outros são pagos para bajular políticos através de seus veículos de comunicação, o que deixa muitas publicações repletas de um merchandising que oculta o marketing político feito através de matérias jornalísticas.

Mas um debate acalorado sobre o custo da energia elétrica cobrada dos consumidores paraenses ocorreu na ALEPA, nesta terça-feira, 26 e merece destaque neste blog.

Como a partir de sexta-feira, dia 1° de Novembro está previsto o início da bandeira  vermelha, que aumenta a tarifa da energia em todo o país para o patamar 1, as concessionárias passarão a  cobrar R$ 4,169 a mais por cada 100 quilowatts-hora consumidos, os deputados estaduais decidiram se mexer enquanto é tempo e irem à Brasília, onde pretendem sensibilizar a bancada paraense a lutar para que a conta do consumidor paraense não fique mais cara, haja vista que o nosso estado tem um superávit na produção de energia limpa, através das nossas hidrelétricas. O esforço dos deputados é louvável e atende os interesses da população paraense e recebe os aplausos deste blog.

Além das críticas à Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel), os deputados também debateram as possibilidades do governo estadual contribuir para a redução de impostos que incidem na conta final paga pelo povo paraense.

Um dos parlamentares que mais tem batido nessa tecla, apontou um debate que o governo de Helder Barbalho tem fugido como o diabo foge da cruz: A redução do ICMS, um dos principais responsáveis pelo preço caro da energia elétrica fornecida pela CELPA.

“Tem solução. A primeira é reduzir o ICMS”, sugeriu Eliel Faustino. Sobre a bandeira tarifária, ele disse considerar “uma aberração” porque o consumidor paga imposto também sobre a bandeira.

“Para nós, é um absurdo. A Amazônia contribui fortemente com energia e não recebemos nenhuma contrapartida (do governo federal) para isso, uma vez que o imposto é tributado sobre o consumo”, criticou Faustino. 

Para o parlamentar, a bandeira tem que ser regionalizada do contrário o Norte continuará pagando pelos prejuízos do centro-sul do País. “Não é justo termos custo social; não é justo termos custo ambiental e ainda pagarmos a maior tarifa”, protestou Eliel Faustino, que acusou as concessionárias de energia de, na prática, ditarem as normas no Brasil para auferir mais lucros. “Quem manda na Aneel são as distribuidoras”. 

Outros deputados também se manifestaram, tanto na tribuna, como em entrevistas, com críticas à CELPA, ANNEL, o governo do Estado e a legislação brasileira, que faz com que o Pará tenha que ser solidário na divisão dos altos custos da energia em regiões do país que não produz, mas que precisa consumir, em um momento em que  o volume de água em muitos rios utilizados pelas usinas hidrelétricas baixam e consequentemente, os níveis de produção de energia caem e acabam forçando o aumento da tarifa, bem como do uso de usinas térmicas, que encarece e polui.

Leia aqui, a matéria do blog do Zé Dudu.

segunda-feira, outubro 28, 2019

Blogs pagos por Helder Barbalho passam vergonha por espalharem Fake News



Por Diógenes Brandão


Na última quinta-feira, 24, a página Política Pará recebeu a informação de que o 'Repórter Secreto' do quadro "Cadê o dinheiro que estava aqui", do Fantástico, havia sido visto em Belém. O nome do jornalista seria um, mas é outro. Fonte juramentada do blog AS FALAS DA PÓLIS afirma que não é Maurício Ferraz e sim Eduardo Faustini. 

A informação foi usada por um blog amador, famoso por ser criado recentemente por um ex-tucano, hoje assessor da Casa Civil de Helder Barbalho, cada dia mais famoso por produzir matérias contra todos os adversários dos governantes para que se presta o papel de bajulador e caluniador. Na lista de políticos, que vai de Zenaldo Coutinho, Simão Jatene, Manoel Pioneiro e agora Helder Barbalho, esse blogueiro plagia textos, copia e cola em seu blog e redes sociais, desconfigurando o conteúdo alheio e manipulando as informações com sua interpretação enviezada, quando não está a  reproduzir tudo que for positivo daqueles que lhe pagam, como o atual governador.

Em contrapartida, além do DAS, regalias e presença em eventos da família Barbalho, o blogueiro ganhou esse ano dois patrocínios: Um do governo do Estado e outro do Banpará. Há quem diga que juntando tudo, são quase R$20.000,00 dos cofres públicos do estado para a bajulação do governador e a difamação alheia. 

Sem nenhuma informação confirmada, o blogueiro DAS afirmou que a reportagem do Fantástico denunciaria algo sobre o BRT Belém. Outro apresentador de programa de rádio e TV também entrou na onda. A prefeitura de Belém produziu matéria negando a informação e a acusou de Fake News. 

Ontem vimos a verdade dos fatos: A reportagem do Fantástico foi sobre uma maternidade particular em Belém e nada tem a ver com hospitais públicos municipais ou estaduais, nem tão pouco com o BRT Belém. Assista aqui.


Resumindo: Helder patrocina blogs, sites, portais, rádios, tvs, revistas, jornais, entre eles, o da família, que recebe mais que os demais, para ser bem falado, bajulado e ao mesmo tempo atacar todos que ele teme como possíveis adversários. O medo é considerado infantilidade, tanto dele quanto do irmão, que decide o valor de cada um. 


Mesmo assim, ele não consegue e nem conseguirá ajoelhar a todos e mais uma mentira foi desmascarada, mas o financiamento deste tipo de "blog chapa branca" continuará. 

Não se sabe até quando!

sexta-feira, outubro 25, 2019

O pacote de maldades de Helder Barbalho contra os servidores públicos do Pará

Helder baixa decreto de austeridade fiscal para os servidores públicos, mas mantém regalias e aumenta verbas para si, os seus aliados e as empresas da sua família.


Por Diógenes Brandão

Nos 13 anos em que este blog pratica o jornalismo, na sua mais árdua tarefa de informar a sociedade sobre o que se passa no campo político, envolvendo notícias que quase nunca são divulgadas sobre partidos, gestores, parlamentares e demais elementos deste metiê, chegamos em 2019 como um dos mais acessados no Pará, sobretudo na região metropolitana, com nome e sobrenome e sem nunca ter tido sequer uma condenação em processos judiciais, apesar de contrariar interesses políticos de muitos poderosos que usam deste instrumento legal para tentar silenciar aqueles que ousam denunciá-los ou revelar seus esquemas e negociatas.  

Ao apontar erros e mentiras dos governos estadual e federal e também das prefeituras de todo o Pará - até porque para falar bem, eles têm a área do marketing e da propaganda, muito bem estruturada com verba pública - cumprimos nosso papel de contribuir com o controle social e de fiscalização garantido pela Constituição Federal.

É notório que tanto o presidente, quanto governadores e todos os prefeitos, estão sujeitos à fiscalização da imprensa, que é uma tribuna livre da população, afinal, jornalismo é oposição, todo o resto é armazém de secos e molhados, como disse o grande Millôr Fernandes.


Tendo como ponto de partida que nosso compromisso é com a verdade dos fatos, praticando jornalismo investigativo, muitas vezes somos acusados de servir a alguém, de ser pago para revelar esquemas, ou cobrar promessas feitas em campanhas eleitorais, já que para revelar algo, prejulga-se que existem sempre uma oposição interessada nos efeitos da divulgação do que estava oculto.

É óbvio que esse tipo de acusação se escora em exemplos de maus profissionais da comunicação, empresários sem escrúpulos, jornalistas sem caráter e independência ç, entre outros que se aventuram em atividades espúrias neste segmento.

Mas temos nesses anos os depoimentos e comentários de milhares de leitores e colaboradores deste blog, que nos dão a plena convicção de que adotamos o compromisso com a transparência dos atos de governos e seus asseclas, respaldados pelo interesse popular e estamos respaldados por leis vigentes no país, pois as revelações da imprensa livre vem colocando muitos corruptos na cadeia, ainda que não seja suficiente atingir apenas a classe política, já que, por exemplo, corruptos que habitam o poder judiciário dificilmente tem o mesmo julgamento e condenação que os têm os políticos e empresários que se locupletam no poder.

Diferente da maioria dos veículos de comunicação em nosso estado, que mantêm suas pesadas estruturas funcionando, gerando lucros e vida luxuosa e confortável aos seus proprietários, obviamente dificilmente noticiam esses erros e falácias dos governantes, fechando um ciclo perigoso de erros e acobertamentos, por conta dos gordos contratos de publicidade com o governo.

Onde está a crítica jornalística séria e apimentada, que um dia caracterizou o jornalismo paraense? Poucos são aqueles jornalistas que são vistos exercendo sua missão profissional desde Janeiro.

Recentemente, desmascaramos uma farsa em forma de promessa do governador Helder Barbalho, que no começo de seu governo jurava que estava 2.500 assessores para gerar uma economia de 52 milhões de reais e provamos que tudo não passou de um jogo de cena de início de governo, em busca de vender a imagem de que faria um governo de austeridade. 

Pura mentira! Dois meses depois ele já havia recontratado mais de 4.000 novos temporários, sem contar com os que entram na máquina pública através dos PSSs, ao invés dos concursos públicos. Para poder afirmar isso, este blog em parceira com dois jornalistas realiza um exaustivo levantamento destas nomeações através do monitoramento do Diário Oficial do Estado.

Hoje vamos analisar mais um desses espetáculos de marketing que o governador Helder Barbalho protagoniza. 

Ele baixou o decreto 367 em 23 de outubro, quarta-feira passada, publicado no dia 24, no Diário Oficial do Estado. Com toda pompa e sisudez aparente, ele diz que serão adotadas medidas de austeridade para o “reequilíbrio fiscal e financeiro no âmbito dos órgãos e entidades da administração” estadual.

Entre essas medidas, diz que estarão suspensos novos contratos, obras, concursos públicos, locação de veículos, contratação de buffet. 

Quem está habituado a ler nas entrelinhas as leis brasileiras, entende rapidamente o que é que realmente está por trás desta iniciativa, ou melhor, escondido no meio. 

O verdadeiro objetivo são medidas de arrocho contra o funcionalismo, que ele não teria coragem de editar com esta única finalidade. Na tentativa de evitar que os servidores se rebelem, ele embute este arrocho num decreto aparentemente austero.

Hoje em dia não cola mais aquele discurso de que a remuneração do funcionalismo é um ônus pesado demais para o governo. A sociedade sabe que a verdadeira força de qualquer gestão governamental são as pessoas que carregam nas costas os deveres constitucionais que o Estado precisa cumprir.

Isso sem falar que Helder Barbalho já deu diversas declarações de que é favorável e até pediu em carta assinada com outros governadores, que o presidente Jair Bolsonaro incluísse os servidores públicos estaduais e municipais na proposta de Reforma da Previdência enviada para o Congresso pelo governo federal.

Logo ele que nunca teve a carteira de trabalho assinada. Nunca teve outra profissão a não ser a de político, eleito com a ajuda de seu pai e com muito dinheiro das empresas da sua família, construídas com o tráfico de influência e dinheiro sabe-se lá de onde, haja visto que o patrimônio dos Barbalho é incompatível com os salários que a família ganha nos cargos públicos que se repetem por cinco décadas no poder.

Vejamos o que diz o terceiro item do artigo 2o. do Decreto 367, sobre as práticas suspensas pelo governador:

III - a contratação de serviços de bufê, locação de espaço, iluminação, sonorização, equipamentos de palcos e palanques e demais despesas afins.

Ou seja, eventos de natureza esportiva e cultural não podem ter palanques e palcos, mas o governador pode, demonstrando que para o atual governo é muito mais importante marketing governamental do que a cultura popular paraense.

Logo em seguida, os itens IV e V e o artigo 4o. revelam o verdadeiro foco do governador, no seu rol de proibições:

IV - a concessão de horas extras aos servidores públicos estaduais (...)

V - a reestruturação ou qualquer revisão dos planos de cargos e empregos  públicos e salários dos servidores (...)

Art. 4º A licença para tratar de interesse particular somente poderá ser autorizada em situações que não gerem a necessidade de substituição do servidor (...)

Não dá pra acreditar que justamente este governo vai suspender contratos, licitações, obras, locações, porém é óbvio que no que se refere ao arrocho contra servidores, vai rolar.

E assim, entre uma pirotecnia e outra, o Pará vai se distraindo e esquecendo de cobrar resultados dos seus governantes, contentando-se com o que lê e ouve na grande mídia.

Como disse Chico Buarque: "Dormia, a nossa pátria-mãe tão distraída, sem perceber que era subtraída em tenebrosas transações".

quinta-feira, outubro 24, 2019

A farra das viagens no governo Helder Barbalho

Ursula Vidal vai tirar férias entre Janeiro e Fevereiro de 2020, mas já teve sua portaria publicada com 3 meses de antecedência. Estranho, não?

Por Diógenes Brandão

Não é de hoje que os poucos veículos de comunicação que não estão na folha de pagamento da verba publicitária - que passou de 30 para 40 milhões/ano e que vem sendo usada pelo governador Helder Barbalho para abafar denúncias e críticas à sua gestão - vem denunciando a verdadeira farra de viagens do governador e seus assessores.

Tudo com direito a passagens aéreas, diárias em hotéis 5 estrelas, almoço, lanche e janta em restaurantes de luxo, além de transporte vip nos locais para onde se deslocam.

Entre os felizardos, a Secretária de Cultura, Ursula Vidal, o Secretário do Sistema Penitenciário, Jarbas Vasconcelos e a Secretária-Adjunta de Comunicação, Vera Oliveira, que esteve outro dia nos EUA e antes no Rio de Janeiro, durante 4 dias em que ocorria o Rock in Rio. Há quem diga que ela esteve no evento acompanhada de um assessor, que sempre a acompanha em viagens oficiais.

Tudo isso, claro, com o dinheiro do contribuinte. Ou seja, o meu, o teu e o que entra nos cofres públicos, através dos nossos impostos.

Veja as portarias que o governo é obrigado a publicar, nas letrinhas minúsculas do Diário Oficial do Estado.


Além dela, o Diretor de Desenvolvimento da Indústria, do Comércio e de Serviços Francisco Vitor de Souza Pantoja Nunes, o Secretário-ajunto da SEDAP, Lucas Vieira Torres e uma assessora passarão 8 dias em Paris, capital da França participando de um evento chamando Salon Du Chocolat 2019. 

Detalhe: As portarias para essa viagem para a feira de chocolate francesa estão sendo publicadas em dias diferentes. Duas ontem e uma hoje. 

Para um advogado consultado pelo blog, talvez o objetivo dessa manobra seja dificultar a transparência do número de assessores que o governador envia nessas viagens ao exterior.


O que isso vai trazer de ganhos para a população paraense?

Já Jarbas Vasconcelos, que de superintendente, será Secretário Penitenciário do Estado, mesmo após inúmeras denúncias de ser conivente e autorizar a prática de torturas dentro dos presídios do Pará, vai pra Portugal estudar um pouco mais. Resta saber de com ou sem ônus para os cofres públicos.



Já no caso de Ursula Vidal, que vai tirar férias entre Janeiro e Fevereiro de 2020, uma curiosidade no mínimo de causar estranheza até nos antigos operários da gráfica onde era impressos os Diários Oficiais: Tudo bem que até lá ela já terá um ano como secretária e por isso tem direito de gozar suas férias. Mas publicar com quase três meses de antecedência a portaria? 

O que esse fato inusitado esconde?


terça-feira, outubro 22, 2019

O 4° partido de Ursula Vidal em menos de 4 anos

Depois de passar pelo PPS, REDE e PSOL, Ursula Vidal está sendo orientada a se filiar ao PODEMOS, que pode ser o 4° partido da jornalista, em menos de 4 anos.


Por Diógenes Brandão

Atual Secretária de Cultura do Pará, a jornalista que entrou para a política dizendo querer fazer diferente, já passou por três legendas partidárias e agora pode se filiar ao partido comandado pelo primo do governador Helder Barbalho.

A orientação é de Jader Barbalho Filho, que recentemente assumiu a presidência estadual do MDB e vem sendo o operador de estratégias políticas que ajudem seu irmão a consolidar a reeleição em 2022.

Com o objetivo de disputar a prefeitura de Belém, como uma das candidatas do atual governador, Ursula está tendo sua filiação ao Podemos, que no Pará fundiu-se ao PHS, facilitada pelo deputado estadual Igor Normando, primo legítimo de Helder Barbalho e presidente estadual do partido.

PPS, REDE, PSOL e agora o PODEMOS

Ursula teve sua primeira filiação partidária no PPS, onde saiu candidata a deputada estadual em 2014, mas não se elegeu. Derrotada, deixou o partido para tornar-se a líder da REDE no Pará e disputou a prefeitura de Belém em 2016, quando ficou em 4° lugar. 

Deixou a REDE em fevereiro de 2018 e filiou-se ao PSOL. Lá, com discurso do partido do Socialismo e Liberdade, abriu mão de se candidatar ao governo e disputar contra Helder Barbalho, mas ganhou um emprego como radialista na Rádio Clube, onde passou a apresentar um programa e concorreu a uma das duas vagas ao senado, mas ficou em 6° lugar.

Logo após as eleições, em Dezembro do mesmo ano, depois de 10 meses de forte ligacão ideológica ao PSOL, deixou o partido para receber a promessa feita por Helder Barbalho de assumir a Secretaria de Cultura do Estado em 2019. 

Agora tem até o final de Abril para ser apresentada como uma das pré-candidaturas do governador Helder Barbalho para a prefeitura de Belém, no PODEMOS, partido que serve de satélite e aos interesses do MDB paraense, controlado pela família Barbalho. 

domingo, outubro 20, 2019

Em 10 meses, Helder Barbalho mente e troca concursos por 42 PSSs

Helder Barbalho: É um governo que prega uma coisa e faz outra, é o que dizem Concurseiras e Concurseiros.


Com o Edital 002, da Companhia de Saneamento do Pará, o Governo Helder Barbalho chegou a 42 Processos Seletivos Simplificados , em menos de 10 meses de gestão. Mais de 3.000 novos contratos temporários. Concurso Público, somente um - professor da UEPA.  

É um governo que prega uma coisa e faz outra, é o que dizem Concurseiras e Concurseiros. Midiaticamente, anunciou a exoneração de 2.500 ocupantes de cargos comissionados, ao chegar ao Palácio dos Despachos. Através de seu gabinete e da Casa Civil já nomeou mais de 4.000.  

No Decretão de janeiro/2019, determinou o corte de 20% dos temporários . Através dos abusivos PSSs, a administração Estadual já abrigou mais de 3.200 servidores.  Sem falar que está fazendo PSS para entidades com Termo de Ajuste de Conduta pactuado com o Ministério Público do Estado, e que tem organizadoras de Concursos com contratos assinados, mediante Concorrências Públicas realizadas no governo anterior, com a maior transparência, embasadas em critérios de técnica e preço. 

É o caso da FUNDAÇÃO SANTA CASA, GASPAR VIANA, OPHIR LOYOLA E SESPA. E os ditos Concurseiras e Concurseiros lamentam que o MPPA e o TCE a tudo assistem, inertes.

quarta-feira, outubro 16, 2019

COPEN emite Nota de Repúdio contra Jarbas Vasconcelos



Por Juliana Fonteles* 

O Conselho Penitenciário do Estado - COPEN repudia com veemência a atitude do Superintendente do Sistema Penal do Pará, Sr. Jarbas Vasconcelos, consubstanciada no projeto de Lei nº 316/2019 que pretende alterar a atual composição do COPEN, esvaziando totalmente sua atividade fiscalizadora e que será submetido à votação da Assembléia Legislativa do Estado do Pará na próxima semana.  

Conforme o referido Projeto, o Superintendente da SUSIPE pretende de forma totalmente antirepublicana interferir na atuação do Copen retirando de sua composição os assentos atuais da Ordem dos Advogados do Brasil e, pior, o coloca como Presidente do mesmo Conselho que tem a finalidade de fiscalizar a sua atuação.  

Na atual configuração do COPEN há total independência de seus Conselheiros para pontuar os excessos e eventuais distorções na aplicação da Lei de Execução Penal, circunstância essa que é fundamental para a transparência da Gestão Pública, controle externo sobre a atividade estatal e equilíbrio das funções de Estado.  

Ao pretender alterar a Legislação para colocar-se como Presidente do Copen, que é um órgão que tem como função primordial fiscalizar suas próprias ações, o Superintendente da SUSIPE demonstra total desrespeito com as entidades que o fiscalizam por determinação legal, assim como escancara sua vocação ao autoritarismo e à falta de auto crítica, caracterizando total falta de maturidade republicana para lidar com as demais entidades que têm o dever legal de apontar eventuais ponderações às políticas que devia implementar de forma democrática.  

Infelizmente, a pretensão autoritária do Superintendente é tão imatura que é inevitável que a mesma ocorra justa e coincidentemente logo após as inúmeras denúncias de torturas e maus tratos verificadas nos cárceres da Susipe comandada pelo Senhor Jarbas Vasconcelos.  

De fato, as inúmeras denúncias feitas após a realização de 4 inspeções realizadas pelo Copen, com a coleta de inúmeros vídeos e depoimentos de detentos, assim como o ajuizamento de várias ações por parte do Ministério Público Federal em que são comprovados e relatados inúmeros maus tratos e sevícias físicas e psicológicas por parte da Força Tarefa de Intervenção Penitenciária (FTIP) com a total cumplicidade da Susipe tiveram impacto nacional que traz uma verdadeira nódoa à Gestão implementada pela SUSIPE no Estado do Pará.  

Não há coincidência entre as referidas denúncias e a proposta de esvaziamento e controle do COPEN por parte do Superintendente da Susipe, mas sim, a mais pura e abjeta retaliação pessoal que deveria ser abominada pelos agentes públicos.  

Por último, é lamentável ainda que a retaliação seja tamanha a ponto do Superintendente da Susipe que foi Presidente da Ordem dos Advogados do Brasil, Seção Pará simplesmente retirar a obrigatoriedade da participação dos representantes da OAB no Copen, bem como os assentos dos representantes da Defensoria Pública da União DPU e do Conselho Regional de Medicina CRM, demonstrando total desprezo com a instituição que presidiu, situação esta que só demonstra a lamentável característica de incapacidade de estabelecer laços republicanos entre as instituições.  

Por tais motivos, e por insistir em utilizar-se de instrumentos legais para retaliar descontentamentos pessoais, flertando de forma acintosa com a improbidade administrativa, não há outro caminho ao Copen que não seja o de REPUDIAR veementemente a proposta do Projeto de Lei no 316/2019 que altera a estrutura do COPEN e conclamar o Governo do Estado a retirar do Projeto a parte referente a reestruturação do Copen ou aos Deputados Estaduais para que votem de forma contrária a esta parte do Projeto, mantendo-se a atual independência do COPEN.  

Belém, 16 de outubro de 2019.

*Juliana Fonteles é presidente do Copen

terça-feira, outubro 15, 2019

Barbalhos na ALEPA recebem mais de 29 mil, quase o mesmo que o governador

Lista de parentes do governador com cargos públicos aumenta. Nepotismo cruzado e a velha política dos privilégios aos amigos e familiares dos poderosos, mantém o coronelismo político no Pará.


Por Diógenes Brandão


Em Maio deste ano, o blog AS FALAS DA PÓLIS trouxe com exclusividade, a lista de parentes do governador Helder Barbalho, nomeados no governo do Estado, em cargos temporários, aqueles em que osortudos não precisam fazer concursopara tornarem-se servidorepúblicos. Ou seja, entram pela janela da imoralidade e do nepostismo cruzado, tão comum na velha política coronelista ainda presente no Brasil e sobretudo no Pará.



Hoje o blog recebe outra lista com mais parentes do governador, agora nomeados em diversos espaços da ALEPA. 

Clique na imagem abaixo para ampliar:


Como você pode ver, há parentes do governador nomeados em diversos espaços da ALEPA, inclusive lotados em gabinetes de deputados, como o Chicão (MDB), Ozório Juvenil (MDB) e Fábio Figueiras (PSB). 

Entre os parentes do governador Helder Barbalho, há quem chame atenção pelo valor do salário recebido. É o caso de Luiz Guilherme Fontenele Barbalho, que tem como valor bruto em seu contra-cheque, a bagatela de R$ 44.486,49, mas que devido o redutor constitucional, recebe R$ 29.733, 42 reais por mês. Fora o Ticket Alimentação, Auxílio Gasolina, Diárias para viagens, com hospedagem em hotéis, alimentação, passagens de avião, ônibus e barcos (quando necessário) pagas com o dinheiro do contribuinte. 

Outra Barbalho abençoada com um super-salário da ALEPA é a Júlia Cristina de Oliveira Barbalho, que embolsa todo mês o valor líquido de R$ 26.477,93 reais, fora os demais benefícios já mencionados acima.




sexta-feira, outubro 11, 2019

Justiça peita Helder Barbalho e derruba proibição de advogados de entrarem nas prisões paraenses

Sérgio Moro visita a penitenciária de Americano, onde a tortura é praticada diariamente pelo regime implantado por homens da força-tarefa de intervenção penitenciária, que enviou a pedido de Helder Barbalho, que aplica a política de Bolsonaro nas prisões do Pará.

Por Diógenes Brandão

Apesar de o secretário extraordinário para Assuntos Penitenciários do Pará, Jarbas Vasconcelos ter afirmado que nenhum relatório de inteligência indicava que um ataque de grandes proporções estava próximo de acontecer em Altamira, a alta cúpula da segurança pública paraense já monitorava as ações do Comando Vermelho e sabia que o grupo estava decidido a investir sobre as áreas do PCC. 


Assim, no dia 29 de Julho sob o conhecimento da diretora do presídio, a advogada Patrícia Abucater, aconteceu aquilo que ficou conhecido como Massacre de Altamira. O fato abalou a imagem que o governador Helder Barbalho tenta construir, na qual ele diz estar resolvendo o problema da violência no Pará, depois de ter assumido o poder e por isso, solicitou ao ministro da justiça e segurança, Sérgio Moro, o apoio da Força-Tarefa de Intervenção Penitenciária (FTIP), que foi denunciada por praticar tortura e maus tratos aos presos custodiados nos presídios paraenses. 


Com as denuncias, o superintendente da SUSIPE, Jarbas Vasconcelos decretou as portarias nº 882, 889 e 994/2019, que proibia a entrada de advogados nas unidades prisionais do estado do Pará. 


No dia 04 de outubro, em frente ao Fórum Criminal, em Belém, o Sistema OAB Pará realizou ato em defesas das prerrogativas da advocacia.

Assista o vídeo:


"Hoje, o desembargador Mairton Carneiro, do Tribunal de Justiça do Pará suspendeu a decisão de juiz da Vara de Execução Penal, que proibia impedia o ingresso de advogados nos presídios de Americano, Ananindeua e Marituba. A portaria de proibição foi editada no começo de agosto passado pelo secretário de Assuntos Penitenciários do Pará, o advogado e ex-presidente da OAB no estado, Jarbas Vasconcelos. A decisão do desembargador atende a um mandado de segurança da OAB, seção do Pará", noticiou o Ver-O-Fato, após comunicado expedido pela entidade.

No dia 19 de agosto, um agente da força federal de intervenção penitenciária, solicitada pelo governador Helder Barbalho foi acusado de apontar sua arma na cabeça de um cabo dos Bombeiros chamado Arley, custodiado no CECRAN - Centro de Reclusao Coronel Anastácio das Neves. Essa foi mais uma denúncia de tortura, maus tratos e humilhação contra policiais custodiados naquela unidade prisional. Os policiais presos na unidade, denunciaram em carta ao presidente Jair Bolsonaro que estão sendo brutal e sistematicamente submetidos a diversas humilhações. Leia em Tortura e humilhação contra policiais presos no Pará.

segunda-feira, outubro 07, 2019

O que ele disse

Ex-senador manda recado para o ministro Sérgio Moro.

Por Mário Couto

Sérgio Moro em Belém.

Ah, Ministro Sérgio Moro! 

Vc que gosta tanto de justiça, precisava conhecer a história deste estado tão sofrido por este mal chamado "CORRUPÇÃO". 

Poderíamos ser o maior estado do Brasil, se não fosse os poderosos corruptos.

Trazer segurança para Ananindeua é ótimo, maravilhoso, mas quando retornares para Brasília manda prender os corruptos deste estado querido. Só assim poderemos ser felizes.  

Paysandu: A maior invencibilidade do Brasil rumo ao tri da Copa Verde

Invicto em jogos com o rival, Paysandu comemora mais uma vitória contra o Remo, time que desclassificou duas vezes esse ano.

Por Paysandu Sport Clube

Somos obcecados por vitória. 

Temos um vício chamado trabalho. E uma corrente que nos une para proteger e lutar pela família que construímos ao longo da temporada. Família essa chamada Paysandu, formada por diretoria, funcionários, comissão técnica e atletas. Falamos pouco, ralamos muito. 

grande objetivo do ano nos foi tirado na marra, de forma injusta, mas a nossa marca está aí: já são 21 jogos de invencibilidade. Temos muitos empates, é verdade.

Por outro lado, somos duros na queda. Não nos entregamos jamais, nem mesmo quando sofremos um baque nos últimos instantes. Por isso, em 41 partidas no ano inteiro, temos apenas cinco derrotas – duas delas para o Internacional-RS. Nossa invencibilidade é a maior do Brasil. 

Somente três times conseguiram fazer dois gols contra a gente no mesmo jogo. E o que dizer do nosso retrospecto em Re-Pa? Seis clássicos, três vitórias, três empates, nove gols marcados e três sofridos. Eliminamos o rival de duas competições. Agora a busca é pelo tricampeonato da Copa Verde.

Pela quinta vez, em seis edições, nós chegamos à final. Temos mais de 75% de aproveitamento na história do torneio, com 44 partidas, 27 vitórias, 13 empates e quatro derrotas. Vamos nos dedicar ao máximo por mais essa taça!

#Payxão
#PSC 
#TodosPeloTri 
#CopaVerde2019


O QUE REVELAM AS ELEIÇÕES PARA OS CONSELHOS TUTELARES?



Por Luciano Pimentel de Oliveira*

Hoje fui votar nas eleições para os conselhos tutelares. 

Votação em cédula, filas intermináveis, improviso, muito calor… 

Aliciamento de eleitores, ônibus despejando gente para votar, lugar marcado nas filas infinitas, hinos religiosos entoados. Pastores conduzindo fiéis com bíblias nas mãos. Crianças passando de colo em colo pra furar a ordem da votação. Nenhuma fiscalização efetiva. Não houve nenhuma preparação das autoridades responsáveis para a onda de interesse nestas eleições que foi se formando nas últimas duas semanas.   

Vi o que aconteceu, mas há relatos semelhantes por todo o Brasil. 

A expectativa é que a quantidade de votos pelo menos quadruplique na comparação com a eleição de quatro anos atrás.  

O que está em jogo é muito mais do que a eleição para os conselhos tutelares. 

A grande maioria dos eleitores certamente pouco sabe sobre seu funcionamento, seus problemas e sua importância. Sequer sabia que eles existiam até poucos dias atrás.  

A disputa sem precedentes neste ano, em primeiro lugar, tem a ver com o fato de que é a segunda oportunidade de uma eleição unificada em todo o Brasil. A primeira foi em 2015, com muitos percalços. 

O fato de ser unificada deu a uma eleição pouquíssimo lembrada quase que um caráter plebiscitário, sobre aqueles que estão de acordo com a política de destruição do legado da Constituição de 1988 e aqueles que defendem a manutenção dos direitos lá previstos e regulados pelo Estatuto da Criança e do Adolescente.  

O pacto social de 1988 não mais existe. Morreu em algum momento desta década que vai se findando. 

Agora, qualquer disputa eleitoral se tornou uma disputa ideológica, de concepção de mundo, onde o moralismo, o conservadorismo, diversas fobias, interpretações fundamentalistas da Bíblia se enfrentam com as forças que ainda buscam o fortalecimento dos espaços democráticos de atuação da sociedade civil, o Estado laico, a República como princípio fundamental de convivência entre nós.

Fundamental para os movimentos progressistas avaliar o resultado destas eleições de hoje. 

Não dá para saber ainda se as candidaturas que defendem o ECA se sairão melhor do que nas eleições anteriores. A mobilização entre nós foi muito forte, mas a mobilização do outro lado foi também de grandes proporções.

*Luciano Pimentel de Oliveira é professor e escritor em Muaná, Marajó, Pará.

sexta-feira, outubro 04, 2019

Parauapebas: Arrecada muito e o povo vê pouco no município de Darci Lermen



Por André Santos


A Prefeitura de Parauapebas vai receber R$ 73,77 milhões em royalties de mineração em outubro, montante recorde para um mês "normal" de produção na indústria extrativa mineral do município. Somados aos R$ 63,5 milhões dos royalties de setembro, ainda não creditados, R$ 137 milhões vão cair na conta administrada pelo prefeito Darci Lermen de uma lapada só. Esse valor é superior à receita anual inteira de 110 das 144 prefeituras paraenses.

quarta-feira, outubro 02, 2019

Edmilson Rodrigues se derrete à promessa de Helder Barbalho

Pré-candidato a prefeito de Belém pela 5ª vez, Edmilson Rodrigues se derrete em elogios à promessa de Helder Barbalho. 

Por Diógenes Brandão

No jornal da manhã da rádio Cultura FM desta quarta-feira, 2, uma matéria em que o governador Helder Barbalho prometeu entregar um novo pronto-socorro a Belém, dessa vez no bairro do Benguí, uma declaração elogiosa e no mínimo inusitada, ganhou destaque no programa. 

Trata-se da fala do deputado federal Edmilson Rodrigues, do PSOL, partido em que os dirigentes juram aos seus filiados que é oposição ao atual governo do MDB, o qual até o ano passado era chamado de golpista, por toda a esquerda. Hoje não mais.

Ouça o áudio abaixo e depois voltamos:



Ouviu? 

Pois é.

Para quem não viveu em Belém nas últimas décadas, pode soar com naturalidade e até ser digno de parabenização ao parlamentar do PSOL paraense, o fato dele saudar a promessa de construção de uma nova e necessária estrutura de saúde na capital do estado, a qual necessita e ajudaria a desafogar a demanda de pacientes que buscam outros hospitais públicos em Belém.

No entanto, o que estranha boa parte daqueles que conhecem o comportamento de Edmilson Rodrigues, diante de governos anteriores e saber que nunca na história deste país, ele foi tão generoso e cordial com uma promessa política como essa, sobretudo do governador do estado e, principalmente, de um partido que ele diz ser oposição.

Se algum eleitor paraense ainda tem dúvidas, que se atente e não se deixe enganar, pois assim como todos os partidos de esquerda no Pará, o pré-candidato pela quinta vez à prefeitura de Belém, mantém uma relação de submissão e fidelidade à família Barbalho.

Família presente: Helder Barbalho continua nomeando parentes




Por Diógenes Brandão

Mais uma parente do governador Helder Barbalho foi nomeada para um cargo de assessoria especial, cargo geralmente atribuído a quem não precisa comparecer ao local de trabalho. Coisas da gestão pública, que ainda temos que amargar no Brasil e sobretudo no Pará.

Na oposição, quando não era governador, Helder e seus veículos de comunicação, faziam maior auê, quando viam seus adversários políticos na prática do nepotismo, que hoje usam e abusam.

Em apenas 4 meses de governo, o blog AS FALAS DA PÓLIS já contabilizava a nomeação de sete (7) membros da família do governador.


Dessa vez, foi uma pessoa da família de sua mãe, a deputada federal Elcione Barbalho, que tem Zahluth no sobrenome. 

Como essa atitude, o governador do Pará demostra que não tá nem vendo sobre o que vão falar: O que vale é fazer o que lhe vem à cabeça. 

Se fosse com o dinheiro dele, tudo bem. Mas não, é com o seu, o meu e o nosso dinheiro, que nos ensinaram a chamar de público, mas acaba sendo usado para custear o luxo e a riqueza do poderosos de plantão. 

Paraense deixa seu recado a Bolsonaro sobre Serra Pelada

A Serra Pelada que Bolsonaro nunca conheceu.

Por Zé Carlos Lima (Zé Carlos do PV), após leitura da matéria do G1 notícias, intitulada Bolsonaro diz a garimpeiros que eles eram felizes com Figueiredo, último presidente da ditadura


Eu conheço Serra Pelada, o Senhor, Presidente não conhece. O Senhor nem sabe como o Sebastião de Moura se fez "dono" daquela região. 

Nos tempo dos militares aquilo era muito feio, mal-feito, violento e as conseqüências estão lá ate hoje.

A Governo Federal tem muitas dívidas com aquele povo e com o Pará. Primeiro quite o que nos deve. 

O Senhor não tem que mandar o Exercito pra lá. Mande o Ministério da Saúde cuidar dos doentes. Depois, determine a Caixa Econômica que calcule as indenizações que os garimpeiros ganharam na Justiça e nunca receberam, porque o Governo Federal recorre sempre.

Quanto ao futuro, depende da apuração do que aconteceu entre a Cooperativa e a Colossus. 

Sentir saudades do período militar, tenho certeza que só alguns oportunistas, que viveram da miséria alheia é que sentem.

Presidente Bolsanaro, consulte o Mandetta, que ele vai lhe dizer que lá tem índices altos de hansenianos, tuberculosos, soros positivos e muito mercúrio para ser retirado. 

Presidente Bolsonaro, sabe quem ganhou com Serra Pelada? O militares comandados por Curió, que receberam barrancos como prêmios pela suas participações na Guerrilha do Araguaia. O Governo federal que foi o comprador de todo o ouro que de lá foi retirado, com um saldo negativo de muitas vidas e muito impacto social e ambiental que até hoje estão por lá. 

Lembro, por fim, que personagens fantasmas de Serra Pelada ainda vagam pelo país, um deles é o estuprador e bolinador de mulheres, João de Deus.